Amar a misericórdia – Estudo adicional

Lições da Bíblia

Textos de Ellen G. White: A Ciência do Bom Viver, p. 503-516 (“Uma Experiência Mais Alta”); Testemunhos Para a Igreja, v. 3, p. 511-526 (“Dever Para com os Desafortunados”) e (“O Dever do Homem Para com seus Semelhantes”); Testemunhos Para a Igreja, v. 2, p. 24-37 (“Trabalhando por Cristo”).1

“Examinai o Céu e a Terra, e não existe aí, revelada, uma verdade mais poderosa do que aquela que se manifesta em obras de misericórdia aos que necessitam de nossa compaixão e auxílio. Esta é a verdade como se encontra em Jesus. Quando os que professam o nome de Cristo praticarem os princípios da regra áurea, o evangelho será secundado pelo mesmo poder que o acompanhava na era apostólica” (Ellen G. White, O Maior Discurso de Cristo, p. 137).1

“Supremo amor por Deus e desinteressado amor mútuo: eis o melhor dom que nosso Pai celestial pode conceder. Esse amor não é um impulso, mas um princípio divino, um poder permanente. O coração não consagrado não o pode criar nem produzir. Ele é achado somente no coração em que Jesus reina. […] Esse amor, acariciado no coração, ameniza a vida e derrama influência enobrecedora ao redor” (Ellen G. White, Atos dos Apóstolos, p. 551).1

Perguntas para discussão

“1. Vimos que o evangelho continua a ser o modelo e a motivação para agir em favor dos outros, como Jesus agiu em nosso favor. Isso expandiu sua compreensão e apreciação das boas-novas do que Deus fez por nós e da maneira como Ele mostra Seu amor por nós?”1

“2. Levantar a voz pelos que não têm voz, engajar-nos em atividades de pacificação e outras semelhantes pode nos atrair para esferas públicas e políticas. No entanto, nossa Igreja tem sido defensora da separação entre Igreja e Estado. Qual é a diferença entre o envolvimento político inadequado e a defesa e o trabalho público pela paz?”1

“3. Qual ação discutida no estudo desta semana você gostaria de praticar em sua vida e comunidade? Como você pode fazer isso acontecer?”1

“4. Contra que tipo de opressão em sua comunidade você decidiu orar?”1

Resumo:

“Seguir a Jesus muda nossa vida em muitos aspectos e traz o desejo de defendermos interesses dos pobres e oprimidos. Sendo uma tarefa difícil e impopular, ela muda nossas prioridades e nos motiva a aliviar a dor dos que nos rodeiam.”1

Sexta-feira, 20 de setembro de 2019. Saiba mais, faça um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. “Meus pequeninos irmãos”: servindo aos necessitados. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 496, jul. ago. set. 2019. Adulto, Professor. 

Amar a misericórdia

Ao justo “nasce luz nas trevas; ele é piedoso, misericordioso e justo. O homem bom se compadece, e empresta; disporá as suas coisas com juízo” (Sl 112: 4, 5, ACF).1

“Como vimos, a Bíblia é repleta de descrições veementes do interesse de Deus pelos pobres e oprimidos, bem como de apelos para que Seu povo trabalhe em favor deles. Apesar da atenção dada a essas questões, essa ordem bíblica tem sido cumprida apenas de maneira esporádica e parcial, e será concluída somente com a vinda de Cristo e com os eventos sobrenaturais que se seguirão.”1

“Até então, o mal persistirá em muitas formas, sendo alimentado pelas influências espirituais obscuras do diabo e seus anjos. Muitas vezes, esse mal se torna mais visível na pobreza, violência, opressão, escravidão, exploração, egoísmo e ganância. Neste mundo, nossas comunidades, igrejas e famílias precisam lutar contra esses males, não importa quanto seja difícil fazê-lo. Em resposta ao amor e aos mandamentos de Deus, vivendo à luz do ministério e do sacrifício de Jesus, e sendo capacitados e guiados pela presença do Espírito Santo, devemos ser compassivos, criativos e corajosos ao buscarmos praticar a justiça, amar a misericórdia e andar humildemente com nosso Deus (Mq 6:8).”1

Sábado, 14 de setembro de 2019. Saiba mais, faça um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. “Meus pequeninos irmãos”: servindo aos necessitados. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 496, jul. ago. set. 2019.

