A ressurreição

Lições da Bíblia

“3. Leia Daniel 12:2,3. De qual evento ele falou nessa passagem? Considerando o que entendemos sobre a morte, por que esse evento é tão importante para nós?”1

Daniel 12: 2-3 (ARA)2: “2 Muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para a vida eterna, e outros para vergonha e horror eterno. 3 Os que forem sábios, pois, resplandecerão como o fulgor do firmamento; e os que a muitos conduzirem à justiça, como as estrelas, sempre e eternamente.”

Assinale a alternativa correta:

A. (   ) Da ressurreição. É importante porque justos e injustos serão salvos.
B. (   ) Da ressurreição. Os justos terão a vida, e os ímpios, a vergonha eterna.

Resposta sugestiva: Alternativa B.

“Daniel fez provavelmente a referência mais explícita do Antigo Testamento à ressurreição vindoura. E, à medida que refletimos sobre essa passagem, descobrimos algumas verdades muito importantes. Primeiramente, como a metáfora do “sono” indica, nenhuma alma imortal habita corpos humanos. O ser humano é uma unidade indivisível de corpo, mente e espírito. Na morte, a pessoa deixa de existir e permanece inconsciente até a ressurreição. Em segundo lugar, esse texto aponta para a ressurreição futura como uma reversão do que acontece como consequência do pecado. De fato, a expressão traduzida como ‘pó da terra’, na linguagem original de Daniel 12:2 é ‘terra do pó’. Essa sequência incomum de palavras remonta a Gênesis 3:19, que, ao lado desse verso de Daniel, é uma das duas únicas passagens bíblicas em que a palavra ‘terra’ precede a palavra ‘pó’. Isso implica que o pronunciamento da morte feito na queda do ser humano será revertido, e a morte não mais prevalecerá. Como Paulo declarou: ‘Tragada foi a morte pela vitória’ (1Co 15:54).”1

“4. Leia Romanos 8:18 e Hebreus 2:14,15. Por quais razões não precisamos temer a morte?”1

Romanos 8:18 (ARA)2: “Porque para mim tenho por certo que os sofrimentos do tempo presente não podem ser comparados com a glória a ser revelada em nós.”

Hebreus 2:14, 15 (ARA)2: “14 Visto, pois, que os filhos têm participação comum de carne e sangue, destes também ele, igualmente, participou, para que, por sua morte, destruísse aquele que tem o poder da morte, a saber, o diabo, 15 e livrasse todos que, pelo pavor da morte, estavam sujeitos à escravidão por toda a vida.”

Assinale a alternativa correta:

A. (   ) Porque Cristo já a venceu. Ela não terá domínio sobre nós.
B. (   ) Porque quando morremos continuamos existindo em outro plano.

Resposta sugestiva: Alternativa A.

“A morte traz ruína e é o fim de tudo por aqui. Porém, recebemos a promessa de que ela não terá a última palavra para os fiéis. A morte é um inimigo derrotado. Quando Cristo quebrou as cadeias da morte e ressurgiu do túmulo, Ele lhe desferiu o golpe fatal. Agora podemos contemplar além da realidade temporária da morte à realidade suprema da vida que recebemos de Deus em Cristo. Visto que Miguel Se levantará (veja Dn 12:1), aqueles que pertencem a Ele também se levantarão da ‘terra do pó’ para brilhar como as estrelas para todo o sempre.”1

“Em meio às dores e à luta da vida, como podemos obter esperança e consolo da promessa da ressurreição no fim? Por que, em um sentido muito real, quase nada mais importa?”1

Terça-feira, 24 de março de 2020. Saiba mais, faça um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Daniel. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 499, jan. fev. mar. 2020. Adulto, Professor. 
2 BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Inscrito no livro

Lições da Bíblia

“2. Daniel 12:1 fala sobre ‘todo aquele que for achado inscrito no livro’. O que isso significa?”1

Daniel 12:1 (ARA)2: “Nesse tempo, se levantará Miguel, o grande príncipe, o defensor dos filhos do teu povo, e haverá tempo de angústia, qual nunca houve, desde que houve nação até àquele tempo; mas, naquele tempo, será salvo o teu povo, todo aquele que for achado inscrito no livro.

