O encontro dos irmãos

Lições da Bíblia1

De Peniel (“vi Deus face a face”; Gn 32:30), o lugar em que teve essa experiência com Deus, Jacó se dirigiu ao encontro com seu irmão. Após 20 anos de separação, Jacó o viu chegando com 400 homens (Gn 33:1). Ele estava preocupado e, portanto, preparou a si mesmo e sua família.

2. Leia Gênesis 33. Que conexão há entre a experiência de Jacó, de ver a face de Deus em Peniel, e sua experiência de ver o rosto de seu irmão? O que isso sugere em relação ao nosso relacionamento com Deus e com nossos “irmãos”, não importa quem sejam eles?

Gênesis 33 (ARA)2: “1 Levantando Jacó os olhos, viu que Esaú se aproximava, e com ele quatrocentos homens. Então, passou os filhos a Lia, a Raquel e às duas servas. 2 Pôs as servas e seus filhos à frente, Lia e seus filhos atrás deles e Raquel e José por últimos. 3 E ele mesmo, adiantando-se, prostrou-se à terra sete vezes, até aproximar-se de seu irmão.Então, Esaú correu-lhe ao encontro e o abraçou; arrojou-se-lhe ao pescoço e o beijou; e choraram. 5 Daí, levantando os olhos, viu as mulheres e os meninos e disse: Quem são estes contigo? Respondeu-lhe Jacó: Os filhos com que Deus agraciou a teu servo. 6 Então, se aproximaram as servas, elas e seus filhos, e se prostraram. 7 Chegaram também Lia e seus filhos e se prostraram; por último chegaram José e Raquel e se prostraram. 8 Perguntou Esaú: Qual é o teu propósito com todos esses bandos que encontrei? Respondeu Jacó: Para lograr mercê na presença de meu senhor. 9 Então, disse Esaú: Eu tenho muitos bens, meu irmão; guarda o que tens. 10 Mas Jacó insistiu: Não recuses; se logrei mercê diante de ti, peço-te que aceites o meu presente, porquanto vi o teu rosto como se tivesse contemplado o semblante de Deus; e te agradaste de mim. 11 Peço-te, pois, recebe o meu presente, que eu te trouxe; porque Deus tem sido generoso para comigo, e tenho fartura. E instou com ele, até que o aceitou. 12 Disse Esaú: Partamos e caminhemos; eu seguirei junto de ti. 13 Porém Jacó lhe disse: Meu senhor sabe que estes meninos são tenros, e tenho comigo ovelhas e vacas de leite; se forçadas a caminhar demais um só dia, morrerão todos os rebanhos. 14 Passe meu senhor adiante de seu servo; eu seguirei guiando-as pouco a pouco, no passo do gado que me vai à frente e no passo dos meninos, até chegar a meu senhor, em Seir. 15 Respondeu Esaú: Então, permite que eu deixe contigo da gente que está comigo. Disse Jacó: Para quê? Basta que eu alcance mercê aos olhos de meu senhor. 16 Assim, voltou Esaú aquele dia a Seir, pelo caminho por onde viera. 17 E Jacó partiu para Sucote, e edificou para si uma casa, e fez palhoças para o seu gado; por isso, o lugar se chamou Sucote. 18 Voltando de Padã-Arã, chegou Jacó são e salvo à cidade de Siquém, que está na terra de Canaã; e armou a sua tenda junto da cidade. 19 A parte do campo, onde armara a sua tenda, ele a comprou dos filhos de Hamor, pai de Siquém, por cem peças de dinheiro. 20 E levantou ali um altar e lhe chamou Deus, o Deus de Israel.”

Jacó se curvou sete vezes diante de seu irmão (Gn 33:3) a quem ele chamou várias vezes de “meu senhor” (Gn 33:8, 13, 15) e se identificou como seu “servo” (Gn 33:5; compare com Gn 32:4, 18, 20). As sete reverências de Jacó relembram as sete bênçãos de seu pai (Gn 27:27-29); além disso, quando se curvou, especificamente reverteu a bênção de seu pai, que determinou que nações o reverenciassem (Gn 27:29).

É como se a intenção de Jacó fosse pagar sua dívida com seu irmão e devolver a bênção que havia roubado dele (ver Gn 33:11). Quando Esaú viu Jacó, contra todas as expectativas, correu para ele e, em vez de matá-lo, “o beijou; e choraram” (Gn 33:4).

Mais tarde, Jacó comentou com Esaú: “ver o seu rosto é como contemplar o semblante de Deus” (Gn 33:10). A razão para essa declaração extraordinária de Jacó é seu entendimento de que Esaú o havia perdoado. O verbo hebraico ratsah, “alcançar favor” (Gn 33:10), é um termo teológico que se refere a qualquer sacrifício que seja “agradável”, “aceito” por Deus, o que então implica perdão divino (Lv 22:27; Am 5:22).

A experiência de Jacó com o perdão divino em Peniel, onde ele viu a face de Deus, se repetiu em sua experiência com o perdão de seu irmão. Jacó viveu o Peniel uma segunda vez, a primeira foi um preparo para a segunda. Jacó foi perdoado por Deus e por seu irmão. Ele deve ter entendido, ainda mais do que antes, o significado da graça.

O que você aprendeu sobre a graça pela maneira como outras pessoas (além do Senhor) já o perdoaram?

Segunda-feira, 30 de maio de 2022. Saiba mais, faça gratuitamente um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Gênesis. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 508, abr. maio jun. 2022. Adulto, Professor. 
2 BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s