Perante Agripa

Lições da Bíblia

“Festo concordou em atender o pedido de Paulo de enviá-lo a Roma (At 25:12). Enquanto isso o governador, ao receber uma visita de Estado de Herodes Agripa II, aproveitou para consultá-lo sobre o caso de Paulo, especificamente sobre o tipo de informação que ele deveria enviar ao imperador em seu relatório oficial. Festo ainda não estava muito familiarizado com os assuntos judaicos, e Agripa certamente poderia ajudá-lo (At 26:2, 3).”1

“4. Leia Atos 25:13-22. O que Festo disse a Agripa sobre Paulo e como o rei respondeu? Assinale ‘V’ para verdadeiro ou ‘F’ para falso:”

Atos (25:13-22 ARA)2: “13 Passados alguns dias, o rei Agripa e Berenice chegaram a Cesaréia a fim de saudar a Festo. 14 Como se demorassem ali alguns dias, Festo expôs ao rei o caso de Paulo, dizendo: Félix deixou aqui preso certo homem, 15 a respeito de quem os principais sacerdotes e os anciãos dos judeus apresentaram queixa, estando eu em Jerusalém, pedindo que o condenasse. 16 A eles respondi que não é costume dos romanos condenar quem quer que seja, sem que o acusado tenha presentes os seus acusadores e possa defender-se da acusação. 17 De sorte que, chegando eles aqui juntos, sem nenhuma demora, no dia seguinte, assentando-me no tribunal, determinei fosse trazido o homem; 18 e, levantando-se os acusadores, nenhum delito referiram dos crimes de que eu suspeitava. 19 Traziam contra ele algumas questões referentes à sua própria religião e particularmente a certo morto, chamado Jesus, que Paulo afirmava estar vivo. 20 Estando eu perplexo quanto ao modo de investigar estas coisas, perguntei-lhe se queria ir a Jerusalém para ser ali julgado a respeito disso. 21 Mas, havendo Paulo apelado para que ficasse em custódia para o julgamento de César, ordenei que o acusado continuasse detido até que eu o enviasse a César. 22 Então, Agripa disse a Festo: Eu também gostaria de ouvir este homem. Amanhã, respondeu ele, o ouvirás.

A (  ) Relatou as acusações e a prisão de Paulo. O rei respondeu que também desejava ouvir Paulo.
B (   ) Disse que Paulo era culpado. O rei condenou o apóstolo sem um julgamento.

Resposta sugestiva: Alternativa A.

“Agripa II, o último dos Herodes, chegou a Cesareia com sua irmã Berenice para saudar o novo governador.”1

“Ao descrever o caso de Paulo, Festo revelou sua surpresa de que as acusações contra ele não estavam relacionadas a nenhuma ofensa importante, nem política nem criminal. Em vez disso, elas tinham a ver com questões relativas à religião judaica, especificamente com um certo Jesus, ‘já morto, o qual Paulo’ insistia que estava ‘vivo’ (At 25:19). Paulo já havia declarado diante do Sinédrio que ele estava sendo julgado por causa de sua crença na ressurreição de Jesus; e, naquele momento, Festo deixou claro que esse era realmente o verdadeiro assunto em questão.”1

“5. Leia Atos 25:23-27. Como Lucas descreve a cerimônia em que Paulo compareceu perante Agripa?”1

Atos (25:23-27 ARA)2: “23 De fato, no dia seguinte, vindo Agripa e Berenice, com grande pompa, tendo eles entrado na audiência juntamente com oficiais superiores e homens eminentes da cidade, Paulo foi trazido por ordem de Festo. 24 Então, disse Festo: Rei Agripa e todos vós que estais presentes conosco, vedes este homem, por causa de quem toda a multidão dos judeus recorreu a mim tanto em Jerusalém como aqui, clamando que não convinha que ele vivesse mais. 25 Porém eu achei que ele nada praticara passível de morte; entretanto, tendo ele apelado para o imperador, resolvi mandá-lo ao imperador. 26 Contudo, a respeito dele, nada tenho de positivo que escreva ao soberano; por isso, eu o trouxe à vossa presença e, mormente, à tua, ó rei Agripa, para que, feita a argüição, tenha eu alguma coisa que escrever; 27 porque não me parece razoável remeter um preso sem mencionar, ao mesmo tempo, as acusações que militam contra ele.

