O sinal da aliança – Estudo adicional

Lições da Bíblia1

Textos de Ellen G. White: Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, v. 7, p. 1.096; Testemunhos Para a Igreja, v. 6, p. 349-351 (“A observância do sábado”); Patriarcas e Profetas, p. 295-297 (“Do Mar Vermelho ao Sinai”).

Os Dez Mandamentos definem de maneira abrangente e fundamental as relações entre Deus e o ser humano e também entre o ser humano e seus semelhantes. No decálogo, o mandamento do sábado é central. Ele identifica o Senhor do sábado de modo especial e indica Sua esfera de autoridade e propriedade. Observe estes dois aspectos: (1) a identidade da Divindade: Yahweh (SENHOR), que é o Criador (Êx 20:11; 31:17) e que, portanto, ocupa lugar singular; (2) a esfera de Sua propriedade e autoridade – “os céus e a Terra, o mar e tudo o que neles há” (Êx 20:11; compare com Êx 31:17). Nesses dois aspectos, o mandamento do sábado tem as características típicas dos selos de documentos de tratados internacionais do antigo Oriente Próximo. Esses selos geralmente estão no centro de documentos de tratados e contêm (1) a identidade da divindade (geralmente um deus pagão) e (2) a esfera de propriedade e autoridade (geralmente uma área geográfica limitada).

“A santificação do Espírito assinala a diferença entre os que têm o selo de Deus e os que guardam um dia de repouso espúrio. Quando vier a prova, será mostrado claramente o que é a marca da besta. Ela é a observância do domingo […]. Deus designou o sétimo dia como seu dia de repouso [citado Êx 31:13, 17, 16]. Assim é traçada a distinção entre os leais e os desleais. Aqueles que desejam ter o selo de Deus em sua fronte devem guardar o sábado do quarto mandamento” (Ellen G. White, Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, v. 7, p. 1.096).

Perguntas para consideração

1. Levítico 19:30 relaciona o santuário e o sábado. Considerando o que aprendemos sobre o sábado como sinal, por que essa relação tem sentido?

2. A guarda do sábado tem ajudado sua vida? Você precisa fazer mudanças?

Resumo: O sábado é o sinal da aliança que vai até a consumação do plano da salvação; aponta para a criação passada, e, como sinal da aliança da graça, para a restauração final, quando Deus renovará todas as coisas.

Sexta-feira, 28 de maio de 2021. Saiba mais, faça gratuitamente um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. A promessa: a aliança eterna de Deus. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 504, abr. maio. jun. 2021. Adulto, Professor. 

Lembrando do sábado

Lições da Bíblia1

“Lembre-se do dia de sábado, para o santificar” (Êx 20:8).

O sábado foi e é um sinal para que o homem se lembrasse. O uso da palavra “lembrar” pode servir para várias funções. Em primeiro lugar, lembrar-se de algo envolve olhar para trás, pensar no passado. Nesse caso, o sábado nos indica a criação feita por Deus, que culminou com a instituição do sábado como dia semanal de descanso e comunhão especial com o Senhor.

A ordem para que nos lembremos também tem implicações para o presente. Não devemos apenas nos “lembrar” do sábado (Êx 20:8); devemos “observá-lo” e “guardá-lo” (veja Dt 5:12). Portanto, o sábado tem implicações importantes para nós hoje.

Por fim, a lembrança do sábado também nos indica o futuro. A pessoa que se lembra de guardar o sábado tem um futuro promissor, rico e significativo com o Senhor do sábado. Essa pessoa permanece na relação de aliança, pois permanece no Criador. Novamente, quando entendemos que a aliança é um relacionamento entre Deus e a humanidade, o sábado, que fortalece esse relacionamento, ganha destaque específico.

