Restauração final da unidade – Estudo adicional

Lições da Bíblia

Assista em vídeo a discussão do tema da semana.

Estudo adicional

Leia, de Ellen G. White, “Eis que venho sem demora”, p. 355-359, em Conselhos Para a Igreja; “Resurrection” [Ressurreição], p. 1082-1084 e “Heaven and New Earth” [O Céu e a Nova Terra], p. 863, 864, em Ellen G. White Encyclopedia.1

“A ressurreição e ascensão de nosso Senhor é uma prova segura do triunfo final dos santos de Deus sobre a morte e a sepultura, e um penhor de que o Céu está aberto para os que lavaram as vestes do caráter e as branquearam no sangue do Cordeiro. […] Deus levará os que refletem Sua imagem a contemplar Sua glória e dela participar.”1

“Há ali casas para os peregrinos da Terra. Há vestes para os justos, com coroas de glória e palmas de vitória. Tudo quanto nos tem confundido acerca das providências de Deus será esclarecido no mundo vindouro. As coisas difíceis de serem compreendidas terão então explicação. Os mistérios da graça nos serão desvendados. Naquilo em que nossa mente finita só via confusão e promessas desfeitas, veremos a mais perfeita e bela harmonia. […]” (Ellen G. White, Conselhos Para a Igreja, p. 358).1

Perguntas para discussão

“1. Quanto à segunda vinda de Jesus, qual é a singularidade da esperança adventista?”1

“2. Dois peixes estavam nadando quando um perguntou ao outro: ‘Como está a água?’ O outro respondeu: ‘O que é água?’ Podemos nos acostumar tanto com as coisas que não percebemos que elas são predominantes. Sendo pecadores, como compreender a existência que teremos no Céu? Apesar das limitações, por que devemos tentar imaginar como ela será?”1

“3. Evidentemente, seja como for nossa existência na nova Terra, viveremos em unidade com todos. O que podemos fazer para nos preparar para essa realidade?”1

“Resumo: A Bíblia fala com confiança do tempo em que a Terra será recriada e as ruínas do pecado serão eliminadas. Finalmente, a humanidade será restaurada ao seu propósito original, e todos viverão em harmonia. Nossa atual unidade espiritual em Cristo, embora ainda não plenamente percebida, será então uma realidade viva e eterna.”1

Sexta-feira, 28 de dezembro de 2018. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.
_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Unidade em Cristo. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 494, out. nov. dez. 2018. Adulto, Professor.

Ressurreição e restauração dos relacionamentos

Lições da Bíblia

“Desde os primórdios da igreja, talvez mais que qualquer outra coisa, a promessa da volta de Cristo tem sustentado o coração do fiel povo de Deus, especialmente durante as provações. Em suas terríveis lutas, tristezas e dores inconsoláveis, eles tinham a esperança do retorno de Cristo e as maravilhosas promessas que o segundo advento contém.”1

“4. De acordo com 1 Tessalonicenses 4:13-18, quais promessas estão incluídas nessa passagem? O que isso revela sobre a esperança da restauração de relacionamentos?”1

1 Tessalonicenses (4:13-18 ARA)2: 13 Não queremos, porém, irmãos, que sejais ignorantes com respeito aos que dormem, para não vos entristecerdes como os demais, que não têm esperança. 14 Pois, se cremos que Jesus morreu e ressuscitou, assim também Deus, mediante Jesus, trará, em sua companhia, os que dormem. 15 Ora, ainda vos declaramos, por palavra do Senhor, isto: nós, os vivos, os que ficarmos até à vinda do Senhor, de modo algum precederemos os que dormem. 16 Porquanto o Senhor mesmo, dada a sua palavra de ordem, ouvida a voz do arcanjo, e ressoada a trombeta de Deus, descerá dos céus, e os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro; 17 depois, nós, os vivos, os que ficarmos, seremos arrebatados juntamente com eles, entre nuvens, para o encontro do Senhor nos ares, e, assim, estaremos para sempre com o Senhor. 18 Consolai-vos, pois, uns aos outros com estas palavras.

