O apelo do profeta para reforma

Lições da Bíblia.

“Muitas vezes Deus enviou Seus profetas para conduzir Israel ao reavivamento. A reforma geralmente acompanhava esses tempos de reavivamento. É importante notar que, mesmo quando o povo de Deus se afastava dEle, ainda era Seu povo escolhido. Repetidamente, Ele enviava Seus mensageiros para guiá-lo de volta a Si. Os exemplos de reavivamento e reforma registrados no Antigo Testamento frequentemente têm características semelhantes.”

“Reavivamento e reforma ocorreram no Antigo Testamento, quando houve um renovado e sincero compromisso de obedecer à vontade de Deus. Quando Israel ‘seguia o seu próprio caminho’ e ‘cada um fazia o que achava mais reto’ (Jz 21:25), Deus retirava Sua bênção e a nação enfrentava desastre e derrota.”

“Certa ocasião em que o povo de Deus enfrentou um de seus maiores desafios, uma batalha contra os amonitas e moabitas, o rei Josafá mostrou notável liderança espiritual. Durante a crise, o rei tentou manter os olhos do povo focalizados no poder de Deus (2Cr 20:12).”

“O rei reconheceu um ponto crítico na manutenção do reavivamento e reforma. Que conselho solene ele deu ao povo? Que padrão espiritual descobrimos ali para o reavivamento e reforma?”

“1. Leia 2 Crônicas 20:1-20 e resuma as instruções do rei Josafá a Judá.” “Depois disto, os filhos de Moabe e os filhos de Amom, com alguns dos meunitas, vieram à peleja contra Josafá. Então, vieram alguns que avisaram a Josafá, dizendo: Grande multidão vem contra ti dalém do mar e da Síria; eis que já estão em Hazazom-Tamar, que é En-Gedi. Então, Josafá teve medo e se pôs a buscar ao SENHOR; e apregoou jejum em todo o Judá. Judá se congregou para pedir socorro ao SENHOR; também de todas as cidades de Judá veio gente para buscar ao SENHOR. Pôs-se Josafá em pé, na congregação de Judá e de Jerusalém, na Casa do SENHOR, diante do pátio novo, e disse: Ah! SENHOR, Deus de nossos pais, porventura, não és tu Deus nos céus? Não és tu que dominas sobre todos os reinos dos povos? Na tua mão, está a força e o poder, e não há quem te possa resistir. Porventura, ó nosso Deus, não lançaste fora os moradores desta terra de diante do teu povo de Israel e não a deste para sempre à posteridade de Abraão, teu amigo? Habitaram nela e nela edificaram um santuário ao teu nome, dizendo: Se algum mal nos sobrevier, espada por castigo, peste ou fome, nós nos apresentaremos diante desta casa e diante de ti, pois o teu nome está nesta casa; e clamaremos a ti na nossa angústia, e tu nos ouvirás e livrarás. Agora, pois, eis que os filhos de Amom e de Moabe e os do monte Seir, cujas terras não permitiste a Israel invadir, quando vinham da terra do Egito, mas deles se desviaram e não os destruíram, eis que nos dão o pago, vindo para lançar-nos fora da tua possessão, que nos des…sa grande multidão que vem contra nós, e não sabemos nós o que fazer; porém os nossos olhos estão postos em ti. Todo o Judá estava em pé diante do SENHOR, como também as suas crianças, as suas mulheres e os seus filhos. Então, veio o Espírito do SENHOR no meio da congregação, sobre Jaaziel, filho de Zacarias, filho de Benaia, filho de Jeiel, filho de Matanias, levita, dos filhos de Asafe, e disse: Dai ouvidos, todo o Judá e vós, moradores de Jerusalém, e tu, ó rei Josafá, ao que vos diz o SENHOR. Não temais, nem vos assusteis por causa desta grande multidão, pois a peleja não é vossa, mas de Deus. Amanhã, descereis contra eles; eis que sobem pela ladeira de Ziz; encontrá-los-eis no fim do vale, defronte do deserto de Jeruel. Neste encontro, não tereis de pelejar; tomai posição, ficai parados e vede o salvamento que o SENHOR vos dará, ó Judá e Jerusalém. Não temais, nem vos assusteis; amanhã, saí-lhes ao encontro, porque o SENHOR é convosco. Então, Josafá se prostrou com o rosto em terra; e todo o Judá e os moradores de Jerusalém também se prostraram perante o SENHOR e o adoraram. Dispuseram-se os levitas, dos filhos dos coatitas e dos coreítas, para louvarem o SENHOR, Deus de Israel, em voz alta, sobremaneira. Pela manhã cedo, se levantaram e saíram ao deserto de Tecoa; ao saírem eles, pôs-se Josafá em pé e disse: Ouvi-me, ó Judá e vós, moradores de Jerusalém! Crede no SENHOR, vosso Deus, e estareis seguros; crede nos seus profetas e prosperareis.” (2 Crônicas 20:1-20 RA). “O povo foi chamado a buscar ao Senhor por meio do jejum e oração; deviam crer em Deus e confiar nos Seus profetas. Assim teriam segurança e prosperidade.”