“E agora Paulo, ainda algemado, achava-se diante do grupo reunido. Que contraste era ali apresentado! Agripa e Berenice possuíam poder e posição e, por isso, eram favorecidos pelo mundo. Contudo, eram destituídos dos traços de caráter que Deus estima. Eram transgressores de Sua lei, corruptos de coração e vida. Sua conduta não era apreciada pelo Céu” (Ellen G. White, Atos dos Apóstolos, p. 434).”1

“Como as aparências, que podem ser agradáveis à visão humana, podem muitas vezes nos enganar? As aparências são muito diferentes da realidade?”1

Terça-feira, 18 de setembro de 2018. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.
_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. O livro de Atos dos Apóstolos. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 493, jul. ago. set. 2018. Adulto, Professor.
2 BIBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Diante de Festo

Lições da Bíblia

“Depois de manter Paulo na prisão por dois anos, apenas para ganhar o favor dos judeus, Félix foi substituído por Pórcio Festo no governo da Judeia (At 24:27). Festo governou de 60 a 62 d.C.”1

“2. Leia Atos 25:1-5. Como esse episódio revela o ódio que a pregação da verdade pode causar naqueles que não desejam crer nela?”1

Atos (25:1-5 ARA)2: “1 Tendo, pois, Festo assumido o governo da província, três dias depois, subiu de Cesaréia para Jerusalém; 2 e, logo, os principais sacerdotes e os maiorais dos judeus lhe apresentaram queixa contra Paulo e lhe solicitavam, 3 pedindo como favor, em detrimento de Paulo, que o mandasse vir a Jerusalém, armando eles cilada para o matarem na estrada. 4 Festo, porém, respondeu achar-se Paulo detido em Cesaréia; e que ele mesmo, muito em breve, partiria para lá. 5 Portanto, disse ele, os que dentre vós estiverem habilitados que desçam comigo; e, havendo contra este homem qualquer crime, acusem-no.

“Provavelmente pelo fato de já terem falhado uma vez na tentativa de convencer Félix das acusações contra Paulo, os líderes judaicos não quiseram arriscar novamente. No que parece ter sido a primeira visita de Festo a Jerusalém, eles solicitaram, como favor, uma mudança de jurisdição, pedindo-lhe que lhes entregasse Paulo de volta, para que ele pudesse ser julgado pelo Sinédrio de acordo com a lei judaica.”1

“O pedido, porém, era apenas um disfarce para esconder a verdadeira intenção daqueles líderes: matar Paulo. Embora Festo estivesse disposto a reabrir o caso, ele declarou que a audiência ocorreria em Cesareia, não em Jerusalém, o que significava que Paulo seria julgado pela lei romana.”1

“Assim que Festo voltou para Cesareia, ele convocou o tribunal, e os adversários de Paulo começaram a apresentar as acusações contra o apóstolo (At 25:7). Desta vez, Lucas não relata as acusações, mas com base na resposta de Paulo (At 25:8), podemos ver que elas eram semelhantes àquelas apresentadas dois anos antes, talvez com a ênfase adicional de que, por ser um agitador, Paulo também representava uma ameaça para o império.”1

“3. Leia Atos 25:9-12. Ao perceber que Festo poderia usá-lo por razões políticas, como Paulo reagiu? Assinale a alternativa correta:”1

Atos (25:9-12 ARA)2: “9 Então, Festo, querendo assegurar o apoio dos judeus, respondeu a Paulo: Queres tu subir a Jerusalém e ser ali julgado por mim a respeito destas coisas? 10 Disse-lhe Paulo: Estou perante o tribunal de César, onde convém seja eu julgado; nenhum agravo pratiquei contra os judeus, como tu muito bem sabes. 11 Caso, pois, tenha eu praticado algum mal ou crime digno de morte, estou pronto para morrer; se, pelo contrário, não são verdadeiras as coisas de que me acusam, ninguém, para lhes ser agradável, pode entregar-me a eles. Apelo para César. 12 Então, Festo, tendo falado com o conselho, respondeu: Para César apelaste, para César irás.

