“Até quando, Senhor?”

Lições da Bíblia

“Ao longo da história bíblica, há um repetido clamor do povo de Deus, especialmente dos que estavam vivenciando a escravidão, o exílio, a opressão, a pobreza ou outra injustiça ou tragédia, para que Ele interviesse. Os escravos no Egito, os israelitas em Babilônia e muitos outros clamaram a Deus para que Ele visse e ouvisse seu sofrimento e corrigisse esses males. E a Bíblia oferece importantes exemplos das ações de Deus para resgatar e restaurar Seu povo, às vezes até vingando-Se de seus opressores e inimigos.”1

“Mas esses resgates eram geralmente efêmeros, e os diversos profetas continuaram a apontar para uma intervenção final, quando Deus colocaria um fim ao mal e ergueria os oprimidos. Ao mesmo tempo, esses profetas continuaram clamando: ‘Ó Senhor dos Exércitos, até quando?’ Por exemplo, o anjo do Senhor perguntou sobre o exílio dos israelitas: ‘Ó Senhor dos Exércitos, até quando não terás compaixão’? (Zc 1:12).”1

“Os salmos estão repletos de lamentos sobre a aparente prosperidade e boa sorte dos ímpios, enquanto os justos são maltratados, explorados e pobres. O salmista repetidamente pediu a Deus que interviesse, crendo que o mundo presente não é ordenado da maneira que Deus o criou, e assumindo o clamor dos profetas e oprimidos. ‘Até quando, Senhor?’

(Veja, por exemplo, Sl 94:3-7 [‘3 Até quando, SENHOR, os perversos, até quando exultarão os perversos? 4 Proferem impiedades e falam coisas duras; vangloriam-se os que praticam a iniquidade. 5 Esmagam o teu povo, SENHOR, e oprimem a tua herança. 6 Matam a viúva e o estrangeiro e aos órfãos assassinam. 7 E dizem: O SENHOR não o vê; nem disso faz caso o Deus de Jacó.’]).1

“Em certo sentido, a injustiça é mais difícil de ser suportada entre os que acreditam em um Deus justo que deseja justiça para todo o Seu povo. O povo de Deus sempre terá um senso de impaciência para com o mal no mundo – e a aparente inércia de Deus é outra fonte de inquietação. Daí, às vezes, as duras perguntas dos profetas: ‘Até quando, Senhor, clamarei por socorro, sem que Tu ouças? Até quando gritarei a Ti: ‘Violência!’ sem que tragas salvação?’ (Hc 1:2, NVI).”1

“Um clamor semelhante é erguido no Novo Testamento, em que até mesmo a própria criação é retratada como se estivesse clamando, com gemidos, pelo resgate e recriação divinos

(veja Rm 8:19-22 [‘19 A ardente expectativa da criação aguarda a revelação dos filhos de Deus. 20 Pois a criação está sujeita à vaidade, não voluntariamente, mas por causa daquele que a sujeitou, 21 na esperança de que a própria criação será redimida do cativeiro da corrupção, para a liberdade da glória dos filhos de Deus. 22 Porque sabemos que toda a criação, a um só tempo, geme e suporta angústias até agora.’]).

Em Apocalipse 6:10, esse clamor, ‘Ó Senhor dos Exércitos, até quando?’, é levantado em nome daqueles que foram martirizados por sua fé em Deus. Porém, é o mesmo clamor, pedindo a intervenção de Deus em favor de Seu povo oprimido e perseguido.”1

“1. Leia Lucas 18:1-8. O que Jesus disse sobre a resposta de Deus aos repetidos clamores e orações de Seu povo para que Ele agisse em favor deles? Como isso está ligado à necessidade de fé?”1

