Adorando nosso Criador e Redentor

Lições da Bíblia

“Nas discussões sobre adoração, muitas vezes destacamos os elementos da adoração, o que ela inclui e como é realizada. Mas qual é o significado profundo da adoração? O que significa adorar a Deus? E por que o fazemos? No Salmo 29:2, Davi declarou: ‘Tributai ao Senhor a glória devida ao Seu nome, adorai o Senhor na beleza da santidade’ (Sl 29:2). Esse salmo nos indica o significado da adoração. Adorar o Senhor é dar-Lhe a glória e a honra que Ele merece.”1

“1. Apocalipse 4 e 5 descrevem a entronização de Jesus no Céu em Sua ascensão. De acordo com os habitantes do Céu, quais são as razões para adorarmos a Deus e a Jesus, o Cordeiro? Veja Apocalipse 4:8, 11; 5:9, 10, 12, 13.”1

Apocalipse (4:8, 11 ARA)2: “8 E os quatro seres viventes, tendo cada um deles, respectivamente, seis asas, estão cheios de olhos, ao redor e por dentro; não têm descanso, nem de dia nem de noite, proclamando: Santo, Santo, Santo é o Senhor Deus, o Todo-Poderoso, aquele que era, que é e que há de vir. […] 11 Tu és digno, Senhor e Deus nosso, de receber a glória, a honra e o poder, porque todas as coisas tu criaste, sim, por causa da tua vontade vieram a existir e foram criadas.

Apocalipse (5:9, 10, 12, 13 ARA)2: “9 e entoavam novo cântico, dizendo: Digno és de tomar o livro e de abrir-lhe os selos, porque foste morto e com o teu sangue compraste para Deus os que procedem de toda tribo, língua, povo e nação 10 e para o nosso Deus os constituíste reino e sacerdotes; e reinarão sobre a terra. […] 12 proclamando em grande voz: Digno é o Cordeiro que foi morto de receber o poder, e riqueza, e sabedoria, e força, e honra, e glória, e louvor. 13 Então, ouvi que toda criatura que há no céu e sobre a terra, debaixo da terra e sobre o mar, e tudo o que neles há, estava dizendo: Àquele que está sentado no trono e ao Cordeiro, seja o louvor, e a honra, e a glória, e o domínio pelos séculos dos séculos.

“É impressionante essa descrição da adoração na sala do trono do Céu, quando Jesus é apresentado como o Cordeiro de Deus e Salvador do mundo. A adoração ocorre quando as criaturas de Deus Lhe respondem com palavras de reverência e gratidão pelo que Ele tem feito. Adoração é a resposta de uma pessoa grata ao Senhor pela criação e salvação. No fim dos tempos, os remidos também se unirão em adoração e responderão à salvação divina de maneira semelhante. ‘Grandes e admiráveis são as Tuas obras, Senhor Deus, Todo-Poderoso! Justos e verdadeiros são os Teus caminhos, ó Rei das nações! Quem não temerá e não glorificará o Teu nome, ó Senhor? Pois só Tu és santo; por isso, todas as nações virão e adorarão diante de Ti, porque os Teus atos de justiça se fizeram manifestos’ (Ap 15:3, 4).”1

“Portanto, a adoração é uma resposta da nossa fé em Deus por Suas obras poderosas: primeiramente, por nos criar e, em segundo lugar, por nos redimir. Ao adorarmos, damos a Deus o louvor, a reverência, o amor e a obediência que Ele merece receber. Nosso conhecimento sobre Deus como Criador e Salvador é o resultado do que Ele nos revelou nas Escrituras. Além disso, o que conhecemos sobre Ele nos foi revelado mais plenamente na pessoa e no ministério de Jesus (Jo 14:8-14). Por essa razão, adoramos Jesus como nosso Salvador e Redentor, pois Sua morte sacrifical e ressurreição estão no centro da adoração.”1

“Ao nos reunirmos para adorar, nossa adoração deve se originar desse sentimento de admiração e gratidão.”1

“Pense no que recebemos em Cristo como Criador e Salvador, naquilo de que Ele nos poupou e no que Ele nos oferece por Sua morte voluntária em nosso lugar. Por que essas verdades devem ser o fundamento da nossa adoração?”1

Domingo, 09 de dezembro de 2018. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.
_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Unidade em Cristo. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 494, out. nov. dez. 2018. Adulto, Professor.
2 BIBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Uma questão de adoração