De fato, ao lembrar-se da criação e de seu Criador, o povo de Deus também se lembra dos graciosos atos de salvação de Deus (veja Dt 5:14 [“Mas o sétimo dia é o sábado do Senhor, teu Deus; não farás nenhum trabalho, nem tu, nem o teu filho, nem a tua filha, nem o teu servo, nem a tua serva, nem o teu boi, nem o teu jumento, nem animal algum teu, nem o estrangeiro das tuas portas para dentro, para que o teu servo e a tua serva descansem como tu;”], em que o sábado é visto, nesse contexto, como sinal de libertação do Egito, um símbolo da salvação suprema encontrada em Deus). A criação e a recriação estão interligadas. A primeira torna possível a última. O sábado é um sinal que comunica que Deus é o Criador do mundo e o Criador da nossa salvação.

“Santificando Seu santo sábado, devemos mostrar que somos Seu povo. Sua Palavra declara que o sábado é um sinal distintivo do povo que observa os mandamentos […]. Os que observam a lei de Deus serão um com Ele no grande conflito iniciado no Céu entre Satanás e Deus” (Ellen G. White, Mensagens Escolhidas, v. 2, p. 160).

6. Observe novamente essa declaração de Ellen G. White. Por que o sábado nos distingue como o “povo que observa os mandamentos” mais do que, talvez, qualquer um dos outros mandamentos?

Não é fácil guardar o sábado. Muitos têm tropeçado nesse mandamento. No entanto, ele distingue o verdadeiro povo de Deus.

Quinta-feira, 27 de maio de 2021. Saiba mais, faça gratuitamente um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. A promessa: a aliança eterna de Deus. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 504, abr. maio. jun. 2021. Adulto, Professor. 
2 BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Sinal de santificação

Lições da Bíblia1

“Certamente vocês guardarão os Meus sábados, pois é sinal entre Mim e vocês de geração em geração, para que vocês saibam que Eu sou o Senhor, que os santifica” (Êx 31:13).

Êxodo 31:12-17 é um texto excepcionalmente rico a respeito do sábado, e vem logo após as orientações do Senhor para a construção do santuário e o estabelecimento de seus rituais (Êx 25:1–31:11).

O conceito do sábado como um “sinal” visível, exterior e eterno entre Deus e Seu povo é expresso dessa maneira pela primeira vez. O texto contém alguns conceitos impressionantes que merecem nosso estudo. Duas novas ideias são reunidas nesse texto:

1. O sábado como sinal de conhecimento;

2. O sábado como sinal de santificação;

Considere o aspecto do sinal relacionado ao conhecimento. A compreensão hebraica de conhecimento inclui aspectos intelectuais, relacionais e emocionais. “Conhecer” não significava simplesmente saber um fato, especialmente quando uma pessoa estivesse envolvida. “Conhecer” também significava ter um relacionamento significativo com a pessoa conhecida. Assim, conhecer o Senhor significava estar no relacionamento certo com Ele – servi-Lo (1Cr 28:9), temê-Lo (Is 11:2), crer Nele (Is 43:10), confiar Nele, buscá-Lo (Sl 9:10) e invocar Seu nome (Jr 10:25).

5. Consulte cada um dos textos do parágrafo acima. De que maneira eles nos ajudam a entender o que significa “conhecer” o Senhor?

Servi-Lo – 1Cr 28:9 (ARA)2: “Tu, meu filho Salomão, conhece o Deus de teu pai e serve-o de coração íntegro e alma voluntária; porque o Senhor esquadrinha todos os corações e penetra todos os desígnios do pensamento. Se o buscares, ele deixará achar-se por ti; se o deixares, ele te rejeitará para sempre.”

Temê-Lo – Is 11:2 (ARA)2: “Repousará sobre ele o Espírito do Senhor, o Espírito de sabedoria e de entendimento, o Espírito de conselho e de fortaleza, o Espírito de conhecimento e de temor do Senhor.”

Crer Nele – Is 43:10 (ARA)2: “Vós sois as minhas testemunhas, diz o Senhor, o meu servo a quem escolhi; para que o saibais, e me creiais, e entendais que sou eu mesmo, e que antes de mim deus nenhum se formou, e depois de mim nenhum haverá.

Confiar Nele, buscá-Lo – Sl 9:10 (ARA)2: “Em ti, pois, confiam os que conhecem o teu nome, porque tu, Senhor, não desamparas os que te buscam.”