Misericórdia e fidelidade

Lições da Bíblia

“Quando Jesus foi confrontado por alguns líderes religiosos de Sua época, que O criticaram por comer com ‘pecadores’, Ele citou o profeta Oseias, ordenando que eles voltassem a seus livros e descobrissem o que Deus realmente quis dizer quando declarou: ‘Misericórdia quero e não holocaustos’ (Mt 9:13, citando Os 6:6).”1

“Como veremos, Jesus teve uma vida de cuidado e serviço. Seu relacionamento com os outros, Seus milagres de cura e muitas de Suas parábolas demonstraram e enfatizaram que viver dessa maneira é a melhor forma de expressar verdadeira devoção a Deus. Os líderes religiosos foram Seus maiores críticos, mas também foram o alvo de Suas críticas mais severas. Como os religiosos da época de Isaías, eles acreditavam que asseguravam seu relacionamento especial com Deus por causa de suas práticas religiosas, enquanto estavam explorando os pobres e ignorando os necessitados. Sua adoração estava em desacordo com suas ações, e Jesus não foi discreto em condenar essa hipocrisia.”1

“5. Leia Marcos 12:38-40. O comentário de Jesus de que eles devoravam ‘as casas das viúvas’ parece não ‘caber’ nessa lista ou era essa ideia que Jesus estava tentando defender? Por que essas pessoas sofreriam ‘juízo muito mais severo’?”

Marcos (12:38-40 ARA)2: “38 E, ao ensinar, dizia ele: Guardai-vos dos escribas, que gostam de andar com vestes talares e das saudações nas praças; 39 e das primeiras cadeiras nas sinagogas e dos primeiros lugares nos banquetes; 40 os quais devoram as casas das viúvas e, para o justificar, fazem longas orações; estes sofrerão juízo muito mais severo.”

“Talvez o sermão mais assustador de Jesus, especialmente para os religiosos, seja aquele que se encontra em Mateus 23. Cristo não apenas descreveu a religião deles como algo que não ajudava os desfavorecidos, mas considerou essa forma de culto um acréscimo aos fardos desses religiosos. Por suas ações ou, às vezes, pela omissão e falta de cuidado, Jesus disse que eles fechavam ‘o reino dos Céus diante dos homens’ (Mt 23:13).”1

“Mas, ao ecoar os profetas dos séculos anteriores, Jesus também tratou diretamente da discrepância entre as sérias práticas desses religiosos e as injustiças que eles toleravam e das quais tiravam proveito. ‘Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque dais o dízimo da hortelã, do endro e do cominho e tendes negligenciado os preceitos mais importantes da Lei: a justiça, a misericórdia e a fé; devíeis, porém, fazer estas coisas, sem omitir aquelas!’ (Mt 23:23). Jesus logo acrescentou que as práticas e observâncias religiosas não são erradas em si mesmas, mas não devem tomar o lugar do tratamento justo para com as outras pessoas.”1

“Como podemos evitar a armadilha de pensar que o conhecimento da verdade seja suficiente?”1

Quinta-feira, 08 de agosto de 2019. Saiba mais, faça um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. “Meus pequeninos irmãos”: servindo aos necessitados. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 496, jul. ago. set. 2019. Adulto, Professor. 
2 BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Misericórdia e justiça em Salmos e Provérbios – Estudo adicional

Lições da Bíblia

Texto de Ellen G. White: Patriarcas e Profetas, p. 746-755 (“Os Últimos Anos de Davi”). Consulte a obra Lendo os Salmos, p. 17-26 (“O ‘Juízo’ no Livro de Salmos”), de C. S. Lewis.

“‘Os salmos de Davi passam por uma série completa de experiências, desde as profundezas da culpabilidade consciente e condenação própria até a fé mais sublime e a mais exaltada comunhão com Deus. O registro de sua vida declara que o pecado pode apenas trazer ignomínia e desgraças, mas mostra que o amor e a misericórdia de Deus podem alcançar as maiores profundidades, e que a fé erguerá a pessoa arrependida para que participe da adoção de filhos de Deus. De todas as declarações que Sua Palavra contém, isto é um dos mais fortes testemunhos da fidelidade, da justiça e da misericórdia de Deus em Sua aliança’ (Ellen G. White, Patriarcas e Profetas, p. 754).”1

