Uma vida de louvor – Estudo adicional

Lições da Bíblia1

Textos de Ellen G. White: Profetas e Reis, p. 112-119 [190-203] (“Josafá”); Patriarcas e Profetas, p. 426-435 [487-498] (“As muralhas de Jericó”).

“Eduquemos, pois, o coração e os lábios a entoar o louvor de Deus por Seu incomparável amor. Eduquemos o coração a ser esperançoso e a permanecer na luz que irradia da cruz do Calvário. Nunca devemos nos esquecer de que somos filhos do Rei celestial, filhos e filhas do Senhor dos Exércitos. É nosso privilégio manter um calmo repouso em Deus” (Ellen G. White, A Ciência do Bom Viver, p. 253)

“Enquanto O adoro e exalto, gostaria que se unissem a mim nesse louvor. Louvem ao Senhor quando caírem em trevas. Louvem-No mesmo em tentação. ‘Regozijai-vos, sempre, no Senhor’, disse o apóstolo, ‘outra vez digo: regozijai-vos’ (Fp 4:4). Isso trará tristeza e escuridão às suas famílias? Com certeza não, mas raios de sol. Vocês receberão raios de luz eterna do trono de glória e os espalharão ao seu redor. Quero exortá-los a se ocuparem nesse trabalho, irradiando luz e vida à sua volta, não só no próprio caminho, mas na trajetória daqueles com quem se relacionam. Seja seu objetivo tornar melhor a vida dos que os cercam, erguê-los e apontar-lhes o Céu e a glória, levá-los a buscar, acima de todas as coisas terrenas, o tesouro eterno, a herança imortal, as riquezas imperecíveis” (Ellen G. White, Testemunhos Para a Igreja, v. 2, p. 593).

Perguntas para consideração

Qual é o papel do louvor congregacional na vida do cristão? Como tem sido o louvor em seus cultos de sábado? É edificante? Incentiva os membros a manter a fidelidade em meio a provações? Se não, o que pode ser feito?

O que significa “Louvem ao Senhor quando caírem em trevas” ou “Louvem- No mesmo em tentação”? Como o louvor pode nos ajudar nessas situações?

O louvor afetou sua vida? O que aprendeu com as experiências de louvor dos outros?

Escolha um salmo e medite nele. Que impacto o louvor tem em sua fé?

Sexta-feira, 26 de agosto de 2022. Saiba mais, faça gratuitamente um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Provados pelo fogo. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 509, jul. ago. set. 2022. Adulto, Professor. 

Arma que vence

Lições da Bíblia1

Leia 2 Crônicas 20:1-30. Como Josafá descobriu, o louvor é uma arma poderosa. Depois de receber a notícia de que uma “grande multidão” ia contra ele, Josafá não saltou imediatamente para a ação militar, mas “decidiu buscar o Senhor”. Quando o povo de Judá foi a Jerusalém para um jejum, o rei admitiu a realidade da situação, dizendo: “Em nós não há força para resistirmos a essa grande multidão que vem contra nós. Não sabemos o que fazer, mas os nossos olhos estão postos em Ti” (2Cr 20:3, 12).

6. Se você visse uma “grande multidão” se aproximando, qual seria sua reação instintiva? O que aprendemos com a resposta de Josafá em 2 Crônicas 20:3-12 sobre como lidar com uma oposição esmagadora?