“A segunda vinda de Cristo impactará a humanidade de maneira profunda. Um aspecto importante do estabelecimento do reino de Deus é a reunião dos eleitos. ‘Ele enviará Seus anjos, com grande clangor de trombeta, os quais reunirão os Seus escolhidos, dos quatro ventos, de uma a outra extremidade dos céus’ (Mt 24:31). No momento dessa reunião, os justos mortos ressuscitarão e receberão a imortalidade (1Co 15:52, 53). ‘Os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro’ (1Ts 4:16). Esse é o momento que todos aguardamos. Os ressuscitados se reunirão com os que anseiam sua presença e amor. Assim Paulo se alegrou com esse evento: ‘Onde está, ó morte, a tua vitória? Onde está, ó morte, o teu aguilhão?’ (1Co 15:55).”1

“O corpo enfermo, envelhecido e desfigurado que desceu ao túmulo não se levantará na ressurreição, mas sim o corpo novo, imortal e perfeito, não mais marcado pelo pecado que causou sua deterioração. Os santos ressuscitados experimentarão a conclusão da divina obra de restauração, refletindo a perfeita imagem de Deus planejada na criação (Gn 1:26; 1Co 15:46-49).”1

“No momento do segundo advento de Jesus, quando os mortos redimidos ressuscitarem, os justos vivos na Terra serão transformados e também receberão um corpo novo e perfeito. ‘Porque é necessário que este corpo corruptível se revista da incorruptibilidade, e que o corpo mortal se revista da imortalidade’ (1Co 15:53). Então, esses dois grupos de remidos, os justos ressuscitados e os transformados, serão ‘arrebatados […], entre nuvens, para o encontro do Senhor nos ares, e, assim’, estarão ‘para sempre com o Senhor’ (1Ts 4:17).”1

“Em nossa era científica, alguns cristãos tentam encontrar uma explicação natural para tudo, até para os milagres. Tendo em mente a promessa da ressurreição, por que apenas os atos sobrenaturais de Deus podem nos salvar?”1

Terça-feira, 25 de dezembro de 2018. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.
_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Unidade em Cristo. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 494, out. nov. dez. 2018. Adulto, Professor.
2 BIBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Restauração final da unidade

Lições da Bíblia

Nós, porém, segundo a Sua promessa, esperamos novos céus e nova Terra, nos quais habita justiça” (2Pe 3:13).1

“Uma das maiores promessas da Bíblia é a de que Jesus virá outra vez. Sem ela, não teríamos nada, pois nossas esperanças estão centralizadas nessa promessa e em seu significado para nós. Quando Cristo retornar nas nuvens do Céu, tudo o que é terrestre e de origem humana e, portanto, temporário e às vezes insignificante, será destruído. Após o milênio no Céu, esta Terra, com suas guerras, fome, doenças e tragédias, será renovada e se tornará a morada dos remidos, finalmente reunidos com o Senhor e uns com os outros.”1

“A esperança na segunda vinda de Cristo é um assunto muito importante do Novo Testamento e, durante séculos, os cristãos têm desejado o cumprimento dessa promessa. Como adventistas do sétimo dia, também almejamos Seu retorno. De fato, nosso nome proclama essa esperança.”1

“Nesta última lição, examinaremos essa promessa e o que ela significa para a unidade cristã. Nossa unidade em Cristo é muitas vezes ameaçada pelas nossas limitações e fraquezas humanas. Contudo, não precisaremos mais buscar soluções para nossas divisões, pois não mais haverá desunião. No segundo advento de Cristo, seremos um com o Senhor, finalmente reunidos, formando uma família restaurada.”1

Sábado, 22 de dezembro de 2018. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.
_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Unidade em Cristo. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 494, out. nov. dez. 2018. Adulto, Professor.

Restauração e unidade

Lições da Bíblia

“5. De acordo com Mateus 18:15-17, quais são os três passos indicados por Jesus para resolver conflitos quando somos prejudicados por outro membro da igreja? Como aplicar essas palavras em nosso contexto contemporâneo?”1

Mateus (18:15-17 ARA)2: “15 Se teu irmão pecar [contra ti], vai argui-lo entre ti e ele só. Se ele te ouvir, ganhaste a teu irmão. 16 Se, porém, não te ouvir, toma ainda contigo uma ou duas pessoas, para que, pelo depoimento de duas ou três testemunhas, toda palavra se estabeleça. 17 E, se ele não os atender, dize-o à igreja; e, se recusar ouvir também a igreja, considera-o como gentio e publicano.