Lucas (18:1-8 ARA)2: “1 Disse-lhes Jesus uma parábola sobre o dever de orar sempre e nunca esmorecer: 2 Havia em certa cidade um juiz que não temia a Deus, nem respeitava homem algum. 3 Havia também, naquela mesma cidade, uma viúva que vinha ter com ele, dizendo: Julga a minha causa contra o meu adversário. 4 Ele, por algum tempo, não a quis atender; mas, depois, disse consigo: Bem que eu não temo a Deus, nem respeito a homem algum; 5 todavia, como esta viúva me importuna, julgarei a sua causa, para não suceder que, por fim, venha a molestar-me. 6 Então, disse o Senhor: Considerai no que diz este juiz iníquo. 7 Não fará Deus justiça aos seus escolhidos, que a ele clamam dia e noite, embora pareça demorado em defendê-los?Digo-vos que, depressa, lhes fará justiça. Contudo, quando vier o Filho do Homem, achará, porventura, fé na terra?

Domingo, 08 de setembro de 2019. Saiba mais, faça um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. “Meus pequeninos irmãos”: servindo aos necessitados. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 496, jul. ago. set. 2019. Adulto, Professor. 
2 BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Tiago, “o Justo”

Lições da Bíblia

“A tradição cristã sugere que Tiago, o irmão ou meio-irmão de Jesus, tornou-se um líder da igreja primitiva em Jerusalém e atuou como presidente do Concílio de Jerusalém (veja At 15, assim como Gl 1 e 2). Se assim for, é provável que ele tenha sido o autor da carta preservada na Bíblia e que leva o nome dele.”1

“Tiago era um nome comum na época, mas se esses foram a mesma pessoa, ele também pode ter sido o líder da igreja conhecido como Tiago, ‘o Justo’, o que sugere que ele era um líder sábio, que priorizava adequadamente o modo de tratar os outros e cuidava daqueles que eram muitas vezes esquecidos ou oprimidos. O livro que leva seu nome tem sido descrito como ‘o livro de Provérbios do Novo Testamento’, centrado na piedade prática e no propósito de viver sabiamente como seguidor de Deus.”1

“O autor do livro de Tiago desejava lembrar seus leitores cristãos de que deviam se tornar ‘praticantes da Palavra e não somente ouvintes,’ enganando-se a si mesmos (Tg 1:22), e de que o foco da religião que importa, pura e duradoura aos olhos de Deus, está em cuidar dos necessitados e oprimidos e em resistir às influências corruptoras da sociedade ao redor

(veja Tg 1:27 [‘A religião pura e sem mácula, para com o nosso Deus e Pai, é esta: visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações e a si mesmo guardar-se incontaminado do mundo.’]).”1

“5. Leia Tiago 2:1-9 e 5:1-5. A atitude de Tiago para com os ricos é diferente da atitude comumente empregada na maioria das sociedades? Qual é a instrução específica sobre como os ricos e os pobres devem ser tratados dentro da comunidade da igreja?”1

Tiago (2:1-9 ARA)2: “1 Meus irmãos, não tenhais a fé em nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor da glória, em acepção de pessoas. 2 Se, portanto, entrar na vossa sinagoga algum homem com anéis de ouro nos dedos, em trajos de luxo, e entrar também algum pobre andrajoso,e tratardes com deferência o que tem os trajos de luxo e lhe disserdes: Tu, assenta-te aqui em lugar de honra; e disserdes ao pobre: Tu, fica ali em pé ou assenta-te aqui abaixo do estrado dos meus pés, 4 não fizestes distinção entre vós mesmos e não vos tornastes juízes tomados de perversos pensamentos? 5 Ouvi, meus amados irmãos. Não escolheu Deus os que para o mundo são pobres, para serem ricos em fé e herdeiros do reino que ele prometeu aos que o amam? 6 Entretanto, vós outros menosprezastes o pobre. Não são os ricos que vos oprimem e não são eles que vos arrastam para tribunais? 7 Não são eles os que blasfemam o bom nome que sobre vós foi invocado? 8 Se vós, contudo, observais a lei régia segundo a Escritura: Amarás o teu próximo como a ti mesmo, fazeis bem; 9 se, todavia, fazeis acepção de pessoas, cometeis pecado, sendo arguidos pela lei como transgressores.”

