O acerto de contas

Lições da Bíblia1

Perto do fim do ministério de Jesus, Seus discípulos foram a Ele em particular e pediram: “Diga-nos quando essas coisas vão acontecer e que sinal haverá da Sua vinda e do fim dos tempos” (Mt 24:3). A resposta de Jesus aos discípulos está registrada em dois capítulos. Mateus 24 fala sobre sinais no mundo ao nosso redor, como guerras, fome, terremoto, desastres etc. Mateus 25 fala sobre as condições na igreja pouco antes de Jesus voltar. Essas condições são ilustradas por três histórias que mostram as atitudes do povo de Deus no contexto da missão, uma das quais é uma parábola sobre os talentos, que fala sobre como Seu povo usou os dons que Deus lhe deu.

5. Leia Mateus 25:14-19. Quem viajou para um país distante? A quem Ele confiou Seus bens? O que significa “ajuste de contas” (ver Mt 25:19)?

Mateus 25:14-19 (ARA)2: “14 Pois será como um homem que, ausentando-se do país, chamou os seus servos e lhes confiou os seus bens. 15 A um deu cinco talentos, a outro, dois e a outro, um, a cada um segundo a sua própria capacidade; e, então, partiu. 16 O que recebera cinco talentos saiu imediatamente a negociar com eles e ganhou outros cinco. 17 Do mesmo modo, o que recebera dois ganhou outros dois. 18 Mas o que recebera um, saindo, abriu uma cova e escondeu o dinheiro do seu senhor. 19 Depois de muito tempo, voltou o senhor daqueles servos e ajustou contas com eles.

Às vezes pensamos em talentos como dons naturais como cantar, falar, etc., mas na história semelhante das dez minas, em Lucas 19:12-24, o dinheiro e sua gestão são especificamente declarados. Ellen G. White também declarou: “Foi-me mostrado que a parábola dos talentos não tem sido plenamente compreendida. Essa importante lição foi dada aos discípulos para benefício dos cristãos que viveriam nos últimos dias. E os talentos não representam meramente a capacidade de pregar e instruir pela Palavra de Deus. A parábola aplica-se aos recursos temporais que Deus confiou ao Seu povo” (Testemunhos Para a Igreja, v. 1, p. 180).

6. Leia Mateus 25:20-23. O que Deus disse àqueles que foram fiéis gestores do dinheiro no apoio à Sua causa? O que significa “participar da alegria do seu Senhor” (Mt 25:23)?

Mateus 25:20-23 (ARA)2: “20 Então, aproximando-se o que recebera cinco talentos, entregou outros cinco, dizendo: Senhor, confiaste-me cinco talentos; eis aqui outros cinco talentos que ganhei. 21 Disse-lhe o senhor: Muito bem, servo bom e fiel; foste fiel no pouco, sobre o muito te colocarei; entra no gozo do teu senhor. 22 E, aproximando-se também o que recebera dois talentos, disse: Senhor, dois talentos me confiaste; aqui tens outros dois que ganhei. 23 Disse-lhe o senhor: Muito bem, servo bom e fiel; foste fiel no pouco, sobre o muito te colocarei; entra no gozo do teu senhor.

É bastante natural para nós pensar que a outra pessoa tenha mais talentos do que nós e, portanto, seja mais responsável para com Deus. Nessa história, no entanto, foi a pessoa com apenas um talento – a menor soma de dinheiro – que se mostrou infiel e perdeu o reino. Em vez de pensar nas responsabilidades dos outros, vamos nos concentrar nos talentos que Deus nos confiou e como podemos usá-los para Sua glória.

Como nos sairemos quando Deus vier para “acertar contas” conosco?