Invocar Seu nome – Jr 10:25 (ARA)2: “Derrama a tua indignação sobre as nações que não te conhecem e sobre os povos que não invocam o teu nome; porque devoraram a Jacó, devoraram-no, consumiram-no e assolaram a sua morada.”

O sábado também é um sinal de santificação. Significa que o Senhor “santifica” Seu povo (compare com Lv 20:8 [“Guardai os meus estatutos e cumpri-os. Eu sou o Senhor, que vos santifico.”]; Dt 7:6 [“6 Porque tu és povo santo ao Senhor, teu Deus; o Senhor, teu Deus, te escolheu, para que lhe fosses o seu povo próprio, de todos os povos que há sobre a terra.”]).

O processo de santificação é obra do amor redentivo de Deus e revela salvação e redenção. Tanto a justiça (justificação) quanto a santificação são obras Dele: “Eu sou o Senhor, que os santifico” (Lv 20:8). Portanto, o sábado é um sinal que dá conhecimento de Deus como Santificador. “Dado ao mundo como sinal do Criador, o sábado é também o sinal de Deus como nosso Santificador” (Ellen G. White, Testemunhos Para a Igreja, v. 6, p. 350).

Qual é a função da guarda do sábado no processo de santificação? Como o Senhor usa nossa experiência de guardar o sábado para nos santificar?

Quarta-feira, 26 de maio de 2021. Saiba mais, faça gratuitamente um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. A promessa: a aliança eterna de Deus. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 504, abr. maio. jun. 2021. Adulto, Professor. 
2 BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

O sábado antes do Sinai

Lições da Bíblia1

“Ele respondeu: – Isto é o que disse o Senhor: ‘Amanhã é repouso, o santo sábado dedicado ao Senhor. O que vocês quiserem assar no forno, assem, e o que quiserem cozinhar em água, cozinhem; e tudo o que sobrar separem, guardando para a manhã seguinte’” (Êx 16:23).

Examine Êxodo 16, a história do maná concedido a Israel no deserto, antes do Sinai. Observe o que esse relato revela:

1. Apenas uma porção regular de maná podia ser usada a cada dia, mas no sexto dia uma porção dobrada devia ser colhida.

2. O maná não era dado no sábado.

3. A porção extra necessária para o sábado era guardada sem estragar do sexto para o sétimo dia, enquanto o maná não se conservava nos outros dias.

3. O que essa história revela sobre a santidade do sábado antes da promulgação da lei no Sinai? Êxodo 16:23-28

Êxodo 16:23-28 (ARA)2: “23 Respondeu-lhes ele: Isto é o que disse o Senhor: Amanhã é repouso, o santo sábado do Senhor; o que quiserdes cozer no forno, cozei-o, e o que quiserdes cozer em água, cozei-o em água; e tudo o que sobrar separai, guardando para a manhã seguinte. 24 E guardaram-no até pela manhã seguinte, como Moisés ordenara; e não cheirou mal, nem deu bichos. 25 Então, disse Moisés: Comei-o hoje, porquanto o sábado é do Senhor; hoje, não o achareis no campo. 26 Seis dias o colhereis, mas o sétimo dia é o sábado; nele, não haverá. 27 Ao sétimo dia, saíram alguns do povo para o colher, porém não o acharam. 28 Então, disse o Senhor a Moisés: Até quando recusareis guardar os meus mandamentos e as minhas leis?”

“Na verdade, o fato de que o sábado era considerado o sétimo dia, a declaração de que o Senhor havia dado o sábado aos israelitas, e o registro de que o povo, por ordem de Deus, havia descansado no sétimo dia – tudo apontava inequivocamente para a instituição original do sábado [na criação]” (G. F. Waterman, The Zondervan Pictorial Encyclopedia of the Bible, v. 5, p. 184).

Há muito mais sobre o sábado em Êxodo 16 do que se vê à primeira vista. Esse trecho nos ensina:

1. Qual é o dia de preparação para o sábado.

2. Qual dia da semana é o sábado.

3. De onde veio o sábado.

4. Que tipo de dia deveria ser o sábado.

5. Seria o sábado um dia de jejum?

6. O sábado como prova de lealdade a Deus.

Como sua compreensão do sábado se compara com o ensino de Êxodo 16?

