Listra e Derbe

Lições da Bíblia

“O próximo lugar para onde Paulo e Barnabé viajaram foi Listra, uma aldeia desconhecida a cerca de 18 quilômetros a sudoeste de Icônio. Embora tenham passado um tempo ali (At 14:6, 7, 15), Lucas relata apenas uma história e seus desdobramentos: a cura de um homem aleijado, provavelmente um mendigo, enfermo desde o nascimento.”1

“5. Leia Atos 14:5-19. O que a reação do povo para com Paulo revela acerca de como estavam imersos na ignorância?”1

Atos (14:5-19 ARA)2: “5 E, como surgisse um tumulto dos gentios e judeus, associados com as suas autoridades, para os ultrajar e apedrejar, 6 sabendo-o eles, fugiram para Listra e Derbe, cidades da Licaônia e circunvizinhança, 7 onde anunciaram o evangelho. 8 Em Listra, costumava estar assentado certo homem aleijado, paralítico desde o seu nascimento, o qual jamais pudera andar. 9 Esse homem ouviu falar Paulo, que, fixando nele os olhos e vendo que possuía fé para ser curado, 10 disse-lhe em alta voz: Apruma-te direito sobre os pés! Ele saltou e andava. 11 Quando as multidões viram o que Paulo fizera, gritaram em língua licaônica, dizendo: Os deuses, em forma de homens, baixaram até nós. 12 A Barnabé chamavam Júpiter, e a Paulo, Mercúrio, porque era este o principal portador da palavra. 13 O sacerdote de Júpiter, cujo templo estava em frente da cidade, trazendo para junto das portas touros e grinaldas, queria sacrificar juntamente com as multidões. 14 Porém, ouvindo isto, os apóstolos Barnabé e Paulo, rasgando as suas vestes, saltaram para o meio da multidão, clamando: 15 Senhores, por que fazeis isto? Nós também somos homens como vós, sujeitos aos mesmos sentimentos, e vos anunciamos o evangelho para que destas coisas vãs vos convertais ao Deus vivo, que fez o céu, a terra, o mar e tudo o que há neles; 16 o qual, nas gerações passadas, permitiu que todos os povos andassem nos seus próprios caminhos; 17 contudo, não se deixou ficar sem testemunho de si mesmo, fazendo o bem, dando-vos do céu chuvas e estações frutíferas, enchendo o vosso coração de fartura e de alegria. 18 Dizendo isto, foi ainda com dificuldade que impediram as multidões de lhes oferecerem sacrifícios. 19 Sobrevieram, porém, judeus de Antioquia e Icônio e, instigando as multidões e apedrejando a Paulo, arrastaram-no para fora da cidade, dando-o por morto.

“As multidões ficaram tão impressionadas com o milagre que confundiram Paulo e Barnabé com deuses – pensaram que Barnabé era Zeus, o deus supremo do panteão grego, e Paulo, Hermes, o assistente e porta-voz de Zeus. Na verdade, as pessoas queriam lhes oferecer sacrifícios.”1

“O poeta latino Ovídio (43 a.C.-17/18 d.C.) já havia registrado uma lenda sobre esses mesmos dois deuses, disfarçados de humanos, visitando uma cidade na mesma região (‘as colinas da Frígia’) e procurando um lugar para repousar. De acordo com a lenda, um casal humilde e idoso os tratou com gentileza e hospitalidade; o restante do povo foi indiferente. Por causa de sua bondade e cuidado para com os visitantes desconhecidos, a casa daqueles idosos foi transformada em um templo e eles, em sacerdotes, enquanto o restante da cidade foi completamente destruído (Metamorfoses, 611-724).”1

“Com essa história circulando na região, a reação do povo diante do milagre de Paulo não causa nenhuma surpresa. A lenda também explica a razão pela qual a multidão assumiu que os missionários fossem aqueles dois deuses, e não Asclépio, por exemplo, o deus da cura. Paulo e Barnabé, no entanto, conseguiram pôr fim àquela falsa adoração que o povo tentava lhes prestar. No fim, alguns opositores de Antioquia e Icônio reverteram completamente a situação, e Paulo foi apedrejado e dado como morto.”1

“6. Leia Atos 14:20-26. Onde Paulo e Barnabé terminaram a viagem? O que eles fizeram no caminho de volta? Assinale a alternativa correta:”1

Atos (14:20-26 ARA)2: “20 Rodeando-o, porém, os discípulos, levantou-se e entrou na cidade. No dia seguinte, partiu, com Barnabé, para Derbe. 21 E, tendo anunciado o evangelho naquela cidade e feito muitos discípulos, voltaram para Listra, e Icônio, e Antioquia, 22 fortalecendo a alma dos discípulos, exortando-os a permanecer firmes na fé; e mostrando que, através de muitas tribulações, nos importa entrar no reino de Deus. 23 E, promovendo-lhes, em cada igreja, a eleição de presbíteros, depois de orar com jejuns, os encomendaram ao Senhor em quem haviam crido. 24 Atravessando a Pisídia, dirigiram-se a Panfília. 25 E, tendo anunciado a palavra em Perge, desceram a Atália 26 e dali navegaram para Antioquia, onde tinham sido recomendados à graça de Deus para a obra que haviam já cumprido.