Tiago (5:1-5 ARA)2: “1 Atendei, agora, ricos, chorai lamentando, por causa das vossas desventuras, que vos sobrevirão.As vossas riquezas estão corruptas, e as vossas roupagens, comidas de traça;o vosso ouro e a vossa prata foram gastos de ferrugens, e a sua ferrugem há de ser por testemunho contra vós mesmos e há de devorar, como fogo, as vossas carnes. Tesouros acumulastes nos últimos dias.Eis que o salário dos trabalhadores que ceifaram os vossos campos e que por vós foi retido com fraude está clamando; e os clamores dos ceifeiros penetraram até aos ouvidos do Senhor dos Exércitos. Tendes vivido regaladamente sobre a terra; tendes vivido nos prazeres; tendes engordado o vosso coração, em dia de matança;tendes condenado e matado o justo, sem que ele vos faça resistência.

“Tiago defendeu que desejar o bem a alguém, até mesmo desejar-lhe a bênção de Deus, será de pouco conforto se a pessoa estiver sofrendo de frio e fome. Prover alimento e roupas será muito mais útil na expressão e demonstração do nosso interesse por essas pessoas do que todos os nobres sentimentos e bons desejos

(veja Tg 2:14-16 [‘14 Meus irmãos, qual é o proveito, se alguém disser que tem fé, mas não tiver obras? Pode, acaso, semelhante fé salvá-lo? 15 Se um irmão ou uma irmã estiverem carecidos de roupa e necessitados do alimento cotidiano, 16 e qualquer dentre vós lhes disser: Ide em paz, aquecei-vos e fartai-vos, sem, contudo, lhes dar o necessário para o corpo, qual é o proveito disso?’]).

Tiago usou isso como um exemplo da relação entre fé e obras no contexto do nosso relacionamento com Deus. Ele também repetiu (Tg 2:8) o que Jesus ensinou sobre amar o próximo como a si mesmo, mostrando como esse mandamento deve ser obedecido no dia a dia. O preceito é vivido no serviço a Deus e aos outros, não para ganhar a salvação, mas por ser a manifestação da verdadeira fé.”1

“Por que é tão fácil, mesmo de modo inconsciente, preferir os ricos aos pobres?”1

Quinta-feira, 29 de agosto de 2019. Saiba mais, faça um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. “Meus pequeninos irmãos”: servindo aos necessitados. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 496, jul. ago. set. 2019. Adulto, Professor. 
2 BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

O clamor dos profetas – Estudo adicional

Lições da Bíblia

Textos de Ellen G. White: Profetas e Reis, p. 279-292 (“O Cativeiro Assírio”), e p. 303-310 (“O Chamado de Isaías”).

“Contra a indisfarçada opressão, a flagrante injustiça, o luxo inusitado e extravagante, despudorados banquetes e bebedeiras, a grosseira licenciosidade e deboche de seu tempo, os profetas ergueram a voz; mas seus protestos foram vãos, inútil foi a denúncia do pecado” (Ellen G. White, Profetas e Reis, p. 282).1

Para Isaías, “A perspectiva era particularmente desencorajadora em relação à condição social do povo. Em seu desejo de ganho, estavam os homens adicionando casa a casa, campo a campo. […] A justiça havia sido pervertida; e nenhuma piedade era mostrada ao pobre. […] Mesmo os juízes, cujo dever era proteger o desamparado, faziam-se surdos aos clamores do pobre e necessitado, das viúvas e dos órfãos. […]

“Em face de tais condições, não é surpreendente que Isaías recuasse da responsabilidade, quando chamado a levar a Judá as mensagens de advertência e reprovação da parte de Deus. […] Ele bem sabia que haveria de encontrar obstinada resistência” (Profetas e Reis, p. 306, 307).1