Segunda-feira, 24 de maio de 2021. Saiba mais, faça gratuitamente um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. A promessa: a aliança eterna de Deus. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 504, abr. maio. jun. 2021. Adulto, Professor. 
2 BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

O sinal da aliança

Lições da Bíblia1

“Os filhos de Israel guardarão o sábado, celebrando-o por aliança perpétua de geração em geração” (Êx 31:16).

O sábado é como um prego martelado que, com regularidade constante, nos faz voltar cada semana ao fundamento de tudo o que somos ou podemos ser. Estamos sempre tão ocupados, correndo atrás de nossos afazeres, ganhando e gastando dinheiro, correndo para lá e para cá, indo a todos os lugares. Mas então chega o sábado, que nos conduz novamente ao nosso fundamento, o ponto de partida de tudo, pois o que tem significado para nós existe unicamente porque Deus o criou e a nós também.

Com incessante regularidade e sem exceções, o sábado surge silenciosamente no horizonte e em cada fresta e fissura da nossa vida. Ele nos lembra de que tudo pertence ao Criador, Aquele que nos colocou aqui, o Deus que “no princípio” criou os Céus e a Terra, um ato que continua sendo o fundamento de toda a fé cristã e do qual o sábado é o sinal irrefutável e insubstituível.

Nesta semana, examinaremos esse sinal no contexto da aliança do Sinai.

Resumo da semana: Qual é a origem do sábado? Quais evidências provam que o sábado existia antes do Sinai? O que torna o sábado um sinal da aliança tão apropriado?

Sábado, 22 de maio de 2021. Saiba mais, faça gratuitamente um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. A promessa: a aliança eterna de Deus. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 504, abr. maio. jun. 2021. Adulto, Professor. 

Sábado: experimentando e vivendo o caráter de Deus – Estudo adicional

Lições da Bíblia

Texto de Ellen G. White: O Desejado de Todas as Nações, p. 281-289 (“­Cristo e o quarto mandamento”).

“Nenhuma outra instituição dada aos judeus tendia a distingui-los tão completamente das nações vizinhas como o sábado. Era intenção do Senhor que sua observância os designasse como Seus adoradores. Seria um sinal da separação da idolatria e ligação com o verdadeiro Deus. Mas, a fim de santificar o sábado, as pessoas precisam ser elas mesmas santas. Devem, pela fé, tornar-se participantes da justiça de Cristo. Quando foi dado a Israel o mandamento: ‘Lembra-te do dia de sábado, para o santificar’ (Êx 20:8), o Senhor disse também: ‘Vocês serão Meu povo santo’ (Êx 22:31, NVI). Só assim o sábado poderia distinguir os israelitas como adoradores de Deus” (Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, p. 283).1

“Portanto, o sábado é um sinal do poder de Cristo para nos fazer santos […]. Como sinal de Seu poder santificador, o sábado é dado a todos quantos, por meio de Cristo, se tornam parte do Israel de Deus” (ibid., p. 288, 289).1

Perguntas para consideração

“1. Muitas vezes, os adventistas do sétimo dia passam tempo considerando o que não é lícito fazer aos sábados. Desenvolva um conjunto de perguntas que mantenham os observadores do sábado concentrados nos ideais discutidos nesta lição e que enfatizam o sábado como uma experiência educativa. Por exemplo: ‘Quais atividades realizadas no sábado me permitem aprender mais sobre o caráter de Deus?’.”1

“2. Considere as citações de Ellen G. White mencionadas. Elas sugerem que não é somente a formalidade de guardar o sábado que distingue os guardadores do sábado na comunidade. Como se parecem os ‘participantes da justiça de Cristo’ e que foram feitos ‘santos’? O que isso tem a ver com o sábado?”1

“3. De que maneira você pode enriquecer sua experiência no sábado? O que você gostaria de aprender por meio da observância do sábado nos próximos 12 meses?”1

Sexta-feira, 18 de dezembro de 2020. Saiba mais, faça um Curso Bíblico

Leia o livro A Única Esperança,
baixe o seu exemplar gratuitamente

A Única Esperança
ENCONTRE O REAL SENTIDO DA VIDA
Este livro apresenta histórias de pessoas que um dia, em meio a circunstâncias contraditórias, acharam esperança.