A (  ) Em Antioquia da Síria. Eles visitaram as igrejas que haviam fundado, exortando-as a prosseguir na fé cristã.
B ( ) Na ilha de Chipre, de onde iniciaram a segunda viagem missionária.

Resposta sugestiva: Alternativa B.

“Paulo disse: ‘Através de muitas tribulações, nos importa entrar no reino de Deus’ (At 14:22). O que isso quer dizer? Você já experimentou o que ele disse nesse verso? Mais importante ainda, como você pode crescer na fé enfrentando ‘tribulação’?”

Quinta-feira, 16 de agosto de 2018. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.
_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. O livro de Atos dos Apóstolos. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 493, jul. ago. set. 2018. Adulto, Professor.
2 BIBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Icônio

Lições da Bíblia

“Instigadas pelos líderes judeus em Antioquia, as autoridades locais incitaram uma multidão contra Paulo e Barnabé e os expulsaram da cidade (At 13:50). Os discípulos, no entanto, transbordavam de alegria e do Espírito Santo (At 13:52). Os missionários então se dirigiram para a cidade de Icônio.”

“4. De acordo com Atos 14:1-7, qual foi o resultado das atividades de Paulo e Barnabé em Icônio?”1

Atos (14:1-7 ARA)2: “1 Em Icônio, Paulo e Barnabé entraram juntos na sinagoga judaica e falaram de tal modo, que veio a crer grande multidão, tanto de judeus como de gregos. 2 Mas os judeus incrédulos incitaram e irritaram os ânimos dos gentios contra os irmãos. 3 Entretanto, demoraram-se ali muito tempo, falando ousadamente no Senhor, o qual confirmava a palavra da sua graça, concedendo que, por mão deles, se fizessem sinais e prodígios. 4 Mas dividiu-se o povo da cidade: uns eram pelos judeus; outros, pelos apóstolos. 5 E, como surgisse um tumulto dos gentios e judeus, associados com as suas autoridades, para os ultrajar e apedrejar, 6 sabendo-o eles, fugiram para Listra e Derbe, cidades da Licaônia e circunvizinhança, 7 onde anunciaram o evangelho.

“Em Icônio, Paulo e Barnabé continuaram a prática de se dirigir primeiramente aos judeus antes de se voltarem para os gentios. O sermão de Paulo em Antioquia (At 13:16-41) apresenta a principal razão para a prioridade judaica em seu ministério – a eleição de Israel, com tudo o que a envolvia (Rm 3:2; 9:4, 5) e o cumprimento da promessa de Deus de um Salvador da linhagem de Davi. Embora muitos judeus estivessem rejeitando o evangelho, Paulo nunca perdeu a esperança de uma ampla conversão judaica.”1

“Em Romanos 9 a 11, Paulo deixa claro que ‘nem todos os de Israel são, de fato, israelitas’ (Rm 9:6), e que somente por causa da misericórdia de Deus é que alguns judeus haviam crido. O Senhor não rejeitou o Seu povo, mas ‘também agora, no tempo de hoje, sobrevive um remanescente segundo a eleição da graça’ (Rm 11:5). Paulo continuou a pregar o evangelho aos gentios, embora ele acreditasse que, um dia, mais judeus poderiam aceitar a fé em Jesus.”1

“‘O argumento de Paulo em Romanos 9 a 11 apresenta uma explicação adicional para a estratégia de missão adotada pelo apóstolo na narrativa de Atos, e confronta todas as gerações de cristãos com a importância teológica de testemunhar aos judeus incrédulos’ (David G. Peterson, The Acts of the Apostles [Grand Rapids: Eerdmans, 2009], p. 401).”1

“A situação não foi muito diferente do que ocorrera em Antioquia. A reação inicial dos judeus e gentios para com o evangelho de Paulo foi altamente positiva, mas novamente os judeus incrédulos, possivelmente os líderes da comunidade judaica local, incitaram os gentios e envenenaram a mente deles contra os missionários, causando uma divisão entre o povo. Enquanto os adversários planejavam atacar e linchar Paulo e Barnabé, os dois missionários decidiram deixar a cidade e seguir para a próxima.”1

“Mais do que apenas ouvir o evangelho, o povo judeu precisa vê-lo na vida dos que professam o nome de Jesus. Se você tem conhecidos judeus, que testemunho está dando a eles?”1