“Deus foi a força de Judá nessa crise e Ele é a força de Seu povo hoje. Não devemos confiar em príncipes, nem pôr o homem no lugar de Deus. Devemos lembrar que os seres humanos são falíveis e falhos, e que Aquele que tem todo o poder é nossa forte torre de defesa. Em qualquer emergência, devemos sentir que a batalha é dEle. Seus recursos são ilimitados, e as aparentes impossibilidades farão que a vitória seja ainda maior” (Ellen G. White, Profetas e Reis, p. 202).

“A experiência de Josafá ilustra a essência do reavivamento e reforma. Ele liderou e uniu Israel em um período de jejum, oração, confiança e obediência a Deus.”

“Em seus momentos de estresse e desafios, como você pode aplicar os princípios espirituais revelados nessa história? Qual é a única maneira de realmente exercitar a fé?”

Domingo, 25 de agosto de 2013. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico. Este conteúdo é uma adaptação da LES publicado simultaneamente no Blogspot e WordPress. Para impressão acesse arquivo em PDF

A agonia do profeta

Lições da Bíblia.

“Esta é a mensagem que o SENHOR Deus deu a Miquéias, da cidade de Moresete. Miquéias teve estas visões a respeito das cidades de Samaria e de Jerusalém durante os reinados de Jotão, Acaz e Ezequias na terra de Judá. Escutem, todos os povos; prestem atenção, todos os moradores da terra! O SENHOR vai ser testemunha contra vocês; do seu templo no céu, ele falará. Ele descerá do lugar onde mora e caminhará sobre as montanhas. Debaixo dos seus pés, as montanhas se desfazem; são como cera que se derrete no fogo. Os vales se abrem, como se uma enchente os cortasse ao meio. Tudo isso acontecerá porque o povo de Israel pecou e se revoltou contra Deus. Quem é culpado da revolta de Israel? É o povo de Samaria! E quem é responsável por haver santuários pagãos em Judá? É o povo de Jerusalém! Por isso, o SENHOR diz: —Eu farei com que a cidade de Samaria vire um montão de ruínas em campo aberto; farei com que seja um lugar para plantação de uvas. Farei com que as pedras da cidade rolem monte abaixo e que os alicerces das casas de Samaria fiquem aparecendo. Todas as imagens serão destruídas, toda a riqueza conseguida à custa das prostitutas dos seus templos pagãos será queimada, e todos os ídolos virarão um monte de ruínas. Tudo o que foi comprado com o dinheiro das prostitutas será usado para pagar as prostitutas em outros templos pagãos. Por isso, eu choro e grito de dor e em sinal de tristeza ando descalço e nu, uivando como uma raposa e soltando gritos de dor como uma avestruz. Pois os ferimentos do povo de Samaria não podem ser curados; a destruição já atingiu Judá e está perto de Jerusalém, onde vive o meu povo.” (Miquéias 1:1-9 NTLH).

“Em Miqueias 1:1-9, o profeta convida toda a Terra a testemunhar o juízo de Deus contra os pecadores. As cidades capitais de Samaria e de Jerusalém são apontadas porque seus líderes não foram exemplos do que significa seguir a Deus de todo o coração. Essas duas cidades seriam as primeiras a sofrer a destruição.”

“O pensamento do juízo destrutivo produziu verdadeira tensão na vida de Miqueias. Visto que seu chamado profético o uniu ao propósito de Deus, ele não tinha escolha, senão anunciar o que estava por vir no futuro próximo. Mas o profeta também amava o povo ao qual ele pertencia e a ideia de seu cativeiro o levou a lamentar. Muitas vezes, uma notícia má tinha o efeito mais devastador sobre a mente e o corpo do profeta do que sobre os destinatários.”