Lições da Bíblia

“Ao longo de toda a história sagrada, o Senhor constantemente teve que lidar com aqueles que caíram na idolatria e em outras formas de adoração falsa (veja Mt 4:8-10 [‘8 Levou-o ainda o diabo a um monte muito alto, mostrou-lhe todos os reinos do mundo e a glória deles 9 e lhe disse: Tudo isto te darei se, prostrado, me adorares. 10 Então, Jesus lhe ordenou: Retira-te, Satanás, porque está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás, e só a ele darás culto.]2). Na crise final, retratada em Apocalipse 13, a questão da adoração surgirá novamente. O povo de Deus também terá que escolher a quem adorará e servirá (veja Js 24:15 [‘Porém, se vos parece mal servir ao SENHOR, escolhei, hoje, a quem sirvais: se aos deuses a quem serviram vossos pais que estavam dalém do Eufrates ou aos deuses dos amorreus em cuja terra habitais. Eu e a minha casa serviremos ao SENHOR.’]2).”1

“Na lição 2, intitulada ‘Daniel e o tempo do fim’, estudamos a história de três rapazes hebreus que foram ordenados a adorar ‘a imagem de ouro’ (Dn 3:5). Também vimos como Apocalipse 13 utiliza a linguagem desse capítulo para descrever a perseguição que o povo de Deus enfrentará no fim dos tempos. Ou seja, podemos entender o que ocorreu em Daniel 3 como um prenúncio do que ocorrerá nos últimos dias, conforme descrito no contexto imediato dos poderes da besta em Apocalipse 13. Todos foram ordenados a adorar a imagem de ouro, ou seriam mortos na fornalha de fogo ardente. Semelhantemente, em Apocalipse 13, quem não adorar a imagem da besta será morto (Ap 13:15).”1

“4. Leia Apocalipse 14:9 a 11; 16:2; 19:20; 20:4. O que esses textos revelam sobre a importância da questão da adoração? Assinale a alternativa correta:”1

Apocalipse (14:9-11 ARA)2: “9 Seguiu-se a estes outro anjo, o terceiro, dizendo, em grande voz: Se alguém adora a besta e a sua imagem e recebe a sua marca na fronte ou sobre a mão, 10 também esse beberá do vinho da cólera de Deus, preparado, sem mistura, do cálice da sua ira, e será atormentado com fogo e enxofre, diante dos santos anjos e na presença do Cordeiro. 11 A fumaça do seu tormento sobe pelos séculos dos séculos, e não têm descanso algum, nem de dia nem de noite, os adoradores da besta e da sua imagem e quem quer que receba a marca do seu nome.”.

Apocalipse (16:2 ARA)2: “Saiu, pois, o primeiro anjo e derramou a sua taça pela terra, e, aos homens portadores da marca da besta e adoradores da sua imagem, sobrevieram úlceras malignas e perniciosas.”.

Apocalipse (19:20 ARA)2: “Mas a besta foi aprisionada, e com ela o falso profeta que, com os sinais feitos diante dela, seduziu aqueles que receberam a marca da besta e eram os adoradores da sua imagem. Os dois foram lançados vivos dentro do lago de fogo que arde com enxofre.”.

Apocalipse (20:4 ARA)2: “Vi também tronos, e nestes sentaram-se aqueles aos quais foi dada autoridade de julgar. Vi ainda as almas dos decapitados por causa do testemunho de Jesus, bem como por causa da palavra de Deus, tantos quantos não adoraram a besta, nem tampouco a sua imagem, e não receberam a marca na fronte e na mão; e viveram e reinaram com Cristo durante mil anos.”.

A (  ) Quem adorar a imagem da besta sofrerá os juízos de Deus.
B (  ) Não há problema em adorar a imagem da besta e receber sua marca.

Resposta sugestiva: Alternativa A

“Babilônia sempre foi a capital da falsa adoração. A Torre de Babel é um testemunho do desejo de seus construtores de, assim como Lúcifer, subir ‘acima das mais altas nuvens e’ ser semelhante ‘ao Altíssimo’ (Is 14:14), bem como uma evidência de seus esforços para se salvar em caso de outro dilúvio global. Portanto, eles se recusaram a acreditar na promessa de Deus de que Ele jamais traria outro dilúvio sobre a Terra (Gn 9:8-11).”1