A esperança é a mola propulsora da vida. Ajuda a ver o sol apesar das nuvens densas. Ensina a crer em outro dia mesmo que tudo pareça acabado. A esperança do cristão não é apenas o desejo humano de que as coisas melhorem no futuro. É a convicção de que a vitória chegou, apesar da aparente derrota. A Bíblia é a fonte da esperança. Ela contém aproximadamente dez mil promessas capazes de revolucionar a vida de quem nelas acredita.

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Educação e redenção. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 502, out. nov. dez. 2020. Adulto, Professor. 

Tempo para a comunidade

Lições da Bíblia

“Jesus deu o exemplo para Seus discípulos em relação à prática de frequentar semanalmente a sinagoga. Após Sua ressurreição, eles continuaram esse padrão, assim como outros seguidores de Jesus. A sinagoga se tornou um dos principais locais para os apóstolos levantarem questões relacionadas à ressurreição, e o sábado proporcionava uma oportunidade essencial para a comunidade se reunir e aprender. Afinal, Jesus era o Messias hebreu, profetizado no Antigo Testamento, sobre quem liam na sinagoga todos os sábados. Não havia melhor lugar para os cristãos promoverem ­Jesus do que na sinagoga, especialmente quando testemunhavam a judeus e a outros que também temiam a Deus (At 13:16, 26).”1

“5. Leia os textos a seguir. Como os seguidores de Jesus testemunharam em locais públicos? Pense nos lugares em que eles discursaram, com quem estavam falando, o que foi dito e quais foram os resultados. At 13:14-45; 16:13, 14; 17:1-5; 18:4”1

Atos 13:14-45 (ARA)2: 14 Mas eles, atravessando de Perge para a Antioquia da Pisídia, indo num sábado à sinagoga, assentaram-se. 15 Depois da leitura da lei e dos profetas, os chefes da sinagoga mandaram dizer-lhes: Irmãos, se tendes alguma palavra de exortação para o povo, dizei-a. 16 Paulo, levantando-se e fazendo com a mão sinal de silêncio, disse: Varões israelitas e vós outros que também temeis a Deus, ouvi. 17 O Deus deste povo de Israel escolheu nossos pais e exaltou o povoa durante sua peregrinação na terra do Egito, donde os tirou com braço poderoso; 18 e suportou-lhes os maus costumes por cerca de quarenta anos no deserto; 19 e, havendo destruído sete nações na terra de Canaã, deu-lhes essa terra por herança, 20 vencidos cerca de quatrocentos e cinquenta anos. Depois disto, lhes deu juízes, até o profeta Samuel. 21 Então, eles pediram um rei, e Deus lhes deparou Saul, filho de Quis, da tribo de Benjamim, e isto pelo espaço de quarenta anos. 22 E, tendo tirado a este, levantou-lhes o rei Davi, do qual também, dando testemunho, disse: Achei Davi, filho de Jessé, homem segundo o meu coração, que fará toda a minha vontade. 23 Da descendência deste, conforme a promessa, trouxe Deus a Israel o Salvador, que é Jesus, 24 havendo João, primeiro, pregado a todo o povo de Israel, antes da manifestação dele, batismo de arrependimento. 25 Mas, ao completar João a sua carreira, dizia: Não sou quem supondes; mas após mim vem aquele de cujos pés não sou digno de desatar as sandálias. 26 Irmãos, descendência de Abraão e vós outros os que temeis a Deus, a nós nos foi enviada a palavra desta salvação. 27 Pois os que habitavam em Jerusalém e as suas autoridades, não conhecendo Jesus nem os ensinos dos profetas que se leem todos os sábados, quando o condenaram, cumpriram as profecias; 28 e, embora não achassem nenhuma causa de morte, pediram a Pilatos que ele fosse morto. 29 Depois de cumprirem tudo o que a respeito dele estava escrito, tirando-o do madeiro, puseram-no em um túmulo. 30 Mas Deus o ressuscitou dentre os mortos; 31 e foi visto muitos dias pelos que, com ele, subiram da Galileia para Jerusalém, os quais são agora as suas testemunhas perante o povo. 32 Nós vos anunciamos o evangelho da promessa feita a nossos pais, 33 como Deus a cumpriu plenamente a nós, seus filhos, ressuscitando a Jesus, como também está escrito no Salmo segundo: Tu és meu Filho, eu, hoje, te gerei. 34 E, que Deus o ressuscitou dentre os mortos para que jamais voltasse à corrupção, desta maneira o disse: E cumprirei a vosso favor as santas e fiéis promessas feitas a Davis. 35 Por isso, também diz em outro Salmo: Não permitirás que o teu Santo veja corrupção. 36 Porque, na verdade, tendo Davi servido à sua própria geração, conforme o desígnio de Deus, adormeceu, foi para junto de seus pais e viu corrupção. 37 Porém aquele a quem Deus ressuscitou não viu corrupção. 38 Tomai, pois, irmãos, conhecimento de que se vos anuncia remissão de pecados por intermédio deste; 39 e, por meio dele, todo o que crê é justificado de todas as coisas das quais vós não pudestes ser justificados pela lei de Moisés. 40 Notai, pois, que não vos sobrevenha o que está dito nos profetas: 41 Vede, ó desprezadores, maravilhai-vos e desvanecei, porque eu realizo, em vossos dias, obra tal que não crereis se alguém vo-la contar. 42 Ao saírem eles, rogaram-lhes que, no sábado seguinte, lhes falassem estas mesmas palavras. 43 Despedida a sinagoga, muitos dos judeus e dos prosélitos piedosos seguiram Paulo e Barnabé, e estes, falando-lhes, os persuadiam a perseverar na graça de Deus. 44 No sábado seguinte, afluiu quase toda a cidade para ouvir a palavra de Deus. 45 Mas os judeus, vendo as multidões, tomaram-se de inveja e, blasfemando, contradiziam o que Paulo falava.”

