Justificação pela fé

Lições da Bíblia

Concluímos, pois, que o homem é justificado pela fé, independentemente das obras da lei” (Rm 3:28).1

“Nesta lição, chegamos ao tema principal de Romanos: a justificação pela fé, a grande verdade que, mais do que qualquer outra, provocou a Reforma Protestante. E, apesar de todas as declarações contrárias, Roma não mudou em nada, em relação a essa crença, a posição que manteve em 1520, quando o papa Leão X emitiu uma bula papal condenando Lutero e seus ensinamentos. Martinho Lutero queimou uma cópia da bula, pois, se havia um ensinamento sobre o qual nunca se poderia fazer concessões, era e é a justificação pela fé.”1

“A expressão em si é uma figura com base na lei. O transgressor da lei comparece diante de um juiz e é condenado à morte por suas transgressões. Entretanto, aparece um substituto e toma os crimes do transgressor sobre si mesmo, absolvendo, assim, o criminoso. Ao aceitar o substituto, o criminoso permanece agora perante o juiz, não só absolvido de sua culpa, mas também considerado como se nunca tivesse cometido os crimes pelos quais foi levado pela primeira vez ao tribunal. Tudo isso porque o substituto, que tem uma ‘ficha’ perfeita, oferece ao criminoso perdoado sua própria e perfeita obediência à lei.”1

“No plano da salvação cada um de nós é o criminoso. O substituto, Jesus, tem uma ‘ficha’ limpa e perfeita. Ele está no tribunal em nosso lugar, Sua justiça foi aceita em lugar da nossa injustiça. Por isso somos justificados diante de Deus, não por causa de nossas obras, mas por causa de Jesus, cuja justiça se torna nossa quando a aceitamos ‘pela fé’. Essas são realmente boas-novas! Notícia melhor que essa? Impossível!”1

Sábado, 21 de outubro de 2017. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio  da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.
_______________
1 LIÇÃO da escola sabatina. Salvação somente pela fé: o livro de Romanos. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 490, Out. Nov. Dez. 2017. Adulto, Professor.

Considerado justo 

Lições da Bíblia

4. Por que Paulo apelou primeiramente a Abraão ao examinar as Escrituras em busca de confirmação para sua mensagem evangélica? Gl 3:61

É o caso de Abraão, que creu em Deus, e isso lhe foi imputado para justiça. (Gálatas 3:6 ARA)2.

“Abraão é uma figura central no judaísmo. Não somente foi o pai do povo judeu, mas os judeus na época de Paulo também o consideravam o modelo de como deveria ser um verdadeiro judeu. Muitos não só acreditavam que sua característica essencial fosse a obediência, mas que Deus teria declarado que Abraão era justo por causa dessa obediência. Afinal, Abraão deixou sua terra natal e sua família, aceitou a circuncisão e estava disposto até a sacrificar seu filho, conforme a ordem de Deus. Isso é obediência! Insistindo na questão da circuncisão, os oponentes de Paulo certamente utilizaram esses mesmos argumentos.”1

“Paulo, entretanto, respondeu com o mesmo argumento, apelando para Abraão nove vezes em Gálatas, mostrando que o patriarca havia sido um exemplo de fé, e não da observância da lei apenas.”1

5. O que significa ter a fé creditada [imputada] como justiça? Gn 15:6; Rm 4:3-6, 8-11, 22-241

Ele creu no SENHOR, e isso lhe foi imputado para justiça.” (Gêneses 15:6 ARA)2. “3 Pois que diz a Escritura? Abraão creu em Deus, e isso lhe foi imputado para justiçaOra, ao que trabalha, o salário não é considerado como favor, e sim como dívida. Mas, ao que não trabalha, porém crê naquele que justifica o ímpio, a sua fé lhe é atribuída como justiça. E é assim também que Davi declara ser bem-aventurado o homem a quem Deus atribui justiça, independentemente de obras: […] 8 bem-aventurado o homem a quem o Senhor jamais imputará pecado. Vem, pois, esta bem-aventurança exclusivamente sobre os circuncisos ou também sobre os incircuncisos? Visto que dizemos: a fé foi imputada a Abraão para justiça10 Como, pois, lhe foi atribuída? Estando ele já circuncidado ou ainda incircunciso? Não no regime da circuncisão, e sim quando incircunciso. 11 E recebeu o sinal da circuncisão como selo da justiça da fé que teve quando ainda incircunciso; para vir a ser o pai de todos os que crêem, embora não circuncidados, a fim de que lhes fosse imputada a justiça, […]  22 Pelo que isso lhe foi também imputado para justiça. 23 E não somente por causa dele está escrito que lhe foi levado em conta, 24 mas também por nossa causa, posto que a nós igualmente nos será imputado, a saber, a nós que cremos naquele que ressuscitou dentre os mortos a Jesus, nosso Senhor,” (Romanos 4:3-6, 8-11, 22-24 ARA)2.