“1. O que os textos a seguir ensinam sobre a difícil condição dos profetas?” “Então Moisés ouviu o choro do povo. Cada família chorava na entrada da sua barraca. O SENHOR ficou muito irado. E Moisés também ficou aborrecido e disse a Deus, o SENHOR: —Por que me tens tratado tão mal? Por que estás aborrecido comigo? Por que me deste um trabalho tão pesado de dirigir todo este povo? Eu não fiz este povo, nem dei à luz esta gente! Por que me pedes que faça como uma babá e os carregue no colo como criancinhas para a terra que juraste dar aos seus antepassados? Onde poderia eu conseguir carne para dar a todo este povo? Eles vêm chorar perto de mim e dizem que querem comer carne. Eu sozinho não posso cuidar de todo este povo; isso é demais para mim! Se vais me tratar desse jeito, tem pena de mim e mata-me! Se gostas de mim, não deixes que eu continue sofrendo deste jeito! (Números 11:10-15 NTLH); “O rei Acabe contou à sua esposa Jezabel tudo o que Elias havia feito e como havia matado à espada todos os profetas do deus Baal. Aí ela mandou um mensageiro a Elias com o seguinte recado: —Que os deuses me matem, se até amanhã a esta hora eu não fizer com você o mesmo que você fez com os profetas! Elias ficou com medo e, para salvar a vida, fugiu com o seu ajudante para a cidade de Berseba, que ficava na região de Judá. Deixou ali o seu ajudante e foi para o deserto, andando um dia inteiro. Aí parou, sentou-se na sombra de uma árvore e teve vontade de morrer. Então orou assim: —Já chega, ó SENHOR Deus! Acaba agora com a minha vida! Eu sou um fracasso, como foram os meus antepassados.” (1 Reis 19:1-4 NTLH); O meu coração está ferido porque o meu povo está ferido. Choro, completamente desanimado.” (Jeremias 8:21 NTLH); Eu gostaria de ter um lugar para ficar no deserto, onde pudesse estar longe do meu povo. Todos eles são adúlteros, são um bando de traidores.” (Jeremias 9:2 NTLH); O SENHOR me disse o seguinte: —Homem mortal, com um só golpe, vou levar aquela que você mais ama. Não reclame, não chore, não derrame lágrimas. Não deixe que ninguém ouça os seus gemidos. Não ande sem chapéu ou descalço, como sinal de luto. Não cubra o rosto, nem coma a comida que oferecem nos enterros. De manhã eu estava falando com o povo, e à noite a minha esposa faleceu. No dia seguinte, fiz como o SENHOR havia mandado.” (Ezequiel 24:15-18 NTLH); “Eles são servos de Cristo? Mas eu sou um servo melhor do que eles, embora, ao dizer isso, eu esteja falando como se fosse louco. Pois eu tenho trabalhado mais do que eles e tenho estado mais vezes na cadeia. Tenho sido chicoteado muito mais do que eles e muitas vezes estive em perigo de morte. Em cinco ocasiões os judeus me deram trinta e nove chicotadas. Três vezes os romanos me bateram com porretes, e uma vez fui apedrejado. Três vezes o navio em que eu estava viajando afundou, e numa dessas vezes passei vinte e quatro horas boiando no mar. Nas muitas viagens que fiz, tenho estado em perigos de inundações e de ladrões; em perigos causados pelos meus patrícios, os judeus, e também pelos não-judeus. Tenho estado no meio de perigos nas cidades, nos desertos e em alto mar; e também em perigos causados por falsos irmãos. Tenho tido trabalhos e canseiras. Muitas vezes tenho ficado sem dormir. Tenho passado fome e sede; têm me faltado casa, comida e roupas. (2 Coríntios 11:23-27 NTLH). “Moisés sofreu por causa das muitas reclamações de Israel no deserto; Elias foi ameaçado de morte por Jezabel; Jeremias lamentou o sofrimento e os pecados do povo; Ezequiel perdeu a esposa como sinal da tragédia que sobreviria a Israel; Paulo fez muitos sacrifícios para pregar o evangelho.”