Quarta-feira, 22 de março de 2023. Saiba mais, faça gratuitamente um Curso Bíblico
_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Administradores fiéis: à espera do Mestre. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 511, jan. fev. mar. 2023. Adulto, Professor. 
2 BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

A nova Jerusalém

Lições da Bíblia1

A nova Jerusalém, descrita por João, foi vista por Abraão, que “aguardava a cidade que tem fundamentos, da qual Deus é o arquiteto e construtor” (Hb 11:10). A nova Jerusalém é a obra-prima de Deus, construída para aqueles que O amam e guardam Seus mandamentos. Essa cidade será o lar dos filhos fiéis de Deus no Céu durante o milênio e, depois, na nova Terra pela eternidade. Há boas-novas para aqueles que não gostam de empacotar coisas, nem de se mudar. Deus cuidará de tudo. João disse que viu a cidade. “Vi também a cidade santa, a nova Jerusalém, que descia do Céu, da parte de Deus, preparada como uma noiva enfeitada para o seu noivo” (Ap 21:2).

4. Leia Apocalipse 21. Quais são algumas das promessas que temos?

Apocalipse 21 (ARA)2: “1 Vi novo céu e nova terra, pois o primeiro céu e a primeira terra passaram, e o mar já não existe. 2 Vi também a cidade santa, a nova Jerusalém, que descia do céu, da parte de Deus, ataviada como noiva adornada para o seu esposo. 3 Então, ouvi grande voz vinda do trono, dizendo: Eis o tabernáculo de Deus com os homens. Deus habitará com eles. Eles serão povos de Deus, e Deus mesmo estará com eles.E lhes enxugará dos olhos toda lágrima, e a morte já não existirá, já não haverá luto, nem pranto, nem dor, porque as primeiras coisas passaram. 5 E aquele que está assentado no trono disse: Eis que faço novas todas as coisas. E acrescentou: Escreve, porque estas palavras são fiéis e verdadeiras. 6 Disse-me ainda: Tudo está feito. Eu sou o Alfa e o Ômega, o Princípio e o Fim. Eu, a quem tem sede, darei de graça da fonte da água da vida. 7 O vencedor herdará estas coisas, e eu lhe serei Deus, e ele me será filho. 8 Quanto, porém, aos covardes, aos incrédulos, aos abomináveis, aos assassinos, aos impuros, aos feiticeiros, aos idólatras e a todos os mentirosos, a parte que lhes cabe será no lago que arde com fogo e enxofre, a saber, a segunda morte. 9 Então, veio um dos sete anjos que têm as sete taças cheias dos últimos sete flagelos e falou comigo, dizendo: Vem, mostrar-te-ei a noiva, a esposa do Cordeiro; 10 e me transportou, em espírito, até a uma grande e elevada montanha e me mostrou a santa cidade, Jerusalém, que descia do céu, da parte de Deus, 11 a qual tem a glória de Deus. O seu fulgor era semelhante a uma pedra preciosíssima, como pedra de jaspe cristalina. 12 Tinha grande e alta muralha, doze portas, e, junto às portas, doze anjos, e, sobre elas, nomes inscritos, que são os nomes das doze tribos dos filhos de Israel. 13 Três portas se achavam a leste, três, ao norte, três, ao sul, e três, a oeste. 14 A muralha da cidade tinha doze fundamentos, e estavam sobre estes os doze nomes dos doze apóstolos do Cordeiro. 15 Aquele que falava comigo tinha por medida uma vara de ouro para medir a cidade, as suas portas e a sua muralha. 16 A cidade é quadrangular, de comprimento e largura iguais. E mediu a cidade com a vara até doze mil estádios. O seu comprimento, largura e altura são iguais. 17 Mediu também a sua muralha, cento e quarenta e quatro côvados, medida de homem, isto é, de anjo. 18 A estrutura da muralha é de jaspe; também a cidade é de ouro puro, semelhante a vidro límpido. 19 Os fundamentos da muralha da cidade estão adornados de toda espécie de pedras preciosas. O primeiro fundamento é de jaspe; o segundo, de safira; o terceiro, de calcedônia; o quarto, de esmeralda; 20 o quinto, de sardônio; o sexto, de sárdio; o sétimo, de crisólito; o oitavo, de berilo; o nono, de topázio; o décimo, de crisópraso; o undécimo, de jacinto; e o duodécimo, de ametista. 21 As doze portas são doze pérolas, e cada uma dessas portas, de uma só pérola. A praça da cidade é de ouro puro, como vidro transparente. 22 Nela, não vi santuário, porque o seu santuário é o Senhor, o Deus Todo-Poderoso, e o Cordeiro. 23 A cidade não precisa nem do sol, nem da lua, para lhe darem claridade, pois a glória de Deus a iluminou, e o Cordeiro é a sua lâmpada. 24 As nações andarão mediante a sua luz, e os reis da terra lhe trazem a sua glória. 25 As suas portas nunca jamais se fecharão de dia, porque, nela, não haverá noite. 26 E lhe trarão a glória e a honra das nações. 27 Nela, nunca jamais penetrará coisa alguma contaminada, nem o que pratica abominação e mentira, mas somente os inscritos no Livro da Vida do Cordeiro.