“Ao passo que justificação é uma metáfora tirada do mundo jurídico, a palavra contada e considerada é uma metáfora tirada do mundo dos negócios. Pode significar ‘creditar’ ou ‘colocar algo na conta de alguém’. Não é utilizada em referência a Abraão apenas em Gálatas 3:6, mas ocorre outras onze vezes em conexão com o patriarca. Algumas versões da Bíblia a traduzem como contado, considerado ou imputado.”1

“De acordo com a metáfora de Paulo, a justiça é colocada em nossa conta. Contudo, a questão é: Em qual base Deus nos considera justos? Certamente, não pode ser na base da obediência, apesar do que os adversários de Paulo alegavam. Não importa o que eles disseram sobre a obediência de Abraão, as Escrituras afirmam que Deus o justificou por causa de sua fé.”1

“A Bíblia é clara: a obediência de Abraão não foi o fundamento de sua justificação; ela foi, em vez disso, o resultado. Ele não fez as coisas que fez a fim de ser justificado; fez porque já havia sido justificado. Justificação conduz à obediência, e não o contrário.”1

Terça-feira, 25 de julho de 2017. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio  da Lição da Escola
Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.
_______________
1 COSAERT, Carl. O evangelho em Gálatas. Lições da escola sabatina. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 489, Jul. Ago. Set. 2017. Adulto, Professor.
2 BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Justificação pela fé – Estudo adicional

Lições da Bíblia

Assista em vídeo a discussão do tema da semana.

Estudo adicional

“A lei de Deus tem sido considerada longamente. Ela tem sido apresentada às congregações de modo quase tão destituído do conhecimento de Jesus Cristo e de Sua relação para com a lei como ocorreu com a oferta de Caim. Foi-me mostrado que muitos se conservam longe da fé devido às ideias embaralhadas e confusas acerca da salvação, e porque os pastores têm trabalhado de maneira errônea para alcançar os corações. O ponto que durante anos tem sido recomendado com insistência à minha mente é a justiça imputada de Cristo […].”1

“‘Não há um ponto que necessite ser realçado com mais diligência, repetido com mais frequência ou estabelecido com mais firmeza na mente de todos, do que a impossibilidade de que o ser humano caído mereça alguma coisa por suas próprias e melhores boas obras. A salvação é unicamente pela fé em Jesus Cristo’ (Ellen G. White, Fé e Obras, p. 18, 19).”1

“‘A lei requer justiça, e esta o pecador deve à lei; mas ele é incapaz de a apresentar. A única maneira em que pode alcançar a justiça é pela fé. Pela fé ele pode apresentar a Deus os méritos de Cristo, e o Senhor lança a obediência de Seu Filho a crédito do pecador. A justiça de Cristo é aceita em lugar do fracasso do homem, e Deus recebe, perdoa, justifica a pessoa arrependida e crente, trata-a como se fosse justa, e a ama como ama Seu Filho’ (Ellen G. White, Mensagens Escolhidas, v. 1, p. 367).”1

Perguntas para reflexão

1Ellen G. White disse que nenhum assunto precisa ser mais enfatizado do que a justificação pela fé. Esses comentários são aplicáveis a nós hoje? Por quê?”1

2 “Pense na Reforma Protestante e em Lutero. Embora a época, o lugar e as circunstâncias tenham sido diferentes, por que a mensagem apresentada por Paulo foi tão crucial para libertar milhões de pessoas do cativeiro espiritual romano?”1

“Resumo: O comportamento de Pedro em Antioquia sugeriu que os conversos do paganismo não podiam ser verdadeiros cristãos, a menos que fossem circuncidados. Paulo destacou o engano de tal pensamento. Deus não pode declarar justa nenhuma pessoa com base em seu comportamento, pois nem mesmo os melhores seres humanos são perfeitos. Somente aceitando o que Deus fez por nós em Cristo, os pecadores podem ser justificados diante dEle.”1

Sexta-feira, 21 de julho de 2017. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio  da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.
_______________
1 COSAERT, Carl. O evangelho em Gálatas. Lições da escola sabatina. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 489, Jul. Ago. Set. 2017. Adulto, Professor.