“Os profetas de Deus ficavam muito envolvidos nas mensagens que anunciavam. Eles não gostavam de falar sobre as coisas terríveis que aconteceriam. Muitas vezes, usavam lamentações para expressar suas reações aos desastres iminentes. A dor deles era real. Para os ouvintes, a mensagem estava contida tanto nas palavras proféticas quanto nos sinais externos, que muitas vezes revelavam uma dor profunda que provinha do coração. A reação de Miqueias ao juízo divino nos faz lembrar de Isaías, que por três anos andou seminu e descalço, como sinal visível da vergonha que o cativeiro traria. Podemos pesquisar também sobre o grande sofrimento que Ellen G. White suportou em seu ministério. Isso nos ajudará a entender melhor o que os servos de Deus tiveram que enfrentar.”

“Leia 1 Pedro 4:14-16. Depois considere a si mesmo e as provas pelas quais está passando. Quanto sofrimento tem ocorrido por causa de sua fidelidade a Deus? Você tem sofrido devido à infidelidade?” ”Vocês serão felizes se forem insultados por serem seguidores de Cristo, porque isso quer dizer que o glorioso Espírito de Deus veio sobre vocês. Se algum de vocês tiver de sofrer, que não seja por ser assassino, ladrão, criminoso ou por se meter na vida dos outros. Mas, se alguém sofrer por ser cristão, não fique envergonhado, mas agradeça a Deus o fato de ser chamado por esse nome.” (1 Pedro 4:14-16 NTLH).

Domingo, 12 de maio de 2013. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico. Este conteúdo é uma adaptação da LES publicado simultaneamente no Blogspot e WordPress. Para impressão acesse arquivo em PDF

Chamado para ser profeta

Lições da Bíblia.

“Amós era de Tecoa, em Judá, mas Deus o enviou para profetizar em Israel. Ele foi ao reino do norte e pregou com tal poder que a terra não podia ‘sofrer todas as suas palavras’ (Am 7:10). Certamente, muitos israelitas olharam para Amós com suspeita e o rejeitaram como mensageiro de Deus. Apesar da rejeição, ele cumpriu fielmente seu ministério profético.”

“4. Leia Amós 7:10-17. Como o profeta foi recebido? Que outros exemplos bíblicos revelam a mesma atitude? O que aprendemos com esses exemplos?” Então Amazias, o sacerdote de Betel, mandou dizer a Jeroboão, rei de Israel: Amós tem conspirado contra ti no meio da casa de Israel; a terra não poderá suportar todas as suas palavras. Pois assim diz Amós: Jeroboão morrerá à espada, e Israel certamente será levado cativo para fora da sua terra. Depois Amazias disse a Amós: Vai-te, ó vidente, foge para a terra de Judá, e ali come o pão, e ali profetiza; mas em Betel daqui por diante não profetizarás mais, porque é o santuário do rei, e é templo do reino. E respondeu Amós, e disse a Amazias: Eu não sou profeta, nem filho de profeta, mas boieiro, e cultivador de sicômoros. Mas o Senhor me tirou de após o gado, e o Senhor me disse: Vai, profetiza ao meu povo Israel. Agora, pois, ouve a palavra do Senhor: Tu dizes: Não profetizes contra Israel, nem fales contra a casa de Isaque. Portanto assim diz o Senhor: Tua mulher se prostituirá na cidade, e teus filhos e tuas filhas cairão à espada, e a tua terra será repartida a cordel; e tu morrerás numa terra imunda, e Israel certamente será levado cativo para fora da sua terra.” (Amós 7:10-17). “Foi perseguido e acusado de conspiração. Jeremias, Zacarias (2Cr 24) e Elias também foram rejeitados, porque as pessoas não queriam ouvir a mensagem de Deus.”

“Entre os que não gostaram da pregação de Amós estava Amazias, sacerdote de Betel, que acusou o profeta de conspiração contra o rei de Israel. Betel foi um dos dois santuários reais, os próprios centros do culto apóstata. Amós havia predito em público que, se Israel não se arrependesse, seu rei morreria pela espada e o povo seria levado cativo. Amazias ordenou que Amós voltasse para a terra de Judá, onde suas mensagens contra Israel seriam mais populares.”

“Em sua resposta ao sacerdote, Amós afirmou que seu chamado profético viera de Deus. Alegou que não era um profeta profissional que podia ser contratado para profetizar. Amós se distanciou dos profetas profissionais que profetizavam em busca de ganho.”

