O significado de um nome (Is 8:1-10)

Lições da Bíblia1

Imagine que você estivesse jogando bola com o segundo filho de Isaías. Quando terminasse de dizer “Maer-Salal-Hás-Baz, jogue a bola para mim”, seria tarde demais. Porém, o significado desse nome era ainda mais longo que o próprio nome: “Rápido-Despojo-Presa-Segura”.

5. O nome do menino tinha a ver com uma rápida conquista. Qual seria o reino conquistador e qual seria conquistado? (Is 8:4). Assinale a alternativa correta:

Isaías 8:4 (ARA)2: “Porque antes que o menino saiba dizer meu pai ou minha mãe, serão levadas as riquezas de Damasco e os despojos de Samaria, diante do rei da Assíria.

A.( ) Israel conquistaria a Assíria.

B.( ) A Assíria conquistaria Damasco e Samaria

Resposta sugestiva: Alternativa B.

Isaías 8:1-10 reforça a mensagem do capítulo 7. Antes que a criança alcançasse certa idade, a Assíria tomaria os despojos de guerra das capitais da Síria e do Israel do Norte. Além disso, visto que Judá havia recusado a mensagem divina de segurança, representada pelas águas que fluíam brandamente de Siloé em Jerusalém, Judá seria dominada pelo forte poder da Assíria, representado pela inundação do grande rio Eufrates.

Como Acaz tinha se voltado para a Assíria, os nomes dos filhos de Isaías se referiam a Judá, bem como ao Israel do Norte: “Rápido-Despojo-Presa-Segura”, mas “Um-Resto-Volverá”. Por que ainda havia esperança? Porque, embora a Assíria inundasse a terra de Emanuel (Is 8:8, NVI), Deus era com eles (Is 8:10). Vemos um tema que permeia o livro de Isaías: ainda que houvesse juízos sobre os inimigos de Deus em Judá e em outras nações, enviados na forma de desastres militares, sofrimento e exílio, o Senhor estaria com os fiéis sobreviventes do Seu povo e os restauraria à sua terra.

6. Por que Isaías declarou que registrou legalmente o nome de seu filho e que teve relações conjugais com sua esposa, “a profetisa”? Is 8:1-3

Isaías 8:1-3 (ARA)2: “1 Disse-me também o Senhor: Toma uma ardósia grande e escreve nela de maneira inteligível: Rápido-Despojo-Presa-Segura. 2 Tomei para isto comigo testemunhas fidedignas, a Urias, sacerdote, e a Zacarias, filho de Jeberequias. 3 Fui ter com a profetisa; ela concebeu e deu à luz um filho. Então, me disse o Senhor: Põe-lhe o nome de Rápido-Despojo-Presa-Segura.

A precisão temporal do nascimento desse filho era fundamental para o seu significado como sinal. Semelhantemente ao sinal do Emanuel, o período desde a concepção e o nascimento da criança até o momento em que a Assíria derrotaria Israel e a Síria seria menor do que o tempo que o garoto levaria para chamar o pai ou a mãe (Is 8:4). Quando Isaías registrou o nome do menino antes de sua concepção, fez da criança e do nome dela uma profecia que seria provada em eventos subsequentes.

Apesar dos erros de Seu povo, o Senhor estava disposto a salvá-lo. Essa realidade se aplica a nós, especialmente quando falhamos e caímos em nossa vida espiritual?

Terça-feira, 19 de janeiro de 2021. Saiba mais, faça um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Isaías: Consolo para o povo de Deus. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 503, jan. fev. mar. 2021. Adulto, Professor. 
2 BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Profecia cumprida (Is 7:14-16)

Lições da Bíblia1

Em Isaías 7:14-16, “Emanuel” era um sinal relacionado ao dilema de Acaz: antes que o menino tivesse idade para escolher entre os diferentes tipos de comida, seria “desamparada a terra ante cujos dois reis” Acaz tremia de medo (Is 7:16), isto é, os reis da Síria e de Israel do Norte (Is 7:1, 2, 4-9), o que reitera a promessa de que o poder deles seria extinto em breve.

1. Por que Isaías mencionou a manteiga e o mel que o menino comeria? Is 7:15

Isaías 7:15 (ARA)2: “Ele comerá manteiga e mel quando souber desprezar o mal e escolher o bem.”

Para mostrar os cuidados de Deus para com o povo, pois, embora a terra fosse devastada, eles teriam o necessário para o sustento.

As plantações e os campos de Judá seriam destruídos pelos assírios (Is 7:23-25). Portanto, o povo, incluindo o Emanuel do AT, quem quer que ele fosse (Is 7:14, 15), seria forçado a voltar à dieta dos nômades (Is 7:21, 22). Mas, embora fossem pobres, eles teriam o suficiente para sobreviver.