A (  ) Denunciou Festo.
B (  ) Apelou para César.

Resposta sugestiva: Alternativa B.

“Festo não se mostrou diferente de Félix em relação às suas estratégias políticas (At 24:27). Não desejando perder o apoio dos judeus tão cedo ao declarar que Paulo era inocente, ele pensou em atender o pedido dos líderes judaicos: permitir que o apóstolo fosse julgado pelo Sinédrio em Jerusalém.”1

“Isso, contudo, era inaceitável para Paulo, que sabia que não seria tratado com justiça em Jerusalém e que estaria entregue aos caprichos de seus inimigos. Então, valendo-se de suas prerrogativas romanas, insistiu que tinha o direito de ser julgado por um tribunal romano e, sem ver outra alternativa, resolveu apelar para a mais alta instância da justiça romana, que era o próprio imperador.”1

Segunda-feira, 17 de setembro de 2018. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.
_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. O livro de Atos dos Apóstolos. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 493, jul. ago. set. 2018. Adulto, Professor.
2 BIBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Diante de Félix

Lições da Bíblia

“Cinco dias após a transferência de Paulo para Cesareia, um grupo de líderes judeus importantes – o sumo sacerdote, alguns membros do Sinédrio e um advogado chamado Tértulo – vieram de Jerusalém e formalmente apresentaram diante de Félix suas acusações contra o apóstolo (At 24:1-9).”1

“Esse é o único julgamento em Atos em que os acusadores empregaram um advogado. Em seu discurso, Tértulo tentou uma estratégia interessante para ganhar o favor do governador. Simplesmente não era verdade que, sob o governo de Félix, os judeus tinham desfrutado de um longo período de paz. Na verdade, nenhum outro governador havia sido tão repressivo e violento, e isso gerou um enorme antagonismo entre os judeus em relação ao governo romano. Com muita criatividade, Tértulo usou a própria política administrativa do governador para convencê-lo de que ele alcançaria estabilidade política nesse caso também apenas por meio de severa repressão.”1

“Em seguida, ele apresentou três acusações específicas contra Paulo: (1) que ele era um agitador que constantemente fomentava distúrbios entre os judeus por todo o império (At 24:5); (2) que era um líder dos nazarenos (At 24:5), o que implicava o cristianismo, em sua totalidade, como uma espécie de movimento revolucionário; e (3) que havia tentado profanar o templo de Jerusalém (At 24:6).”1

1 De acordo com Atos 24:10-19, como Paulo respondeu a cada uma das acusações?

Atos (24:10-19 ARA): “10 Paulo, tendo-lhe o governador feito sinal que falasse, respondeu: Sabendo que há muitos anos és juiz desta nação, sinto-me à vontade para me defender, 11 visto poderes verificar que não há mais de doze dias desde que subi a Jerusalém para adorar; 12 e que não me acharam no templo discutindo com alguém, nem tampouco amotinando o povo, fosse nas sinagogas ou na cidade; 13 nem te podem provar as acusações que, agora, fazem contra mim. 14 Porém confesso-te que, segundo o Caminho, a que chamam seita, assim eu sirvo ao Deus de nossos pais, acreditando em todas as coisas que estejam de acordo com a lei e nos escritos dos profetas, 15 tendo esperança em Deus, como também estes a têm, de que haverá ressurreição, tanto de justos como de injustos. 16 Por isso, também me esforço por ter sempre consciência pura diante de Deus e dos homens. 17 Depois de anos, vim trazer esmolas à minha nação e também fazer oferendas, 18 e foi nesta prática que alguns judeus da Ásia me encontraram já purificado no templo, sem ajuntamento e sem tumulto, 19 os quais deviam comparecer diante de ti e acusar, se tivessem alguma coisa contra mim.

