A fé promove o pecado?

Lições da Bíblia

“Uma das principais acusações contra Paulo era a de que seu evangelho da justificação pela fé apenas encorajava as pessoas a pecar (Rm 3:8; 6:1). Sem dúvida, os acusadores argumentavam que, se as pessoas não têm que cumprir a lei para ser aceitas por Deus, por que deviam se preocupar com sua maneira de viver? Lutero também enfrentou acusações semelhantes.”1

7. De acordo com Gálatas 2:17, 18, como Paulo respondeu à acusação de que a doutrina da justificação pela fé apenas encorajava o comportamento pecaminoso? Assinale a alternativa correta:”1

“17 Mas se, procurando ser justificados em Cristo, fomos nós mesmos também achados pecadores, dar-se-á o caso de ser Cristo ministro do pecado? Certo que não! 18 Porque, se torno a edificar aquilo que destruí, a mim mesmo me constituo transgressor.” (Gálatas 2:17, 18 ARA)2.

A ( ) Reconheceu que a fé estimulava o pecado, e acabou abandonando o evangelho.
B ( ) Disse que Cristo não é ministro do pecado, mas nos leva à obediência.

Resposta alternativa: Alternativa B.

“Paulo respondeu às acusações de seus adversários nos termos mais fortes possíveis: ‘De maneira nenhuma’! (ARC). Embora seja possível que uma pessoa caia em pecado após ir a Cristo, a responsabilidade certamente não seria de Cristo. Se transgredimos a lei, nós mesmos somos os transgressores.”

“8. Como Paulo descreveu sua união com Jesus Cristo? Como essa descrição refuta as objeções levantadas por seus adversários? Gl 2:19-21

“19 Porque eu, mediante a própria lei, morri para a lei, a fim de viver para Deus. Estou crucificado com Cristo; 20 logo, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim; e esse viver que, agora, tenho na carne, vivo pela fé no Filho de Deus, que me amou e a si mesmo se entregou por mim. 21 Não anulo a graça de Deus; pois, se a justiça é mediante a lei, segue-se que morreu Cristo em vão.” (Gálatas 2:19-21 ARA)2.

“Paulo considerou o raciocínio de seus opositores simplesmente absurdo. Aceitar Cristo pela fé não é algo trivial, não é um jogo de faz de conta celestial, em que Deus considera a pessoa como justa enquanto não há mudança real na sua maneira de viver. Ao contrário, aceitar Cristo pela fé é extremamente radical. Envolve uma completa união com Ele, uma união em Sua morte e ressurreição. Espiritualmente falando, Paulo disse que somos crucificados com Cristo, e morrem nossos velhos hábitos pecaminosos, enraizados no egoísmo (Rm 6:5-14). Fizemos uma ruptura radical com o passado. Todas as coisas são novas (2Co 5:17). Também fomos ressuscitados para uma vida nova em Cristo. O Cristo ressuscitado vive dentro de nós, tornando-nos diariamente mais e mais semelhantes a Ele mesmo.”1

“Portanto, a fé em Cristo não é um pretexto para o pecado, mas um chamado a um relacionamento mais profundo e mais rico com Cristo do que jamais poderia ser encontrado numa religião fundamentada na lei.”1

Quinta-feira, 20 de julho de 2017. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio  da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.
_______________
1 COSAERT, Carl. O evangelho em Gálatas. Lições da escola sabatina. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 489, Jul. Ago. Set. 2017. Adulto, Professor.
2 BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Convencer do pecado

Lições da Bíblia

“1. Leia João 16:8, 9. Que obra fundamental o Espírito Santo realiza por nós, e por que ela é tão importante?”1

“8 Quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, da justiça e do juízo: 9 do pecado, porque não crêem em mim;” (João 16:8-9 ARA)2.