2 Crônicas 20:3-12 (ARA)2: 3 Então, Josafá teve medo e se pôs a buscar ao Senhor; e apregoou jejum em todo o Judá. 4 Judá se congregou para pedir socorro ao Senhor; também de todas as cidades de Judá veio gente para buscar ao Senhor. 5 Pôs-se Josafá em pé, na congregação de Judá e de Jerusalém, na Casa do Senhor, diante do pátio novo, 6 e disse: Ah! Senhor, Deus de nossos pais, porventura, não és tu Deus nos céus? Não és tu que dominas sobre todos os reinos dos povos? Na tua mão, está a força e o poder, e não há quem te possa resistir. 7 Porventura, ó nosso Deus, não lançaste fora os moradores desta terra de diante do teu povo de Israel e não a deste para sempre à posteridade de Abraão, teu amigo? 8 Habitaram nela e nela edificaram um santuário ao teu nome, dizendo: 9 Se algum mal nos sobrevier, espada por castigo, peste ou fome, nós nos apresentaremos diante desta casa e diante de ti, pois o teu nome está nesta casa; e clamaremos a ti na nossa angústia, e tu nos ouvirás e livrarás. 10 Agora, pois, eis que os filhos de Amom e de Moabe e os do monte Seir, cujas terras não permitiste a Israel invadir, quando vinham da terra do Egito, mas deles se desviaram e não os destruíram, 11 eis que nos dão o pago, vindo para lançar-nos fora da tua possessão, que nos deste em herança. 12 Ah! Nosso Deus, acaso, não executarás tu o teu julgamento contra eles? Porque em nós não há força para resistirmos a essa grande multidão que vem contra nós, e não sabemos nós o que fazer; porém os nossos olhos estão postos em ti.

Quando o Espírito do Senhor desceu sobre Jaaziel, ele corajosamente anunciou: “Neste encontro, vocês não precisarão lutar. Tomem posição; fiquem parados e vejam a salvação que o Senhor lhes dará, ó Judá e Jerusalém. Não tenham medo nem se assustem. Amanhã, saiam ao encontro deles, porque o Senhor está com vocês.” Depois disso, adoraram a Deus e cantaram louvores a Ele “em voz bem alta” (2Cr 20:17, 19). Mesmo que Deus fosse lutar por eles, ainda tinham que sair para enfrentar o inimigo.

Mas aquela não foi uma marcha comum para a guerra. Josafá designou um coro para cantar louvores ao Senhor enquanto marchavam. “No momento em que eles começaram a cantar e a dar louvores, o Senhor pôs emboscadas contra os filhos de Amom e de Moabe e os do monte Seir que vieram contra Judá, e foram derrotados” (2Cr 20:22). Segundo a passagem, Deus interveio no momento em que os israelitas exerceram a fé na Sua promessa, quando começaram a louvá-Lo “pelo esplendor de Sua santidade” (2Cr 20:21, NVI).

7. Leia 2 Crônicas 20:1-30 novamente. Quais princípios espirituais encontramos nesse texto que se aplicam à nossa caminhada com Deus, especialmente em tempos de provação e estresse?