“Falar a verdade não garante a aceitação, porque a verdade às vezes pode ser desconfortável e, se ela perturba os que estão no poder, pode despertar séria oposição. O chamado de Deus impeliu Amós a pregar de maneira tão franca e corajosa contra os pecados do rei e da nobreza do reino do norte que ele foi acusado de traição.”

“Qual é a nossa atitude quando ouvimos que nossas ações e nosso estilo de vida são pecaminosos e trarão punição sobre nós? O que nossa resposta diz sobre nós mesmos e sobre a necessidade de uma mudança de coração e atitude?”

Terça-feira, 30 de abril de 2013. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico. Este conteúdo é uma adaptação da LES publicado simultaneamente no Blogspot e WordPress. Para impressão acesse arquivo em PDF

Profetas como historiadores

Lições da Bíblia.

“Em toda a Bíblia, os profetas usam a expressão ‘a Palavra do Senhor’ (ou equivalentes, como ‘assim diz o Senhor’, ‘diz o Senhor’, e outras). Em resumo, o que eles estão dizendo é: ‘Não sou eu que estou falando essas verdades para você. Deus é quem está falando através de mim. Então, é melhor você ouvir.’”

“3. Quem era o originador das palavras anunciadas pelos profetas?”Disse-me o SENHOR: Do Norte se derramará o mal sobre todos os habitantes da terra. Pois eis que convoco todas as tribos dos reinos do Norte, diz o SENHOR; e virão, e cada reino porá o seu trono à entrada das portas de Jerusalém e contra todos os seus muros em redor e contra todas as cidades de Judá. Pronunciarei contra os moradores destas as minhas sentenças, por causa de toda a malícia deles; pois me deixaram a mim, e queimaram incenso a deuses estranhos, e adoraram as obras das suas próprias mãos. Tu, pois, cinge os lombos, dispõe-te e dize-lhes tudo quanto eu te mandar; não te espantes diante deles, para que eu não te infunda espanto na sua presença. Eis que hoje te ponho por cidade fortificada, por coluna de ferro e por muros de bronze, contra todo o país, contra os reis de Judá, contra os seus príncipes, contra os seus sacerdotes e contra o seu povo. Pelejarão contra ti, mas não prevalecerão; porque eu sou contigo, diz o SENHOR, para te livrar.” (Jer. 1:14-19). “O Senhor disse; Ele pronunciaria as sentenças; o profeta devia dizer o que Deus havia mandado.”

“O leitor pode perceber o doloroso processo histórico pelo qual Jerusalém, a capital dos judeus, devia ser entregue à Babilônia, em cumprimento das predições de Deus sobre o destino de Israel.”

“Reis humanos raramente acreditam que a história funciona dessa maneira. Eles imaginam que as decisões de seu governo dirigem a vida pública. Pensam que, em última análise, eles estão no controle. Mas Jeremias (e outros profetas) afirmaram o contrário. Os governantes de Israel descobriram que o processo histórico estava levando a nação à devastação e ao exílio. O livro de Jeremias é um lembrete impressionante do poder da Palavra de Deus, que se cumpre nos eventos históricos.”

“4. O que Isaías e Naum declararam sobre o poder de Deus?” Jurou o SENHOR dos Exércitos, dizendo: Como pensei, assim sucederá, e, como determinei, assim se efetuará. Quebrantarei a Assíria na minha terra e nas minhas montanhas a pisarei, para que o seu jugo se aparte de Israel, e a sua carga se desvie dos ombros dele. Este é o desígnio que se formou concernente a toda a terra; e esta é a mão que está estendida sobre todas as nações. Porque o SENHOR dos Exércitos o determinou; quem, pois, o invalidará? A sua mão está estendida; quem, pois, a fará voltar atrás? (Isa. 14:24-27). Os montes tremem perante ele, e os outeiros se derretem; e a terra se levanta diante dele, sim, o mundo e todos os que nele habitam. Quem pode suportar a sua indignação? E quem subsistirá diante do furor da sua ira? A sua cólera se derrama como fogo, e as rochas são por ele demolidas. O SENHOR é bom, é fortaleza no dia da angústia e conhece os que nele se refugiam. Mas, com inundação transbordante, acabará de uma vez com o lugar desta cidade; com trevas, perseguirá o SENHOR os seus inimigos. Que pensais vós contra o SENHOR? Ele mesmo vos consumirá de todo; não se levantará por duas vezes a angústia. Porque, ainda que eles se entrelaçam como os espinhos e se saturam de vinho como bêbados, serão inteiramente consumidos como palha seca.” (Naum 1:5-10). “O que Deus pensa e decide acaba se realizando na história; o poder de Deus é insuportável para os ímpios, mas protege os que nEle Se refugiam.”