“Jesus chamou o Espírito Santo de paracleto, palavra rica em significado e que transmite a ideia de ajudadoradvogado e consolador. O Espírito não participa dessa importante obra de nos convencer do pecado como o acusador dos irmãos nem como nosso promotor de acusação. Ele não é enviado por Jesus para nos condenar, mas para nos ajudar a perceber a necessidade que temos da graça.”1

“Somente um consolador é aceito como ajudador. É uma grande tragédia o fato de que os cristãos, por mais bem-intencionados que sejam, muitas vezes abordem as pessoas que estão em pecado com um espírito acusador em vez de uma atitude ajudadora. Se saímos por aí apontando o pecado na vida das pessoas, estamos fazendo algo que Jesus não nos chamou a fazer. Afinal de contas, quem somos nós para apontar o pecado dos outros quando nós mesmos certamente temos pecados?”1

“2. Leia Romanos 2:1 e Mateus 7:3. Que mensagem devemos extrair desses versos? Por que não podemos julgar os outros?”1

Portanto, és indesculpável, ó homem, quando julgas, quem quer que sejas; porque, no que julgas a outro, a ti mesmo te condenas; pois praticas as próprias coisas que condenas.” (Romanos 2:1 ARA)2. “Por que vês tu o argueiro no olho de teu irmão, porém não reparas na trave que está no teu próprio?” (Mateus 7:3 ARA)2.

“Somos Suas testemunhas, não promotores de acusação. Somos chamados a testemunhar de Seu poder redentor, não a condenar os outros por seus erros. Na tentativa de convencer outras pessoas de seus pecados, assumimos uma obra que não é nossa; é do Espírito Santo.”1

“Será o Consolador (não nós) que convencerá (Jo 16:8) o mundo da verdadeira natureza do pecado. Pessoas que não se entregam a Jesus não têm a verdadeira compreensão do que o pecado realmente é e de quanto ele pode ser destrutivo.”1

“A ideia, nesse verso, não é que o Espírito fará uma lista de pecados específicos. Em vez disso, Ele vai ao pecado fundamental: a descrença em Jesus Cristo (Jo 16:9). Nossa mais profunda miséria e alienação não consiste em nossa imperfeição moral, mas em nosso afastamento de Deus e recusa em aceitar Aquele a quem Ele enviou para nos resgatar dessa condição.”1

“O problema fundamental de todo pecado é que não acreditamos em Jesus e, portanto, rejeitamos o único que pode nos salvar do nosso pecado e culpa. Esse é o pecado que coloca o ‘eu’ no centro das coisas, fazendo com que nos recusemos a crer na Palavra de Deus. Somente o Espírito Santo pode nos abrir o coração e a mente à grande necessidade que temos de arrependimento e da redenção pela morte de Cristo em nosso favor.”1

Domingo, 19 de março de 2017. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio  da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.
_______________
1HASEL, Frank. O Espírito Santo e a espiritualiadade. Lições da escola sabatina. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 487, Jan. Fev. Mar. 2017. Adulto, Professor.
2 BIBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Satanás é desmascarado

Lições da Bíblia

“8. Leia João 12:30-32. O que Jesus disse sobre Satanás no contexto da cruz e do grande conflito? Assinale a alternativa correta:”1

“30 Então, explicou Jesus: Não foi por mim que veio esta voz, e sim por vossa causa. 31 Chegou o momento de ser julgado este mundo, e agora o seu príncipe será expulso. 32 E eu, quando for levantado da terra, atrairei todos a mim mesmo.” (João 12:30-32 ARA)2.

A. (   ) Satanás seria destruído com fogo e enxofre.

B. (   ) O inimigo ainda reinaria por um tempo.

C. (   ) Estava na hora de Satanás ser julgado e expulso.

D. (   ) Satanás lutaria contra o povo de Deus.

Resposta: Alternativa C.1

“Depois de falar sobre a morte de Jesus na cruz, Ellen G. White escreveu sobre o forte impacto que ela teve no Céu e também para o Universo expectante. ‘As mentirosas acusações de Satanás contra o caráter e governo divinos apareceram sob sua verdadeira luz. Ele acusou Deus de procurar simplesmente a exaltação de Si mesmo, exigindo submissão e obediência de Suas criaturas, e declarou que, enquanto o Criador cobrava abnegação de todos os outros, Ele mesmo não a praticava e não fazia sacrifício nenhum. Viu-se então que, para a salvação da humanidade caída e pecadora, o Governador do Universo fizera o máximo sacrifício que o amor poderia efetuar, pois ‘Deus estava em Cristo, reconciliando consigo o mundo’ (2Co 5:19). Viu-se também que, enquanto Lúcifer abrira a porta para o pecado por seu desejo de honras e supremacia, Cristo, a fim de destruir o pecado, Se humilhara e Se fizera obediente até a morte’ (O Grande Conflito, p. 502).”1

“9. Leia 2 Coríntios 5:19. Como a morte de Cristo reconciliou com Deus o mundo caído? Complete as lacunas:”1

a saber, que Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não imputando aos homens as suas transgressões, e nos confiou a palavra da reconciliação.” (2 Coríntios 5:19 ARA)2.