“O Império neobabilônico também exaltou a obra das mãos humanas. Nabucodonosor louvou a ‘grande Babilônia’ que ele havia construído (Dn 4:30). Posteriormente, o rei Beltessazar tomou os cálices de ouro do templo de Salomão para dar um banquete, e ‘beberam o vinho e deram louvores aos deuses de ouro, de prata, de bronze, de ferro, de madeira e de pedra’ (Dn 5:4). Observe que os verdadeiros recipientes do templo estavam cheios de vinho intoxicante e amorteciam a sensibilidade de todos os que bebiam deles. Como resultado, muitos na cidade morreram quando Babilônia caiu. Uma aparência exterior da verdade pode nos enganar, disfarçando o mortal ‘vinho da Babilônia’. O que prevalece no reino de Satanás é a falsa adoração e as falsas ideias.”1

“Como podemos saber que não estamos envolvidos com alguma adoração falsa?”1

Terça-feira, 05 de junho de 2018. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.
_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Preparação para o tempo do fim. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 492, abr. maio jun. 2018. Adulto, Professor.
2 BIBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Adore o Criador – Estudo adicional

Lições da Bíblia

Assista em vídeo a discussão do tema da semana. 

Estudo adicional

“Os estudiosos da Bíblia há muito tempo perceberam uma relação entre o chamado para que adoremos ‘Aquele que fez o céu, e a Terra, e o mar, e as fontes das águas’, em Apocalipse 14:7, e o quarto mandamento, em Êxodo 20:11, no qual o sábado nos remete ao fato de que ‘em seis dias, fez o Senhor os céus e a Terra, o mar e tudo o que neles há’. Por mais que a linguagem esteja intimamente relacionada, há uma mudança: o texto de Apocalipse aponta para o Senhor como Aquele que criou ‘as fontes das águas’.”1

“John Baldwin escreveu: ‘Supondo que exista intencionalidade divina por trás da expressão ‘fontes das águas’, por que Jesus fez com que o mensageiro quebrasse o paralelo das coisas mencionadas em Êxodo 20:11? Por que o anjo mencionou as ‘fontes das águas’ e não outra espécie de criatura, como árvores, pássaros, peixes ou montanhas?”1

“Talvez a referência às ‘fontes das águas’, no contexto de um anúncio da chegada de um período singular de juízo divino, busque dirigir a atenção do leitor para um período anterior de juízo […]. Talvez a intenção de Deus fosse que a possível alusão ao dilúvio, pelas palavras ‘fontes das águas’, ressaltasse a verdade de que Ele é realmente um Deus de juízo, bem como de fidelidade eterna e graça (ambos evidenciados na narrativa de Gênesis sobre o dilúvio). Se for assim, as implicações pessoais e espirituais da conotação do dilúvio, desencadeada pela expressão ‘fontes das águas’, podem encorajar o leitor a levar a sério a importante chegada de um novo processo de juízo divino individual já anunciado pelo primeiro mensageiro de Apocalipse 14’ (John Baldwin, Creation, Catastrophe and Calvary: Why a Global Flood is Vital to the Doctrine of Atonement [Criação, catástrofe e calvário: Por que um Dilúvio global é vital para a doutrina da expiação. Hagerstown, Md.: Review and Herald®, 2000, p. 27).”1

Perguntas para discussão

“1. Leia Isaías 53:6. A palavra em hebraico para ‘todos nós’ é cullanu. Isaías disse que o Senhor fez cair sobre Jesus ‘a iniquidade de todos nós’. A palavra ‘todos nós’ aqui também é cullanu. Como isso nos mostra que, não importando a gravidade do problema do pecado, a solução é mais do que suficiente para resolvê-lo?”1

“2. Quais lições extraímos da história do ladrão na cruz? Suponha que o ladrão obtivesse perdão, fosse retirado da cruz e sobrevivesse. A vida dele teria sido diferente? O que a sua resposta revela sobre o poder de Cristo para mudar nossa vida?”1

Sexta-feira, 25 de maio de 2018. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.
_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Preparação para o tempo do fim. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 492, abr. maio jun. 2018. Adulto, Professor.

Adorai Aquele que fez o céu e a Terra

Lições da Bíblia

“7. Leia Apocalipse 14:6 e 7. Quais elementos específicos se encontram na primeira mensagem angélica e como eles se relacionam entre si? Complete as lacunas:”1

“Vi outro anjo voando pelo meio do céu, tendo um evangelho eterno para pregar aos que se assentam sobre a Terra, e a cada nação, e tribo, e língua, e povo, dizendo, em grande voz: Temei a Deus e dai-Lhe glória, pois é chegada a hora do Seu juízo; e adorai Aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas”.