2 Crônicas 20:1-30 (ARA)2: “1 Depois disto, os filhos de Moabe e os filhos de Amom, com alguns dos meunitas, vieram à peleja contra Josafá. 2 Então, vieram alguns que avisaram a Josafá, dizendo: Grande multidão vem contra ti dalém do mar e da Síria; eis que já estão em Hazazom-Tamar, que é En-Gedi. 3 Então, Josafá teve medo e se pôs a buscar ao Senhor; e apregoou jejum em todo o Judá. 4 Judá se congregou para pedir socorro ao Senhor; também de todas as cidades de Judá veio gente para buscar ao Senhor. 5 Pôs-se Josafá em pé, na congregação de Judá e de Jerusalém, na Casa do Senhor, diante do pátio novo, 6 e disse: Ah! Senhor, Deus de nossos pais, porventura, não és tu Deus nos céus? Não és tu que dominas sobre todos os reinos dos povos? Na tua mão, está a força e o poder, e não há quem te possa resistir. 7 Porventura, ó nosso Deus, não lançaste fora os moradores desta terra de diante do teu povo de Israel e não a deste para sempre à posteridade de Abraão, teu amigo? 8 Habitaram nela e nela edificaram um santuário ao teu nome, dizendo: 9 Se algum mal nos sobrevier, espada por castigo, peste ou fome, nós nos apresentaremos diante desta casa e diante de ti, pois o teu nome está nesta casa; e clamaremos a ti na nossa angústia, e tu nos ouvirás e livrarás. 10 Agora, pois, eis que os filhos de Amom e de Moabe e os do monte Seir, cujas terras não permitiste a Israel invadir, quando vinham da terra do Egito, mas deles se desviaram e não os destruíram, 11 eis que nos dão o pago, vindo para lançar-nos fora da tua possessão, que nos deste em herança. 12 Ah! Nosso Deus, acaso, não executarás tu o teu julgamento contra eles? Porque em nós não há força para resistirmos a essa grande multidão que vem contra nós, e não sabemos nós o que fazer; porém os nossos olhos estão postos em ti. 13 Todo o Judá estava em pé diante do Senhor, como também as suas crianças, as suas mulheres e os seus filhos. 14 Então, veio o Espírito do Senhor no meio da congregação, sobre Jaaziel, filho de Zacarias, filho de Benaia, filho de Jeiel, filho de Matanias, levita, dos filhos de Asafe, 15 e disse: Dai ouvidos, todo o Judá e vós, moradores de Jerusalém, e tu, ó rei Josafá, ao que vos diz o Senhor. Não temais, nem vos assusteis por causa desta grande multidão, pois a peleja não é vossa, mas de Deus. 16 Amanhã, descereis contra eles; eis que sobem pela ladeira de Ziz; encontrá-los-eis no fim do vale, defronte do deserto de Jeruel. 17 Neste encontro, não tereis de pelejar; tomai posição, ficai parados e vede o salvamento que o Senhor vos dará, ó Judá e Jerusalém. Não temais, nem vos assusteis; amanhã, saí-lhes ao encontro, porque o Senhor é convosco. 18 Então, Josafá se prostrou com o rosto em terra; e todo o Judá e os moradores de Jerusalém também se prostraram perante o Senhor e o adoraram. 19 Dispuseram-se os levitas, dos filhos dos coatitas e dos coreítas, para louvarem o Senhor, Deus de Israel, em voz alta, sobremaneira. 20 Pela manhã cedo, se levantaram e saíram ao deserto de Tecoa; ao saírem eles, pôs-se Josafá em pé e disse: Ouvi-me, ó Judá e vós, moradores de Jerusalém! Crede no Senhor, vosso Deus, e estareis seguros; crede nos seus profetas e prosperareis. 21 Aconselhou-se com o povo e ordenou cantores para o Senhor, que, vestidos de ornamentos sagrados e marchando à frente do exército, louvassem a Deus, dizendo: Rendei graças ao Senhor, porque a sua misericórdia dura para sempre. 22 Tendo eles começado a cantar e a dar louvores, pôs o Senhor emboscadas contra os filhos de Amom e de Moabe e os do monte Seir que vieram contra Judá, e foram desbaratados. 23 Porque os filhos de Amom e de Moabe se levantaram contra os moradores do monte Seir, para os destruir e exterminar; e, tendo eles dado cabo dos moradores de Seir, ajudaram uns aos outros a destruir-se. 24 Tendo Judá chegado ao alto que olha para o deserto, procurou ver a multidão, e eis que eram corpos mortos, que jaziam em terra, sem nenhum sobrevivente. 25 Vieram Josafá e o seu povo para saquear os despojos e acharam entre os cadáveres riquezas em abundância e objetos preciosos; tomaram para si mais do que podiam levar e três dias saquearam o despojo, porque era muito. 26 Ao quarto dia, se ajuntaram no vale de Bênção, onde louvaram o Senhor; por isso, chamaram àquele lugar vale de Bênção, até ao dia de hoje. 27 Então, voltaram todos os homens de Judá e de Jerusalém, e Josafá, à frente deles, e tornaram para Jerusalém com alegria, porque o Senhor os alegrara com a vitória sobre seus inimigos. 28 Vieram para Jerusalém com alaúdes, harpas e trombetas, para a Casa do Senhor. 29 Veio da parte de Deus o terror sobre todos os reinos daquelas terras, quando ouviram que o Senhor havia pelejado contra os inimigos de Israel. 30 Assim, o reino de Josafá teve paz, porque Deus lhe dera repouso por todos os lados.”