A base da nossa justificação

Lições da Bíblia

E ser encontrado nEle, não tendo a minha própria justiça que procede da Lei, mas a que vem mediante a fé em Cristo, a justiça que procede de Deus e se baseia na fé” (Fp 3:9, NVI).1

 “Os judeus cristãos não sugeriram que a fé em Cristo não fosse importante; afinal, eles tinham fé em Jesus e acreditavam nEle. Contudo, eles sentiam que a fé não era suficiente; ela devia ser complementada com a obediência, como se a obediência acrescentasse algo ao ato da justificação. No raciocínio deles, justificação era tanto pela fé quanto pelas obras. A maneira pela qual Paulo repetidamente contrastou a fé em Cristo com as obras da lei indica sua oposição a esse tipo de abordagem que incluía ‘ambos’ os aspectos. Fé, somente a fé, é a base da justificação.”1

“Para Paulo, igualmente, a fé não era apenas um conceito abstrato; ela estava inseparavelmente ligada a Jesus. Na verdade, a expressão traduzida duas vezes como ‘fé em Cristo’, em Gálatas 2:16, tem muito mais significado do que qualquer tradução pode realmente abranger. A expressão em grego é traduzida literalmente como ‘a fé’ ou ‘fidelidade’ de Jesus. Essa tradução literal revela o forte contraste que Paulo estabeleceu entre as obras da lei que nós fazemos e a obra de Cristo realizada em nosso favor, a obra que Ele, mediante Sua fidelidade (por isso, a ‘fidelidade de Jesus’), tem feito por nós.”1

 “É importante lembrar que a fé nada acrescenta à justificação, como se tivesse mérito em si mesma. A fé é, em vez disso, o meio pelo qual nos apegamos a Cristo e Sua obra em nosso favor. Não somos justificados com base em nossa fé, mas com base na fidelidade de Cristo por nós, que reivindicamos para nós por meio da fé.”1

 “Cristo fez o que todos deixaram de fazer: só Ele foi fiel a Deus em tudo que fez. Nossa esperança está na fidelidade de Cristo, não na nossa. Essa é a grande e importante verdade que, dentre outras, inflamou a Reforma Protestante, uma verdade que continua sendo tão crucial hoje quanto foi no tempo em que Martinho Lutero começou a pregá-la há séculos.”

“Uma primitiva tradução siríaca de Gálatas 2:16 comunica bem o pensamento de Paulo: ‘Portanto, sabemos que um homem não é justificado a partir das obras da lei, mas pela fé de Jesus, o Messias, e cremos nEle, em Jesus, o Messias, que por causa de Sua fé, a fé do Messias, podemos ser justificados, e não pelas obras da lei’.”

4. Leia Romanos 3:22, 26; Gálatas 3:22; Efésios 3:12; e Filipenses 3:9. Qual é a única base para nossa salvação? Assinale a melhor resposta:”1

 “22 justiça de Deus mediante a fé em Jesus Cristo, para todos [e sobre todos] os que creem; porque não há distinção, […] 26 tendo em vista a manifestação da sua justiça no tempo presente, para ele mesmo ser justo e o justificador daquele que tem fé em Jesus.” (Romanos 3:22, 26 ARA)2. “Mas a Escritura encerrou tudo sob o pecado, para que, mediante a fé em Jesus Cristo, fosse a promessa concedida aos que creem.” (Gálatas 3:22 ARA)2. “e ser achado nele, não tendo justiça própria, que procede de lei, senão a que é mediante a fé em Cristo, a justiça que procede de Deus, baseada na fé;” (Filipenses 3:9 ARA)2.

A ( ) Nossa obediência à lei e o sacrifício de Cristo.
B ( ) A fidelidade de Cristo por nós e Sua perfeita obediência, aceitas pela fé.

Resposta sugestiva: Alternativa B.

Terça-feira, 18 de julho de 2017. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio  da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.
_______________
1 COSAERT, Carl. O evangelho em Gálatas. Lições da escola sabatina. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 489, Jul. Ago. Set. 2017. Adulto, Professor.
2 BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

A questão da “justificação”

Lições da Bíblia

1 Em Gálatas 2:15, Paulo escreveu: “Nós, judeus de nascimento e não ‘gentios pecadores´” (NVI). O que ele quis dizer com essas palavras?