“Esses claros pronunciamentos dos profetas […] deviam ser recebidos por nós como a voz de Deus a cada pessoa. Não devemos perder a oportunidade de praticar obras de misericórdia, de terna previdência e cortesia cristã em favor do sobrecarregado e oprimido” (Profetas e Reis, p. 327).1

Perguntas para discussão

“1. A função da profecia é vista como predição do futuro. Porém, o foco dos profetas estava no mundo em que viviam. Isso muda sua percepção da função de um profeta?”1

“2. A vida e a mensagem dos profetas demonstram como pode ser perigoso defender a verdade. Por que eles atuaram dessa maneira?”

“3. Deus parece alternar a ira e a preocupação para com o povo. Como você une esses dois aspectos do caráter de Deus?”

Resumo:

“Os profetas eram impetuosos, irados e consternados defensores da vontade de Deus. Esse ímpeto envolvia uma ênfase na justiça. As exortações dos profetas para que o povo retornasse a Deus incluíam o fim da injustiça, algo que Ele prometeu fazer em Sua visão de um futuro melhor para o povo.”1

Sexta-feira, 02 de agosto de 2019. Saiba mais, faça um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. “Meus pequeninos irmãos”: servindo aos necessitados. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 496, jul. ago. set. 2019. Adulto, Professor. 

O recorrente chamado à justiça

Lições da Bíblia

“Apesar do plano de Deus para a nação israelita, o povo raramente viveu de acordo com seu chamado. Não muitas gerações após se estabelecerem na terra, eles pediram a Samuel um rei para liderar a nação, ‘como o’ tinham ‘todas as nações’ (1Sm 8:5).”1

“1. Leia 1 Samuel 8:10-18. Qual foi a advertência de Samuel ao povo, em resposta ao seu pedido por um rei?”1

1 Samuel (8:10-18 ARA)2: “10 Referiu Samuel todas as palavras do SENHOR ao povo, que lhe pedia um rei, 11 e disse: Este será o direito do rei que houver de reinar sobre vós: ele tomará os vossos filhos e os empregará no serviço dos seus carros e como seus cavaleiros, para que corram adiante deles; 12 e os porá uns por capitães de mil e capitães de cinquenta; outros para lavrarem os seus campos e ceifarem as suas messes; e outros para fabricarem suas armas de guerra e o aparelhamento de seus carros. 13 Tomará as vossas filhas para perfumistas, cozinheiras e padeiras. 14 Tomará o melhor das vossas lavouras, e das vossas vinhas, e dos vossos olivais e o dará aos seus servidores. 15 As vossas sementeiras e as vossas vinhas dizimará, para dar aos seus oficiais e aos seus servidores. 16 Também tomará os vossos servos, e as vossas servas, e os vossos melhores jovens, e os vossos jumentos e os empregará no seu trabalho. 17 Dizimará o vosso rebanho, e vós lhe sereis por servos. 18 Então, naquele dia, clamareis por causa do vosso rei que houverdes escolhido; mas o SENHOR não vos ouvirá naquele dia.”

“Samuel reconheceu esse pedido como um passo rumo à semelhança com as outras nações em outros aspectos também. E não demorou muito para que sua profecia começasse a se tornar realidade. Mesmo no auge do reino de Israel, Davi e Salomão não escaparam das tentações, da corrupção e dos excessos que resultaram de seu poder.”1

“Ao longo dos reinos de Israel e Judá, Deus enviou profetas para falar de Sua vontade e lembrar aos líderes e ao povo suas responsabilidades para com os membros negligenciados da sociedade.”1

“Nos escritos dos profetas hebreus, vemos um chamado contínuo à prática da justiça na sociedade. Confrontando a infidelidade de Israel e de seus líderes, os profetas eram uma voz regular e urgente em favor dos que não tinham voz, especialmente os afligidos pelo fato de Israel não obedecer à vontade de Deus.”1