“Juntamente com o evangelho, o chamado para testemunhar ao mundo e para temer a Deus e dar-Lhe glória, vem também o chamado para adorar o Senhor como Criador. E não é de admirar. Qual é o significado de todos esses outros aspectos da ‘verdade presente’ – o evangelho eterno, o chamado para testemunhar e o juízo – sem Deus como nosso Criador? Essas e todas as outras verdades surgem da verdade fundamental de que o Senhor é Aquele que fez todas as coisas. Ao adorá-Lo como Criador, estamos voltando ao princípio básico, ao fundamento do que significa ser humano, estar vivo e, diferentemente de outras criaturas terrestres, ser feito à imagem de Deus. Ao adorar o Senhor como Criador, reconhecemos que dependemos Dele para existir e para ter a esperança quanto ao futuro. Por essa razão, a observância do sábado é tão importante. É um reconhecimento especial de que somente Deus é nosso Criador, e que adoramos apenas a Ele. Isto é, juntamente com o evangelho e o juízo, o chamado para adorar o Senhor como Criador é ressaltado nessa mensagem.”1

“8. De acordo com Apocalipse 14:8 a 11, por que é importante adorar o Senhor como Criador?”1

Apocalipse (14:8-11 ARA)2: “8 Seguiu-se outro anjo, o segundo, dizendo: Caiu, caiu a grande Babilônia que tem dado a beber a todas as nações do vinho da fúria da sua prostituição. 9 Seguiu-se a estes outro anjo, o terceiro, dizendo, em grande voz: Se alguém adora a besta e a sua imagem e recebe a sua marca na fronte ou sobre a mão, 10 também esse beberá do vinho da cólera de Deus, preparado, sem mistura, do cálice da sua ira, e será atormentado com fogo e enxofre, diante dos santos anjos e na presença do Cordeiro. 11 A fumaça do seu tormento sobe pelos séculos dos séculos, e não têm descanso algum, nem de dia nem de noite, os adoradores da besta e da sua imagem e quem quer que receba a marca do seu nome.

“À medida que os eventos finais se desenrolam, a pressão para que adoremos a besta e a sua imagem, em lugar do Criador, virá sobre todo o mundo. Se considerarmos a terrível advertência sobre o destino dos que adoram a besta e a sua imagem, podemos entender melhor a ênfase em adorar a Deus como Criador, o Único digno da adoração humana. Na crise final, essa verdade se tornará mais crucial do que nunca.”1

“Medite nas incríveis maravilhas do mundo criado. O que elas ensinam sobre Aquele que criou todas as coisas? Por que só Ele é digno da nossa adoração?”1

Quinta-feira, 24 de maio de 2018. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.
_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Preparação para o tempo do fim. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 492, abr. maio jun. 2018. Adulto, Professor.
2 BIBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Adore o Criador

Lições da Bíblia

Vi outro anjo voando pelo meio do céu, tendo um evangelho eterno para pregar aos que se assentam sobre a Terra, e a cada nação, e tribo, e língua, e povo” (Ap 14:6).1

“Como cristãos adventistas do sétimo dia, acreditamos no conceito bíblico de ‘verdade presente’ (2Pe 1:12). É basicamente a ideia de que Deus revela a verdade à humanidade no momento em que ela é necessária, dando-nos cada vez mais luz ao longo dos tempos. A primeira promessa do evangelho, em Gênesis 3:15, revelou ao casal caído que a esperança viria por meio da semente (ou descendente) da mulher. A promessa a Abraão, de que ele ‘certamente’ viria ‘a ser uma grande e poderosa nação, e nele” seriam “benditas todas as nações da Terra’ (Gn 18:18), é uma revelação mais completa da promessa do evangelho. A vinda de Jesus, que proclamou que o ‘Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a Sua vida em resgate por muitos’ (Mc 10:45), é evidentemente uma revelação ainda maior da verdade do evangelho.”1

“Hoje acreditamos que as três mensagens angélicas de Apocalipse 14:6 a 12 são a ‘verdade presente’ para os que vivem nos últimos dias antes da volta de Cristo e também o cumprimento de todas as nossas esperanças como cristãos.”1

“Nesta semana, vamos nos concentrar especialmente na primeira mensagem angélica, pois ela contém verdades essenciais aos que buscam permanecer fiéis em meio aos perigos do tempo do fim.”1

No dia 27 de maio realizaremos o Impacto Esperança, entregando milhões de livros O Poder da Esperança! Alcancemos lugares ainda não alcançados e com grande circulação de pessoas. Com cada livro, podemos também oferecer abraços.