“O infinito poder de Deus visto na história humana também é revelado na natureza. O Salmo 104, por exemplo, descreve os processos da natureza não como um mecanismo autossuficiente, com funcionamento independente, mas, ao contrário, como processos nos quais Deus atua a cada momento. A Bíblia não diz que Deus criou o mundo e, em seguida, o deixou por conta própria, em completa sujeição às leis naturais. Estas são, de fato, parte da forma pela qual Deus sustenta o mundo, mas todas essas leis existem apenas porque Ele as criou e mantém.”

“Muitos cientistas declaram que o mundo começou por acidente e que também acabará dessa forma. Assim, não há muito significado no que acontece entre esses dois pontos (como poderia haver?). Por que, no fundo, você sabe que essa visão não pode estar correta?”

Saiba mais, estude a Lição da Escola Sabatina (LES) – segunda-feira 27 de fevereiro de 2012. Escolha o formato para o estudo: Texto, Comentário em áudio ou se preferir faça um Curso Bíblico. Este conteúdo é uma adaptação da LES e é publicado simultaneamente em: Blogspot, WordPress. Para impressão acesse arquivo em PDF

A lei e os profetas

Lições da Bíblia.

“Quase nenhuma controvérsia existe sobre a vigência da lei no período posterior ao Sinai. Os escritos do Antigo Testamento estão repletos de referências à lei. Se bem que, muitas vezes, essas referências tratassem da transgressão da lei e das punições posteriores que vinham a Israel, outros textos revelam o grande amor e reverência que muitos em Israel tinham pela lei, que incluía não apenas os Dez Mandamentos, mas todas as regras e preceitos que o Senhor havia dado ao Seu povo.”

“8. De que forma o Antigo Testamento exalta a lei? Que atitudes são reveladas?” “Assim diz o SENHOR, o teu Redentor, o Santo de Israel: Eu sou o SENHOR, o teu Deus, que te ensina o que é útil e te guia pelo caminho em que deves andar. Ah! Se tivesses dado ouvidos aos meus mandamentos! Então, seria a tua paz como um rio, e a tua justiça, como as ondas do mar.” (Isa. 48:17-18). “Os soberbos têm forjado mentiras contra mim; não obstante, eu guardo de todo o coração os teus preceitos. Tornou-se-lhes o coração insensível, como se fosse de sebo; mas eu me comprazo na tua lei. Foi-me bom ter eu passado pela aflição, para que aprendesse os teus decretos. Para mim vale mais a lei que procede de tua boca do que milhares de ouro ou de prata.” (Sal. 119:69-72).Quanto amo a tua lei! É a minha meditação, todo o dia! Os teus mandamentos me fazem mais sábio que os meus inimigos; porque, aqueles, eu os tenho sempre comigo. Compreendo mais do que todos os meus mestres, porque medito nos teus testemunhos. Sou mais prudente que os idosos, porque guardo os teus preceitos. De todo mau caminho desvio os pés, para observar a tua palavra. Não me aparto dos teus juízos, pois tu me ensinas. Quão doces são as tuas palavras ao meu paladar! Mais que o mel à minha boca.” (Sal. 119:97-103). “Porque esta é a aliança que firmarei com a casa de Israel, depois daqueles dias, diz o SENHOR: Na mente, lhes imprimirei as minhas leis, também no coração lhas inscreverei; eu serei o seu Deus, e eles serão o meu povo.” (Jer. 31:33). “Mostra que a lei vale mais que ouro e prata; traz paz, justiça e prazer; devia ser escrita no coração; as aflições ensinam a respeito dos decretos de Deus; atitude de amor, reflexão e reconhecimento; sentimento de segurança pela instrução da lei.”