2. Quando foi cumprida a profecia sobre a Síria e o Israel do Norte? 2Rs 15:29, 30; 16:7-9; 1Cr 5:6, 26

2Rs 15:29, 30 (ARA)2: “29 Nos dias de Peca, rei de Israel, veio Tiglate-Pileser, rei da Assíria, e tomou a Ijom, a Abel-Bete-Maaca, a Janoa, a Quedes, a Hazor, a Gileade e à Galileia, a toda a terra de Naftali, e levou os seus habitantes para a Assíria. 30 Oseias, filho de Elá, conspirou contra Peca, filho de Remalias, e o feriu, e o matou, e reinou em seu lugar, no vigésimo ano de Jotão, filho de Uzias.”

2Rs 16:7-9 (ARA)2: “7 Acaz enviou mensageiros a Tiglate-Pileser, rei da Assíria, dizendo: Eu sou teu servo e teu filho; sobe e livra-me do poder do rei da Síria e do poder do rei de Israel, que se levantam contra mim. 8 Tomou Acaz a prata e o ouro que se acharam na Casa do Senhor e nos tesouros da casa do rei e mandou de presente ao rei da Assíria. 9 O rei da Assíria lhe deu ouvidos, subiu contra Damasco, tomou-a, levou o povo para Quir e matou a Rezim.”

1Cr 5:6, 26 (ARA)2: “6 de quem foi filho Beera, o qual Tiglate-Pileser, rei da Assíria, levou cativo; ele foi príncipe dos rubenitas. […] 26 Pelo que o Deus de Israel suscitou o espírito de Pul, rei da Assíria, e o espírito de Tiglate-Pileser, rei da Assíria, que os levou cativos, a saber: os rubenitas, os gaditas e a meia tribo de Manassés, e os trouxe para Hala, Habor e Hara e para o rio Gozã, onde permanecem até ao dia de hoje.”

Essa profecia foi dada por volta de 734 a.C. Em resposta ao suborno de Acaz, Tiglate-Pileser III fez o que provavelmente teria feito de toda maneira: destruiu a coalizão do norte, conquistou a Galileia e as regiões da Transjordânia de Israel do Norte, deportou parte da população e transformou os territórios em províncias da Assíria (734-733 a.C.). O restante do povo foi salvo quando Oseias, após assassinar o rei Peca, rendeu-se e prestou tributo. Em 733 e 732 a.C., Tiglate-Pileser III conquistou Damasco. Ele transformou a Síria em províncias assírias. Portanto, em 732 a.C., dois anos depois da profecia de Isaías, a Síria e Israel haviam sido finalmente derrotados, e tudo acabou para os dois reis que haviam ameaçado Acaz.

Logo depois que Salmaneser V substituiu Tiglate-Pileser III, em 727 a.C., Oseias, rei de Israel, cometeu suicídio político ao se rebelar contra a Assíria. Os assírios tomaram Samaria em 722 a.C. e deportaram milhares de israelitas para a Mesopotâmia e para a Média, onde foram absorvidos pelas populações locais e perderam sua identidade (Is 7:8: “dentro de sessenta e cinco anos Efraim […] deixará de ser povo”). Deus havia predito o que aconteceria com os inimigos de Judá, mas Seu argumento para Acaz era que isso aconteceria de toda maneira, sem que Acaz precisasse confiar na Assíria.

Se você vivesse no Reino do Norte, talvez fosse fácil perder a fé. Como manter a fé para que, em meio às calamidades, permaneçamos firmes?

Veja 1Pe 1:13-25 (ARA): “13 Por isso, cingindo o vosso entendimento, sede sóbrios e esperai inteiramente na graça que vos está sendo trazida na revelação de Jesus Cristo. 14 Como filhos da obediência, não vos amoldeis às paixões que tínheis anteriormente na vossa ignorância; 15 pelo contrário, segundo é santo aquele que vos chamou, tornai-vos santos também vós mesmos em todo o vosso procedimento, 16 porque escrito está: Sede santos, porque eu sou santo. 17 Ora, se invocais como Pai aquele que, sem acepção de pessoas, julga segundo as obras de cada um, portai-vos com temor durante o tempo da vossa peregrinação, 18 sabendo que não foi mediante coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados do vosso fútil procedimento que vossos pais vos legaram, 19 mas pelo precioso sangue, como de cordeiro sem defeito e sem mácula, o sangue de Cristo, 20 conhecido, com efeito, antes da fundação do mundo, porém manifestado no fim dos tempos, por amor de vós 21 que, por meio dele, tendes fé em Deus, o qual o ressuscitou dentre os mortos e lhe deu glória, de sorte que a vossa fé e esperança estejam em Deus. 22 Tendo purificado a vossa alma, pela vossa obediência à verdade, tendo em vista o amor fraternal não fingido, amai-vos, de coração, uns aos outros ardentemente, 23 pois fostes regenerados não de semente corruptível, mas de incorruptível, mediante a palavra de Deus, a qual vive e é permanente. 24 Pois toda carne é como a erva, e toda a sua glória, como a flor da erva; seca-se a erva, e cai a sua flor; 25 a palavra do Senhor, porém, permanece eternamente. Ora, esta é a palavra que vos foi evangelizada.”