Sábado, 19 de maio de 2018. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.
_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Preparação para o tempo do fim. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 492, abr. maio jun. 2018. Adulto, Professor.

Adoração ao diabo

Lições da Bíblia

“Na versão de Mateus, enquanto a primeira tentação se concentrou no apetite e a segunda na manipulação de Deus, a terceira foi um desafio direto ao próprio Cristo, à Sua realeza e à Sua missão suprema na Terra.”1

“5. Leia Mateus 4:8-10, Deuteronômio 34:1-4 e Apocalipse 21:10. Qual é o significado do ‘monte muito alto’ ao qual Satanás levou Jesus?”1 “8 Depois o Diabo levou Jesus para um monte muito alto, mostrou-lhe todos os reinos do mundo e as suas grandezas 9 e disse: – Eu lhe darei tudo isso se você se ajoelhar e me adorar. 10 Jesus respondeu: – Vá embora, Satanás! As Escrituras Sagradas afirmam: ‘Adore o Senhor, seu Deus, e sirva somente a ele.’” (Mateus 4:8-10 ARA)2. “1 Moisés foi das planícies de Moabe até o monte Nebo e subiu ao alto do monte Pisga, na altura de Jericó, que ficava no outro lado do rio. Dali o SENHOR Deus lhe mostrou toda a terra de Canaã, isto é, o território de Gileade até a cidade de Dã, no Norte; 2 o território das tribos de Naftali, Efraim e Manassés do Oeste; o território de Judá até o mar Mediterrâneo, no Oeste; 3 a região sul e a planície que vai de Zoar até Jericó, a cidade das palmeiras. 4 E Deus disse a Moisés: – Eu jurei a Abraão, a Isaque e a Jacó que daria esta terra aos descendentes deles. Estou deixando que você a veja com os seus próprios olhos, mas você não vai entrar nela.” (Deuteronômio 34:1-4 ARA)2. “Então o Espírito de Deus me dominou, e o anjo me levou para uma montanha grande e muito alta. Ele me mostrou Jerusalém, a Cidade Santa, que descia do céu e vinha de Deus,” (Apocalipse 21:10 ARA)2. “Um lugar alto ou uma visão abrangente dos reinos da Terra, que Satanás julgava dominar. Ele prometeu dar tudo a Jesus, em troca de um momento de adoração.1

“A julgar pela maneira com a qual a Bíblia usa o tema de subir ao topo de uma montanha muito alta para contemplar nações, vemos que a viagem de Jesus não foi um passeio turístico. Há uma visão profética ligada a esse cenário. Do topo de uma montanha, Moisés viu a terra prometida como ela viria ser, e João viu a futura Nova Jerusalém. Da mesma forma, Jesus viu mais do que simplesmente os países do antigo mundo romano. Note que Satanás exibiu tudo em seu melhor aspecto. Ele mostrou as riquezas e o glamour, não o crime, o sofrimento e a injustiça.”1

“Satanás disse, então: ‘Tudo isto Te darei se, prostrado, me adorares’ (Mt 4:9). Da mesma forma que enganou Adão e Eva para que desejassem se tornar como Deus, sendo que eles já possuíam a Sua imagem, Satanás fingiu que era Deus, que era o dono exclusivo das nações do mundo e que, em troca de uma pequena homenagem, podia facilmente dar tudo aquilo para Jesus (ver Lc 4:6 [‘e disse: – Eu lhe darei todo este poder e toda esta riqueza, pois tudo isto me foi dado, e posso dar a quem eu quiser.’]2; comparar com Sl 2:7, 8 [‘7 O rei diz: “Anunciarei o que o SENHOR afirmou. O SENHOR me disse: ‘Você é meu filho; hoje eu me tornei seu pai. 8 Peça, e eu lhe darei todas as nações; o mundo inteiro será seu.’]2).”1

“Esse teste se concentrou na lealdade. A quem devia a humanidade dedicar sua suprema lealdade? No Éden, quando Adão e Eva se sujeitaram à serpente, na verdade, estavam dedicando a Satanás sua primeira lealdade, e essa infecção se espalhou intensamente para cada geração sucessiva. Sem a intervenção divina direta, o grande conflito teria sido decidido em favor de Satanás. A humanidade, e talvez até a vida na Terra, não poderiam ter continuado. Os riscos chegaram a esse ponto.”1

“Note que Jesus, como José com a esposa de Potifar, não permitiu que o mal ficasse perto dEle. Jesus ordenou que Satanás se retirasse. Visto que José não podia fazer isso, retirou-se da cena em que havia potencial maligno (Gn 39:11, 12). Essa lição simples se aplica também a nós.”1

“Nas três tentações, Jesus usou a Bíblia como defesa. O que isso significa para nós, na prática? Quando enfrentamos a tentação, como usar a Bíblia para obter as mesmas vitórias?”1

Quinta-feira, 04 de fevereiro de 2016. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio  da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se pref//8ça um Curso Bíblico.