Quinta-feira, 25 de agosto de 2022. Saiba mais, faça gratuitamente um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Provados pelo fogo. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 509, jul. ago. set. 2022. Adulto, Professor. 
2 BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Testemunho que convence

Lições da Bíblia1

Atos 16:16-34 (ARA): “16 Aconteceu que, indo nós para o lugar de oração, nos saiu ao encontro uma jovem possessa de espírito adivinhador, a qual, adivinhando, dava grande lucro aos seus senhores. 17 Seguindo a Paulo e a nós, clamava, dizendo: Estes homens são servos do Deus Altíssimo e vos anunciam o caminho da salvação. 18 Isto se repetia por muitos dias. Então, Paulo, já indignado, voltando-se, disse ao espírito: Em nome de Jesus Cristo, eu te mando: retira-te dela. E ele, na mesma hora, saiu. 19 Vendo os seus senhores que se lhes desfizera a esperança do lucro, agarrando em Paulo e Silas, os arrastaram para a praça, à presença das autoridades; 20 e, levando-os aos pretores, disseram: Estes homens, sendo judeus, perturbam a nossa cidade, 21 propagando costumes que não podemos receber, nem praticar, porque somos romanos. 22 Levantou-se a multidão, unida contra eles, e os pretores, rasgando-lhes as vestes, mandaram açoitá-los com varas. 23 E, depois de lhes darem muitos açoites, os lançaram no cárcere, ordenando ao carcereiro que os guardasse com toda a segurança. 24 Este, recebendo tal ordem, levou-os para o cárcere interior e lhes prendeu os pés no tronco. 25 Por volta da meia-noite, Paulo e Silas oravam e cantavam louvores a Deus, e os demais companheiros de prisão escutavam. 26 De repente, sobreveio tamanho terremoto, que sacudiu os alicerces da prisão; abriram-se todas as portas, e soltaram-se as cadeias de todos. 27 O carcereiro despertou do sono e, vendo abertas as portas do cárcere, puxando da espada, ia suicidar-se, supondo que os presos tivessem fugido. 28 Mas Paulo bradou em alta voz: Não te faças nenhum mal, que todos aqui estamos! 29 Então, o carcereiro, tendo pedido uma luz, entrou precipitadamente e, trêmulo, prostrou-se diante de Paulo e Silas. 30 Depois, trazendo-os para fora, disse: Senhores, que devo fazer para que seja salvo? 31 Responderam-lhe: Crê no Senhor Jesus e serás salvo, tu e tua casa. 32 E lhe pregaram a palavra de Deus e a todos os de sua casa. 33 Naquela mesma hora da noite, cuidando deles, lavou-lhes os vergões dos açoites. A seguir, foi ele batizado, e todos os seus. 34 Então, levando-os para a sua própria casa, lhes pôs a mesa; e, com todos os seus, manifestava grande alegria, por terem crido em Deus.”

No livro de Atos, o louvor teve um efeito surpreendente sobre quem o ouviu. Leia Atos 16:16-34. Depois de serem açoitados, Paulo e Silas foram presos. Ninguém estava lá para cuidar de suas costas cortadas e feridas. Com grande dor física e com os pés no tronco, foram colocados nas trevas da prisão. Paulo e Silas começaram a orar e a louvar enquanto os outros prisioneiros ouviam.

Depois do terremoto, e depois de descobrir que nem Paulo, nem Silas, nem nenhum dos outros prisioneiros havia escapado, o carcereiro, “trêmulo, prostrou-se diante de Paulo e Silas. Depois, trazendo-os para fora, disse: – Senhores, que devo fazer para que seja salvo?” (At 16:29, 30).

5. Por que esse evento fez com que o carcereiro se concentrasse em sua própria necessidade de salvação?

As orações e os louvores de Paulo mesmo em meio à dificuldade tocaram o coração dos que estavam ali e fizeram com que Deus Se manifestasse de forma poderosa.

Que papel as orações e os louvores de Paulo e Silas desempenharam para que os prisioneiros não fugissem e para a conversão do carcereiro e de toda a sua família?