“Refletindo sobre a paixão dos profetas do Antigo Testamento, Abraham Joshua Heschel contrastou nossa complacência com os urgentes clamores por justiça desses homens: ‘As coisas que horrorizavam os profetas são, mesmo hoje, ocorrências diárias em todo o mundo. […] A impaciência incansável dos profetas diante da injustiça pode parecer histeria para nós. Testemunhamos continuamente atos de injustiça, manifestações de hipocrisia, falsidade, ultraje e miséria, mas raramente ficamos indignados ou excessivamente agitados. Para os profetas, mesmo a menor injustiça assumia proporções cósmicas’ (The Prophets [Nova York: Jewish Publication Society of America, 1962], p. 3, 4).”

“Esses profetas nos apresentam uma percepção do coração e da mente de Deus. Falando em nome do Senhor, eles nos ajudam a ver a injustiça e o sofrimento do mundo através dos lacrimosos olhos de Deus. Mas essa paixão é também um chamado à ação, a trabalhar com Ele para aliviar e remediar a opressão e a aflição daqueles que nos rodeiam.”1

“Temos buscado ser como ‘todas as nações’ em aspectos prejudiciais a nós e aos outros?”1

Domingo, 28 de julho de 2019. Saiba mais, faça um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. “Meus pequeninos irmãos”: servindo aos necessitados. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 496, jul. ago. set. 2019. Adulto, Professor. 
2 BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Misericórdia e justiça em Salmos e Provérbios – Estudo adicional

Lições da Bíblia

Texto de Ellen G. White: Patriarcas e Profetas, p. 746-755 (“Os Últimos Anos de Davi”). Consulte a obra Lendo os Salmos, p. 17-26 (“O ‘Juízo’ no Livro de Salmos”), de C. S. Lewis.

“‘Os salmos de Davi passam por uma série completa de experiências, desde as profundezas da culpabilidade consciente e condenação própria até a fé mais sublime e a mais exaltada comunhão com Deus. O registro de sua vida declara que o pecado pode apenas trazer ignomínia e desgraças, mas mostra que o amor e a misericórdia de Deus podem alcançar as maiores profundidades, e que a fé erguerá a pessoa arrependida para que participe da adoção de filhos de Deus. De todas as declarações que Sua Palavra contém, isto é um dos mais fortes testemunhos da fidelidade, da justiça e da misericórdia de Deus em Sua aliança’ (Ellen G. White, Patriarcas e Profetas, p. 754).”1

“Pense na sabedoria no livro de Provérbios: ‘Tais são princípios que dizem respeito ao bem-estar da sociedade e das associações tanto seculares como religiosas. São estes princípios que dão segurança à propriedade e à vida. Tudo que contribui para que a confiança e a cooperação sejam possíveis, o mundo deve à lei de Deus, conforme se acha em Sua Palavra e ainda se encontra delineada, em traços muitas vezes obscuros e quase obliterados, no coração dos homens’ (Ellen G. White, Educação, p. 137).”1

Perguntas para discussão

“1. Em quais aspectos você se considera um líder e alguém numa posição de influência? Como você pode ser um agente de justiça nesses aspectos?”1

“2. Pense na cultura e nas estruturas sociais em que você vive. O que está ao seu alcance fazer pelos necessitados?”1

“3. Como os princípios de justiça e equidade fortalecem a sociedade?”1

“4. Embora o livro de Provérbios se concentre na sabedoria para se ter uma vida feliz e próspera, o que ele revela sobre Deus?”1

Resumo:
“Salmos e Provérbios enfatizam os desafios de viver fielmente em meio às experiências e provações. Eles apresentam a visão de Deus para sociedade e Sua preocupação para com os pobres e oprimidos. Ele protege os que são, muitas vezes, ignorados ou explorados. E se Deus age assim, nós devemos agir assim também.”1

Sexta-feira, 26 de julho de 2019. Saiba mais, faça um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. “Meus pequeninos irmãos”: servindo aos necessitados. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 496, jul. ago. set. 2019. Adulto, Professor. 