__________________

1 LIÇÕES da escola sabatina. Rebelião e redenção. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 484, Jan. Fev. Mar. 2016. Adulto, Professor.

2 BIBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Decreto de morte

Lições da Bíblia

“Édifícil hoje, como foi também para pessoas de várias culturas ao longo dos séculos, entender os costumes e tradições do antigo Império Persa, onde se desenrolou a história de Ester. Porém, uma coisa é certa: o Senhor tinha usado esse império para o cumprimento das promessas da aliança feitas à nação de Israel, as quais foram apresentadas desde o tempo de Abraão (ver Gn 12:1-3; Is 45:1; 2Cr 36:23).”

“Ester, jovem judia, foi elevada à posição de rainha. Embora sua ascensão tenha ocorrido por um caminho bem diferente do que ocorreu com José no Egito ou Daniel em Babilônia, ela estava exatamente onde o Senhor desejava que estivesse (assim como José e Daniel), e foi usada por Deus de uma forma poderosa, que ilustra como o tema do grande conflito pode se desenrolar na História.”1

“4. Leia Ester 3:8-11. Considerando os planos de Deus para o povo judeu, especialmente em relação à vinda do Messias, que consequências o sucesso desse decreto traria?”1 “8 Então, disse Hamã ao rei Assuero: Existe espalhado, disperso entre os povos em todas as províncias do teu reino, um povo cujas leis são diferentes das leis de todos os povos e que não cumpre as do rei; pelo que não convém ao rei tolerá-lo. 9 Se bem parecer ao rei, decrete-se que sejam mortos, e, nas próprias mãos dos que executarem a obra, eu pesarei dez mil talentos de prata para que entrem nos tesouros do rei. 10 Então, o rei tirou da mão o seu anel, deu-o a Hamã, filho de Hamedata, agagita, adversário dos judeus, 11 e lhe disse: Essa prata seja tua, como também esse povo, para fazeres dele o que melhor for de teu agrado.” (Ester 3:8-11 ARA)2. “Esse decreto permitia executar todos os judeus espalhados pelo império. O povo de Deus seria eliminado e consequentemente não haveria o Messias.1

“‘Mal imaginava o rei os vastos resultados que teriam acompanhado a completa execução desse decreto. O próprio Satanás, o instigador oculto desse plano, estava procurando livrar a Terra dos que preservavam o conhecimento do verdadeiro Deus’ (Ellen G. White, Profetas e Reis, p. 600, 601). Desse mesmo povo, também, viria o Salvador do mundo.”1

“É interessante o fato de que a questão teve início em torno da adoração (Et 3:5, 8), e o fato de que um grupo distinto de pessoas se recusou a seguir as leis e os costumes dos que estavam no poder. Embora o contexto seja diferente no fim dos tempos, a realidade por trás dele ainda é a mesma: o grande conflito entre Cristo e Satanás. Os que procurarem ser fiéis a Deus enfrentarão algo semelhante ao que os judeus enfrentaram nessa história. Já fomos advertidos de que, nas cenas finais da história da Terra, sairá o decreto declarando que devem ‘morrer quantos não [adorarem] a imagem da besta’ (Ap 13:15). O que aprendemos com a História deve fortalecer nossa fé para enfrentar os perigos do futuro.”1

“Por que temos a tendência de desconfiar dos que são diferentes? Por que as poderosas verdades da criação e da redenção, que revelam o valor de cada ser humano, deveriam mostrar o quanto é errada essa atitude? Como limpar o coração dessa tendência errônea?”1

Quarta-feira, 27 e janeiro de 2016. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio  da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se pref//8ça um Curso Bíblico.

__________________

1 LIÇÕES da escola sabatina. Rebelião e redenção. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 484, Jan. Fev. Mar. 2016. Adulto, Professor.

2 BIBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.