Domingo, 17 de janeiro de 2021. Saiba mais, faça um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Isaías: Consolo para o povo de Deus. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 503, jan. fev. mar. 2021. Adulto, Professor. 
2 BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

A Bíblia e as profecias – Estudo adicional

Lições da Bíblia

Leia, de Clifford Goldstein, 1844: Uma explicação simples das principais profecias de Daniel (Casa Publicadora Brasileira) e encontre mais informações sobre a profecia dos 2.300 dias. Veja também http://1844madesimple.org. Estude o quadro abaixo:

Daniel 7Daniel 8
Babilônia (leão)——-
Média-Pérsia (urso)Média-Pérsia (carneiro)
Grécia (leopardo)Grécia (bode)
Roma pagã (quarto animal)Roma pagã (o chifre se move horizontalmente)
Roma papal (chifre pequeno)Roma papal (o chifre se move verticalmente)
Juízo no CéuPurificação do Santuário Celestial

“É crucial que a cena do juízo (Dn 7), que ocorre após 1.260 anos de perseguição (Dn 7:25), representa o mesmo que a purificação do santuário (Dn 8:14). E essa cena de juízo no Céu leva, em última análise, ao estabelecimento do reino de Deus. Por isso, temos uma evidência bíblica da importância que a Bíblia dá a Daniel 8:14 e ao evento que esse texto anuncia.”1

Perguntas para consideração

“1. O método historicista é revelado em Daniel 2: uma sequência ininterrupta de impérios começa na Antiguidade e termina com o reino de Deus. O Senhor nos deu a chave para interpretar as profecias. Poucos usam o método historicista. O que isso mostra sobre a condição do cristianismo? Por que esse fato confirma a relevância da mensagem adventista?”1

“2. Você entende as 2.300 tardes e manhãs? Se não, deseja estudá-la para compartilhar? Surpreenda-se com a solidez da nossa interpretação profética.”1

“3. Leia Daniel 7:18, 21, 22, 25, 27. O que o poder do chifre pequeno faz com os santos? O que o Senhor faz por eles? Quais são as boas-novas para os santos em relação ao juízo?”1

Sexta-feira, 12 de junho de 2020. Saiba mais, faça um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Com interpretar as Escrituras Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 500, abr. mai. jun. 2020. Adulto, Professor. 
2 BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

O historicismo e as profecias

Lições da Bíblia

“O método fundamental aplicado pelos Adventistas do Sétimo Dia para estudar as profecias chama-se historicismo. É a ideia de que muitas das principais profecias da Bíblia seguem um fluxo linear ininterrupto da História, do passado ao presente, e ao futuro. Esse método é semelhante à maneira pela qual a História é estudada nas escolas. Adotamos esse método porque a própria Bíblia interpreta as profecias dessa maneira.”1

“1. Leia Daniel 2:27-45. Quais aspectos do sonho indicam uma sucessão contínua e ininterrupta de poderes ao longo da História? De que maneira a própria Bíblia nos mostra como interpretar a profecia apocalíptica (relacionada ao tempo do fim)?”1