“Dois outros pontos levantados por Paulo foram devastadores para a acusação: (1) a ausência das testemunhas da Ásia (At 24:18, 19), o que tinha potencial para tornar o julgamento inválido; e (2) o fato de que os judeus ali só podiam falar da audiência de Paulo perante o Sinédrio ocorrida na semana anterior (At 24:20); assim sendo, não tinham nada de que acusá-lo, à exceção de sua crença na ressurreição dos mortos (compare com At 23:6).”1

“Félix imediatamente entendeu o peso dos argumentos de Paulo, ainda mais porque ele também estava um pouco familiarizado com o cristianismo, provavelmente por causa de sua esposa judia, Drusila. O fato é que ele decidiu suspender o processo até receber novas informações (At 24:22).”1

“A resposta de Félix (At 24:24-27) revela muito sobre seu caráter: ele procrastinou, podia ser subornado e foi oportunista. Paulo tinha poucas chances de ter um julgamento justo com alguém como Félix.”1

“Leia Atos 24:16. Paulo disse que sempre se esforçava para ter uma ‘consciência pura diante de Deus e dos homens’. O que isso significa? O que você teria que mudar para dizer o mesmo?”1

Domingo, 16 de setembro de 2018. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.
_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. O livro de Atos dos Apóstolos. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 493, jul. ago. set. 2018. Adulto, Professor.
2 BIBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Detenção em Cesareia

Lições da Bíblia

Assim Deus permitisse que, por pouco ou por muito, não apenas tu, ó rei, porém todos os que hoje me ouvem se tornassem tais qual eu sou, exceto estas cadeias” (At 26:29).1

“A transferência de Paulo para Cesareia inaugurou um período de dois anos de prisão do apóstolo naquela cidade (At 24:27), mais precisamente no pretório de Herodes (At 23:35), a residência oficial do governador romano. Durante esse período, Paulo teve várias audiências nas quais compareceu diante de dois governadores romanos (Félix e Festo) e um rei (Agripa II), dando assim prosseguimento ao ministério que Deus lhe concedera (At 9:15).”1

“Em todas as audiências, Paulo sempre se declarou inocente, alegando que nenhuma evidência podia ser produzida contra ele, conforme demonstrava a ausência de testemunhas. Na verdade, toda a narrativa pretende mostrar que Paulo não havia feito nada que justificasse a prisão e que poderia ser posto em liberdade, caso não tivesse apelado para César (At 26:32). Essas audiências, porém, concederam-lhe oportunidades de testemunhar sobre Jesus e a grande esperança encontrada na promessa da ressurreição.”1

“‘No entanto, aqueles foram anos de profunda ansiedade e de confinamento tedioso, em que o apóstolo parece não ter obtido nenhum apoio da igreja em Jerusalém, cujos líderes mostravam ‘a opinião que ainda mantinham, de que Paulo devia ser responsabilizado em grande parte pelos preconceitos existentes’ (Ellen G. White, Atos dos Apóstolos, p. 403).”1

Sábado, 15 de setembro de 2018. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.
_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. O livro de Atos dos Apóstolos. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 493, jul. ago. set. 2018. Adulto, Professor.

Prisão de Paulo em Jerusalém – Estudo adicional

Lições da Bíblia

Assista em vídeo a discussão do tema da semana.