É incrível pensar que nosso louvor pode transformar o destino eterno das pessoas ao nosso redor. Se Paulo e Silas tivessem se sentado no escuro, resmungando e reclamando como os prisioneiros costumam fazer, será que alguém teria sido salvo naquela noite?

Não sabemos o que aconteceu com o carcereiro e sua família depois, mas você pode imaginá-los lendo as palavras que Paulo escreveu mais tarde de outra prisão em Roma: “Vocês receberam a graça de sofrer por Cristo, e não somente de crer Nele, pois vocês têm o mesmo combate que viram em mim e que agora estão ouvindo que continuo a ter” (Fp 1:29, 30). Se leram essas palavras e refletiram sobre como o sofrimento de Paulo lhes trouxe alegria, certamente isso deve ter levado música ao coração deles e um novo desafio para permanecerem fiéis, não importando o que isso lhes custasse.

Quem você acha que poderia ser influenciado por Deus por meio de um cântico de louvor que viesse do seu coração? Procure ser mais efusivo em seu louvor a Deus ao redor dos outros. Tenha um espírito de louvor e veja o efeito positivo que isso pode ter.

Quarta-feira, 24 de agosto de 2022. Saiba mais, faça gratuitamente um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Provados pelo fogo. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 509, jul. ago. set. 2022. Adulto, Professor. 
2 BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Vida de louvor

Lições da Bíblia1

Se louvar ao Senhor pode não ser natural para nós, mesmo em boas circunstâncias, imagine nas más? No entanto, é isso que somos chamados a fazer. O louvor é algo que devemos praticar até que passe a ser a atmosfera em que vivemos. Não deve ser um ato específico, mas um estilo de vida.

4. Leia o Salmo 145. Quais são os motivos que Davi apresenta para louvar a Deus? De que forma as palavras desse salmo devem ser as suas?

Salmo 145 (ARA)2: “1 Exaltar-te-ei, ó Deus meu e Rei; bendirei o teu nome para todo o sempre. 2 Todos os dias te bendirei e louvarei o teu nome para todo o sempre. 3 Grande é o Senhor e mui digno de ser louvado; a sua grandeza é insondável. 4 Uma geração louvará a outra geração as tuas obras e anunciará os teus poderosos feitos. 5 Meditarei no glorioso esplendor da tua majestade e nas tuas maravilhas. 6 Falar-se-á do poder dos teus feitos tremendos, e contarei a tua grandeza. 7 Divulgarão a memória de tua muita bondade e com júbilo celebrarão a tua justiça. 8 Benigno e misericordioso é o Senhor, tardio em irar-se e de grande clemência. 9 O Senhor é bom para todos, e as suas ternas misericórdias permeiam todas as suas obras. 10 Todas as tuas obras te renderão graças, Senhor; e os teus santos te bendirão. 11 Falarão da glória do teu reino e confessarão o teu poder, 12 para que aos filhos dos homens se façam notórios os teus poderosos feitos e a glória da majestade do teu reino. 13 O teu reino é o de todos os séculos, e o teu domínio subsiste por todas as gerações. O Senhor é fiel em todas as suas palavras e santo em todas as suas obras. 14 O Senhor sustém os que vacilam e apruma todos os prostrados. 15 Em ti esperam os olhos de todos, e tu, a seu tempo, lhes dás o alimento. 16 Abres a mão e satisfazes de benevolência a todo vivente. 17 Justo é o Senhor em todos os seus caminhos, benigno em todas as suas obras. 18 Perto está o Senhor de todos os que o invocam, de todos os que o invocam em verdade. 19 Ele acode à vontade dos que o temem; atende-lhes o clamor e os salva. 20 O Senhor guarda a todos os que o amam; porém os ímpios serão exterminados. 21 Profira a minha boca louvores ao Senhor, e toda carne louve o seu santo nome, para todo o sempre.