Há tanta coisa nessa passagem que nossa mente mal pode compreender, por ter sido danificada pelo pecado e ter conhecido apenas um mundo caído. Mas o que podemos entender é cheio de esperança.

Primeiro, assim como Jesus habitou conosco neste mundo caído quando veio em carne e osso, Ele vai morar conosco no novo mundo. Que privilégio deve ter sido para aqueles que viram Jesus de perto! Teremos também essa oportunidade, porém sem o véu do pecado distorcendo nossa visão.

Como nós, que conhecemos somente lágrimas, tristeza e dor, podemos entender uma das maiores promessas da Bíblia: “E lhes enxugará dos olhos toda lágrima. E já não existirá mais morte, já não haverá luto, nem pranto, nem dor, porque as primeiras coisas passaram” (Ap 21:4)? As “primeiras coisas” terão passado, coisas que nunca deveriam ter existido.

Além disso, fluindo do trono de Deus está o puro rio da vida, e, em ambos os lados do rio, está a árvore da vida. O trono de Deus estará lá, e os remidos “contemplarão a Sua face” (Ap 22:4). Eles viverão numa proximidade com Deus que, na maior parte do tempo, não desfrutamos agora.

Apocalipse 21:8 mostra o destino dos que enfrentarão a segunda morte. Qual pecado deles não foi perdoado, considerando que algumas pessoas fizeram as mesmas coisas e estarão salvas? Qual é a diferença crucial entre esses dois grupos?

Terça-feira, 21 de março de 2023. Saiba mais, faça gratuitamente um Curso Bíblico
_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Administradores fiéis: à espera do Mestre. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 511, jan. fev. mar. 2023. Adulto, Professor. 
2 BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Vida eterna

Lições da Bíblia1

Sendo seres humanos, quer gostemos ou não, uma eternidade nos aguarda. De acordo com a Bíblia, essa eternidade virá em uma de duas manifestações, ao menos para cada um de nós individualmente: ou a vida eterna ou a morte eterna. É isso. Sem meio-termo. Nada de ficar indeciso, um pouco de um lado, um pouco do outro. Devemos escolher um lado (vida) ou outro (morte). Esse é de fato um caso de vida ou morte.

2. Leia Romanos 6:23 e João 3:16. Quais opções nos são apresentadas?

Romanos 6:23 (ARA)2: “porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor.”

João 3:16 (ARA)2: “Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.”

É difícil imaginar duas escolhas mais claras ou distintas, não é?

Possivelmente, se você está lendo esta Lição, tenha escolhido a vida eterna, ou certamente está pensando nisso. Deus tem a habilidade ímpar de fazer tudo o que diz que pode fazer para cumprir todas as Suas promessas. Nossa parte é simplesmente acreditar Nele, descansar nos méritos de Jesus e, pela fé, obedecer à Sua Palavra.

3. Leia João 14:1-3. Qual é o conselho do Senhor para nós no verso 1, e o que Ele nos promete nos versos 2 e 3?

João 14:1-3 (ARA)2: “1 Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em mim. 2 Na casa de meu Pai há muitas moradas. Se assim não fora, eu vo-lo teria dito. Pois vou preparar-vos lugar. 3 E, quando eu for e vos preparar lugar, voltarei e vos receberei para mim mesmo, para que, onde eu estou, estejais vós também.”