“Ela faz com que a conta, a culpa, a dívida dos pecados dos homens não seja lançada sobre eles, mas sim sobre Deus.”1

“O mundo havia caído em pecado e rebelião e se havia aberto aos planos e projetos de Satanás, conforme podemos ver tão claramente, por exemplo, no livro de Jó. Porém, quando Jesus veio como homem (embora nunca tivesse perdido Sua divindade), Ele formou um laço indestrutível entre o Céu e a Terra e, com Sua morte, garantiu a destruição final do pecado e de Satanás. Na cruz, Jesus pagou a pena legítima pelo pecado, reconciliando assim com Deus o mundo caído. Embora sejamos pecadores condenados à morte, mediante a fé podemos ter a promessa da vida eterna em Jesus.”1

“Não importam os pecados que você cometeu, Jesus pagou o preço por eles na cruz. Por que essa incrível verdade deveria mudar sua vida e motivá-lo a viver em obediência a Ele?”1

Quinta-feira, 15 de dezembro de 2016. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio  da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.
__________________
1 LIÇÕES da escola sabatina. O livro de Jó. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 486, Out. Nov. Dez. 2016. Adulto, Professor.

2 BIBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Sangue inocente?

Lições da Bíblia

“Muitas vezes ouvimos sobre o assunto do sofrimento de ‘inocentes’. A Bíblia até mesmo utiliza a expressão ‘sangue inocente’ (Is 59:7; Jr 22:17; Jl 3:19), geralmente no contexto de agressão ou até assassinato de pessoas que não mereciam o que lhes aconteceu. Se utilizarmos essa interpretação de ‘sangue inocente’, então, veremos que nosso mundo está repleto de muitos exemplos disso.”1

“Por outro lado, a Bíblia fala sobre a realidade da pecaminosidade e corrupção humanas, o que levanta uma questão válida sobre o significado do termo ‘inocente’. Se todos pecaram e transgrediram a lei de Deus, quem de fato é inocente? Como disse alguém: ‘Sua certidão de nascimento atesta sua culpa.’”1

“Embora teólogos e estudiosos da Bíblia tenham debatido por séculos a exata natureza da relação humana para com o pecado, a Bíblia deixa claro que o pecado impactou toda a humanidade. O conceito da pecaminosidade humana não se encontra apenas no Novo Testamento. Ao contrário, a investigação do tema no Novo Testamento é uma expansão do que foi escrito no Antigo Testamento.”1

“2. O que os textos seguintes ensinam sobre a realidade do pecado? 1Rs 8:46; Sl 51:5; Pv 20:9; Is 53:6; Rm 3:10-20. Complete as lacunas de acordo com o conteúdo dos textos:”1

Quando pecarem contra ti (pois não há homem que não peque), e tu te indignares contra eles, e os entregares às mãos do inimigo, a fim de que os leve cativos à terra inimiga, longe ou perto esteja;” (1 Reis 8:46 ARA)2.

Eu nasci na iniqüidade, e em pecado me concebeu minha mãe.” (Salmo 51:5 ARA)2.

Quem pode dizer: Purifiquei o meu coração, limpo estou do meu pecado?” (Provérbios 20:9 ARA)2.

Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas; cada um se desviava pelo caminho, mas o SENHOR fez cair sobre ele a iniqüidade de nós todos.” (Isaías 53:6 ARA)2.

“10 como está escrito: Não há justo, nem um sequer, 11 não há quem entenda, não há quem busque a Deus; 12 todos se extraviaram, à uma se fizeram inúteis; não há quem faça o bem, não há nem um sequer. 13 A garganta deles é sepulcro aberto; com a língua, urdem engano, veneno de víbora está nos seus lábios, 14 a boca, eles a têm cheia de maldição e de amargura; 15 são os seus pés velozes para derramar sangue, 16 nos seus caminhos, há destruição e miséria; 17 desconheceram o caminho da paz. 18 Não há temor de Deus diante de seus olhos. 19 Ora, sabemos que tudo o que a lei diz, aos que vivem na lei o diz para que se cale toda boca, e todo o mundo seja culpável perante Deus, 20 visto que ninguém será justificado diante dele por obras da lei, em razão de que pela lei vem o pleno conhecimento do pecado.” (Romanos 3:10-20 ARA)2.