Promessas de um rei

Lições da Bíblia

“3. Leia o Salmo 101. Embora escrito para líderes, qual conselho importante podemos extrair para nós, seja qual for nossa posição na vida? Assinale ‘V’ para verdadeiro ou ‘F’ para falso:”1

Salmo (101 ARA)2:

“1 Cantarei a bondade e a justiça; a ti, SENHOR, cantarei. 2 Atentarei sabiamente ao caminho da perfeição. Oh! Quando virás ter comigo? Portas a dentro, em minha casa, terei coração sincero. 3 Não porei coisa injusta diante dos meus olhos; aborreço o proceder dos que se desviam; nada disto se me pegará.Longe de mim o coração perverso; não quero conhecer o mal.Ao que às ocultas calunia o próximo, a esse destruirei; o que tem olhar altivo e coração soberbo, não o suportarei. 6 Os meus olhos procurarão os fiéis da terra, para que habitem comigo; o que anda em reto caminho, esse me servirá. Não há de ficar em minha casa o que usa de fraude; o que profere mentiras não permanecerá ante os meus olhos. 8 Manhã após manhã, destruirei todos os ímpios da terra, para limpar a cidade do SENHOR dos que praticam a iniquidade.”

A. (   ) Devemos buscar justiça apenas para nós mesmos.
B. (   ) Precisamos promover a justiça em todos os aspectos e para todas as pessoas.

Resposta sugestiva: Alternativa B.

“O Salmo 101 é um texto para líderes. Acredita-se que esses versos foram compostos por Davi nos seus primeiros dias como rei de Israel. Eles podem até ter sido adaptados de votos que ele fez no momento de sua coroação. Em sua experiência como guerreiro de Saul e depois sendo fugitivo dele, Davi testemunhou por si mesmo como um rei que ‘perde a cabeça’ pode prejudicar a nação e a própria família. Davi decidiu que ele seria um líder diferente.”1

“Poucos de nós somos líderes políticos ou de uma nação, mas temos funções em que temos a oportunidade de influenciar e encorajar os outros. Essas atribuições podem ser em nossa vida profissional, no envolvimento comunitário, na família ou na igreja. Como Ellen G. White comentou sobre um desses contextos de liderança, ‘os votos de Davi, registrados no Salmo 101, devem ser os de todos sobre quem repousam as responsabilidades de zelar pelas influências do lar’ (Conselhos aos Pais, Professores e Estudantes, p. 119).”1

“Quando tivermos oportunidade, devemos estar preparados para sugerir e defender esses princípios aos que ocupam posições de liderança. E todos nós, em nossa liderança e esferas de influência, temos a oportunidade de aplicar os princípios de liderança de Davi a fim de que sejamos uma bênção para os outros.”1

“O ponto de partida para Davi foi honrar a Deus por Sua misericórdia e justiça (Sl 101:1), que se tornaram o fundamento de tudo o que Davi buscou defender em sua liderança. Ele buscou aprender e praticar essas características em sua vida e obra. Para fazer isso, ele teve que resistir às tentações de praticar delitos, corrupção e desonestidade, os quais são armadilhas especiais aos que estão em posições de liderança.”1

“Sabendo da importância dos bons conselheiros para ajudá-lo a fazer o que era correto, Davi prometeu buscar pessoas confiáveis e nomear oficiais honestos. Justiça e misericórdia deveriam marcar sua liderança, mesmo entre os que trabalhavam com ele.”1

“Ainda que não estejamos numa posição em que tenhamos conselheiros e oficiais, como podemos preencher nossa vida com influências que nos ajudem a viver e a liderar com justiça e misericórdia em favor dos que precisam?”1

Terça-feira, 23 de julho de 2019. Saiba mais, faça um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. “Meus pequeninos irmãos”: servindo aos necessitados. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 496, jul. ago. set. 2019. Adulto, Professor. 
2 BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

“Faça alguma coisa, Deus!”