Nos últimos dias de Seu ministério terrestre, Jesus transmitiu essas palavras incríveis de esperança e coragem aos Seus discípulos, que os animariam em momentos de desânimo e provas. Elas devem ter o mesmo efeito em nós. Jesus veio do Céu, voltou para o Céu e nos prometeu: “Voltarei e os receberei para Mim mesmo, para que, onde Eu estou, vocês estejam também”.

E, talvez mais do que qualquer outra coisa, a morte de Cristo na cruz em Sua primeira vinda é a nossa maior garantia de Sua segunda vinda, pois, sem a segunda vinda, que proveito teria a primeira? A mesma certeza que temos de que Jesus morreu por nós na cruz podemos ter de que Ele virá outra vez, como o Senhor prometeu: “E, quando Eu for e preparar um lugar, voltarei e os receberei para Mim mesmo, para que, onde Eu estou, vocês estejam também” (Jo 14:3).

Reflita mais acerca da ideia de que a primeira vinda de Cristo é a garantia de Sua segunda vinda. O que aconteceu na primeira vinda que faz da segunda uma promessa na qual podemos confiar?

Segunda-feira, 20 de março de 2023. Saiba mais, faça gratuitamente um Curso Bíblico
_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Administradores fiéis: à espera do Mestre. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 511, jan. fev. mar. 2023. Adulto, Professor. 
2 BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Recompensa pela fidelidade

Lições da Bíblia1

1. Leia Hebreus 11:6. O que esse verso deve significar para nós? Como devemos responder a esse texto? (Veja também Ap 22:12; Is 40:10 e 62:11). O que esses textos nos ensinam?

Hebreus 11:6 (ARA)2: “De fato, sem fé é impossível agradar a Deus, porquanto é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe e que se torna galardoador dos que o buscam.

Ap 22:12 (ARA)2: “E eis que venho sem demora, e comigo está o galardão que tenho para retribuir a cada um segundo as suas obras.

Is 40:10 (ARA)2: “Eis que o Senhor Deus virá com poder, e o seu braço dominará; eis que o seu galardão está com ele, e diante dele, a sua recompensa.

Is 62:11 (ARA)2: “Eis que o Senhor fez ouvir até às extremidades da terra estas palavras: Dizei à filha de Sião: Eis que vem o teu Salvador; vem com ele a sua recompensa, e diante dele, o seu galardão.

A recompensa de Deus para seus filhos fiéis é única e, como muitas coisas espirituais, pode estar além da nossa compreensão finita. “A linguagem humana não consegue descrever a recompensa dos justos. Será conhecida apenas por aqueles que a contemplarem. Nenhuma mente finita consegue compreender a glória do Paraíso de Deus” (Ellen G. White, O Grande Conflito, p. 558).

Jesus concluiu as bem-aventuranças, que introduzem o Sermão da Montanha, com estas palavras: “Bem-aventurados são vocês quando, por Minha causa, os insultarem e os perseguirem, e, mentindo, disserem todo mal contra vocês. Alegrem-se e exultem, porque é grande a sua recompensa nos Céus; pois assim perseguiram os profetas que viveram antes de vocês” (Mt 5:11, 12). Depois de listar os heróis da fé em Hebreus 11, o autor começou o capítulo seguinte explicando por que Jesus Se dispôs a morrer na cruz.

“Portanto, também nós, visto que temos a rodear-nos tão grande nuvem de testemunhas, livremo-nos de todo peso e do pecado que tão firmemente se apega a nós e corramos com perseverança a carreira que nos está pro- posta, olhando firmemente para o Autor e Consumador da fé, Jesus, o qual, em troca da alegria que Lhe estava proposta, suportou a cruz, sem Se importar com a vergonha, e agora está sentado à direita do trono de Deus” (Hb 12:1, 2).

Ser recompensado pela fidelidade, no entanto, não é o mesmo que salvação por obras. Qual ser humano tem obras boas o suficiente para obter mérito diante de Deus? Ninguém, é claro! Por isso, foi necessária a morte de Cristo na cruz. Se pudéssemos nos salvar pelas obras, Jesus nunca teria ido para a cruz. A salvação é pela graça. “E, se é pela graça, já não é pelas obras; do contrário, a graça já não é graça” (Rm 11:6). Recompensas, em vez disso, são a obra de Deus por nós e em nós.