 

Estudo adicional

“‘Paulo e seus companheiros formalmente apresentaram aos dirigentes da obra em Jerusalém as contribuições enviadas pelas igrejas gentílicas para o sustento dos pobres existentes entre os irmãos judeus. […] Essas ofertas voluntárias traduziam a lealdade dos conversos gentios para com a obra de Deus organizada em todo o mundo, e deviam ter sido recebidas por todos com grato reconhecimento; entretanto, era evidente para Paulo e seus colaboradores que, mesmo dentre aqueles diante de quem agora estavam, havia alguns que eram incapazes de valorizar o espírito de amor fraternal que motivara as ofertas’ (Ellen G. White, Atos dos Apóstolos, p. 399, 400).”1

“Se os dirigentes da igreja tivessem abandonado completamente seus sentimentos de amargura contra o apóstolo, aceitando-o como alguém especialmente chamado por Deus para levar o evangelho aos gentios, o Senhor o teria poupado para eles. Deus não havia ordenado que os trabalhos de Paulo acabassem tão cedo; mas não operou um milagre para conter o desenrolar das circunstâncias que a atitude dos líderes da igreja em Jerusalém havia provocado.”1

“Esse espírito ainda produz os mesmos resultados. A negligência em apreciar e aproveitar as provisões da graça divina tem privado a igreja de muitas bênçãos. Quantas vezes o Senhor teria prolongado a obra de um fiel ministro, se seu trabalho tivesse sido valorizado! Mas quando a igreja permite ao inimigo perverter o entendimento, de maneira que representem e interpretem mal as palavras e atos do servo de Cristo; se eles se permitirem atrapalhar e estorvar a sua utilidade, o Senhor, às vezes, remove a bênção que Ele deu. […].”1

“‘Depois que as mãos estão cruzadas sobre o peito inerte, quando a voz de advertência e encorajamento está em silêncio, então os obstinados podem ser despertados para ver e valorizar a bênção que rejeitaram. Sua morte pode realizar o que sua vida não conseguiu fazer’ (Ibid., p. 417, 418).”1

Perguntas para discussão

“1. Paulo foi para Jerusalém sabendo que não seria bem-vindo ali, pois colocava os interesses da igreja acima dos seus interesses. Devemos imitá-lo?”1

“2. O que  aprendemos com a concessão que Paulo fez em Jerusalém? Como ser politicamente corretos sem renunciar aos princípios pelos quais vivemos?”1

“3. A unidade da igreja é sempre muito importante. Como podemos trabalhar juntos e unidos, mesmo quando temos visões diferentes das coisas?”1

Sexta-feira, 14 de setembro de 2018. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.
_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. O livro de Atos dos Apóstolos. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 493, jul. ago. set. 2018. Adulto, Professor.

Transferência para Cesareia

Lições da Bíblia

“Irritados com o fato de que ainda não tinham se livrado de Paulo por meios legais, um grupo decidiu articular um plano para atacar o apóstolo em uma emboscada e o matar por conta própria.”1

“7. De acordo com Atos 23:12-17, qual era o plano dos judeus contra Paulo? Como esse esquema foi frustrado?”1

Atos (23:12-17 ARA)2: “12 Quando amanheceu, os judeus se reuniram e, sob anátema, juraram que não haviam de comer, nem beber, enquanto não matassem Paulo. 13 Eram mais de quarenta os que entraram nesta conspirata. 14 Estes, indo ter com os principais sacerdotes e os anciãos, disseram: Juramos, sob pena de anátema, não comer coisa alguma, enquanto não matarmos Paulo. 15 Agora, pois, notificai ao comandante, juntamente com o Sinédrio, que vo-lo apresente como se estivésseis para investigar mais acuradamente a sua causa; e nós, antes que ele chegue, estaremos prontos para assassiná-lo. 16 Mas o filho da irmã de Paulo, tendo ouvido a trama, foi, entrou na fortaleza e de tudo avisou a Paulo. 17 Então, este, chamando um dos centuriões, disse: Leva este rapaz ao comandante, porque tem alguma coisa a comunicar-lhe.