“Ao contrário da crença popular, embora Israel devesse amar a lei, os que compreendiam a função da lei nunca a viam como um meio de salvação. A religião hebraica sempre foi voltada para a graça, ainda que o povo fosse de um extremo a outro: do desprezo da lei de forma aberta e ostensiva, como no período do primeiro templo, ao legalismo extremo, como pode ser visto tão claramente no tempo de Jesus.”

“Apesar disso, por que tal amor pela lei? Mais uma vez, considerando que a palavra lei abrange não apenas os Dez Mandamentos, mas todo o corpo de ensinamentos do Antigo Testamento, especialmente os primeiros cinco livros de Moisés, entendemos que o que eles amavam era a mensagem da salvação, da graça e da redenção. Eles amavam a ‘verdade’, como foi revelada a eles, conforme sua melhor compreensão dela. Não era apenas amor às regras, mas amor a um conjunto de orientações e princípios que, se cumpridos, teriam aberto o caminho para muitas bênçãos e promessas, porque tudo o que Deus lhes tinha dado era para seu próprio benefício e felicidade.”

“Existe alguma diferença hoje?”

“Pense em tudo o que o Senhor deu à nossa igreja. Como podemos seguir de maneira mais completa a luz maravilhosa com a qual fomos abençoados?”

Saiba mais, estude a Lição da Escola Sabatina (LES) – quarta-feira 08 de fevereiro de 2012. Escolha o formato para o estudo: Texto, Comentário em áudio ou se preferir faça um Curso Bíblico. Este conteúdo é uma adaptação da LES e é publicado simultaneamente em: Blogspot, WordPress. Para impressão acesse arquivo em PDF

Servidão.

Lições da Bíblia.

A função de servo pode ser entendida como: “Disse Abraão ao seu mais antigo servo da casa, que governava tudo o que possuía: Põe a mão por baixo da minha coxa, para que eu te faça jurar pelo SENHOR, Deus do céu e da terra, que não tomarás esposa para meu filho das filhas dos cananeus, entre os quais habito; mas irás à minha parentela e daí tomarás esposa para Isaque, meu filho.” (Gên. 24:2-4) “logrou José mercê perante ele, a quem servia; e ele o pôs por mordomo de sua casa e lhe passou às mãos tudo o que tinha.” (Gên. 39:4). “À hora da ceia, enviou o seu servo para avisar aos convidados: Vinde, porque tudo já está preparado.” (Luc. 14:17). “Qual de vós, tendo um servo ocupado na lavoura ou em guardar o gado, lhe dirá quando ele voltar do campo: Vem já e põe-te à mesa? E que, antes, não lhe diga: Prepara-me a ceia, cinge-te e serve-me, enquanto eu como e bebo; depois, comerás tu e beberás?” (Luc. 17:7-8). “até sobre os meus servos e sobre as minhas servas derramarei do meu Espírito naqueles dias, e profetizarão.” (Atos 2:18).

Ser um servo significava principalmente que a pessoa punha de lado os próprios desejos, vontade e conforto e se envolvia totalmente na vida de outra pessoa. Um servo existia para ajudar o senhor a executar os planos, desejos e atividades dele, o senhor. Às vezes, ser um servo envolvia levar mensagens, acompanhar alguém, agir em nome da pessoa e executar qualquer tarefa servil necessária. Em outras ocasiões envolvia a administração das finanças e da casa, mas o servo sempre agia não para promover seus próprios objetivos, e sim os de seu senhor.”

Geazi era o servo do profeta Eliseu. Ser servo de um profeta era um privilégio sem igual. Envolvia mais que trabalho servil. Era um tipo de aprendizado. O próprio Eliseu atuou como servo de Elias (1Rs 19:19-21). Embora o ofício do profeta dependesse de um chamado divino, pareceria que esse tempo especial de serviço junto ao profeta ajudava o profeta em perspectiva a desenvolver fé e confiança em Deus. Servindo ao seu senhor Elias, Eliseu aprendeu a se pôr de lado e servir aos outros. Essa provaria ser a melhor qualificação para qualquer ministério futuro. Não temos nenhum registro de que Geazi tenha sido chamado, mas veremos as oportunidades que lhe foram dadas.”