“O momento da intervenção de Miguel também é descrito como um tempo de angústia sem paralelo. Isso corresponde ao tempo em que o Espírito de Deus será retirado da humanidade rebelde. Então as sete últimas pragas, como expressões da ira de Deus sobre as nações, serão derramadas sobre a Babilônia do tempo do fim (Ap 16; Ap 18:20-24), e os poderes das trevas serão soltos sobre o mundo. A respeito desse tempo, Ellen G. White escreveu que ‘Satanás mergulhará então os habitantes da Terra em uma grande angústia final. Ao cessarem os anjos de Deus de conter os ventos impetuosos das paixões humanas, ficarão às soltas todos os elementos de contenda. O mundo inteiro se envolverá em ruína mais terrível do que a que sobreveio a Jerusalém na Antiguidade’ (O Grande Conflito, p. 614).”1

“Mas o povo de Deus será libertado durante esse período terrível porque, no juízo investigativo conduzido no tribunal celestial, eles terão sido vindicados por Jesus, o Sumo Sacerdote celestial, e seus nomes estarão escritos no livro.”1

“Para compreender o significado desse livro, devemos ter em mente que a Bíblia menciona dois tipos de livros celestiais. Um contém os nomes daqueles que pertencem ao Senhor e, às vezes, é chamado de ‘livro da vida’ (Êx 32:32; Lc 10:20; Sl 69:28; Fp 4:3; Ap 17:8).”1

“Além do livro da vida, as Escrituras mencionam livros contendo os registros das ações humanas (Sl 56:8; Ml 3:16; Is 65:6). Esses são os livros usados no tribunal celestial para determinar o compromisso de cada pessoa com o Senhor. São registros celestiais, ‘bancos de dados’ que contêm os nomes e as ações de todo ser humano. Algumas pessoas desaprovam a ideia de ter seus nomes, e especialmente seus feitos, escritos no Céu. Mas, uma vez que entregamos nossa vida a Cristo, nossos nomes são inscritos no livro da vida, e nossas más ações são apagadas no juízo. Esse registro celestial apresenta evidência judicial para todo o Universo de que pertencemos a Jesus e, portanto, temos o direito de ser protegidos durante o tempo de angústia.”1

“Por que somente a justiça de Cristo, creditada a nós, é a nossa única esperança de sermos achados inscritos ‘no livro’? Comente com a classe.”1

Segunda-feira, 23 de março de 2020. Saiba mais, faça um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Daniel. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 499, jan. fev. mar. 2020. Adulto, Professor. 
2 BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Miguel, nosso Príncipe

Lições da Bíblia

“1. Leia Daniel 12:1. Quem muda o curso da História no tempo do fim? Como Romanos 8:34 e Hebreus 7:25 nos ajudam a entender o significado desse texto?”1

Daniel 12:1 (ARA)2: “Nesse tempo, se levantará Miguel, o grande príncipe, o defensor dos filhos do teu povo, e haverá tempo de angústia, qual nunca houve, desde que houve nação até àquele tempo; mas, naquele tempo, será salvo o teu povo, todo aquele que for achado inscrito no livro.”

Romanos 8:34 (ARA)2: “Quem os condenará? É Cristo Jesus quem morreu ou, antes, quem ressuscitou, o qual está à direita de Deus e também intercede por nós.”

Hebreus 7:25 (ARA)2: “Por isso, também pode salvar totalmente os que por ele se chegam a Deus, vivendo sempre para interceder por eles.”

“Cada capítulo de Daniel que estudamos até agora inicia-se mencionando o governante de uma nação pagã. Daniel 12 também começa com um governante, mas ao contrário de todos os outros capítulos, o governante é um Príncipe divino, que Se levanta para libertar o povo de Deus das mãos de seus inimigos.”1

“Como vimos no estudo de Daniel 10, Miguel é o mesmo ser celestial poderoso que aparece a Daniel no rio Tigre. Ele surge ali como o representante celestial do povo de Deus. Ele também aparece em outras partes do livro de Daniel como o Filho do Homem (Dn 7), o Príncipe do exército (Dn 8) e o Ungido, o Príncipe (Dn 9). Portanto, Miguel, cujo nome significa ‘quem é como Deus?”, não deve ser outro senão o próprio Jesus Cristo.’1

“É importante observar o momento da intervenção de Miguel. De acordo com Daniel 12:1, ela ocorre ‘nesse tempo’ (Dn 12:1). Essa expressão se refere à época mencionada em Daniel 11:40-45. Esse é o período que se estende desde a queda do papado, em 1798, até a ressurreição no tempo do fim (Dn 12:2).”1

“Dois aspectos importantes da obra de Miguel podem ser inferidos a partir do verbo ‘levantar’ utilizado em Daniel 12:1 para descrever Sua ação. Primeiramente, esse verbo evoca o surgimento de reis para conquistar e governar. O verbo também tem primariamente uma conotação militar. Isso mostra que Miguel atua como um líder militar que protege o Seu povo e o conduz de maneira especial durante os últimos estágios do grande conflito.”