Quarta-feira, 15 de agosto de 2018. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.
_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. O livro de Atos dos Apóstolos. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 493, jul. ago. set. 2018. Adulto, Professor.
2 BIBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Salamina e Pafos

Lições da Bíblia

“Em Atos 13, Lucas transporta o leitor de volta a Antioquia, a fim de apresentar a primeira viagem missionária de Paulo, que ocupa dois capítulos inteiros (At 13 e 14). A partir desse ponto até o final do livro, o foco passa a ser Paulo e suas missões aos gentios.”1

“Esse é o primeiro esforço missionário, relatado no livro de Atos, intencional e cuidadosamente planejado por uma igreja em particular. Não obstante, Lucas se preocupa em destacar que essa ação missionária teve origem em Deus, não na iniciativa própria dos irmãos de Antioquia. A questão, porém, é que Deus só atua por nosso intermédio quando nos colocamos voluntariamente em uma posição na qual Ele possa nos usar.”1

“1. Leia Atos 13:1-12. Quais são os pontos principais enfatizados por Lucas sobre as atividades de Barnabé e Paulo em Chipre?”1

Atos (13:1-12 ARA)2: “1 Havia na igreja de Antioquia profetas e mestres: Barnabé, Simeão, por sobrenome Níger, Lúcio de Cirene, Manaém, colaço de Herodes, o tetrarca, e Saulo. 2 E, servindo eles ao Senhor e jejuando, disse o Espírito Santo: Separai-me, agora, Barnabé e Saulo para a obra a que os tenho chamado. 3 Então, jejuando, e orando, e impondo sobre eles as mãos, os despediram. 4 Enviados, pois, pelo Espírito Santo, desceram a Selêucia e dali navegaram para Chipre. 5 Chegados a Salamina, anunciavam a palavra de Deus nas sinagogas judaicas; tinham também João como auxiliar. 6 Havendo atravessado toda a ilha até Pafos, encontraram certo judeu, mágico, falso profeta, de nome Barjesus, 7 o qual estava com o procônsul Sérgio Paulo, que era homem inteligente. Este, tendo chamado Barnabé e Saulo, diligenciava para ouvir a palavra de Deus. 8 Mas opunha-se-lhes Elimas, o mágico (porque assim se interpreta o seu nome), procurando afastar da fé o procônsul. 9 Todavia, Saulo, também chamado Paulo, cheio do Espírito Santo, fixando nele os olhos, disse: 10 Ó filho do diabo, cheio de todo o engano e de toda a malícia, inimigo de toda a justiça, não cessarás de perverter os retos caminhos do Senhor? 11 Pois, agora, eis aí está sobre ti a mão do Senhor, e ficarás cego, não vendo o sol por algum tempo. No mesmo instante, caiu sobre ele névoa e escuridade, e, andando à roda, procurava quem o guiasse pela mão. 12 Então, o procônsul, vendo o que sucedera, creu, maravilhado com a doutrina do Senhor.”.

“Um período de oração intercessória e jejum precedeu a partida dos missionários; nesse contexto, a imposição de mãos foi essencialmente um ato de consagração, ou uma recomendação à graça de Deus (At 14:26) para a tarefa em questão.”1

“A ilha de Chipre está localizada na região nordeste do mar Mediterrâneo, não muito longe de Antioquia. Era um lugar natural para começar a obra, pois não apenas Barnabé era de Chipre, mas o evangelho também já havia chegado ali. Mas certamente ainda havia muito para se fazer.”1

“Uma vez em Chipre, Barnabé e Paulo – e João Marcos, primo de Barnabé (At 15:39; Cl 4:10), que estava com eles – pregaram nas sinagogas de Salamina. Essa era uma prática regular de Paulo: pregar primeiramente nas sinagogas antes de se voltar para os gentios. Visto que Jesus era o Messias de Israel, era mais do que natural compartilhar o evangelho, em primeiro lugar, com os judeus.”1

“Depois de Salamina, eles foram para o oeste, pregando enquanto percorriam seu caminho até chegar à capital, Pafos. A narrativa, então, gira em torno de dois indivíduos: um feiticeiro judeu chamado Barjesus, também conhecido como Elimas, e Sérgio Paulo, o governador romano local. A história apresenta um bom exemplo de como o evangelho foi recebido de diferentes maneiras: por um lado, houve oposição aberta; por outro, aceitação fiel mesmo por gentios de grande prestígio. A linguagem de Atos 13:12 implica, claramente, em conversão.”1

“Nesse caso, um judeu resistiu à verdade enquanto um gentio a aceitou. Por que, às vezes, as pessoas de outras denominações cristãs são mais difíceis de alcançar com a ‘verdade presente’ do que aquelas que não possuem nenhuma fé?”1

Domingo, 12 de agosto de 2018. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.
_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. O livro de Atos dos Apóstolos. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 493, jul. ago. set. 2018. Adulto, Professor.
2 BIBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.