Daniel 2:27-45 (ARA)2: “27 Respondeu Daniel na presença do rei e disse: O mistério que o rei exige, nem encantadores, nem magos nem astrólogos o podem revelar ao rei; 28 mas há um Deus no céu, o qual revela os mistérios, pois fez saber ao rei Nabucodonosor o que há de ser nos últimos dias. O teu sonho e as visões da tua cabeça, quando estavas no teu leito, são estas: 29 Estando tu, ó rei, no teu leito, surgiram-te pensamentos a respeito do que há de ser depois disto. Aquele, pois, que revela mistérios te revelou o que há de ser. 30 E a mim me foi revelado este mistério, não porque haja em mim mais sabedoria do que em todos os viventes, mas para que a interpretação se fizesse saber ao rei, e para que entendesses as cogitações da tua mente. 31 Tu, ó rei, estavas vendo, e eis aqui uma grande estátua; esta, que era imensa e de extraordinário esplendor, estava em pé diante de ti; e a sua aparência era terrível. 32 A cabeça era de fino ouro, o peito e os braços, de prata, o ventre e os quadris, de bronze; 33 as pernas, de ferro, os pés, em parte, de ferro, em parte, de barro. 34 Quando estavas olhando, uma pedra foi cortada sem auxílio de mãos, feriu a estátua nos pés de ferro e de barro e os esmiuçou. 35 Então, foi juntamente esmiuçado o ferro, o barro, o bronze, a prata e o ouro, os quais se fizeram como a palha das eiras no estio, e o vento os levou, e deles não se viram mais vestígios. Mas a pedra que feriu a estátua se tornou em grande montanha, que encheu toda a terra. 36 Este é o sonho; e também a sua interpretação diremos ao rei. 37 Tu, ó rei, rei de reis, a quem o Deus do céu conferiu o reino, o poder, a força e a glória; 38 a cujas mãos foram entregues os filhos dos homens, onde quer que eles habitem, e os animais do campo e as aves do céu, para que dominasses sobre todos eles, tu és a cabeça de ouro. 39 Depois de ti, se levantará outro reino, inferior ao teu; e um terceiro reino, de bronze, o qual terá domínio sobre toda a terra. 40 O quarto reino será forte como ferro; pois o ferro a tudo quebra e esmiúça; como o ferro quebra todas as coisas, assim ele fará em pedaços e esmiuçará. 41 Quanto ao que viste dos pés e dos artelhos, em parte, de barro de oleiro e, em parte, de ferro, será esse um reino dividido; contudo, haverá nele alguma coisa da firmeza do ferro, pois que viste o ferro misturado com barro de lodo. 42 Como os artelhos dos pés eram, em parte, de ferro e, em parte, de barro, assim, por uma parte, o reino será forte e, por outra, será frágil. 43 Quanto ao que viste do ferro misturado com barro de lodo, misturar-se-ão mediante casamento, mas não se ligarão um ao outro, assim como o ferro não se mistura com o barro. 44 Mas, nos dias destes reis, o Deus do céu suscitará um reino que não será jamais destruído; este reino não passará a outro povo; esmiuçará e consumirá todos estes reinos, mas ele mesmo subsistirá para sempre, 45 como viste que do monte foi cortada uma pedra, sem auxílio de mãos, e ela esmiuçou o ferro, o bronze, o barro, a prata e o ouro. O Grande Deus fez saber ao rei o que há de ser futuramente. Certo é o sonho, e fiel, a sua interpretação.”

“Observe que o reino de Nabucodonosor é reconhecido como a cabeça de ouro. Portanto, Daniel identificou Babilônia como o primeiro reino (Dn 2:38). Em seguida, ele disse: “Depois de ti, se levantará outro reino, inferior ao teu; e um terceiro reino” (Dn 2:39) e depois um quarto (Dn 2:40). O fato de que esses reinos tinham uma sequência, um após o outro, sem quaisquer lacunas, também está implícito na própria estátua, pois cada reino é representado em partes de um corpo maior, movendo-se da cabeça aos dedos dos pés. Essas partes estavam conectadas, assim como o tempo e a História estão conectados.”1

“Em Daniel 7 e 8, em vez de uma estátua, são usados símbolos específicos de animais para ensinar sobre os mesmos acontecimentos. Vemos uma sequência ininterrupta de quatro reinos terrestres (três em Daniel 8). Eles começam na Antiguidade e atravessam a História até o presente e o futuro, quando Cristo retornará, e Deus estabelecerá Seu reino eterno.”1

“Portanto, a estátua de Daniel 2 e as sucessivas visões de Daniel 7 e 8 proveram o fundamento para a interpretação historicista protestante das profecias, que os Adventistas do Sétimo Dia ainda defendem.”1

“2. Leia João 14:29. Segundo as palavras de Jesus, como as profecias podem funcionar? Assinale a alternativa correta:”1

João 14:29 (ARA)2: “Disse-vos agora, antes que aconteça, para que, quando acontecer, vós creiais.”

A.(  ) Como sinais para confirmar nossa fé no Senhor.
B.(  ) Como indicações para calcularmos a data da volta de Cristo.

Resposta sugestiva: Alternativa A.

“Que enorme vantagem temos hoje, em relação a alguém que viveu no tempo de Babilônia, considerando que grande parte da história já se passou?”1

Domingo, 07 de junho de 2020. Saiba mais, faça um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Com interpretar as Escrituras Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 500, abr. mai. jun. 2020. Adulto, Professor. 
2 BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

A Bíblia e as profecias

Lições da Bíblia

“Ele me disse: Até duas mil e trezentas tardes e manhãs; e o santuário será purificado” (Dn 8:14)

“As profecias bíblicas são essenciais para nossa identidade e missão. Elas apresentam um mecanismo interno e externo para confirmar a exatidão da Palavra de Deus. Jesus disse: ‘Disse-vos agora, antes que aconteça, para que, quando acontecer, vós creiais’ (Jo 14:29; veja também Jo 13:19). A pergunta crucial é: como podemos interpretar as profecias corretamente a fim de saber quando elas realmente aconteceram?”1

“Durante a Reforma, os reformadores adotaram o método historicista. Esse método é o mesmo que Daniel e João usaram como chave para sua própria interpretação. O método historicista considera as profecias um cumprimento progressivo e contínuo da História, começando no passado e terminando com o reino eterno de Deus.”1

“Nesta semana estudaremos os pilares da interpretação profética historicista. ‘Devemos ver na História o cumprimento da profecia, estudar as operações da Providência nos grandes movimentos reformatórios, e entender o progresso dos acontecimentos ao ver as nações ­mobilizando-se para o combate final do grande conflito’ (Ellen G. White, Testemunhos Para a Igreja, v. 8, p. 307).”1

Um aperto de mão dado por um cristão pode transformar vidas. Experimente olhar para as pessoas como Cristo olhava!