“Esses textos nos ensinam  que todos nós nascemos em pecado. Portanto, somos todos pecadores e merecemos a morte.”1

“Além do claro testemunho das Escrituras, qualquer pessoa que tenha conhecido o Senhor pessoalmente e tido um vislumbre da bondade e santidade de Deus conhece a realidade da pecaminosidade humana. Nesse sentido, quem dentre nós é verdadeiramente ‘inocente’? (Vamos desconsiderar por enquanto a questão dos bebês e das crianças).”1

“Por outro lado, não é bem essa a questão. Jó era um pecador. Nesse sentido ele não era inocente, assim como seus filhos também não eram. Contudo, o que ele havia feito, ou eles haviam feito, para merecer a sorte que recaiu sobre eles? Não seria essa, talvez, a grande pergunta da humanidade em relação ao sofrimento? Diferente dos ‘provérbios de cinza’ (Jó 13:12) de seus amigos, Jó sabia que não merecia o que lhe estava acontecendo.”1

“O amor e a santidade de Deus intensificam nosso senso de pecaminosidade. Essa percepção nos ajuda a enxergar nossa absoluta necessidade da cruz?”1

Segunda-feira, 14 de novembro de 2016. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio  da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.
__________________
1 LIÇÕES da escola sabatina. O livro de Jó. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 486, Out. Nov. Dez. 2016. Adulto, Professor.

2 BIBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Um pequeno Céu na Terra

Lições da Bíblia

“O livro de Jó começa com um tom positivo. Pelo menos da perspectiva terrestre, vemos um homem abençoado em todos os aspectos.”1

“1. Leia Jó 1:1-4. Como era o estilo de vida de Jó? Quais eram os aspectos positivos da vida desse patriarca?”

“1 Havia um homem na terra de Uz, cujo nome era Jó; homem íntegro e reto, temente a Deus e que se desviava do mal. 2 Nasceram-lhe sete filhos e três filhas. 3 Possuía sete mil ovelhas, três mil camelos, quinhentas juntas de bois e quinhentas jumentas; era também mui numeroso o pessoal ao seu serviço, de maneira que este homem era o maior de todos os do Oriente. 4 Seus filhos iam às casas uns dos outros e faziam banquetes, cada um por sua vez, e mandavam convidar as suas três irmãs a comerem e beberem com eles.” (Jó 1:1-4 ARA)2.

Ele era íntegro e reto, temente a Deus e que se desviava do mal. Era abençoado espiritualmente, socialmente e financeiramente. Sua família era feliz e unida. Ele era fiel a Deus.1 

“Jó tinha tudo o que alguém pudesse desejar, inclusive um caráter justo. A palavra traduzida como ‘íntegro’ em Jó 1:1 vem de um termo que pode significar ‘completo’ ou ‘cheio de integridade’. Já a palavra ‘reto’, significa ‘direito’, o que pode dar a ideia de andar em um caminho direito. Em suma, o livro começa com um cenário edênico, retratando um homem de fé e integridade, abastado e que tinha tudo que alguém podia desejar.”1

“Entretanto, ele levava uma vida quase perfeita em um mundo caído.”1

“2. Ele vivia em um mundo caído e afetado pelo mal. Qual é a característica do mundo caído, de acordo com Jó 1:5, 6? Marque a opção correta.”1

“5 Decorrido o turno de dias de seus banquetes, chamava Jó a seus filhos e os santificava; levantava-se de madrugada e oferecia holocaustos segundo o número de todos eles, pois dizia: Talvez tenham pecado os meus filhos e blasfemado contra Deus em seu coração. Assim o fazia Jó continuamente. 6 Num dia em que os filhos de Deus vieram apresentar-se perante o SENHOR, veio também Satanás entre eles.” (Jó 1:5-6 ARA)2.