“Quando deu o conselho de Mateus 18, Jesus desejava manter o conflito interpessoal dentro da igreja entre o menor número possível de pessoas. Sua intenção era de que as duas pessoas envolvidas solucionassem o problema. Por isso Ele declarou: ‘Se teu irmão pecar [contra ti], vai argui-lo entre ti e ele só. Se ele te ouvir, ganhaste a teu irmão’ (Mt 18:15). Quanto maior é o número de pessoas envolvidas em um conflito entre dois indivíduos, mais discórdia é criada, e mais ela pode afetar a comunhão de outros cristãos. As pessoas tomam partido, e linhas de combate são traçadas. Mas quando os cristãos tentam resolver suas diferenças de maneira reservada, no espírito do amor cristão e da compreensão mútua, cria-se um clima de reconciliação. É a atmosfera certa para o Espírito Santo trabalhar com essas pessoas, enquanto elas se esforçam para resolver suas diferenças.”1

“Às vezes, apelos pessoais à resolução de conflitos são ineficazes. Nesses casos, Jesus nos convida a levar conosco uma ou duas pessoas. Essa segunda etapa no processo de reconciliação deve sempre ocorrer após o primeiro passo. O objetivo é unir as pessoas, e não as distanciar ainda mais. A pessoa que se junta à parte ofendida não vai para provar seu argumento nem para culpar o outro. Ela vai no amor e compaixão de Cristo, como conselheira e parceira de oração a fim de participar do processo de união de duas pessoas separadas.”1

“Há ocasiões em que todas as tentativas de resolver o problema não funcionam. Nesse caso, Jesus nos instruiu a levar a questão diante da igreja. Ele certamente não estava Se referindo a interromper o culto do sábado de manhã com uma questão de conflito pessoal. Se os dois primeiros passos não ajudaram a reconciliar as duas partes, a ocasião apropriada para trazer o problema é a comissão da igreja. O propósito de Cristo é a reconciliação. Não é culpar uma parte e livrar a outra.”1

“‘Não permita que seu ressentimento se torne maldade. Não deixe que a ferida inflame e contamine o que está ao redor com palavras venenosas, que manchem a mente daqueles que as ouvem. Não permita que persistam em você e neles pensamentos de rancor. Vai ter com seu irmão e em humildade e sinceridade resolva com ele o problema’ (Ellen G. White, Obreiros Evangélicos, p. 499).”1

Quinta-feira, 06 de dezembro de 2018. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.
_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Unidade em Cristo. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 494, out. nov. dez. 2018. Adulto, Professor.
2 BIBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Restaurando os caídos

Lições da Bíblia

“Embora Paulo tivesse elevadas expectativas para a natureza da vida cristã (Gl 5:16), seu conselho aos cristãos em Gálatas 6:1 também é realista. Os seres humanos não são perfeitos, e nem mesmo os cristãos mais dedicados estão isentos de cometer erros. No idioma grego, as palavras de Paulo em Gálatas 5:16 indicam que ele estava imaginando uma situação que provavelmente ocorreria na igreja, em algum momento. Paulo deu aos gálatas conselhos práticos sobre como lidar com situações difíceis quando elas surgissem.”1

“1. De acordo com Gálatas 6:1 e Mateus 18:15-17, como os cristãos devem reagir se um irmão cair em algum comportamento pecaminoso?”1

Gálatas (6:1 ARA)2: “Irmãos, se alguém for surpreendido nalguma falta, vós, que sois espirituais, corrigi-o com espírito de brandura; e guarda-te para que não sejas também tentado.”. Mateus (18:15-17 ARA)2: “15 Se teu irmão pecar [contra ti], vai argui-lo entre ti e ele só. Se ele te ouvir, ganhaste a teu irmão. 16 Se, porém, não te ouvir, toma ainda contigo uma ou duas pessoas, para que, pelo depoimento de duas ou três testemunhas, toda palavra se estabeleça. 17 E, se ele não os atender, dize-o à igreja; e, se recusar ouvir também a igreja, considera-o como gentio e publicano.”.