Lições da Bíblia

“2. Leia o Salmo 82. Qual é a mensagem desse cântico para nós? Assinale a alternativa correta:”1

Salmo (82 ARA)2: “1 Deus assiste na congregação divina; no meio dos deuses, estabelece o seu julgamento. 2 Até quando julgareis injustamente e tomareis partido pela causa dos ímpios? 3 Fazei justiça ao fraco e ao órfão, procedei retamente para com o aflito e o desamparado.Socorrei o fraco e o necessitado; tirai-os das mãos dos ímpios. 5 Eles nada sabem, nem entendem; vagueiam em trevas; vacilam todos os fundamentos da terra. 6 Eu disse: sois deuses, sois todos filhos do Altíssimo. 7 Todavia, como homens, morrereis e, como qualquer dos príncipes, haveis de sucumbir. 8 Levanta-te, ó Deus, julga a terra, pois a ti compete a herança de todas as nações.

A. (   ) Podemos ser parciais no julgamento, pois todos são diferentes.
B. (   ) Devemos julgar com justiça, defendendo os pobres e aflitos.

Resposta sugestiva: Alternativa B.

“Apesar da organização e dos estatutos de sociedade dados por Deus à nação israelita, em vários momentos de sua história o povo não conseguiu cumprir esse plano. Muito facilmente Israel se tornou como as nações ao seu redor, vivenciando em um modelo de injustiça e opressão. Líderes e juízes cuidavam apenas de si mesmos, e o favor deles podia ser comprado com suborno. Sem os tribunais para proteger o povo, as pessoas comuns e os pobres, em especial, estavam sujeitos à exploração.”1

“O Salmo 82 é uma resposta a essa situação. Ele descreve a função de Deus como Juiz supremo e retrata uma cena em que o Senhor julga os líderes e até mesmo os juízes do povo. Esse salmo enfatiza que aqueles que preenchem tais funções na sociedade ‘são apontados para agir como juízes sob Sua administração’ (Ellen G. White, Profetas e Reis, p. 198). Eles mantêm sua posição e conduzem seu trabalho como representantes e subordinados de Deus. Na visão do salmista, a justiça de Deus é um modelo de como deveria funcionar a justiça terrestre, e a sua percepção apresenta a medida com a qual serão julgados essa justiça ou injustiça e aqueles que a dispensam.”1

“O salmo termina com um pedido específico para que Deus aja (Sl 82:8), intervenha e interrompa a injustiça tão predominante na nação. Como muitos salmos, essa poesia dá voz aos que não têm voz, aos oprimidos cujas vozes foram silenciadas pelos sistemas injustos em que eles viviam e trabalhavam.”1

“O Salmo 82 faz uma apelação a Deus em Sua posição de Juiz supremo e soberano Governante do Universo. Não existe tribunal nem autoridade superior para os quais tal apelação possa ser feita. Existe a segurança de que mesmo que os tribunais terrestres não ouçam os clamores dos pobres e oprimidos, ainda há uma inegável oportunidade de pedir ajuda.”1

“Em certos momentos da vida podemos nos ver como vítimas da injustiça, mas em outros podemos cometê-la. No Salmo 82, encontramos discernimento e sabedoria, quer sejamos os oprimidos ou os opressores. Deus também Se preocupa com os juízes injustos, descrevendo-os como Seus filhos, e deseja que eles escolham viver melhor (veja Sl 82:6). Portanto, há esperança até para os que estão do lado dos opressores, se eles permitirem que Deus os transforme.”1

Segunda-feira, 22 de julho de 2019. Saiba mais, faça um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. “Mesus pequeninos irmãos”: servindo aos necessitados. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 496, jul. ago. set. 2019. Adulto, Professor. 
2 BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.