“As palavras de Paulo devem ser entendidas no seu contexto. Na tentativa de conquistar os judeus cristãos para seu lado, Paulo começou com um raciocínio que eles aceitariam, a tradicional distinção entre judeus e gentios. Os judeus eram os eleitos de Deus, aos quais havia sido confiada Sua lei, e desfrutavam os benefícios da relação de aliança com Ele. Os gentios, no entanto, eram pecadores. A lei de Deus não restringia seu comportamento, e eles estavam fora das alianças da promessa (Ef 2:12; Rm 2:14). Embora os gentios, obviamente, fossem ‘pecadores’, no verso 16 Paulo advertiu os cristãos judeus de que seus privilégios espirituais não os tornavam mais aceitáveis a Deus, porque ninguém é justificado pelas ‘obras da lei’.”1

“2 Paulo usou a palavra justificado quatro vezes em Gálatas 2:16, 17. O que ele queria dizer por ‘justificação’? Considere os seguintes textos bíblicos (Êx 23:7 e Dt 25:1) e complete as lacunas.”1

“16 sabendo, contudo, que o homem não é justificado por obras da lei, e sim mediante a fé em Cristo Jesus, também temos crido em Cristo Jesus, para que fôssemos justificados pela fé em Cristo e não por obras da lei, pois, por obras da lei, ninguém será justificado. 17 Mas se, procurando ser justificados em Cristo, fomos nós mesmos também achados pecadores, dar-se-á o caso de ser Cristo ministro do pecado? Certo que não!” (Gálatas 2:16-17 ARA)2. “Da falsa acusação te afastarás; não matarás o inocente e o justo, porque não justificarei o ímpio.” (Êxodo 23:7 ARA)2. “Em havendo contenda entre alguns, e vierem a juízo, os juízes os julgarão, justificando ao justo e condenando ao culpado.” (Deuteronômio 25:1 ARA)2.

“Justificar, para Paulo, significava absolver ou inocentar alguém; tornar alguém reto.”

“O verbo justificar era um termo-chave para Paulo. Das 39 vezes em que ele ocorre no Novo Testamento, 27 estão nas cartas de Paulo. Ele o usou oito vezes em Gálatas, incluindo quatro referências em Gálatas 2:16, 17. Justificação é um termo legal, usado nos tribunais. Está relacionado com o veredito que um juiz pronuncia quando uma pessoa é declarada inocente das acusações apresentadas contra ela. É o oposto de condenação. Além disso, visto que as palavras justo e reto vêm da mesma palavra grega, o fato de alguém ‘ser justificado’ significa que ele também é considerado ‘reto’. Assim, justificação envolve mais do que simplesmente absolvição ou perdão. É uma declaração afirmativa de que a pessoa é reta.”1

“Para alguns cristãos judeus, no entanto, justificação também tinha caráter relacional. Ela envolvia seu relacionamento com Deus e Sua aliança. Ser ‘justificado’ também significava ser considerado um membro fiel da comunidade da aliança divina, a família de Abraão.”1

Domingo, 16 de julho de 2017. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio  da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.
_______________
COSAERT, Carl. O evangelho em Gálatas. Lições da escola sabatina. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 489, Jul. Ago. Set. 2017. Adulto, Professor.
2 BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Justificação pela fé

Lições da Bíblia

Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne vivo-a na fé do Filho de Deus, o qual me amou e Se entregou a Si mesmo por mim” (Gl 2:20, ARC).1

“Como vimos na semana passada, Paulo confrontou Pedro publicamente em Antioquia pela falta de coerência entre a fé que ele defendia e o comportamento que ele apresentou. Na melhor das hipóteses, a decisão de Pedro de não mais comer com antigos pagãos sugeria que eles eram cristãos de segunda categoria. As ações de Pedro davam a entender que, se eles realmente quisessem fazer parte da família de Deus e desfrutar as bênçãos provenientes da completa comunhão, deviam primeiro se submeter ao rito da circuncisão.”1

“O que Paulo realmente disse a Pedro naquela ocasião tensa? Na lição desta semana, estudaremos o que provavelmente seja um resumo do que se passou. Essa passagem contém algumas das expressões mais compactadas no Novo Testamento, o que é extremamente importante porque, pela primeira vez, são apresentadas várias palavras e frases fundamentais, tanto para a compreensão do evangelho quanto do restante da Epístola de Paulo aos Gálatas. Essas palavras-chave incluem justificação, justiça, obras da lei, crença e a fé de Jesus, não apenas fé.

“O que Paulo quis dizer com esses termos? O que eles nos ensinam sobre o plano da salvação?”1

Sábado, 15 de julho de 2017. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio  da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.
_______________
1 COSAERT, Carl. O evangelho em Gálatas. Lições da escola sabatina. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 489, Jul. Ago. Set. 2017. Adulto, Professor.