“Para sermos beneficiados pelo conselho de Paulo em Gálatas 6:1, precisamos entender exatamente o tipo de situação que Paulo tinha em mente. A questão girava em torno de duas palavras usadas na primeira metade da frase. A primeira palavra é apanhado (NTLH) ou surpreendido (NVI). Significa literalmente ‘ser descoberto, surpreendido ou pego de surpresa’. O contexto e diferentes nuances associados a essa palavra sugerem que Paulo tinha dois aspectos em mente. Não se referia apenas a um cristão que ‘apanha’ um irmão em algum ato de pecado, mas também ao processo pelo qual uma pessoa é ‘surpreendida’ por um comportamento (Pv 5:22) que, na melhor das circunstâncias, ela preferiria evitar.”1

“A probabilidade de que a transgressão que Paulo mencionou não fosse deliberada é evidente pela linguagem que ele usou. A palavra traduzida por ‘falta’ (ARA) ou ‘pecado’ (NIV), que vem da palavra grega paraptoma, não se referia a um pecado deliberado, mas a um erro, um tropeço ou um passo em falso. Este último, em particular, tem sentido à luz dos comentários anteriores de Paulo sobre ‘andar’ no Espírito. Embora isso de modo nenhum desculpe o erro da pessoa, torna claro que Paulo não estava lidando com um caso de pecado obstinado (1Co 5:1-5).”1

“A resposta adequada em tais circunstâncias não deve ser a punição, condenação ou exclusão, mas a restauração. A palavra grega traduzida como ‘restaurar’ (NVI) ou ‘corrigir’ (ARA) é katartizo e significa ‘consertar’ ou ‘pôr em ordem’. No Novo Testamento ela é usada no sentido de ‘consertar’ redes de pesca (Mt 4:21) e descreve o processo de restauração de um osso quebrado, sendo um termo médico na literatura grega. Assim como não abandonaríamos uma pessoa que caísse e quebrasse uma perna, como membros do corpo de Cristo, devemos bondosamente cuidar de nossos irmãos e irmãs em Cristo que podem tropeçar e cair, enquanto trilhamos juntos o caminho para o reino de Deus.”1

“Em vez de praticar Mateus 18:15-17, por que tantas vezes falamos mal da pessoa com quem estamos aborrecidos, permitindo que nossa irritação cresça e até planejemos uma vingança?”1

Domingo, 17 de setembro de 2017. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio  da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.
_______________
1 COSAERT, Carl. O evangelho em Gálatas. Lições da escola sabatina. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 489, Jul. Ago. Set. 2017. Adulto, Professor.
2 BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Restauração parcial

Lições da Bíblia

“A história de Jó termina num tom positivo, em comparação com a história de outros personagens bíblicos e, muitas vezes, de outras pessoas em geral. Estudiosos da Bíblia por vezes discutem a respeito da ‘restauração’ de Jó. De fato, até certo ponto muitas coisas lhe foram restauradas.”1

“Mas se esse fosse o completo fim da história, pergunto com toda a sinceridade: A história realmente estaria completa? Certamente, as coisas melhoraram para Jó, e melhoram muito! Mas apesar disso, Jó um dia acabou morrendo. Todos os seus filhos e filhas também morreram, todos os seus netos e netas, e assim por diante. Com certeza, todos eles, de alguma forma, também enfrentaram muitos dos mesmos traumas e provações que enfrentamos, aflições que simplesmente retratam a realidade da vida neste mundo caído.”1

“Pelo que sabemos, Jó nunca conheceu as razões por trás das calamidades que lhe sobrevieram. Ele teve mais filhos, mas, e quanto à sua tristeza e luto por aqueles que havia perdido? O que dizer das cicatrizes que ele certamente carregou pelo resto da vida? A história de Jó teve um final feliz, porém não foi completamente feliz. Restaram muitas partes incompletas, muitas perguntas sem respostas.”1

“A Bíblia afirma que o Senhor ‘mudou a sorte de Jó’ (Jó 42:10) e, de fato, a mudou, principalmente quando a comparamos com tudo o que havia acontecido antes. Mas ainda restavam muitas coisas incompletas, sem resposta, não realizadas.”1

“Isso não deveria nos surpreender, não é mesmo? Afinal de contas, não importa qual seja o ‘final’ da nossa história neste mundo, bom ou ruim, feliz ou infeliz, algumas coisas ainda continuam incompletas, sem resposta e não realizadas.”1