Atos16:13, 14 (ARA)2: “13 No sábado, saímos da cidade para junto do rio, onde nos pareceu haver um lugar de oração; e, assentando-nos, falamos às mulheres que para ali tinham concorrido. 14 Certa mulher, chamada Lídia, da cidade de Tiatira, vendedora de púrpura, temente a Deus, nos escutava; o Senhor lhe abriu o coração para atender às coisas que Paulo dizia.

Atos 17:1-5 (ARA)2: “1 Tendo passado por Anfípolis e Apolônia, chegaram a Tessalônica, onde havia uma sinagoga de judeus. 2 Paulo, segundo o seu costume, foi procurá-los e, por três sábados, arrazoou com eles acerca das Escrituras, 3 expondo e demonstrando ter sido necessário que o Cristo padecesse e ressurgisse dentre os mortos; e este, dizia ele, é o Cristo, Jesus, que eu vos anuncio. 4 Alguns deles foram persuadidos e unidos a Paulo e Silas, bem como numerosa multidão de gregos piedosos e muitas distintas mulheres. 5 Os judeus, porém, movidos de inveja, trazendo consigo alguns homens maus dentre a malandragem, ajuntando a turba, alvoroçaram a cidade e, assaltando a casa de Jasom, procuravam trazê-los para o meio do povo.”

Atos 18:4 (ARA)2: “E todos os sábados discorria na sinagoga, persuadindo tanto judeus como gregos.

“O testemunho dos apóstolos era pessoal e bíblico. Paulo discorreu sobre a história de Israel, começando pelos ‘nossos pais’ (At 13:17) no Egito, e acompanhou a história deles desde seu estabelecimento na terra prometida até os juízes, chegando ao período dos reis, até o rei Davi, a partir do qual ele fez uma adequada transição para Jesus.”1

“Paulo e os outros também mostraram como sua experiência e entendimento pessoal faziam sentido no contexto das Escrituras. Eles apresentaram informações, argumentaram e discutiram. A associação do testemunho pessoal com as Escrituras por meio da pregação, do ensino e da discussão foi muito poderosa. Como mostram as passagens da Bíblia, alguns líderes religiosos tiveram inveja da autoridade dos apóstolos e do poder resultante que eles tinham sobre o povo, tanto sobre os judeus quanto sobre os gentios.”1