“Em segundo lugar, o verbo ‘levantar’ também indica um cenário de juízo. Miguel ‘Se levanta’ para agir como advogado no tribunal celestial. Como o Filho do Homem, Ele vem perante o Ancião de Dias para representar o povo de Deus durante o juízo investigativo (Dn 7:9-14). Portanto, o ato de Miguel Se levantar ou ascender nos lembra dos aspectos militares e judiciais de Sua obra. Em outras palavras, Ele está investido com o poder para derrotar os inimigos de Deus e com a autoridade para representar o Seu povo no tribunal celestial.”1

“Pense no que significa saber que Miguel Se levanta em nosso favor, mesmo agora. Que esperança isso deveria nos dar como pecadores?”1

Você já experimentou entregar tudo ao Senhor? Há algo que ainda não Lhe foi entregue?

Domingo, 22 de março de 2020. Saiba mais, faça um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Daniel. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 499, jan. fev. mar. 2020. Adulto, Professor. 
2 BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Do pó às estrelas

Lições da Bíblia

“Os que forem sábios, pois, resplandecerão como o fulgor do firmamento; e os que a muitos conduzirem à justiça, como as estrelas, sempre e eternamente” (Dn 12:3).1

“O livro de Daniel começa com Nabucodonosor invadindo a Judeia e levando cativos para Babilônia; em contraste com isso, a narrativa é concluída com Miguel Se levantando para libertar o povo de Deus da Babilônia do tempo do fim. Isto é, como foi mostrado em todo o livro de Daniel, no fim, o Senhor resolve todos os problemas do Seu povo.”1

“Como vimos também, Daniel e seus companheiros permaneceram fiéis a Deus e demonstraram sabedoria incomparável em meio às provações e desafios do exílio. Da mesma forma, ao enfrentar a tribulação, o povo de Deus do tempo do fim também permanecerá fiel, especialmente durante o ‘tempo de angústia, qual nunca houve, desde que houve nação’ (Dn 12:1). Como Daniel e seus amigos em Babilônia, os fiéis demonstrarão sabedoria e compreensão. Eles não apenas experimentarão a sabedoria como uma virtude pessoal, mas estarão comprometidos, como consequência dessa sabedoria, a levar os outros à justiça. Alguns morrerão ou serão assassinados e, portanto, retornarão ao pó, mas serão ressuscitados para a eternidade. Como declara o texto bíblico: ‘Muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para a vida eterna’ (Dn 12:2).”1

Sábado, 21 de março de 2020. Saiba mais, faça um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Daniel. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 499, jan. fev. mar. 2020. Adulto, Professor. 

Do Norte e Sul à terra gloriosa – Estudo adicional

Lições da Bíblia

“É interessante que, pelo menos em relação a Daniel 11:29-39, Martinho Lutero tenha identificado a abominação desoladora em Daniel 11:31 com o papado e suas doutrinas e práticas. Portanto, a correlação de Daniel 11 com Daniel 7 e Daniel 8 reforça a visão de Lutero e de muitos outros comentaristas protestantes de que a instituição do papado e seus ensinamentos constituem o cumprimento dessas profecias na História. Nesse sentido, Ellen G. White declarou: ‘Nenhuma igreja dentro dos limites da jurisdição romana ficou muito tempo sem ser perturbada na experiência da liberdade de consciência. Mal o papado obteve poder, estendeu os braços para esmagar todos os que se recusassem a reconhecer-lhe o domínio; e, uma após outra, as igrejas se submeteram ao seu governo’ (O Grande Conflito, p. 62).”1

Perguntas para discussão

“1. Como podemos ser sensíveis aos sentimentos dos outros, sem comprometer o que a Bíblia ensina sobre a função de Roma nos últimos dias?”1

“2. Daniel 11:33 afirma: ‘Os sábios entre o povo ensinarão a muitos; todavia, cairão pela espada e pelo fogo, pelo cativeiro e pelo roubo, por algum tempo.’ O que esse texto revela sobre o destino de alguns fiéis de Deus? O que alguns deles estarão fazendo antes de ser martirizados? Qual é a mensagem desse texto para nós hoje?”1

“3. Daniel 11:36 afirma: ‘Este rei fará segundo a sua vontade, e se levantará, e se engrandecerá sobre todo deus; contra o Deus dos deuses falará coisas incríveis e será próspero, até que se cumpra a indignação; porque aquilo que está determinado será feito.’ A quem se refere o texto? O que isso faz lembrar? (Veja Is 14:12-17; veja também 2Ts 2:1-4).’”1