A bíblia apresenta relação entre liderança e serviço através do testemunho de Jesus, revelando que o líder deve buscar atender às necessidades de seus liderados. “Ora, antes da Festa da Páscoa, sabendo Jesus que era chegada a sua hora de passar deste mundo para o Pai, tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até ao fim. Durante a ceia, […] tirou a vestimenta de cima e, tomando uma toalha, cingiu-se com ela. Depois, deitou água na bacia e passou a lavar os pés aos discípulos e a enxugar-lhos com a toalha com que estava cingido. […] Ora, se eu, sendo o Senhor e o Mestre, vos lavei os pés, também vós deveis lavar os pés uns dos outros. Porque eu vos dei o exemplo, para que, como eu vos fiz, façais vós também. Em verdade, em verdade vos digo que o servo não é maior do que seu senhor, nem o enviado, maior do que aquele que o enviou. Ora, se sabeis estas coisas, bem-aventurados sois se as praticardes.” (João 13:1-17).

“Por três anos, os discípulos estiveram com Jesus. Aprenderam de Seus ensinos, até partilharam de Seu ministério de cura, mas não estavam prontos para sair como embaixadores de Deus. Estavam prontos para aprender em teoria e apreciavam a associação com Jesus, mas ainda não estavam preparados para pôr a si mesmos de lado e servir humildemente uns aos outros.”

Saiba mais, estude a Lição da Escola Sabatina – domingo 12 de dezembro de 2010. Escolha o formato para o estudo: Texto, Comentário em áudio ou se preferir faça um Curso Bíblico. Este conteúdo é publicado simultaneamente em: Blogspot, WordPress. Para impressão acesse arquivo em PDF

A luz que temos recebido.

Lições da Bíblia.

“Disse-lhes Jesus: Sem dúvida, citar-me-eis este provérbio: Médico, cura-te a ti mesmo; tudo o que ouvimos ter-se dado em Cafarnaum, faze-o também aqui na tua terra. E prosseguiu: De fato, vos afirmo que nenhum profeta é bem recebido na sua própria terra. Na verdade vos digo que muitas viúvas havia em Israel no tempo de Elias, quando o céu se fechou por três anos e seis meses, reinando grande fome em toda a terra; e a nenhuma delas foi Elias enviado, senão a uma viúva de Sarepta de Sidom. Havia também muitos leprosos em Israel nos dias do profeta Eliseu, e nenhum deles foi purificado, senão Naamã, o siro.” (Luc. 4:23-27).

“Por essa referência à vida dos profetas, Jesus foi ao encontro das dúvidas de Seus ouvintes. Aos servos a quem Deus escolhera, não tinha sido permitido trabalhar por um povo de coração duro e incrédulo. Mas os que tinham coração para sentir e fé para crer, foram especialmente favorecidos com testemunhos de Seu poder, por meio dos profetas. Nos tempos de Elias, Israel se desviara de Deus. Apegavam-se a seus pecados, e rejeitaram as advertências do Espírito por meio dos mensageiros do Senhor. Assim se separaram dos condutos, por onde lhes podiam vir as bênçãos divinas. O Senhor passou por alto os lares de Israel, procurando refúgio para Seu servo numa terra pagã, junto a uma mulher que não pertencia ao povo escolhido. Essa mulher, porém, foi favorecida por haver seguido a luz que tinha, e o coração abriu-se-lhe à maior luz que Deus lhe enviou por intermédio de Seu profeta. Foi pela mesma razão que, nos dias de Eliseu, os leprosos de Israel foram passados por alto. Mas Naamã, um nobre pagão, fora fiel a suas convicções do que era direito, e sentira sua grande necessidade de auxílio. Achava-se em condições de receber os dons da graça de Deus. Não somente foi curado da lepra, mas abençoado com o conhecimento do verdadeiro Deus.

Nossa posição diante de Deus depende, não da quantidade de luz que temos recebido, mas do uso que fazemos da que possuímos. Assim, mesmo o pagão que prefere o direito, na proporção em que lhe é possível distingui-lo, acha-se em condições mais favoráveis do que os que têm grande luz e professam servir a Deus, mas desatendem a essa luz, e por sua vida diária contradizem sua profissão de fé.” (Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, p. 238-239).

Saiba mais, estude a Lição da Escola Sabatina – sexta-feira 10 de dezembro de 2010. Escolha o formato para o estudo: Texto, Comentário em áudio ou se preferir faça um Curso Bíblico. Este conteúdo é publicado simultaneamente em: Blogspot, WordPress. Para impressão acesse arquivo em PDF