Como podemos entender a diferença entre a salvação pela graça e uma recompensa de acordo com as obras? Comente com a classe.

Domingo, 19 de março de 2023. Saiba mais, faça gratuitamente um Curso Bíblico
_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Administradores fiéis: à espera do Mestre. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 511, jan. fev. mar. 2023. Adulto, Professor. 
2 BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Recompensas da fidelidade

Lições da Bíblia1

“O Senhor disse: Muito bem, servo bom e fiel; você foi fiel no pouco, sobre o muito o colocarei; venha participar da alegria do seu Senhor” (Mt 25:21).


Embora seja impossível obter a salvação por nós mesmos, a Bíblia usa a esperança da recompensa como motivação para os fiéis que vivem como beneficiários indignos da graça de Deus, pois, no fim, o que quer que recebamos será, sempre e unicamente, pela graça de Deus.


Como escreveu Davi: “A lei do Senhor é perfeita e restaura a alma; o testemunho do Senhor é fiel e dá sabedoria aos simples. Os preceitos do Senhor são retos e alegram o coração; o mandamento do Senhor é puro e ilumina os olhos. O temor do Senhor é límpido e permanece para sempre; os juízos do Senhor são verdadeiros e todos igualmente, justos. São mais desejáveis do que ouro, mais do que muito ouro depurado; e são mais doces do que o mel e o destilar dos favos. Além disso, por eles se admoesta o Teu servo; em os guardar há grande recompensa” (Sl 19:7-11).


Em vários lugares, a Bíblia fala sobre nossas recompensas, prometidas através de Cristo e que serão cumpridas após a Sua segunda vinda, quando o terrível desvio devido ao pecado estiver terminado de uma vez por todas.
O que nos foi prometido e que garantia temos de que essas promessas serão cumpridas?

Sábado, 18 de março de 2023. Saiba mais, faça gratuitamente um Curso Bíblico
_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Administradores fiéis: à espera do Mestre. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 511, jan. fev. mar. 2023. Adulto, Professor. 

Administrando em tempos difíceis – Estudo adicional

Lições da Bíblia1

Embora a Bíblia não condene a riqueza, ela não fala que a riqueza aumenta o compromisso espiritual. O perigo é o contrário. “O amor ao dinheiro, e o desejo de possuir riquezas são a corrente de ouro que os prende [os indivíduos] a Satanás” (Ellen G. White, Caminho a Cristo, p. 44).

Desde a fundação do cristianismo, nenhuma igreja jamais experimentou tais confortos e riqueza como a igreja em muitos países do mundo desfruta atualmente. A questão é: a que custo? Tal abundância certamente influencia nossa espiritualidade – e não para o bem. Como isso seria possível? Desde quando a riqueza e a abundância material promovem as virtudes cristãs de abnegação e sacrifício próprio? Voltar para casa onde há duas geladeiras recheadas com mais alimento do que podemos comer, ter um ou dois carros, tirar férias anuais, fazer compras online, ter o que há de mais moderno em computadores e smartphones pode facilitar o desapego às coisas deste mundo? Embora muitos cristãos não tenham esses luxos, muitos têm – e assim colocam em risco a própria alma. Não estamos falando dos ricos e milionários. Eles pelo menos sabem que são ricos e podem atentar (se quiserem) às advertências bíblicas dadas a eles. Estamos falando, em vez disso, de muitas pessoas de classe média, que, em meio a smartphones, notebooks, ar-condicionado e carros de luxo, enganam-se o suficiente para pensar que, por serem apenas “de classe média”, não correm o risco de ter sua espiritualidade arruinada por sua prosperidade. Por isso, o dízimo pode ser, no mínimo, um poderoso antídoto espiritual para os perigos da riqueza, mesmo para aqueles que não são bastante “ricos”.

Perguntas para consideração

Por que devemos ter cuidado com nossa atitude em relação ao dinheiro e à riqueza?