“A Igreja Adventista do Sétimo Dia também tem uma poderosa história de incentivo aos testemunhos e exposição das Escrituras por meio da pregação e do ensino. A associação da Escola Sabatina com o culto divino (pregação) e outras reuniões de sábado (cultos jovens, por exemplo) proporcionam uma forte base educacional formal para a adoração adventista do sétimo dia. Embora isso precise ser complementado com outras experiências de aprendizado, é essencial para a experiência educacional do sábado.”1

Quinta-feira, 17 de dezembro de 2020. Saiba mais, faça um Curso Bíblico

Leia o livro A Única Esperança,
baixe o seu exemplar gratuitamente

A Única Esperança
ENCONTRE O REAL SENTIDO DA VIDA
Este livro apresenta histórias de pessoas que um dia, em meio a circunstâncias contraditórias, acharam esperança.

A esperança é a mola propulsora da vida. Ajuda a ver o sol apesar das nuvens densas. Ensina a crer em outro dia mesmo que tudo pareça acabado. A esperança do cristão não é apenas o desejo humano de que as coisas melhorem no futuro. É a convicção de que a vitória chegou, apesar da aparente derrota. A Bíblia é a fonte da esperança. Ela contém aproximadamente dez mil promessas capazes de revolucionar a vida de quem nelas acredita.

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Educação e redenção. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 502, out. nov. dez. 2020. Adulto, Professor. 
2 BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Tempo para encontrar o equilíbrio

Lições da Bíblia

“Jesus respeitou e confirmou a Lei de Deus (Mt 5:17, 18). No entanto, Ele também Se opôs à liderança religiosa em relação à interpretação da Lei. Nenhuma de Suas atitudes foi mais ameaçadora para as autoridades da época do que as escolhas que Ele fez acerca da guarda do sábado. As sinagogas não deixavam de fazer do sábado uma oportunidade de educação – a Torá era lida e interpretada sem falta. Os escribas e fariseus conheciam a letra da Lei. No entanto, acerca do dia de sábado, Jesus foi muito além na educação de Seus seguidores.”1

“4. Leia Mateus 12:1-13 e Lucas 13:10-17. O que Jesus ensinou às pessoas de Seu tempo, e a nós hoje, com esses eventos? Assinale a alternativa correta:”1

Mateus 12:1-13 (ARA)2:  1 Por aquele tempo, em dia de sábado, passou Jesus pelas searas. Ora, estando os seus discípulos com fome, entraram a colher espigasa e a comer. 2 Os fariseus, porém, vendo isso, disseram-lhe: Eis que os teus discípulos fazem o que não é lícito fazer em dia de sábado. 3 Mas Jesus lhes disse: Não lestes o que fez Davi quando ele e seus companheiros tiveram fome? 4 Como entrou na Casa de Deus, e comeram os pães da proposição, os quais não lhes era lícitoc comer, nem a ele nem aos que com ele estavam, mas exclusivamente aos sacerdotes? 5 Ou não lestes na Lei que, aos sábados, os sacerdotes no templo violam o sábado e ficam sem culpa? Pois eu vos digo: 6 aqui está quem é maior que o templo. 7 Mas, se vós soubésseis o que significa: não teríeis condenado inocentes. 8 Porque o Filho do Homem é senhor do sábado. 9 Tendo Jesus partido dali, entrou na sinagoga deles. 10 Achava-se ali um homem que tinha uma das mãos ressequida; e eles, então, com o intuito de acusá-lo, perguntaram a Jesus: É lícito curar no sábado? 11 Ao que lhes respondeu: Qual dentre vós será o homem que, tendo uma ovelha, e, num sábado, esta cair numa cova, não fará todo o esforço, tirando-a dali? 12 Ora, quanto mais vale um homem que uma ovelha? Logo, é lícito, nos sábados, fazer o bem. 13 Então, disse ao homem: Estende a mão. Estendeu-a, e ela ficou sã como a outra. 14 Retirando-se, porém, os fariseus, conspiravam contra ele, sobre como lhe tirariam a vida.”