“Por isso, de certa forma o final da história de Jó pode ser entendido como um símbolo, embora fraco, do verdadeiro final de todo sofrimento e infortúnio humanos. Ele é um prenúncio da grande esperança e da promessa que temos, mediante o evangelho de Jesus Cristo, de uma restauração plena e completa, de modo que a restauração de Jó pareça insignificante.”1

3. De acordo com 1 Coríntios 4:5, nesta vida algumas coisas permanecerão sem resposta, incompletas e não realizadas. Esse texto nos aponta uma esperança. Que esperança é essa? Marque a(s) alternativa(s) correta(s):1

Portanto, nada julgueis antes do tempo, até que venha o Senhor, o qual não somente trará à plena luz as coisas ocultas das trevas, mas também manifestará os desígnios dos corações; e, então, cada um receberá o seu louvor da parte de Deus.” (1 Coríntios 4:5 ARA)2.

“A. ( ) A esperança de que um dia Deus revele aqui nesta Terra todas as respostas que desejamos encontrar.”1

“B. ( ) A esperança de que dias melhores virão e que, pela nossa própria experiência, aprenderemos a responder as inquietações da nossa existência.”1

“C. ( ) A esperança da volta de Jesus, quando tudo o que está oculto será trazido à luz, e tudo que foi perdido será restaurado.”1

“D. ( ) A esperança de nos encontrarmos como indivíduos e entendermos nosso papel na Terra.”1

“Resposta: Alternativa C”1

Terça-feira, 27 de setembro de 2016. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio  da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.
__________________
1 LIÇÕES da escola sabatina. O livro de Jó. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 486, Out. Nov. Dez. 2016. Adulto, Professor.

2 BIBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Restauração do domínio – Estudo adicional

Lições da Bíblia

Assista em vídeo a discussão do tema da semana.

 

Estudo adicional

“Leia, de Ellen G. White, ‘Temperança e Dietética’ e ‘Disciplina’, em Educação, p. 202-206, 287-290; ‘Necessidade de Domínio Próprio’, emConselhos sobre o Regime Alimentar, p. 73, 74; ‘Os Princípios da Mordomia’ e ‘Participando das Alegrias dos Remidos’, em Conselhos sobre Mordomia, p. 111-113, 348-350.”1

“Se não fosse pela Palavra de Deus, que revela nossas origens e a origem do pecado, da morte e do mal, simplesmente consideraríamos isso como algo comum, meramente uma parte da vida. Mas a história da queda nos mostra que, na verdade, as coisas não deveriam ser assim. Então, logo depois que eles pecaram, repentinamente sua relação com o mundo se tornou diferente, porque eles mudaram, e o mundo físico mudou também. Subitamente, o domínio que eles haviam desfrutado foi perdido, e as consequências foram enormes! ‘Os espinhos e cardos (Gn 3:17, 18), as consequências do dilúvio (Gn 7:12), as terras desérticas e áridas, e os gemidos da Terra por libertação (Rm 8:19-22) são algumas das imagens usadas pela Bíblia para descrever o efeito do pecado sobre o mundo’ (Tratado de Teologia Adventista do Sétimo Dia. Tatuí, SP, Casa Publicadora Brasileira, 2011; p. 286). Deveríamos ser muito gratos pelo plano da salvação, que irá restaurar tudo o que foi perdido!”1

Perguntas para reflexão

“1. Embora o contexto imediato de Êxodo 23:10-12, Deuteronômio 11:11, 12 e 20:19, 20 não tenha a ver com a ecologia como a entendemos hoje, que princípios encontrados nesses textos nos ajudam a entender nossa necessidade de ser bons administradores do meio ambiente? Como saber se já ultrapassamos os limites, deixando de ser bons mordomos do meio ambiente para nos tornarmos adoradores dele?”1

“2. Pense sobre o mundo natural que conhecemos. Ele é um amigo ou um inimigo? Como você pode justificar sua resposta?”1

“3. Qual é o significado e o propósito da vida? Qual é a diferença entre nossas respostas e as respostas dos que não creem em Deus nem na salvação?”1

“4. Como podemos recuperar o domínio do mundo de tal maneira que ajude a restaurar seu significado original?”1

Sexta-feira, 08 de julho de 2016. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio  da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.
__________________
1 LIÇÕES da escola sabatina. O papel da igreja na comunidade. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 485, Jul. Ago. Set. 2016. Adulto, Professor.