A. ( ) No mundo caído, todas as pessoas morrem.

B. ( ) No mundo caído, o ser humano tem inclinação para o mal.

C. ( ) No mundo caído reina o sofrimento.

D. ( ) No mundo caído, Satanás possui o domínio e se julga no direito de nos representar diante de Deus.

Resposta: Alternativa D

“‘Nas festividades de seus filhos e filhas, Jó temia que eles desagradassem a Deus. Como fiel sacerdote do lar, ele oferecia sacrifícios por eles individualmente. Conhecia o ofensivo caráter do pecado; o pensamento de que seus filhos pudessem se esquecer das reivindicações divinas o levava a Deus como intercessor em favor deles’ (Ellen G. White,Comentário Bíblico Adventista, v. 3, p. 1291).”1

“Evidentemente, Jó desfrutava de boas circunstâncias; seria quase impossível ter uma vida melhor do que a dele. O cenário apresentado é realmente edênico: um homem com uma vida plena, com uma grande família, um nome importante e muitas posses. No entanto, Jó ainda vivia em um planeta caído, mergulhado no pecado e, portanto, como ele logo percebeu, com todos os perigos que vida aqui pode nos trazer.”1

“Que coisas boas fazem parte da sua vida neste momento? Como você pode aprender a ter sempre uma atitude de gratidão por elas?”

Participe do projeto “Reavivados por Sua Palavra”:
acesse o site reavivadosporsuapalavra.org/

Domingo, 02 de outubro de 2016. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio  da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.
__________________
1 LIÇÕES da escola sabatina. O papel da igreja na comunidade. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 485, Jul. Ago. Set. 2016. Adulto, Professor.

2 BIBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Nota: As ofertas apresentadas em forma de anúncios junto de nossas publicações são de responsabilidade da plataforma hospedagem deste blog. Isso ocorre por termos optado pela modalidade de hospedagem gratuita.

A queda e suas consequências

Lições da Bíblia

“A Bíblia não diz quanto tempo se passou entre o término da criação e a queda. Dias, semanas, anos? Simplesmente não sabemos. O que sabemos, porém, é que houve uma queda e que suas consequências foram imediatas e evidentes.”1

“O primeiro resultado mencionado como consequência do fato de Adão e Eva terem comido da árvore do conhecimento do bem e do mal foi a súbita percepção que eles tiveram de sua nudez (Gn 3:7). Eles procuraram ocultar-se da presença de Deus, e suas vestes de luz desapareceram. (Ver Ellen G. White, Patriarcas e Profetas, p. 57.) Sua intimidade com Deus foi interrompida por causa de sua recém-descoberta intimidade com o egocentrismo inerente ao mal. Deus procurou, então, informar o primeiro casal sobre as consequências que seu pecado lhes havia trazido.”1

“2. Identifique as consequências imediatas do pecado de Adão e Eva apresentadas em cada texto a seguir. Como essas consequências se manifestam hoje?”1

Gn 3:8-10 – “8 Quando ouviram a voz do SENHOR Deus, que andava no jardim pela viração do dia, esconderam-se da presença do SENHOR Deus, o homem e sua mulher, por entre as árvores do jardim. 9 E chamou o SENHOR Deus ao homem e lhe perguntou: Onde estás? 10 Ele respondeu: Ouvi a tua voz no jardim, e, porque estava nu, tive medo, e me escondi.2

Gn 3:12 – Então, disse o homem: A mulher que me deste por esposa, ela me deu da árvore, e eu comi.2

Gn 3:13 – “Disse o SENHOR Deus à mulher: Que é isso que fizeste? Respondeu a mulher: A serpente me enganou, e eu comi.2

Gn 3:16 – “E à mulher disse: Multiplicarei sobremodo os sofrimentos da tua gravidez; em meio de dores darás à luz filhos; o teu desejo será para o teu marido, e ele te governará.2

Gn 3:17-19 – “17 E a Adão disse: Visto que atendeste a voz de tua mulher e comeste da árvore que eu te ordenara não comesses, maldita é a terra por tua causa; em fadigas obterás dela o sustento durante os dias de tua vida. 18 Ela produzirá também cardos e abrolhos, e tu comerás a erva do campo. 19 No suor do rosto comerás o teu pão, até que tornes à terra, pois dela foste formado; porque tu és pó e ao pó tornarás.2

Culpa, vergonha e medo de Deus, que levou o ser humano a fugir do Senhor; negação da culpa e transferência da culpa para o outro; sofrimento na gravidez, domínio do homem sobre a mulher, maldição sobre a terra e fadiga no trabalho; perda de parte da qualidade da alimentação, espinhos, suor e morte.1

“Não há dúvida de que a queda foi real, concreta e teve consequências terríveis para a humanidade. A longa e triste história humana, desde o início até os acontecimentos atuais, revela as trágicas consequências do pecado.”1

“Podemos ser muito agradecidos pela promessa de que um dia a tragédia do pecado irá terminar e nunca mais se repetirá.”1

“De que maneira convivemos a cada dia com as consequências dos nossos pecados?”1

Segunda-feira, 27 de junho de 2016. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio  da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.
__________________
1 LIÇÕES da escola sabatina. O papel da igreja na comunidade. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 485, Jul. Ago. Set. 2016. Adulto, Professor.