Lucas 13:10-17 (ARA)2: “10 Ora, ensinava Jesus no sábado numa das sinagogas. 11 E veio ali uma mulher possessa de um espírito de enfermidade, havia já dezoito anos; andava ela encurvada, sem de modo algum poder endireitar-se. 12 Vendo-a Jesus, chamou-a e disse-lhe: Mulher, estás livre da tua enfermidade; 13 e, impondo-lhe as mãos, ela imediatamente se endireitou e dava glória a Deus. 14 O chefe da sinagoga, indignado de ver que Jesus curava no sábado, disse à multidão: Seis dias há em que se deve trabalhara; vinde, pois, nesses dias para serdes curados e não no sábado. 15 Disse-lhe, porém, o Senhor: Hipócritas, cada um de vós não desprende da manjedoura, no sábado, o seu boi ou o seu jumento, para levá-lo a beber? 16 Por que motivo não se devia livrar deste cativeiro, em dia de sábado, esta filha de Abraão, a quem Satanás trazia presa há dezoito anos? 17 Tendo ele dito estas palavras, todos os seus adversários se envergonharam. Entretanto, o povo se alegrava por todos os gloriosos feitos que Jesus realizava.”

A. ( ) Ele ensinou que o sábado e a Lei estavam abolidos.
B. ( ) Devemos fazer o bem no sábado, pois ele foi feito por nossa causa.

Resposta sugestiva: Alternativa B.

“As controvérsias acerca da cura realizada por Jesus no sábado levam a importantes debates espirituais sobre a natureza do pecado, a razão para o sábado, o relacionamento entre Jesus e o Pai e a natureza da autoridade do Salvador.”1

“A atitude de Cristo em relação ao sábado está bem resumida no verso para memorizar desta semana: Ele disse: ‘O sábado foi estabelecido por causa do homem, e não o homem por causa do sábado’ (Mc 2:27, 28). Ele queria enfatizar que o sábado não deveria ser um fardo, mas foi ‘estabelecido’ (criado) como uma oportunidade singular para que as pessoas aprendessem sobre o caráter do Deus que fez o sábado e aprendessem experimentalmente, valorizando Sua criação.”1

“Ao levantar questões por meio de Suas ações, Jesus impulsionou Seus discípulos, os líderes judeus e as multidões a refletir mais profundamente sobre as Escrituras e sobre o significado de sua fé e de seu Deus. É muito fácil ficarmos envolvidos com regras e regulamentos que não são propriamente ruins, mas que se tornam um fim em si mesmos, em vez de meios para um fim – e esse fim deve ser um conhecimento do caráter do Deus a quem servimos. E isso, então, leva à nossa fiel obediência a Ele, fundamentada em nossa confiança nos méritos da justiça de Cristo por nós.”1

“Como você guarda o sábado? Será que você o transformou simplesmente em um dia de ‘não faça isso nem aquilo’, em vez de fazer dele um tempo para realmente descansar no Senhor e conhecê-Lo melhor? Como aproveitar mais o sábado de acordo com a vontade de Deus?”1

Quarta-feira, 16 de dezembro de 2020. Saiba mais, faça um Curso Bíblico

Leia o livro A Única Esperança,
baixe o seu exemplar gratuitamente

A Única Esperança
ENCONTRE O REAL SENTIDO DA VIDA
Este livro apresenta histórias de pessoas que um dia, em meio a circunstâncias contraditórias, acharam esperança.

A esperança é a mola propulsora da vida. Ajuda a ver o sol apesar das nuvens densas. Ensina a crer em outro dia mesmo que tudo pareça acabado. A esperança do cristão não é apenas o desejo humano de que as coisas melhorem no futuro. É a convicção de que a vitória chegou, apesar da aparente derrota. A Bíblia é a fonte da esperança. Ela contém aproximadamente dez mil promessas capazes de revolucionar a vida de quem nelas acredita.

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Educação e redenção. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 502, out. nov. dez. 2020. Adulto, Professor. 
2 BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.