Sábado, 06 de junho de 2020. Saiba mais, faça um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Com interpretar as Escrituras Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 500, abr. mai. jun. 2020. Adulto, Professor. 

A Bíblia como profecia

Lições da Bíblia

“A Bíblia é singular entre outras obras religiosas conhecidas porque até 30% de seu conteúdo é composto por profecias e literatura profética. A integração da profecia e seu cumprimento no tempo é fundamental para a cosmovisão bíblica, pois o Deus que atua na História também conhece o futuro e o revelou a Seus profetas (Am 3:7). A Bíblia não é apenas a Palavra viva, ou a Palavra histórica, ela é a Palavra profética.”1

“4. Leia os textos a seguir. Quais detalhes são revelados sobre a vinda do Messias?”1

Gn 49:8-12 (ARA)2: “8 Judá, teus irmãos te louvarão; a tua mão estará sobre a cerviz de teus inimigos; os filhos de teu pai se inclinarão a ti. 9 Judá é leãozinho; da presa subiste, filho meu. Encurva-se e deita-se como leão e como leoa; quem o despertará? 10 O cetro não se arredará de Judá, nem o bastão de entre seus pés, até que venha Siló; e a ele obedecerão os povos. 11 Ele amarrará o seu jumentinho à vide e o filho da sua jumenta, à videira mais excelente; lavará as suas vestes no vinho e a sua capa, em sangue de uvas. 12 Os seus olhos serão cintilantes de vinho, e os dentes, brancos de leite.”

Sl 22:12-18 (ARA)2: 12 Muitos touros me cercam, fortes touros de Basã me rodeiam. 13 Contra mim abrem a boca, como faz o leão que despedaça e ruge. 14 Derramei-me como água, e todos os meus ossos se desconjuntaram; meu coração fez-se como cera, derreteu-se dentro de mim. 15 Secou-se o meu vigor, como um caco de barro, e a língua se me apega ao céu da boca; assim, me deitas no pó da morte. 16 Cães me cercam; uma súcia de malfeitores me rodeia; traspassaram-me as mãos e os pés. 17 Posso contar todos os meus ossos; eles me estão olhando e encarando em mim. 18 Repartem entre si as minhas vestes e sobre a minha túnica deitam sortes.

Is 53:3-7 (ARA)2: “3 Era desprezado e o mais rejeitado entre os homens; homem de dores e que sabe o que é padecer; e, como um de quem os homens escondem o rosto, era desprezado, e dele não fizemos caso. Certamente, ele tomou sobre si as nossas enfermidades e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus e oprimido.Mas ele foi traspassado pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados. Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas; cada um se desviava pelo caminho, mas o Senhor fez cair sobre ele a iniquidade de nós todos.Ele foi oprimido e humilhado, mas não abriu a boca; como cordeiro foi levado ao matadouro; e, como ovelha muda perante os seus tosquiadores, ele não abriu a boca.