O grande pregador britânico Charles Haddon Spurgeon escreveu um livro chamado The Practice of Praise. Ele tem por base o verso 7 do salmo 145. Nesse verso, Spurgeon chama a atenção para três coisas importantes que podem ajudar a desenvolver o louvor em nossa vida.

Louvamos quando olhamos ao nosso redor. Se não olharmos ao nosso redor para ver a grandeza de Deus, não teremos motivos para louvá-Lo. O que você vê no mundo criado que é louvável, como as belezas da criação? O que você vê no mundo espiritual que é louvável, como a fé crescente de um jovem?

Louvamos quando nos lembramos do que vimos. Se quisermos viver em uma atmosfera de louvor, devemos ser capazes de lembrar a razão para louvar. De que forma podemos nos lembrar das grandes verdades sobre Deus (por exemplo, desenvolver novos rituais ou símbolos que nos lembrem de Sua bondade), para que Sua bondade e Seu caráter não escapem de nossa mente?

Louvamos enquanto falamos sobre nossos motivos para enaltecer a Deus. Louvor não é algo que fazemos em nosso pensamento. Ele deve sair de nossa boca para ser ouvido por aqueles que estão ao nosso redor. Pense nos motivos que você tem para louvar a Deus verbalmente. Qual será o efeito desse louvor, e sobre quem?

Pegue uma caneta e um papel e passe algum tempo trabalhando nesses três pontos. O que você pode fazer para desenvolver o hábito de louvar?

Terça-feira, 23 de agosto de 2022. Saiba mais, faça gratuitamente um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Provados pelo fogo. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 509, jul. ago. set. 2022. Adulto, Professor. 
2 BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Fundamento para o louvor

Lições da Bíblia1

O grande escritor russo Fiódor Dostoiévski havia sido condenado à morte, mas a sentença foi substituída no último momento. Ao falar sobre sua experiência na prisão, escreveu: “Creia até o fim, ainda que todos se desviem e você seja o único fiel; leve sua oferta mesmo assim e louve a Deus em sua solidão.”

No decorrer do nosso estudo, vimos como Paulo suportou incrível oposição e perseguição. Nesta semana relembraremos sua experiência em uma prisão romana. Ele não estava deprimido; em vez disso, escrevia ansiosamente para encorajar os crentes em Filipos!

1. Leia Filipenses 4:4-7. Como Paulo poderia ter escrito isso se ele mesmo estava encarcerado? Nesses versos, quais são as chaves para obter a “paz de Deus”?

Filipenses 4:4-7 (ARA)2: “4 Alegrai-vos sempre no Senhor; outra vez digo: alegrai-vos. 5 Seja a vossa moderação conhecida de todos os homens. Perto está o Senhor. 6 Não andeis ansiosos de coisa alguma; em tudo, porém, sejam conhecidas, diante de Deus, as vossas petições, pela oração e pela súplica, com ações de graças. 7 E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará o vosso coração e a vossa mente em Cristo Jesus.”

Uma coisa é se alegrar quando tudo está indo bem, mas Paulo nos exorta a nos alegrarmos sempre. Isso pode parecer estranho. Se tomarmos ao pé da letra o que Paulo escreveu, podemos chegar a duas conclusões: primeira, se devemos nos regozijar sempre, isso deve significar que devemos nos alegrar mesmo quando as circunstâncias não parecem dar nenhum motivo para isso. Em segundo lugar, também pode significar que teremos que aprender a nos alegrar quando não tivermos vontade.

Paulo nos chamou a louvar a Deus sempre, embora muitas vezes fazer isso possa parecer pouco natural para nós, ou até mesmo irracional. Mas, como veremos, é precisamente por isso que somos chamados a nos alegrar. Em outras palavras, louvar é um ato de fé. Assim como a fé não se fundamenta em nossas circunstâncias, mas na verdade sobre Deus, o louvor é algo que fazemos não porque nos sentimos bem, mas por causa da verdade de quem Deus é e das promessas feitas a nós. Surpreendentemente, é esse tipo de fé que molda nossos pensamentos, sentimentos e circunstâncias.