“Pense na sabedoria no livro de Provérbios: ‘Tais são princípios que dizem respeito ao bem-estar da sociedade e das associações tanto seculares como religiosas. São estes princípios que dão segurança à propriedade e à vida. Tudo que contribui para que a confiança e a cooperação sejam possíveis, o mundo deve à lei de Deus, conforme se acha em Sua Palavra e ainda se encontra delineada, em traços muitas vezes obscuros e quase obliterados, no coração dos homens’ (Ellen G. White, Educação, p. 137).”1

Perguntas para discussão

“1. Em quais aspectos você se considera um líder e alguém numa posição de influência? Como você pode ser um agente de justiça nesses aspectos?”1

“2. Pense na cultura e nas estruturas sociais em que você vive. O que está ao seu alcance fazer pelos necessitados?”1

“3. Como os princípios de justiça e equidade fortalecem a sociedade?”1

“4. Embora o livro de Provérbios se concentre na sabedoria para se ter uma vida feliz e próspera, o que ele revela sobre Deus?”1

Resumo:
“Salmos e Provérbios enfatizam os desafios de viver fielmente em meio às experiências e provações. Eles apresentam a visão de Deus para sociedade e Sua preocupação para com os pobres e oprimidos. Ele protege os que são, muitas vezes, ignorados ou explorados. E se Deus age assim, nós devemos agir assim também.”1

Sexta-feira, 26 de julho de 2019. Saiba mais, faça um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. “Meus pequeninos irmãos”: servindo aos necessitados. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 496, jul. ago. set. 2019. Adulto, Professor. 

Provérbios: misericórdia para com os necessitados

Lições da Bíblia

“Como uma coleção de ditados de sabedoria, o livro de Provérbios trata de uma diversificada série de assuntos e experiências da vida. Entre eles estão reflexões sobre a pobreza, riqueza, contentamento, justiça e injustiça – e, às vezes, sob diferentes ângulos. A vida nem sempre é simples e fácil, e Provérbios nos alerta para as diferentes circunstâncias e escolhas que influenciam a maneira de viver, mesmo entre os que são fiéis a Deus.”1

“5. Leia e compare Provérbios 10:4; 13:23, 25; 14:31; 15:15, 16; 19:15, 17; 30:7-9. De acordo com esses textos, o que é relevante em relação às questões de riqueza, pobreza e ajuda aos necessitados?”1

Provérbios (10:4; 13:23, 25; 14:31; 15:15, 16; 19:15, 17; 30:7-9 ARA)2: “10:4 O que trabalha com mão remissa empobrece,      mas a mão dos diligentes vem a enriquecer-se. 13:23 A terra virgem dos pobres dá mantimento em abundância, mas a falta de justiça o dissipa. […] 25 O justo tem o bastante para satisfazer o seu apetite, mas o estômago dos perversos passa fome. 14:31 O que oprime ao pobre insulta aquele que o criou, 15:15 Todos os dias do aflito são maus, mas a alegria do coração é banquete contínuo. 16 Melhor é o pouco, havendo o temor do SENHOR, do que grande tesouro onde há inquietação. 19:15 A preguiça faz cair em profundo sono, e o ocioso vem a padecer fome. […] 17 Quem se compadece do pobre ao SENHOR empresta, e este lhe paga o seu benefício. 30:7-9 Duas coisas te peço; não mas negues, antes que eu morra: 8 afasta de mim a falsidade e a mentira; não me dês nem a pobreza nem a riqueza; dá-me o pão que me for necessário;para não suceder que, estando eu farto, te negue e diga: Quem é o SENHOR? Ou que, empobrecido, venha a furtar e profane o nome de Deus.