Dn 9:2-27 (ARA)2: 2 no primeiro ano do seu reinado, eu, Daniel, entendi, pelos livros, que o número de anos, de que falara o Senhor ao profeta Jeremias, que haviam de durar as assolações de Jerusalém, era de setenta anos. 3 Voltei o rosto ao Senhor Deus, para o buscar com oração e súplicas, com jejum, pano de saco e cinza. 4 Orei ao Senhor, meu Deus, confessei e disse: ah! Senhor! Deus grande e temível, que guardas a aliança e a misericórdia para com os que te amam e guardam os teus mandamentos; 5 temos pecado e cometido iniquidades, procedemos perversamente e fomos rebeldes, apartando-nos dos teus mandamentos e dos teus juízos; 6 e não demos ouvidos aos teus servos, os profetas, que em teu nome falaram aos nossos reis, nossos príncipes e nossos pais, como também a todo o povo da terra. 7 A ti, ó Senhor, pertence a justiça, mas a nós, o corar de vergonha, como hoje se vê; aos homens de Judá, os moradores de Jerusalém, todo o Israel, quer os de perto, quer os de longe, em todas as terras por onde os tens lançado, por causa das suas transgressões que cometeram contra ti. 8 Ó Senhor, a nós pertence o corar de vergonha, aos nossos reis, aos nossos príncipes e aos nossos pais, porque temos pecado contra ti. 9 Ao Senhor, nosso Deus, pertence a misericórdia e o perdão, pois nos temos rebelado contra ele 10 e não obedecemos à voz do Senhor, nosso Deus, para andarmos nas suas leis, que nos deu por intermédio de seus servos, os profetas. 11 Sim, todo o Israel transgrediu a tua lei, desviando-se, para não obedecer à tua voz; por isso, a maldição e as imprecações que estão escritas na Lei de Moisés, servo de Deus, se derramaram sobre nós, porque temos pecado contra ti. 12 Ele confirmou a sua palavra, que falou contra nós e contra os nossos juízes que nos julgavam, e fez vir sobre nós grande mal, porquanto nunca, debaixo de todo o céu, aconteceu o que se deu em Jerusalém. 13 Como está escrito na Lei de Moisés, todo este mal nos sobreveio; apesar disso, não temos implorado o favor do Senhor, nosso Deus, para nos convertermos das nossas iniquidades e nos aplicarmos à tua verdade. 14 Por isso, o Senhor cuidou em trazer sobre nós o mal e o fez vir sobre nós; pois justo é o Senhor, nosso Deus, em todas as suas obras que faz, pois não obedecemos à sua voz. 15 Na verdade, ó Senhor, nosso Deus, que tiraste o teu povo da terra do Egito com mão poderosa, e a ti mesmo adquiriste renome, como hoje se vê, temos pecado e procedido perversamente. 16 Ó Senhor, segundo todas as tuas justiças, aparte-se a tua ira e o teu furor da tua cidade de Jerusalém, do teu santo monte, porquanto, por causa dos nossos pecados e por causa das iniquidades de nossos pais, se tornaram Jerusalém e o teu povo opróbrio para todos os que estão em redor de nós. 17 Agora, pois, ó Deus nosso, ouve a oração do teu servo e as suas súplicas e sobre o teu santuário assolado faze resplandecer o rosto, por amor do Senhor. 18 Inclina, ó Deus meu, os ouvidos e ouve; abre os olhos e olha para a nossa desolação e para a cidade que é chamada pelo teu nome, porque não lançamos as nossas súplicas perante a tua face fiados em nossas justiças, mas em tuas muitas misericórdias. 19 Ó Senhor, ouve; ó Senhor, perdoa; ó Senhor, atende-nos e age; não te retardes, por amor de ti mesmo, ó Deus meu; porque a tua cidade e o teu povo são chamados pelo teu nome. 20 Falava eu ainda, e orava, e confessava o meu pecado e o pecado do meu povo de Israel, e lançava a minha súplica perante a face do Senhor, meu Deus, pelo monte santo do meu Deus. 21 Falava eu, digo, falava ainda na oração, quando o homem Gabriel, que eu tinha observado na minha visão ao princípio, veio rapidamente, voando, e me tocou à hora do sacrifício da tarde. 22 Ele queria instruir-me, falou comigo e disse: Daniel, agora, saí para fazer-te entender o sentido. 23 No princípio das tuas súplicas, saiu a ordem, e eu vim, para to declarar, porque és mui amado; considera, pois, a coisa e entende a visão. 24 Setenta semanas estão determinadas sobre o teu povo e sobre a tua santa cidade, para fazer cessar a transgressão, para dar fim aos pecados, para expiar a iniquidade, para trazer a justiça eterna, para selar a visão e a profecia e para ungir o Santo dos Santos. 25 Sabe e entende: desde a saída da ordem para restaurar e para edificar Jerusalém, até ao Ungido, ao Príncipe, sete semanas e sessenta e duas semanas; as praças e as circunvalações se reedificarão, mas em tempos angustiosos. 26 Depois das sessenta e duas semanas, será morto o Ungido e já não estará; e o povo de um príncipe que há de vir destruirá a cidade e o santuário, e o seu fim será num dilúvio, e até ao fim haverá guerra; desolações são determinadas. 27 Ele fará firme aliança com muitos, por uma semana; na metade da semana, fará cessar o sacrifício e a oferta de manjares; sobre a asa das abominações virá o assolador, até que a destruição, que está determinada, se derrame sobre ele.

Mq 5:2 (ARA)2: “E tu, Belém-Efrata, pequena demais para figurar como grupo de milhares de Judá, de ti me sairá o que há de reinar em Israel, e cujas origens são desde os tempos antigos, desde os dias da eternidade.

Ml 3:1 (ARA)2: “Eis que eu envio o meu mensageiro, que preparará o caminho diante de mim; de repente, virá ao seu templo o Senhor, a quem vós buscais, o Anjo da Aliança, a quem vós desejais; eis que ele vem, diz o Senhor dos Exércitos.

Zc 9:9 (ARA)2: “Alegra-te muito, ó filha de Sião; exulta, ó filha de Jerusalém: eis aí te vem o teu Rei, justo e salvador, humilde, montado em jumento, num jumentinho, cria de jumenta.