Que verdade sobre Deus Paulo identificou na passagem de hoje e que fazia com que ele se alegrasse, mesmo na prisão? Escreva uma pequena lista do que você sabe ser verdade sobre Deus e louve ao Senhor relendo cada item. Isso muda sua maneira de sentir e ver as circunstâncias?

Domingo, 21 de agosto de 2022. Saiba mais, faça gratuitamente um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Provados pelo fogo. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 509, jul. ago. set. 2022. Adulto, Professor. 
2 BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Uma vida de louvor

Lições da Bíblia1

“Alegrem-se sempre no Senhor; outra vez digo: alegrem-se!” (Fp 4:4).

É fácil bradar de alegria ao Senhor quando estamos satisfeitos. No entanto, quando as coisas estão ruins, quando estamos nas piores situações e quando o crisol esquenta, não é fácil sorrir. Porém, é nesse momento que precisamos, talvez mais do que nunca, louvar a Deus, pois o louvor é um meio de nos ajudar a manter a fé.

O louvor pode transformar até mesmo as circunstâncias mais sombrias, talvez não no sentido de mudar os fatos, mas no sentido de mudar o nosso coração, bem como mudar as pessoas à nossa volta, de forma que nos ajude a enfrentar os desafios.

Louvor é fé em ação. Pode não ser sempre natural para nós, mas quando praticamos o louvor de uma forma que se torne natural em nossa vida, ele exercerá o poder para converter corações e para nos ajudar a vencer as provações.

Resumo da semana: O que é louvor? Como ele pode ser uma arma espiritual poderosa em circunstâncias difíceis? Como o louvor pode nos transformar e mudar a situação ao nosso redor?

Sábado, 20 de agosto de 2022. Saiba mais, faça gratuitamente um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Provados pelo fogo. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 509, jul. ago. set. 2022. Adulto, Professor. 

Adorando o Senhor

“Cantavam alternadamente, louvando e rendendo graças ao Senhor, com estas palavras: Ele é bom, porque a Sua misericórdia dura para sempre sobre Israel” (Ed 3:11).1

“O Verso para Memorizar desta semana apresenta uma percepção sobre as práticas de adoração dos hebreus e como sua gratidão ao Senhor tinha transbordado em louvor a Ele. Em 515 a.C. eles celebraram a dedicação do novo templo (Ed 6:15-18) e então, cerca de 60 anos depois, fizeram a dedicação do muro de Jerusalém (Ne 6:15-19 – Ne 7:1-3; Ne 12:27 em diante).” 1

“Após a listagem das genealogias em Neemias 11 e Neemias 12, o autor passou a falar da celebração da dedicação do muro da cidade. Era costume da nação dedicar coisas a Deus: o templo, o muro da cidade ou até as casas e os edifícios públicos. Essa dedicação era cuidadosamente preparada e acompanhada por canto, música, festividades, sacrifícios, celebração, alegria e purificação do povo. Davi estabeleceu a prática dos sacrifícios durante a dedicação, e depois os líderes de Israel seguiram seu exemplo, começando com Salomão quando a arca foi trazida para o templo (1Rs 8:5).”1

“Nesta semana examinaremos como os israelitas adoraram o Senhor durante a dedicação e veremos o que nós, que adoramos o mesmo Deus, podemos aplicar à nossa vida.”1

O encerramento do Mutirão de Natal será no dia 14 de dezembro. Que sua igreja viva a experiência de demonstrar ‘Mais Amor no Natal’!

Sábado, 30 de novembro de 2019. Saiba mais, faça um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Esdras e Neemias. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 498, out. nov. dez. 2019. Adulto, Professor. 