“4. Em Daniel 11:27,29,35, é usada a expressão lammo’ed ou ‘o tempo determinado’. O que isso nos revela, novamente, sobre o controle divino da História?”1

Sexta-feira, 20 de março de 2020. Saiba mais, faça um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Daniel. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 499, jan. fev. mar. 2020. Adulto, Professor. 
2 BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Eventos finais

Lições da Bíblia

“6. O que ocorre em Daniel 11:40-45? Assinale a alternativa correta:”1

Daniel 11:40-45 (ARA): “40 No tempo do fim, o rei do Sul lutará com ele, e o rei do Norte arremeterá contra ele com carros, cavaleiros e com muitos navios, e entrará nas suas terras, e as inundará, e passará. 41 Entrará também na terra gloriosa, e muitos sucumbirão, mas do seu poder escaparão estes: Edom, e Moabe, e as primícias dos filhos de Amom. 42 Estenderá a mão também contra as terras, e a terra do Egito não escapará. 43 Apoderar-se-á dos tesouros de ouro e de prata e de todas as coisas preciosas do Egito; os líbios e os etíopes o seguirão. 44 Mas, pelos rumores do Oriente e do Norte, será perturbado e sairá com grande furor, para destruir e exterminar a muitos. 45 Armará as suas tendas palacianas entre os mares contra o glorioso monte santo; mas chegará ao seu fim, e não haverá quem o socorra.”

A (   ) No fim, o rei do Norte é derrotado e não há quem o socorra.
B (   ) Os reis do Norte e do Sul declaram paz e vivem em harmonia para sempre.

Resposta sugestiva: Alternativa A.

“As expressões a seguir nos ajudam a compreender o texto de hoje:”1

“Tempo do fim: a expressão ‘tempo do fim’ aparece apenas em Daniel (Dn 8:17; Dn 11:35,40; Dn 12:4,9). O exame das profecias de Daniel indica que o tempo do fim se estende da queda do papado, em 1798, até a ressurreição dos mortos (Dn 12:2).”1

“Rei do Norte: esse nome primeiramente designa geograficamente a dinastia selêucida, mas depois se refere a Roma pagã e finalmente a Roma papal. Sendo assim, ele não descreve uma localização geográfica, mas o inimigo espiritual do povo de Deus. Além disso, devemos também observar que o rei do Norte representa uma contrafação do verdadeiro Deus, que na Bíblia está simbolicamente associada ao Norte (Is 14:13).”1

“Rei do Sul: esse nome primeiramente designa a dinastia ptolomaica no Egito, ao sul da terra santa. Mas, à medida que a profecia se desenvolve, ele adquire uma dimensão teológica e é associado por alguns estudiosos ao ateísmo. Ellen G. White, comentando a referência ao Egito em Apocalipse 11:8, declarou: ‘Isto é ateísmo’ (O Grande Conflito, p. 269).”1

“O glorioso monte santo: nos tempos do Antigo Testamento, essa expressão se referia a Sião, capital e centro de Israel, geograficamente localizada na terra prometida. Depois da cruz, o povo de Deus não é mais definido segundo linhas étnicas e geográficas. Portanto, o monte santo deve ser uma designação simbólica do povo de Deus espalhado pelo mundo.”1

“Assim, talvez possamos interpretar os acontecimentos dessa maneira: (1) O rei do Sul ataca o rei do Norte: a Revolução Francesa tentou erradicar a religião e derrotar o papado, mas falhou. (2) O rei do Norte ataca e derrota o rei do Sul: as forças da religião lideradas pelo papado e seus aliados acabarão vencendo as forças do ateísmo e formarão uma coalizão com o inimigo derrotado. (3) Edom, Moabe e o notável povo de Amom escaparão: alguns dos que não são contados entre o povo verdadeiro de Deus se juntarão ao aprisco na última hora. (4) O rei do Norte se prepara para atacar o monte santo, mas chega ao fim: as forças do mal são destruídas, e o reino de Deus é estabelecido.”1

“Como podemos nos consolar ao saber que, no final, Deus e Seu povo serão vitoriosos?”1

Quinta-feira, 19 de março de 2020. Saiba mais, faça um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Daniel. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 499, jan. fev. mar. 2020. Adulto, Professor. 
2 BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

O próximo poder

Lições da Bíblia

“5. Leia Daniel 11:29-39. O que é esse poder que surge depois de Roma pagã? Assinale a alternativa correta:”1