“Há pelo menos 65 predições messiânicas diretas no Antigo Testamento. Além dessas, há muitas outras se acrescentarmos a tipologia (o estudo de como os rituais do Antigo Testamento, tais como os sacrifícios, eram pequenas profecias sobre Jesus). Essas profecias se referem a detalhes específicos. Por exemplo: ‘O cetro não se arredará de Judá’ (Gn 49:10); Jesus nasceria em Belém, em Judá (Mq 5:2); Ele seria ‘desprezado e o mais rejeitado entre os homens’; espancado, falsamente acusado, mas não abriria a boca para Se defender (Is 53:3-7); Suas mãos e pés seriam perfurados; Suas vestes seriam divididas (Sl 22:12-18).”1

“O fato de que essas profecias do Antigo Testamento foram cumpridas com tanta precisão na vida, morte e ressurreição de Cristo comprova a inspiração e revelação divinas da Palavra. Também indica que Jesus era quem Ele dizia ser e quem os outros diziam que Ele era. O Salvador seguiu os profetas antigos ao predizer Sua morte e ressurreição (Lc 9:21,22; Mt 17:22,23), a queda de Jerusalém (Mt 24:1,2) e Sua segunda vinda (Jo 14:1-3). Portanto, a encarnação, a morte e a ressurreição [de Jesus] foram preditas pela Bíblia, e o cumprimento delas garante sua confiabilidade.”1

“Quais são as razões para nossa crença em Jesus e em Sua morte por nós? Comente com a classe e faça a pergunta: por que as evidências são tão convincentes?”1

Ao Senhor pertence tudo o que temos e somos. Nossa fidelidade é um reconhecimento disso.

Terça-feira, 31 de março de 2020. Saiba mais, faça um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Com interpretar as Escrituras Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 500, abr. mai. jun. 2020. Adulto, Professor. 
2 BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Profecias sobre a Pérsia e a Grécia

Lições da Bíblia

“1. Leia Daniel 11:1-4. Qual é a semelhança desses versos com algumas profecias anteriores apresentadas em Daniel?”1

Daniel 11:1-4 (ARA)2: “1 Mas eu, no primeiro ano de Dario, o medo, me levantei para o fortalecer e animar. 2 Agora, eu te declararei a verdade: eis que ainda três reis se levantarão na Pérsia, e o quarto será cumulado de grandes riquezas mais do que todos; e, tornado forte por suas riquezas, empregará tudo contra o reino da Grécia.Depois, se levantará um rei poderoso, que reinará com grande domínio e fará o que lhe aprouver.Mas, no auge, o seu reino será quebrado e repartido para os quatro ventos do céu; mas não para a sua posteridade, nem tampouco segundo o poder com que reinou, porque o seu reino será arrancado e passará a outros fora de seus descendentes.”1

“Gabriel disse a Daniel que três reis ainda se levantariam da Pérsia. Eles seriam seguidos pelo quarto rei, que seria o mais rico de todos e provocaria os gregos. Depois de Ciro, três sucessivos reis exerceram domínio sobre a Pérsia: Cambises II (530-522 a.C.), o falso Esmérdis (522 a.C.) e Dario I (522-486 a.C.). O quarto rei é Xerxes, mencionado no livro de Ester como Assuero. Ele era muito rico (Et 1:1-7) e comandou um vasto exército para invadir a Grécia, como previsto na profecia. Mas, apesar de seu poder, ele foi repelido por uma força menor de valentes soldados gregos.”1

“Não é difícil reconhecer Alexandre, o Grande, como o poderoso rei que surge em Daniel 11:3 e que se torna o governante absoluto do mundo antigo. Aos 32 anos, ele morreu sem deixar um herdeiro para governar o império. Por isso, o reino foi dividido entre seus quatro generais: Seleuco ficou com a Síria e a Mesopotâmia; Ptolomeu, com o Egito; Lisímaco, com a Trácia e partes da Ásia Menor; e Cassandro, com a Macedônia e a Grécia.”1

“2. Compare Daniel 11:2-4 com Daniel 8:3-8,20-22. Como esses textos juntos ajudam-nos a identificar Alexandre como o poder representado nessas passagens?”1

Daniel 11:2-4 (ARA)2: “2 Agora, eu te declararei a verdade: eis que ainda três reis se levantarão na Pérsia, e o quarto será cumulado de grandes riquezas mais do que todos; e, tornado forte por suas riquezas, empregará tudo contra o reino da Grécia. 3 Depois, se levantará um rei poderoso, que reinará com grande domínio e fará o que lhe aprouver.Mas, no auge, o seu reino será quebrado e repartido para os quatro ventos do céu; mas não para a sua posteridade, nem tampouco segundo o poder com que reinou, porque o seu reino será arrancado e passará a outros fora de seus descendentes.1