“Provérbios enfatiza a preocupação e atenção que Deus tem para com os pobres e vulneráveis. Às vezes, as pessoas são pobres devido às circunstâncias, más escolhas ou exploração, mas sejam quais forem as causas de sua situação, o Senhor ainda é descrito como seu Criador (Pv 22:2) e Defensor (Pv 22:22, 23). Não devemos oprimir nem nos aproveitar dessas pessoas, quaisquer que sejam seus erros.”1

“Embora Provérbios apresente uma vida melhor por meio da escolha da sabedoria e da obediência a Deus, as riquezas nem sempre são resultado da bênção do Senhor. A fidelidade a Deus é sempre vista como mais importante e, em última análise, mais recompensadora do que o ganho material: ‘Melhor é o pouco, havendo justiça, do que grandes rendimentos com injustiça’ (Pv 16:8).”1

“Outra questão em Provérbios é a honestidade e o tratamento justo nos negócios, no governo e na administração da justiça (veja Pv 14:5, 25 [‘5 A testemunha verdadeira não mente, mas a falsa se desboca em mentiras. 25 A testemunha verdadeira livra almas, mas o que se desboca em mentiras é enganador.’]; 16:11-13 [‘11 Peso e balança justos pertencem ao SENHOR; obra sua são todos os pesos da bolsa. 12 A prática da impiedade é abominável para os reis, porque com justiça se estabelece o trono. 13 Os lábios justos são o contentamento do rei, e ele ama o que fala coisas retas.’]; 17:15 [‘15 O que justifica o perverso e o que condena o justo abomináveis são para o SENHOR, tanto um como o outro.’]; 20:23 [‘23 Dois pesos são coisa abominável ao SENHOR, e balança enganosa não é boa.’]; 21:28 [‘28 A testemunha falsa perecerá, mas a auricular falará sem ser contestada.]; 28:14-16 [’14 Feliz o homem constante no temor de Deus; mas o que endurece o coração cairá no mal. 15 Como leão que ruge e urso que ataca, assim é o perverso que domina sobre um povo pobre. 16 O príncipe falto de inteligência multiplica as opressões, mas o que aborrece a avareza viverá muitos anos.’]). A mensagem de Provérbios não se concentra apenas na vida dos indivíduos, mas também apresenta uma visão de como a sociedade deve funcionar para o benefício de todos, especialmente para aqueles que precisam de proteção. Somos lembrados novamente de que, em seu melhor desempenho, aqueles que governam e lideram o fazem com a ajuda de Deus (veja Pv 8:15, 16 [‘15 Por meu intermédio, reinam os reis, e os príncipes decretam justiça. 16 Por meu intermédio, governam os príncipes, os nobres e todos os juízes da terra.’]) e devem agir como agentes de Sua graça, tendo compaixão dos necessitados.”1

“É fácil sentir pena de quem está em má situação. Como, porém, podemos transformar esse sentimento em ação?”1

Quinta-feira, 25 de julho de 2019. Saiba mais, faça um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. “Meus pequeninos irmãos”: servindo aos necessitados. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 496, jul. ago. set. 2019. Adulto, Professor. 
2 BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

O Deus que ouve

Lições da Bíblia

“Certamente, vi a aflição do Meu povo, que está no Egito, e ouvi o seu clamor por causa dos seus exatores. Conheço-lhe o sofrimento” (Êx 3:7).1

“Quatrocentos anos de espera é muito tempo, especialmente em condições de escravidão cada vez mais cruel. Deus havia prometido que voltaria ao Seu povo e o tiraria do Egito. Porém, a cada geração o povo era abandonado à edificação da riqueza e do prestígio de seus opressores idólatras, e durante todo esse tempo parecia que Deus estava em silêncio.”1

“Então, Deus Se manifestou de maneira singular. Ele apareceu em uma sarça ardente, no deserto distante, a um líder improvável, um príncipe fugitivo e humilde pastor chamado Moisés. A esse homem relutante Ele deu uma obra a fazer, e a primeira parte dessa obra consistia em retornar aos israelitas no Egito com a mensagem de que Deus havia ouvido e visto a opressão deles e de que, evidentemente, o Senhor Se importava. Na verdade, Deus estava prestes a fazer algo para mudar drasticamente a situação do Seu povo.”1

“1. Leia Êxodo 3:16, 17. Por que era importante que Deus começasse descrevendo Seu plano ao povo com essa mensagem específica? O que chama sua atenção sobre essa declaração divina?”1

Êxodo (3:16, 17 ARA)2:

“16 Vai, ajunta os anciãos de Israel e dize-lhes: O SENHOR, o Deus de vossos pais, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó, me apareceu, dizendo: Em verdade vos tenho visitado e visto o que vos tem sido feito no Egito. 17 Portanto, disse eu: Far-vos-ei subir da aflição do Egito para a terra do cananeu, do heteu, do amorreu, do ferezeu, do heveu e do jebuseu, para uma terra que mana leite e mel.”