Daniel 11:29-39 (ARA)2: “29 No tempo determinado, tornará a avançar contra o Sul; mas não será nesta última vez como foi na primeira, 30 porque virão contra ele navios de Quitim, que lhe causarão tristeza; voltará, e se indignará contra a santa aliança, e fará o que lhe aprouver; e, tendo voltado, atenderá aos que tiverem desamparado a santa aliança. 31 Dele sairão forças que profanarão o santuário, a fortaleza nossa, e tirarão o sacrifício diário, estabelecendo a abominação desoladora. 32 Aos violadores da aliança, ele, com lisonjas, perverterá, mas o povo que conhece ao seu Deus se tornará forte e ativo. 33 Os sábios entre o povo ensinarão a muitos; todavia, cairão pela espada e pelo fogo, pelo cativeiro e pelo roubo, por algum tempo. 34 Ao caírem eles, serão ajudados com pequeno socorro; mas muitos se ajuntarão a eles com lisonjas. 35 Alguns dos sábios cairão para serem provados, purificados e embranquecidos, até ao tempo do fim, porque se dará ainda no tempo determinado. 36 Este rei fará segundo a sua vontade, e se levantará, e se engrandecerá sobre todo deus; contra o Deus dos deuses falará coisas incríveis e será próspero, até que se cumpra a indignação; porque aquilo que está determinado será feito. 37 Não terá respeito aos deuses de seus pais, nem ao desejo de mulheres, nem a qualquer deus, porque sobre tudo se engrandecerá. 38 Mas, em lugar dos deuses, honrará o deus das fortalezas; a um deus que seus pais não conheceram, honrará com ouro, com prata, com pedras preciosas e coisas agradáveis. 39 Com o auxílio de um deus estranho, agirá contra as poderosas fortalezas, e aos que o reconhecerem, multiplicar-lhes-á a honra, e fá-los-á reinar sobre muitos, e lhes repartirá a terra por prêmio.”

A. (   ) Roma papal.
B. (   ) Islamismo.

Resposta sugestiva: Alternativa A.

“Daniel 11:29-39 se refere a um novo sistema de poder. Embora esse sistema esteja em continuidade com o Império Romano pagão e tenha herdado algumas características de seu antecessor, parece ser diferente em alguns aspectos. O texto bíblico afirma: ‘Não será nesta última vez como foi na primeira’ (Dn 11:29). Ao examinarmos com mais profundidade, descobrimos que ele atua como um poder religioso, mirando seu ataque principalmente em Deus e em Seu povo. Vejamos algumas ações perpetradas por esse rei.”

“Primeiro, ele se indignaria ‘contra a santa aliança’ (Dn 11:30). Essa deve ser uma referência à aliança divina de salvação, à qual esse rei se opõe.”1

“Em segundo lugar, esse rei produziria forças que profanariam o santuário […] e tirariam ‘o sacrifício diário’ (Dn 11:31). Observamos em Daniel 8 que o chifre pequeno derrubou o fundamento do ‘santuário’ de Deus e ‘tirou o sacrifício diário’ (Dn 8:11). Isso deve ser entendido como um ataque espiritual contra o ministério de Cristo no santuário celestial.”1

“Em terceiro lugar, como consequência de seu ataque ao santuário, esse poder estabelece a ‘abominação desoladora’ no templo de Deus (Dn 11:31). A expressão paralela, ‘transgressão assoladora’, aponta para os atos de apostasia e rebelião cometidos pelo chifre pequeno (Dn 8:13).”1

“Em quarto lugar, esse poder persegue o povo de Deus: ‘Alguns dos sábios cairão para serem provados, purificados e embranquecidos, até ao tempo do fim’ (Dn 11:35). Isso nos lembra do chifre pequeno, que lançou por terra uma parte do exército e das estrelas e os pisou (Dn 8:10; compare com Dn 7:25).”1

“Em quinto lugar, esse rei se levantaria e se engrandeceria ‘sobre todo deus; contra o Deus dos deuses [falaria] coisas incríveis’ (Dn 11:36). Foi previsto também que o chifre pequeno falaria ‘com insolência’ (Dn 7:8), até mesmo contra Deus (Dn 7:25).”1

“Outras semelhanças poderiam ser mencionadas, mas, considerando o que lemos em Daniel 7 e Daniel 8, quem é esse poder? Por que é tão importante que, apesar das pressões sociais, permaneçamos firmes em nossa identificação dele?”1

Que hábito saudável você irá incorporar à sua vida neste ano?

Quarta-feira, 18 de março de 2020. Saiba mais, faça um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Daniel. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 499, jan. fev. mar. 2020. Adulto, Professor. 
2 BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.