Jesus e os necessitados – Estudo adicional

Lições da Bíblia

Textos de Ellen G. White: Beneficência Social, p. 117-124 (“Nos Passos do Mestre”); A Ciência do Bom Viver, p. 29-50 (“Dias de Ministério”); O Desejado de Todas as Nações, p. 589-600 (“O Templo Novamente Puri­ficado”), e p. 723-740 (“Na Sala de Julgamento de Pilatos”).1

“Deus deu em Sua Palavra prova decisiva de que punirá os transgressores de Sua Lei. Os que se lisonjeiam de que Ele é muito misericordioso para exercer justiça contra o pecador apenas têm que olhar para a cruz do Calvário. A morte do imaculado Filho de Deus testifica que ‘o salário do pecado é a morte’, que toda transgressão da Lei de Deus deve receber sua justa paga. Cristo, que não tinha pecado, Se fez pecado pelo homem. Suportou a culpa da transgressão, sendo-Lhe ocultado o rosto do Pai até se Lhe quebrantar o coração e desfazer a vida. Todo esse sacrifício foi feito a fim de que os pecadores pudessem ser remidos. De nenhum outro modo o homem conseguiria se livrar da pena do pecado. E toda pessoa que se recusa a tornar-se participante da expiação provida a tal preço, deve levar em si mesma a culpa e o castigo da transgressão” (Ellen G. White, O Grande Conflito, p. 539, 540).1

Perguntas para discussão

“1. O texto acima retrata Cristo, o Inocente, sofrendo o castigo do culpado! Por que é importante manter essa verdade diante de nós?”1

“2. Jesus não defendeu a reforma política para promover o Seu ‘reino’. Afinal, a História está repleta de relatos de pessoas que usaram de violência e opressão para ‘ajudar’ os oprimidos. Muitas vezes, o que aconteceu foi a substituição de uma classe opressora por outra. Embora os cristãos devam trabalhar com as autoridades para ajudar os oprimidos, por que precisamos ter cautela em usar a política para alcançar esses objetivos?”1

“3. No plano da salvação, o justo sofreu pelos injustos. Isso deve nos tornar novas criaturas?”1

Resumo:

“Nos evangelhos, o ministério de Jesus foi apresentado com referência à obra dos profetas do Antigo Testamento. Boas-novas aos pobres, liberdade aos oprimidos e cura aos quebrantados foram proclamadas como sinais do Messias e cumpridas por Jesus em Seu ministério. Ele também sofreu a injustiça e venceu o pior da humanidade caída. Graças à Sua morte injusta, nossos pecados foram perdoados e temos a promessa da vida eterna.”1

Sexta-feira, 16 de agosto de 2019. Saiba mais, faça um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. “Meus pequeninos irmãos”: servindo aos necessitados. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 496, jul. ago. set. 2019. Adulto, Professor. 

Jesus e os necessitados

Lições da Bíblia

“O Espírito do Senhor é sobre Mim, pois que Me ungiu para evangelizar os pobres, enviou-Me a curar os quebrantados do coração, a apregoar liberdade aos cativos, a dar vista aos cegos, a pôr em liberdade os oprimidos, a anunciar o ano aceitável do Senhor” (Lc 4:18, 19, ARC).1

“Entre outras razões para Sua encarnação, Jesus veio nos mostrar como Deus é. O Mestre fez isso por meio de Seus ensinos, de Seu sacrifício e de Sua vida; isto é, pela Sua maneira de Se relacionar com pessoas comuns. Muitas de Suas ações causaram mudanças imediatas e concretas na vida de outras pessoas.”1

“Esse aspecto do ministério do Messias havia sido predito pelos profetas do Antigo Testamento, pela mãe de Jesus, Maria, e até pelo próprio Jesus quando Ele definiu Sua missão em Seu primeiro sermão registrado (Lc 4). Além disso, os escritores dos evangelhos, ao narrarem a história do Salvador, muitas vezes usaram a linguagem dos profetas do Antigo Testamento para explicar o que Ele estava fazendo. Dessa maneira, a vida de Cristo foi vista claramente na tradição desses profetas, incluindo a compaixão deles pelos pobres e oprimidos.”1

“Contudo, os líderes religiosos enxergavam Jesus como uma ameaça. Em um terrível exemplo de injustiça e crueldade, eles prenderam Jesus, julgaram-No injustamente e O crucificaram. Em Cristo, Deus conheceu a injustiça – e, em Sua morte, expôs o horror do mal. Em Sua ressurreição, porém, Ele triunfou para a vida, bondade e salvação.”1

Sábado, 10 de agosto de 2019. Saiba mais, faça um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. “Meus pequeninos irmãos”: servindo aos necessitados. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 496, jul. ago. set. 2019. Adulto, Professor. 