“O Senhor tinha um plano para libertar Seu povo e conduzi-lo a uma terra melhor. Mas Sua intenção ia além disso. Ele não pretendia que Israel escapasse do Egito desprovido de recursos. Por centenas de anos, os israelitas contribuíram para a riqueza do Império Egípcio. Deus previu a resistência inicial de faraó, mas assegurou a Moisés que os israelitas seriam compensados por seus anos de trabalho árduo: ‘Eu darei mercê a este povo aos olhos dos egípcios; e, quando sairdes, não será de mãos vazias’ (Êx 3:21).”1

“Após muitos anos de opressão, Deus aproveitou a oportunidade para estabelecer um novo tipo de sociedade com esses ex-escravos. O Senhor desejava que eles vivessem de uma maneira diferente e estabelecessem um povo que continuasse sendo sustentável e viável. Seu plano previa que essa nova comunidade fosse um modelo para as nações vizinhas e, como foi planejado para Abraão, que as bênçãos que eles recebessem de Deus também abençoassem o mundo todo.”1

“Deus vê o sofrimento das pessoas no mundo e ouve seus pedidos de ajuda. O que isso revela sobre Ele? Considere Êxodo 4:31.”1

Êxodo (4:31 ARA)2:

“E o povo creu; e, tendo ouvido que o SENHOR havia visitado os filhos de Israel e lhes vira a aflição, inclinaram-se e o adoraram.”

Domingo, 07 de julho de 2019. Saiba mais, faça um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. “Mesus pequeninos irmãos”: servindo aos necessitados. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 496, jul. ago. set. 2019. Adulto, Professor. 
2 BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: parte 2 – Estudo adicional

Lições da Bíblia

Assista em vídeo a discussão do tema da semana.

 

Estudo adicional

“Leia Jeremias 22:1-16;Ezequiel 16:49; Zacarias 7:9, 10. Leia os comentários de Ellen G. White no Comentário Bíblico Adventista, v. 4, p. 1165, 1166; Testemunhos para a Igreja, v. 6, p. 227, 228.”1

“Leia Miqueias 6:8 [‘Ele te declarou, ó homem, o que é bom e que é o que o SENHOR pede de ti: que pratiques a justiça, e ames a misericórdia, e andes humildemente com o teu Deus.]2. Como o Senhor poderia ser mais claro quanto ao que Ele pede de Seu povo? O termo ‘bom’ é a mesma palavra usada vez após vez em Gênesis 1 para se referir à criação antes da queda. Assim, implicitamente somos lembrados do ideal que Deus tinha originalmente para nós e que Ele, no fim, irá restaurar após a volta de Jesus. A expressão traduzida como ‘exige de ti’ ou ‘pede de ti’ também poderia ser traduzida (e, talvez, de maneira mais precisa) como ‘busca de ti’. O que Deus ‘busca de’ nós? A resposta é mostrada na maneira pela qual devemos nos relacionar com os outros e com Deus. Em primeiro lugar, devemos agir com justiça. Isso é muito apropriado tendo em conta o assunto da lição deste trimestre, que examina como podemos ajudar as vítimas da injustiça. Em segundo lugar, devemos amar a misericórdia. O mundo é muito cruel. Seríamos poderosas testemunhas se amássemos a misericórdia e mostrássemos esse amor, revelando em nossa vida a misericórdia para com os outros! Em terceiro lugar, devemos andar humildemente para com Deus. Se o Senhor, em Miqueias 6:4, lembrou-lhes de sua libertação do Egito como razão para que fossem humildes e fiéis diante dEle, quanto mais isso deveria se aplicar a nós, que fomos redimidos pelo sangue de Jesus? A realidade da cruz e do custo da nossa redenção sempre devem nos manter humildes diante do nosso Deus.”1

Perguntas para reflexão

“1. Em Amós 5:21-24, o que é mais importante do que os rituais religiosos?”1

“2. Como atender às necessidades materiais das pessoas sem negligenciar suas necessidades espirituais?”1

Quinta-feira, 21 de julho de 2016. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio  da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.
__________________
1 LIÇÕES da escola sabatina. O papel da igreja na comunidade. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 485, Jul. Ago. Set. 2016. Adulto, Professor.

2 BIBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.