Quais são as atitudes práticas a tomar, além do dízimo, que podem nos ajudar a ter certeza de não estarmos nos envolvendo demais nas coisas deste mundo?

O que aconteceria com você se amanhã não pudesse comprar nem vender por estar na lista dos “que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus” (Ap 14:12)?

Sexta-feira, 17 de março de 2023. Saiba mais, faça gratuitamente um Curso Bíblico
_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Administradores fiéis: à espera do Mestre. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 511, jan. fev. mar. 2023. Adulto, Professor. 

Ninguém poderá comprar nem vender

Lições da Bíblia1

A Bíblia retrata uma imagem dolorosa do mundo antes da segunda vinda de Jesus. Daniel falou sobre “um tempo de angústia, como nunca houve, desde que existem nações até aquele tempo” (Dn 12:1). Considerando alguns dos tempos de dificuldades no passado, o tempo ao qual ele se referiu deverá ser muito ruim. O Apocalipse também aponta para tempos preocupantes antes da vinda de Cristo.

6. Leia Apocalipse 13:11-17. Como as questões financeiras se encaixam com a perseguição no tempo do fim?

Apocalipse 13:11-17 (ARA)2: “11 Vi ainda outra besta emergir da terra; possuía dois chifres, parecendo cordeiro, mas falava como dragão. 12 Exerce toda a autoridade da primeira besta na sua presença. Faz com que a terra e os seus habitantes adorem a primeira besta, cuja ferida mortal fora curada. 13 Também opera grandes sinais, de maneira que até fogo do céu faz descer à terra, diante dos homens. 14 Seduz os que habitam sobre a terra por causa dos sinais que lhe foi dado executar diante da besta, dizendo aos que habitam sobre a terra que façam uma imagem à besta, àquela que, ferida à espada, sobreviveu; 15 e lhe foi dado comunicar fôlego à imagem da besta, para que não só a imagem falasse, como ainda fizesse morrer quantos não adorassem a imagem da besta. 16 A todos, os pequenos e os grandes, os ricos e os pobres, os livres e os escravos, faz que lhes seja dada certa marca sobre a mão direita ou sobre a fronte, 17 para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tem a marca, o nome da besta ou o número do seu nome.

Você não poderá comprar nem vender? Quanto de nossa vida hoje gira em torno de comprar e vender? Nosso trabalho é, de certa forma, vender nosso tempo, habilidades e bens àqueles que querem comprá-los. Não poder comprar nem vender significa não ser capaz de atuar na sociedade. A pressão sobre aqueles que permanecerem fiéis será enorme! Além disso, quanto mais dinheiro você tiver, mais participação você terá neste mundo, pelo menos em termos de posses materiais, e assim, certamente, a pressão para se adequar será ainda mais forte.

Como podemos nos preparar? Certificando-nos pela graça de Deus que não somos escravos do dinheiro, nem das coisas do mundo. Se não estivermos ligados a eles agora, não o estaremos quando, para sermos fiéis, tivermos que abandoná-los.

7. Leia Deuteronômio 14:22 e a última parte do verso 23. O que o povo de Deus devia fazer com a produção a cada ano? Por que Deus pediu isso?

Deuteronômio 14:22, 23 (ARA)2: “22 Certamente, darás os dízimos de todo o fruto das tuas sementes, que ano após ano se recolher do campo. 23 E, perante o Senhor, teu Deus, no lugar que escolher para ali fazer habitar o seu nome, comerás os dízimos do teu cereal, do teu vinho, do teu azeite e os primogênitos das tuas vacas e das tuas ovelhas; para que aprendas a temer o Senhor, teu Deus, todos os dias.

Deus explicou que uma das razões pelas quais Ele estabeleceu o sistema de dízimos foi “para que aprendam a temer o Senhor, seu Deus, todos os dias” (Dt 14:23). No paralelismo poético do Salmo 31:19, vemos que o medo é sinônimo de confiança: “Como é grande a Tua bondade, que reservaste aos que Te temem, da qual usas, diante dos filhos dos homens, para com os que em Ti se refugiam!” Essas linhas paralelas mostram que temer ao Senhor éconfiar Nele. Deus estabeleceu o sistema de dízimos para nos proteger do egoísmo e nos encorajar a confiar Nele. A fidelidade no presente não garante a fidelidade no futuro, mas ser infiel é semear problemas para o amanhã.