Provérbios: misericórdia para com os necessitados

Lições da Bíblia

“Como uma coleção de ditados de sabedoria, o livro de Provérbios trata de uma diversificada série de assuntos e experiências da vida. Entre eles estão reflexões sobre a pobreza, riqueza, contentamento, justiça e injustiça – e, às vezes, sob diferentes ângulos. A vida nem sempre é simples e fácil, e Provérbios nos alerta para as diferentes circunstâncias e escolhas que influenciam a maneira de viver, mesmo entre os que são fiéis a Deus.”1

“5. Leia e compare Provérbios 10:4; 13:23, 25; 14:31; 15:15, 16; 19:15, 17; 30:7-9. De acordo com esses textos, o que é relevante em relação às questões de riqueza, pobreza e ajuda aos necessitados?”1

Provérbios (10:4; 13:23, 25; 14:31; 15:15, 16; 19:15, 17; 30:7-9 ARA)2: “10:4 O que trabalha com mão remissa empobrece,      mas a mão dos diligentes vem a enriquecer-se. 13:23 A terra virgem dos pobres dá mantimento em abundância, mas a falta de justiça o dissipa. […] 25 O justo tem o bastante para satisfazer o seu apetite, mas o estômago dos perversos passa fome. 14:31 O que oprime ao pobre insulta aquele que o criou, 15:15 Todos os dias do aflito são maus, mas a alegria do coração é banquete contínuo. 16 Melhor é o pouco, havendo o temor do SENHOR, do que grande tesouro onde há inquietação. 19:15 A preguiça faz cair em profundo sono, e o ocioso vem a padecer fome. […] 17 Quem se compadece do pobre ao SENHOR empresta, e este lhe paga o seu benefício. 30:7-9 Duas coisas te peço; não mas negues, antes que eu morra: 8 afasta de mim a falsidade e a mentira; não me dês nem a pobreza nem a riqueza; dá-me o pão que me for necessário;para não suceder que, estando eu farto, te negue e diga: Quem é o SENHOR? Ou que, empobrecido, venha a furtar e profane o nome de Deus.

“Provérbios enfatiza a preocupação e atenção que Deus tem para com os pobres e vulneráveis. Às vezes, as pessoas são pobres devido às circunstâncias, más escolhas ou exploração, mas sejam quais forem as causas de sua situação, o Senhor ainda é descrito como seu Criador (Pv 22:2) e Defensor (Pv 22:22, 23). Não devemos oprimir nem nos aproveitar dessas pessoas, quaisquer que sejam seus erros.”1

“Embora Provérbios apresente uma vida melhor por meio da escolha da sabedoria e da obediência a Deus, as riquezas nem sempre são resultado da bênção do Senhor. A fidelidade a Deus é sempre vista como mais importante e, em última análise, mais recompensadora do que o ganho material: ‘Melhor é o pouco, havendo justiça, do que grandes rendimentos com injustiça’ (Pv 16:8).”1

“Outra questão em Provérbios é a honestidade e o tratamento justo nos negócios, no governo e na administração da justiça (veja Pv 14:5, 25 [‘5 A testemunha verdadeira não mente, mas a falsa se desboca em mentiras. 25 A testemunha verdadeira livra almas, mas o que se desboca em mentiras é enganador.’]; 16:11-13 [‘11 Peso e balança justos pertencem ao SENHOR; obra sua são todos os pesos da bolsa. 12 A prática da impiedade é abominável para os reis, porque com justiça se estabelece o trono. 13 Os lábios justos são o contentamento do rei, e ele ama o que fala coisas retas.’]; 17:15 [‘15 O que justifica o perverso e o que condena o justo abomináveis são para o SENHOR, tanto um como o outro.’]; 20:23 [‘23 Dois pesos são coisa abominável ao SENHOR, e balança enganosa não é boa.’]; 21:28 [‘28 A testemunha falsa perecerá, mas a auricular falará sem ser contestada.]; 28:14-16 [’14 Feliz o homem constante no temor de Deus; mas o que endurece o coração cairá no mal. 15 Como leão que ruge e urso que ataca, assim é o perverso que domina sobre um povo pobre. 16 O príncipe falto de inteligência multiplica as opressões, mas o que aborrece a avareza viverá muitos anos.’]). A mensagem de Provérbios não se concentra apenas na vida dos indivíduos, mas também apresenta uma visão de como a sociedade deve funcionar para o benefício de todos, especialmente para aqueles que precisam de proteção. Somos lembrados novamente de que, em seu melhor desempenho, aqueles que governam e lideram o fazem com a ajuda de Deus (veja Pv 8:15, 16 [‘15 Por meu intermédio, reinam os reis, e os príncipes decretam justiça. 16 Por meu intermédio, governam os príncipes, os nobres e todos os juízes da terra.’]) e devem agir como agentes de Sua graça, tendo compaixão dos necessitados.”1