Adão e Jesus

Lições da Bíblia

“Embora Paulo seja mais conhecido por sua clara exposição do evangelho, sua explanação do grande conflito também é fundamental. Em meio a seus ensinos das boas-novas, ele resumiu suas ideias principais: fomos ‘justificados pela fé’ por meio de Jesus (Rm 5:1); temos acesso direto a Deus e ‘gloriamo-nos na esperança’ (v. 2); além disso, as tribulações não mais nos preocupam (v. 3-5). Ele apresenta também a certeza de que ‘Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores’ (v. 8, ARC), e que estamos agora ‘salvos’ pela vida e morte de Cristo em nosso favor. Somos também poupados do juízo final de Deus contra o pecado (v. 9, 10) e nos gloriamos porque fomos reconciliados com Ele (v. 11).”1

“1. Leia Romanos 5:12-21. De que forma o grande conflito é revelado nesses versos?”1 “12 Portanto, assim como por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a morte, assim também a morte passou a todos os homens, porque todos pecaram. 13 Porque até ao regime da lei havia pecado no mundo, mas o pecado não é levado em conta quando não há lei. 14 Entretanto, reinou a morte desde Adão até Moisés, mesmo sobre aqueles que não pecaram à semelhança da transgressão de Adão, o qual prefigurava aquele que havia de vir. 15 Todavia, não é assim o dom gratuito como a ofensa; porque, se, pela ofensa de um só, morreram muitos, muito mais a graça de Deus e o dom pela graça de um só homem, Jesus Cristo, foram abundantes sobre muitos. 16 O dom, entretanto, não é como no caso em que somente um pecou; porque o julgamento derivou de uma só ofensa, para a condenação; mas a graça transcorre de muitas ofensas, para a justificação. 17 Se, pela ofensa de um e por meio de um só, reinou a morte, muito mais os que recebem a abundância da graça e o dom da justiça reinarão em vida por meio de um só, a saber, Jesus Cristo. 18 Pois assim como, por uma só ofensa, veio o juízo sobre todos os homens para condenação, assim também, por um só ato de justiça, veio a graça sobre todos os homens para a justificação que dá vida. 19 Porque, como, pela desobediência de um só homem, muitos se tornaram pecadores, assim também, por meio da obediência de um só, muitos se tornarão justos. 20 Sobreveio a lei para que avultasse a ofensa; mas onde abundou o pecado, superabundou a graça, 21 a fim de que, como o pecado reinou pela morte, assim também reinasse a graça pela justiça para a vida eterna, mediante Jesus Cristo, nosso Senhor.” (Romanos 5:12-21 ARA)2. “Pelo pecado de um só homem a morte reinou, mas a generosidade da graça reinou por um só homem, Jesus Cristo. O primeiro Adão trouxe condenação e morte, o segundo Adão trouxe reconciliação e vida.1

“Após falar sobre o que Cristo fez por nós, Paulo explicou como Jesus fez isso. A menos que o dano causado por Adão junto à árvore no jardim fosse reparado, não haveria esperança de um futuro eterno, e Satanás triunfaria no grande conflito. Adão trouxe morte a todos por causa do que ele fez (Rm 5:12). Mesmo a apresentação dos dez mandamentos no monte Sinai não pôde deter a morte e o problema do pecado. A lei somente esclarece o que é o pecado; ela não é a solução para o pecado. O problema do pecado e da morte só poderia ser resolvido por meio do sacrifício de Cristo. Jesus pagou a dívida por meio da ‘dádiva graciosa’ de Sua própria vida (Rm 5:15, 16; New Living Translation [Tradução Nova Vida]).”1

“Então a humanidade podia ser restaurada. Assim como a morte ‘reinou’ por causa do pecado de Adão, a ‘abundância da graça’ e o ‘dom da justiça’ podiam reinar por causa da fidelidade de Jesus (Rm 5:17). Não é justo que tenhamos perdido o paraíso por causa de Adão. Não tivemos parte em sua escolha errada, mas sofremos as consequências dela. Contudo, também não é justo que recuperemos o paraíso. Não tivemos nada a ver com o que Jesus fez dois mil anos atrás. Paulo resumiu seu argumento em Romanos 5:18-21. O primeiro Adão trouxe condenação e morte; o segundo trouxe reconciliação e vida.”1

“‘Deus prova o Seu próprio amor para conosco pelo fato de ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores’ (Rm 5:8). Coloque seu nome aí e reivindique essa dádiva para você. Que esperança ela lhe dá?”1

Fortaleça sua experiência com Deus. Acesse o site http://reavivadosporsuapalavra.org/

Domingo, 28 de fevereiro de 2016. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio  da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se pref//8ça um Curso Bíblico.

__________________

1 LIÇÕES da escola sabatina. Rebelião e redenção. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 484, Jan. Fev. Mar. 2016. Adulto, Professor.

2 BIBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.