Quinta-feira, 16 de março de 2023. Saiba mais, faça gratuitamente um Curso Bíblico
_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Administradores fiéis: à espera do Mestre. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 511, jan. fev. mar. 2023. Adulto, Professor. 
2 BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Prioridades

Lições da Bíblia1

As parábolas e ensinamentos de Jesus, as histórias dos personagens bíblicos e os conselhos de Ellen G. White indicam claramente que não existe meio-termo com Cristo. Ou estamos do lado do Senhor ou não.

Quando um escriba perguntou a Jesus qual era o maior mandamento, Ele respondeu: “Ame o Senhor, seu Deus, de todo o seu coração, de toda a sua alma, de todo o seu entendimento e com toda a sua força” (Mc 12:30). Quando damos tudo a Cristo, não sobra nada para outro mestre. É assim que deve ser.

4. Leia Mateus 6:24. Como tem sido sua experiência com essa verdade?

Mateus 6:24 (ARA)2: “Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de aborrecer-se de um e amar ao outro, ou se devotará a um e desprezará ao outro. Não podeis servir a Deus e às riquezas.”

Note que Jesus não disse que era difícil servir a Deus e ao dinheiro, ou que precisássemos ter cuidado em como servir a ambos. Em vez disso, Ele disse que isso não é possível. Ponto final. Esse pensamento deveria até colocar um pouco de temor e tremor em nossa alma (Fp 2:12).

5. Leia 1 João 2:15-17. Como essas três coisas se manifestam em nosso mundo, e por que o perigo que apresentam às vezes é mais sutil do que imaginamos?

1 João 2:15-17 (ARA)2: “15 Não ameis o mundo nem as coisas que há no mundo. Se alguém amar o mundo, o amor do Pai não está nele; 16 porque tudo que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não procede do Pai, mas procede do mundo. 17 Ora, o mundo passa, bem como a sua concupiscência; aquele, porém, que faz a vontade de Deus permanece eternamente.”

Não foi à toa que Paulo escreveu: “Pensem nas coisas lá do alto, e não nas que são aqui da Terra” (Cl 3:2). Claro, isso é mais fácil dizer do que fazer, porque as coisas do mundo estão aqui diante de nós todos os dias. A atração de “tudo o que há no mundo” é forte; a atração para gratificação imediata está sempre presente, sussurrando em nossos ouvidos ou puxando as mangas de nossa camisa, ou as duas coisas. O cristão mais fiel já não sentiu algum amor pelas coisas do mundo? Mesmo sabendo que um dia tudo vai acabar, ainda nos sentimos atraídos, não é? A boa notícia, no entanto, é que não precisamos deixar que essas coisas nos afastem do Senhor.

Leia 2 Pedro 3:10-14 [“10 Virá, entretanto, como ladrão, o Dia do Senhor, no qual os céus passarão com estrepitoso estrondo, e os elementos se desfarão abrasados; também a terra e as obras que nela existem serão atingidas. 11 Visto que todas essas coisas hão de ser assim desfeitas, deveis ser tais como os que vivem em santo procedimento e piedade, 12 esperando e apressando a vinda do Dia de Deus, por causa do qual os céus, incendiados, serão desfeitos, e os elementos abrasados se derreterão. 13 Nós, porém, segundo a sua promessa, esperamos novos céus e nova terra, nos quais habita justiça. 14 Por essa razão, pois, amados, esperando estas coisas, empenhai-vos por serdes achados por ele em paz, sem mácula e irrepreensíveis,”]. Como essas palavras de Pedro devem impactar nossa maneira de viver, incluindo o que fazemos com nossos recursos?

Quarta-feira, 15 de março de 2023. Saiba mais, faça gratuitamente um Curso Bíblico
_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Administradores fiéis: à espera do Mestre. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 511, jan. fev. mar. 2023. Adulto, Professor. 
2 BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.