2 BIBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Pressão do grupo

Lições da Bíblia

“2. Leia 1 Pedro 4:1-7. Por que são importantes as escolhas a respeito do estilo de vida e como elas afetam nossa preparação para a volta de Cristo?”1 “1 Ora, tendo Cristo sofrido na carne, armai-vos também vós do mesmo pensamento; pois aquele que sofreu na carne deixou o pecado, 2 para que, no tempo que vos resta na carne, já não vivais de acordo com as paixões dos homens, mas segundo a vontade de Deus. 3 Porque basta o tempo decorrido para terdes executado a vontade dos gentios, tendo andado em dissoluções, concupiscências, borracheiras, orgias, bebedices e em detestáveis idolatrias. 4 Por isso, difamando-vos, estranham que não concorrais com eles ao mesmo excesso de devassidão, 5 os quais hão de prestar contas àquele que é competente para julgar vivos e mortos; 6 pois, para este fim, foi o evangelho pregado também a mortos, para que, mesmo julgados na carne segundo os homens, vivam no espírito segundo Deus. 7 Ora, o fim de todas as coisas está próximo; sede, portanto, criteriosos e sóbrios a bem das vossas orações.” (1 Pedro 4:1-7 ARA)2. “Visto que o fim está próximo, devemos vigiar em oração e ser criteriosos e sóbrios, influenciando as pessoas para o bem e não sendo influenciados para o mal, como ocorreu com Israel.”1

“Pedro declarou que os crentes já haviam passado tempo suficiente fazendo o que outros ao seu redor os pressionavam a fazer (1Pe 4:3). Mas agora as coisas mudaram, e as pessoas podiam achar ‘estranho’ que os cristãos não se unissem à multidão, o que possivelmente resultasse em insulto aos fiéis (1Pe 4:4, NVI). Assim, Satanás usará até antigos amigos para tentar nos desanimar em nossa caminhada com Deus.”1

“Pedro encorajou os cristãos a não se deixarem intimidar por esses ataques. Visto que os ‘gentios’ terão que prestar contas a Deus, o único Juiz, os fiéis não devem se preocupar com o que eles pensam (1Pe 4:5).”1

“O argumento de Pedro é muito importante. Quantas pessoas já sucumbiram sob a pressão das expectativas dos outros, em vez de defender o que creem? Isso é especialmente difícil para os jovens, que lutam com o que é conhecido como ‘pressão do grupo’.”1

“Em vez de se preocupar em ser aceitos pelos outros, e de se conformar com suas opiniões, exigências e expectativas quanto a eles, Pedro admoesta os crentes a ser bondosos e amáveis com aqueles com quem entrarem em contato (1Pe 4:8, 9). Isso não é apenas um fator extra a ser acrescentado, um dever adicional que precisamos colocar em nossa lista de coisas que o cristão deve fazer. É a coisa mais indispensável que fazemos e a maneira mais importante de interagir com as pessoas que nos cercam. Talvez seja por isso que Pedro sugeriu que precisamos levar a sério nossas orações (1Pe 4:7), uma vez que Deus sabe que às vezes podemos nos dedicar mais a agradar os ‘gentios’ do que a nos relacionarmos de maneira amorosa e amável com aqueles que estão próximos de nós. Precisamos orar não apenas por eles, mas também para que permitamos que Deus nos torne mais sensíveis aos interesses deles. Como ‘sacerdócio real [e] nação santa’, somos chamados a influenciá-los para o bem, em vez de permitir que eles nos influenciem para o mal. A trágica história de Israel foi exatamente esta: os pagãos, em vez de ser influenciados para o bem por Israel, influenciaram Israel para o mal.”1

“Você enfrenta pressões de grupo? Como resistir a elas? De que forma a expressão ‘vence o mal com o bem’ (Rm 12:21) é apropriada nessas situações?”1

Segunda-feira, 07 de março de 2016. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio  da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se pref//8ça um Curso Bíblico.

__________________

1 LIÇÕES da escola sabatina. Rebelião e redenção. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 484, Jan. Fev. Mar. 2016. Adulto, Professor.

2 BIBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.