“É fácil sentir pena de quem está em má situação. Como, porém, podemos transformar esse sentimento em ação?”1

Quinta-feira, 25 de julho de 2019. Saiba mais, faça um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. “Meus pequeninos irmãos”: servindo aos necessitados. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 496, jul. ago. set. 2019. Adulto, Professor. 
2 BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

As necessidades mais profundas

Lições da Bíblia

“Jesus, sendo o Senhor, sabia mais sobre as pessoas do que elas sabiam sobre si mesmas. Há muitos relatos nos evangelhos em que Jesus mostrou que não apenas sabia o que as pessoas estavam pensando naquele momento (Mc 2:8), mas também conhecia sua história (Jo 4:18).”1

“3. Leia o Salmo 139:1-13. Qual é a mensagem da Palavra de Deus nessa passagem?”1

“1 SENHOR, tu me sondas e me conheces. 2 Sabes quando me assento e quando me levanto; de longe penetras os meus pensamentos. 3 Esquadrinhas o meu andar e o meu deitar e conheces todos os meus caminhos. 4 Ainda a palavra me não chegou à língua, e tu, SENHOR, já a conheces toda. 5 Tu me cercas por trás e por diante e sobre mim pões a mão. 6 Tal conhecimento é maravilhoso demais para mim: é sobremodo elevado, não o posso atingir. 7 Para onde me ausentarei do teu Espírito? Para onde fugirei da tua face? 8 Se subo aos céus, lá estás; se faço a minha cama no mais profundo abismo, lá estás também; 9 se tomo as asas da alvorada e me detenho nos confins dos mares, 10 ainda lá me haverá de guiar a tua mão, e a tua destra me susterá. 11 Se eu digo: as trevas, com efeito, me encobrirão, e a luz ao redor de mim se fará noite, 12 até as próprias trevas não te serão escuras: as trevas e a luz são a mesma coisa. 13 Pois tu formaste o meu interior, tu me teceste no seio de minha mãe.” (Salmo 139:1-13 ARA)2.

Deus conhece nossa vida passada, presente e futura. Ele conhece nossas necessidades mais profundas e nos cerca com Sua onisciência, onipresença e onipotência. Ele pode nos guiar, suster, iluminar e curar.1

“Como vimos ontem, Jesus conhecia as necessidades das pessoas, e procurava atender a essas necessidades. Na verdade, Ele conhecia até as necessidades mais profundas. Essa realidade é vista na história do paralítico. Embora fosse óbvio, pela aparência, que ele precisava de cura física, havia algo mais profundo, e foi por isso que, mesmo antes de lhe ordenar que tomasse seu leito e andasse, Jesus lhe disse: ‘Filho, os teus pecados estão perdoados’ (Mc 2:5).”1

“4. Leia Marcos 2:1-12. Qual era a necessidade mais profunda desse homem, além das aparências? Esse tipo de necessidade pode ser um problema para aqueles a quem procuramos ministrar?”1

“1 Dias depois, entrou Jesus de novo em Cafarnaum, e logo correu que ele estava em casa. 2 Muitos afluíram para ali, tantos que nem mesmo junto à porta eles achavam lugar; e anunciava-lhes a palavra. 3 Alguns foram ter com ele, conduzindo um paralítico, levado por quatro homens. 4 E, não podendo aproximar-se dele, por causa da multidão, descobriram o eirado no ponto correspondente ao em que ele estava e, fazendo uma abertura, baixaram o leito em que jazia o doente. 5 Vendo-lhes a fé, Jesus disse ao paralítico: Filho, os teus pecados estão perdoados. 6 Mas alguns dos escribas estavam assentados ali e arrazoavam em seu coração: 7 Por que fala ele deste modo? Isto é blasfêmia! Quem pode perdoar pecados, senão um, que é Deus? 8 E Jesus, percebendo logo por seu espírito que eles assim arrazoavam, disse-lhes: Por que arrazoais sobre estas coisas em vosso coração? 9 Qual é mais fácil? Dizer ao paralítico: Estão perdoados os teus pecados, ou dizer: Levanta-te, toma o teu leito e anda? 10 Ora, para que saibais que o Filho do Homem tem sobre a terra autoridade para perdoar pecados – disse ao paralítico: 11 Eu te mando: Levanta-te, toma o teu leito e vai para tua casa. 12 Então, ele se levantou e, no mesmo instante, tomando o leito, retirou-se à vista de todos, a ponto de se admirarem todos e darem glória a Deus, dizendo: Jamais vimos coisa assim!” (Marcos 2:1-12 ARA)2.