Daniel 8:3-8, 20-22 (ARA)2: “3 Então, levantei os olhos e vi, e eis que, diante do rio, estava um carneiro, o qual tinha dois chifres, e os dois chifres eram altos, mas um, mais alto do que o outro; e o mais alto subiu por último. 4 Vi que o carneiro dava marradas para o ocidente, e para o norte, e para o sul; e nenhum dos animais lhe podia resistir, nem havia quem pudesse livrar-se do seu poder; ele, porém, fazia segundo a sua vontade e, assim, se engrandecia. 5 Estando eu observando, eis que um bode vinha do ocidente sobre toda a terra, mas sem tocar no chão; este bode tinha um chifre notável entre os olhos;dirigiu-se ao carneiro que tinha os dois chifres, o qual eu tinha visto diante do rio; e correu contra ele com todo o seu furioso poder.Vi-o chegar perto do carneiro, e, enfurecido contra ele, o feriu e lhe quebrou os dois chifres, pois não havia força no carneiro para lhe resistir; e o bode o lançou por terra e o pisou aos pés, e não houve quem pudesse livrar o carneiro do poder dele.O bode se engrandeceu sobremaneira; e, na sua força, quebrou-se-lhe o grande chifre, e em seu lugar saíram quatro chifres notáveis, para os quatro ventos do céu. […] 20 Aquele carneiro com dois chifres, que viste, são os reis da Média e da Pérsia; 21 mas o bode peludo é o rei da Grécia; o chifre grande entre os olhos é o primeiro rei; 22 o ter sido quebrado, levantando-se quatro em lugar dele, significa que quatro reinos se levantarão deste povo, mas não com força igual à que ele tinha.”

“O que podemos aprender com essa variedade de nomes, datas, lugares e eventos históricos? Primeiramente, aprendemos que a profecia foi cumprida como previsto pelo mensageiro divino. A Palavra de Deus nunca falha. Em segundo lugar, Deus é o Senhor da História. Podemos ter a impressão de que a sucessão de poderes políticos, líderes e reinos é impulsionada pela ambição de imperadores, ditadores e políticos de todos os tipos. No entanto, a Bíblia revela que Deus está no controle supremo e moverá a roda da História de acordo com Seu propósito divino, o que, em última análise, levará à erradicação do mal e ao estabelecimento do reino eterno de Deus.”1

Precisamos da presença diária de Cristo em nossa vida para que Ele nos liberte do egoísmo.

Domingo, 15 de março de 2020. Saiba mais, faça um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Daniel. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 499, jan. fev. mar. 2020. Adulto, Professor. 
2 BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Da confissão à consolação – Estudo adicional

Lições da Bíblia

“O quadro abaixo revela como a profecia das 70 semanas de Daniel 9:24-27 se liga com a profecia dos 2.300 anos de Daniel 8:14 e constitui seu ponto de partida. Se contarmos 2.300 anos a partir de 457 a.C. (lembrando de apagar o ano zero inexistente), obtemos 1844; ou, se contarmos os 1810 anos restantes de 34 d.C. (2.300 menos os primeiros 490 anos), também chegaremos a 1844. Portanto, fica demonstrado que a purificação do santuário, mencionada em Daniel 8:14, começou em 1844.”1

“Note igualmente como a data de 1844 se encaixa com o que vimos em Daniel 7 e Daniel 8. Isto é, o juízo em Daniel 7, que é igual à purificação do santuário em Daniel 8 (veja as lições das últimas duas semanas), ocorre após os 1.260 anos de perseguição (Dn 7:25) e, todavia, antes da segunda vinda de Jesus e do estabelecimento de Seu reino eterno.”1

Neste gráfico, considere os principais pontos da profecia dos 2.300 anos:

Perguntas para discussão

“1. Os estudiosos têm dito, e com razão, que a profecia das 70 semanas faz parte da profecia dos 2.300 dias. Até certo ponto, as duas são realmente apenas uma profecia. Por que eles dizem isso? Quais evidências respaldam essa afirmação?”1

“2. Como a oração de Daniel nos ajuda em nossa vida de oração intercessória?”1

“3. O sacrifício de Cristo em nosso favor é a nossa esperança. Como isso deve nos manter humildes e, ainda mais importante, tornar-nos amorosos e perdoadores em relação aos outros? O que Lucas 7:40-47 nos ensina?”1

“4. As Escrituras foram centrais à oração de Daniel e à sua esperança. Afinal, a nação havia sido barbaramente derrotada, devastada e exilada. Todavia, ele acreditava que o povo voltaria para o lar. Onde ele poderia ter obtido essa esperança a não ser na Bíblia e nas suas promessas? O que isso revela sobre a esperança que também podemos ter nas promessas da Palavra?”1

Sexta-feira, 06 de março de 2020. Saiba mais, faça um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Daniel. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 499, jan. fev. mar. 2020. Adulto, Professor. 
2 BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.