Louvor e petição

Lições da Bíblia

5. Leia Neemias 9:32-38. Qual é o foco da conclusão dessa oração de confissão?

Neemias (9:32-38 ARA)2: “32 Agora, pois, ó Deus nosso, ó Deus grande, poderoso e temível, que guardas a aliança e a misericórdia, não menosprezes toda a aflição que nos sobreveio, a nós, aos nossos reis, aos nossos príncipes, aos nossos sacerdotes, aos nossos profetas, aos nossos pais e a todo o teu povo, desde os dias dos reis da Assíria até ao dia de hoje. 33 Porque tu és justo em tudo quanto tem vindo sobre nós; pois tu fielmente procedeste, e nós, perversamente. 34 Os nossos reis, os nossos príncipes, os nossos sacerdotes e os nossos pais não guardaram a tua lei, nem deram ouvidos aos teus mandamentos e aos teus testemunhos, que testificaste contra eles. 35 Pois eles no seu reino, na muita abundância de bens que lhes deste, na terra espaçosa e fértil que puseste diante deles não te serviram, nem se converteram de suas más obras. 36 Eis que hoje somos servos; e até na terra que deste a nossos pais, para comerem o seu fruto e o seu bem, eis que somos servos nela. 37 Seus abundantes produtos são para os reis que puseste sobre nós por causa dos nossos pecados; e, segundo a sua vontade, dominam sobre o nosso corpo e sobre o nosso gado; estamos em grande angústia. 38 Por causa de tudo isso, estabelecemos aliança fiel e o escrevemos; e selaram-na os nossos príncipes, os nossos levitas e os nossos sacerdotes.”

“Novamente, a oração se volta para o louvor a Deus, exaltando Suas qualidades: Ele é grande, poderoso e temível, Aquele que guarda a aliança e a misericórdia. O povo parecia sincero em seu reconhecimento da bondade de Deus para com ele. Também apresentou uma petição que consistia em uma aliança estabelecida com Deus, que foi descrita em detalhes no capítulo 10. Qual era a petição do povo?”1

“Agora, pois, ó Deus nosso, ó Deus grande, poderoso e temível, que guardas a aliança e a misericórdia, não menosprezes toda a aflição que nos sobreveio” (Ne 9:32).1

“A comunidade tinha que pagar tributos aos reis que a dominavam. A opressão de todos os lados estava atormentando o pequeno grupo de israelitas, e eles estavam cansados disso. Tinham suportado uma tirania após a outra e esperavam alívio.”1

“Curiosamente, eles se chamaram de ‘servos’. Após destacarem a infidelidade de sua nação, concluíram a oração referindo-se a si mesmos por meio dessa palavra. Servos evidentemente obedecem aos seus superiores. O uso desse termo, então, sugere que eles percebiam que precisavam obedecer ao Senhor de uma forma que seus antepassados não haviam feito. Essa era a expressão do desejo de serem fiéis ao Senhor e aos Seus mandamentos. Como servos de Deus, eles estavam Lhe pedindo que agisse em seu favor.”1

“A comunidade de Esdras e Neemias descreveu sua experiência naquele momento como uma “grande angústia” (Ne 9:37), que pode ser comparada à aflição que os israelitas viveram no Egito (Ne 9:9). A oração deles louvava a Deus porque Ele tinha visto sua aflição no Egito e não a havia ignorado. A comunidade pedia a Deus que interviesse, como Ele havia feito no passado, mesmo que eles não merecessem. Reconheciam que, entre reis, príncipes, sacerdotes, profetas e ancestrais, ninguém era fiel; portanto, confiavam somente na graça e na misericórdia de Deus para com eles, não em si mesmos nem nas obras de seus antepassados.”1

“Leia Romanos 5:6-8 [‘6 Porque Cristo, quando nós ainda éramos fracos, morreu a seu tempo pelos ímpios. 7 Dificilmente, alguém morreria por um justo; pois poderá ser que pelo bom alguém se anime a morrer. 8 Mas Deus prova o seu próprio amor para conosco pelo fato de ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores.’].

Como esse texto reflete o que os israelitas estavam pedindo a Deus? Que consolo encontramos na petição dos israelitas e nas declarações de Paulo em Romanos?”1

Quinta-feira, 14 de novembro de 2019. Saiba mais, faça um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Esdras e Neemias. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 498, out. nov. dez. 2019. Adulto, Professor. 
2 BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.