“O fato de que mais de 40 judeus conspiraram contra Paulo e se uniram em um juramento revela o ódio que o apóstolo despertava em Jerusalém. Lucas não revela a identidade desses homens, mas eles eram extremistas dispostos a fazer o que fosse necessário para proteger a fé judaica de seus supostos traidores e inimigos. Esse nível de fanatismo religioso, aliado a um fervor revolucionário e nacionalista, não era incomum na Judeia do 1o século e em seus arredores.”1

“De maneira providencial, porém, a notícia da conspiração foi ouvida pelo sobrinho de Paulo. É um tanto decepcionante que não conheçamos quase nada sobre a família de Paulo, mas, aparentemente, ele e sua irmã haviam sido criados em Jerusalém (At 22: 3), onde ela se casou e teve pelo menos um filho. De qualquer maneira, o sobrinho de Paulo – o diminutivo neaniskos (At 23:18, 22) e o fato de ele ter sido levado ‘pela mão’ (At 23:19) implicam que ainda era adolescente – conseguiu visitá-lo na fortaleza e lhe contar a história.”1

“8. Leia Atos 23:26-30. Qual foi a mensagem que o comandante Lísias enviou ao governador Félix sobre Paulo? Assinale a alternativa correta:”1

Atos (23:26-30 ARA)2: “26 Cláudio Lísias ao excelentíssimo governador Félix, saúde. 27 Este homem foi preso pelos judeus e estava prestes a ser morto por eles, quando eu, sobrevindo com a guarda, o livrei, por saber que ele era romano. 28 Querendo certificar-me do motivo por que o acusavam, fi-lo descer ao Sinédrio deles; 29 verifiquei ser ele acusado de coisas referentes à lei que os rege, nada, porém, que justificasse morte ou mesmo prisão. 30 Sendo eu informado de que ia haver uma cilada contra o homem, tratei de enviá-lo a ti, sem demora, intimando também os acusadores a irem dizer, na tua presença, o que há contra ele. [Saúde.]

A (  ) Ele disse que Paulo parecia ser inocente.
B (  ) Ele pediu que Félix executasse Paulo.

Resposta sugestiva: Alternativa A.

“A carta apresentava a Félix um relatório justo sobre a situação. Além disso, mostrava como Paulo havia sido beneficiado por sua cidadania romana. A lei romana protegia plenamente seus cidadãos, que tinham o direito, por exemplo, a um julgamento legal, no qual pudessem comparecer perante o tribunal e se defender (At 25:16), e também o direito de recorrer ao imperador no caso de um julgamento injusto (At 25:10, 11).”1

“Independentemente da reputação de Félix, ele tratou Paulo de maneira juridicamente apropriada. Após um interrogatório preliminar, ele ordenou que o apóstolo fosse mantido preso até que os acusadores chegassem.”1

“Pense na providência de Deus na vida de Paulo. Com que frequência você tem reconhecido humildemente a providência de Deus em sua vida, apesar das provações e dos sofrimentos que possa ter passado?”1

Quinta-feira, 13 de setembro de 2018. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.
_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. O livro de Atos dos Apóstolos. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 493, jul. ago. set. 2018. Adulto, Professor.
2 BIBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Perante o Sinédrio

Lições da Bíblia

“Quando o comandante romano percebeu que Paulo não representava nenhuma ameaça para o império, isto é, que a questão envolvia disputas internas dos judeus, ele pediu para o Sinédrio assumir o caso (At 22:30; 23:29).”1

“5. De acordo com Atos 23:1-5, como Paulo começou sua defesa perante o Sinédrio?”1

Atos (23:1-5 ARA)2: “1 Fitando Paulo os olhos no Sinédrio, disse: Varões, irmãos, tenho andado diante de Deus com toda a boa consciência até ao dia de hoje. 2 Mas o sumo sacerdote, Ananias, mandou aos que estavam perto dele que lhe batessem na boca. 3 Então, lhe disse Paulo: Deus há de ferir-te, parede branqueada! Tu estás aí sentado para julgar-me segundo a lei e, contra a lei, mandas agredir-me? 4 Os que estavam a seu lado disseram: Estás injuriando o sumo sacerdote de Deus? 5 Respondeu Paulo: Não sabia, irmãos, que ele é sumo sacerdote; porque está escrito: Não falarás mal de uma autoridade do teu povo.