Paz e certeza do perdão. Ele sofria por causa da culpa do pecado, que paralisava seu corpo e sua mente. Hoje muitos precisam desse mesmo perdão.1 

“Jesus sabia que a questão era mais profunda do que o aspecto físico. ‘Não era, entretanto, o restabelecimento físico, que desejava tanto, mas o alívio do fardo do pecado. Se pudesse ver Jesus, e receber a certeza do perdão e a paz com o Céu, estaria contente em viver ou morrer, segundo a vontade de Deus’ (Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, p. 267).”1

“É claro que não conseguiremos ver além das aparências, como Jesus vê. Mas podemos estar certos de que, independentemente de quem estejamos procurando ajudar, essas pessoas estão prejudicadas pelo pecado. Isto é, sejam quais forem as outras necessidades aparentes, precisam também de graça, de segurança e do conhecimento de que Deus as ama, morreu por elas e deseja somente o melhor para Seus filhos.”1

“Você almeja a certeza da salvação e o conhecimento de que Deus o ama? Como pode ajudar outras pessoas a experimentar essa mesma certeza e esse amor?”1

Terça-feira, 23 de agosto de 2016. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio  da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.
__________________
1 LIÇÕES da escola sabatina. O papel da igreja na comunidade. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 485, Jul. Ago. Set. 2016. Adulto, Professor.

2 BIBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

A voz profética: parte 1

Lições da Bíblia

“4. ‘Erga a voz em favor dos que não podem defender-se, seja o defensor de todos os desamparados. Erga a voz e julgue com justiça; defenda os direitos dos pobres e dos necessitados’ (Pv 31:8, 9, NVI). Como podemos aplicar esses princípios à nossa vida?”1

Ensinando o evangelho às pessoas, ajudando a restaurar famílias, educando e lutando contra os abusos éticos, e suprindo as necessidades dos pobres.1

“Até agora, nesta semana, notamos que Deus deseja que Seu povo expresse Suas características de misericórdia e justiça como parte do comportamento ideal que deve ter. Os profetas hebreus erguiam frequentemente a voz em favor dos necessitados, chamando o povo de Deus ao arrependimento por ter representado mal o interesse divino pelos marginalizados e oprimidos. Na verdade, para Deus esse comportamento altruísta de socorrer os outros é igual à verdadeira adoração.”

“5. Leia Isaías 1:13-17. Qual é a definição divina da verdadeira adoração? Como podemos aplicar esses conceitos à nossa vida?”1

“13 Não continueis a trazer ofertas vãs; o incenso é para mim abominação, e também as Festas da Lua Nova, os sábados, e a convocação das congregações; não posso suportar iniqüidade associada ao ajuntamento solene. 14 As vossas Festas da Lua Nova e as vossas solenidades, a minha alma as aborrece; já me são pesadas; estou cansado de as sofrer. 15 Pelo que, quando estendeis as mãos, escondo de vós os olhos; sim, quando multiplicais as vossas orações, não as ouço, porque as vossas mãos estão cheias de sangue. 16 Lavai-vos, purificai-vos, tirai a maldade de vossos atos de diante dos meus olhos; cessai de fazer o mal. 17 Aprendei a fazer o bem; atendei à justiça, repreendei ao opressor; defendei o direito do órfão, pleiteai a causa das viúvas.” (Isaías 1:13-17 ARA)2.

Afastar-se da iniquidade, limpar as mãos do sangue, parar de praticar atos de maldade, aprender a fazer o bem, atender à justiça, repreender o opressor, defender o direito do órfão e pleitear a causa das viúvas.1

“Embora muitos dos profetas do Antigo Testamento dirigissem a atenção das pessoas para eventos futuros que estavam além de seu tempo, também se concentravam muito na reforma espiritual e moral, e no serviço abnegado que devia ocorrer em sua época. A voz profética dos servos do Senhor soava mais alto quando o povo de Deus fazia esforços extravagantes para Lhe prestar culto, mas não refletia Sua compaixão para com os sofredores que os cercavam. Não dá para imaginar uma testemunha mais ineficaz do que aquela que está tão ocupada ‘adorando’ a Deus que não tem tempo para ajudar os necessitados. Não estamos revelando uma forma de ‘adoração’ quando servimos ao Senhor ao atender às necessidades dos outros?”

Terça-feira, 12 de julho de 2016. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio  da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.
__________________
1 LIÇÕES da escola sabatina. O papel da igreja na comunidade. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 485, Jul. Ago. Set. 2016. Adulto, Professor.

2 BIBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.