“A declaração introdutória de Paulo foi recebida com uma bofetada na boca, talvez porque, como prisioneiro, sua referência a Deus parecia blasfema. Sua reação impulsiva nos dá um vislumbre de seu temperamento. Ao chamar o sumo sacerdote de ‘parede branqueada’ (At 23:3), Paulo estava ecoando as palavras de Jesus, ao condenar a hipocrisia dos fariseus (Mt 23:27). No entanto, como Paulo não sabia que estava se dirigindo ao sumo sacerdote, a possibilidade de que ele tivesse uma visão ruim não deve ser descartada.”1

  1. Leia Atos 23:6-10. Como Paulo tentou, engenhosamente, desestabilizar o processo? Complete as lacunas:

Atos (23:6-10 ARA)2: “6 Sabendo Paulo que uma parte do Sinédrio se compunha de saduceus e outra, de fariseus, exclamou: Varões, irmãos, eu sou fariseu, filho de fariseus! No tocante à esperança e à ressurreição dos mortos sou julgado! 7 Ditas estas palavras, levantou-se grande dissensão entre fariseus e saduceus, e a multidão se dividiu. 8 Pois os saduceus declaram não haver ressurreição, nem anjo, nem espírito; ao passo que os fariseus admitem todas essas coisas. 9 Houve, pois, grande vozearia. E, levantando-se alguns escribas da parte dos fariseus, contendiam, dizendo: Não achamos neste homem mal algum; e será que algum espírito ou anjo lhe tenha falado? 10 Tomando vulto a celeuma, temendo o comandante que fosse Paulo espedaçado por eles, mandou descer a guarda para que o retirassem dali e o levassem para a fortaleza.

“Sabendo Paulo que uma parte do Sinédrio se compunha de saduceus e outra, de fariseus, exclamou: Varões, irmãos, eu sou fariseu, filho de fariseus! No tocante à esperança e à ressurreição dos mortos sou julgado!” (At 23:6).

“O Sinédrio era composto de saduceus e fariseus que se opunham uns aos outros em uma série de questões; doutrina era uma delas. Os saduceus, por exemplo, cujas Escrituras incluíam apenas os primeiros cinco livros de Moisés (o Pentateuco), não acreditavam na ressurreição dos mortos (Mt 22:23-32).”1

“A declaração de Paulo (At 23:6), no entanto, foi mais do que uma tática inteligente para distrair o Sinédrio. Uma vez que o encontro com o Jesus ressuscitado na estrada de Damasco era o fundamento de sua conversão e ministério apostólico, a crença na ressurreição era a verdadeira questão pela qual ele estava sendo julgado (At 24:20, 21; 26:6-8). Nada mais podia explicar como ele havia abandonado seu antigo zelo para se tornar quem ele era naquele momento. Se Jesus não tivesse ressuscitado, seu ministério era inútil, e ele também sabia disso (1Co 15:14-17).”1

“Naquela noite, quando Paulo estava na fortaleza, o Senhor lhe apareceu, dizendo: ‘Coragem! Pois do modo por que deste testemunho a Meu respeito em Jerusalém, assim importa que também o faças em Roma’ (At 23:11). Dadas as circunstâncias, essa promessa deve ter sido significativa para Paulo. Seu desejo de pregar em Roma (At 19:21; Rm 1:13-15; 15:22-29) ainda seria realizado.”1

Quarta-feira, 12 de setembro de 2018. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.
_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. O livro de Atos dos Apóstolos. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 493, jul. ago. set. 2018. Adulto, Professor.
2 BIBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.