Tempo para a comunidade

Lições da Bíblia

“Jesus deu o exemplo para Seus discípulos em relação à prática de frequentar semanalmente a sinagoga. Após Sua ressurreição, eles continuaram esse padrão, assim como outros seguidores de Jesus. A sinagoga se tornou um dos principais locais para os apóstolos levantarem questões relacionadas à ressurreição, e o sábado proporcionava uma oportunidade essencial para a comunidade se reunir e aprender. Afinal, Jesus era o Messias hebreu, profetizado no Antigo Testamento, sobre quem liam na sinagoga todos os sábados. Não havia melhor lugar para os cristãos promoverem ­Jesus do que na sinagoga, especialmente quando testemunhavam a judeus e a outros que também temiam a Deus (At 13:16, 26).”1

“5. Leia os textos a seguir. Como os seguidores de Jesus testemunharam em locais públicos? Pense nos lugares em que eles discursaram, com quem estavam falando, o que foi dito e quais foram os resultados. At 13:14-45; 16:13, 14; 17:1-5; 18:4”1

Atos 13:14-45 (ARA)2: 14 Mas eles, atravessando de Perge para a Antioquia da Pisídia, indo num sábado à sinagoga, assentaram-se. 15 Depois da leitura da lei e dos profetas, os chefes da sinagoga mandaram dizer-lhes: Irmãos, se tendes alguma palavra de exortação para o povo, dizei-a. 16 Paulo, levantando-se e fazendo com a mão sinal de silêncio, disse: Varões israelitas e vós outros que também temeis a Deus, ouvi. 17 O Deus deste povo de Israel escolheu nossos pais e exaltou o povoa durante sua peregrinação na terra do Egito, donde os tirou com braço poderoso; 18 e suportou-lhes os maus costumes por cerca de quarenta anos no deserto; 19 e, havendo destruído sete nações na terra de Canaã, deu-lhes essa terra por herança, 20 vencidos cerca de quatrocentos e cinquenta anos. Depois disto, lhes deu juízes, até o profeta Samuel. 21 Então, eles pediram um rei, e Deus lhes deparou Saul, filho de Quis, da tribo de Benjamim, e isto pelo espaço de quarenta anos. 22 E, tendo tirado a este, levantou-lhes o rei Davi, do qual também, dando testemunho, disse: Achei Davi, filho de Jessé, homem segundo o meu coração, que fará toda a minha vontade. 23 Da descendência deste, conforme a promessa, trouxe Deus a Israel o Salvador, que é Jesus, 24 havendo João, primeiro, pregado a todo o povo de Israel, antes da manifestação dele, batismo de arrependimento. 25 Mas, ao completar João a sua carreira, dizia: Não sou quem supondes; mas após mim vem aquele de cujos pés não sou digno de desatar as sandálias. 26 Irmãos, descendência de Abraão e vós outros os que temeis a Deus, a nós nos foi enviada a palavra desta salvação. 27 Pois os que habitavam em Jerusalém e as suas autoridades, não conhecendo Jesus nem os ensinos dos profetas que se leem todos os sábados, quando o condenaram, cumpriram as profecias; 28 e, embora não achassem nenhuma causa de morte, pediram a Pilatos que ele fosse morto. 29 Depois de cumprirem tudo o que a respeito dele estava escrito, tirando-o do madeiro, puseram-no em um túmulo. 30 Mas Deus o ressuscitou dentre os mortos; 31 e foi visto muitos dias pelos que, com ele, subiram da Galileia para Jerusalém, os quais são agora as suas testemunhas perante o povo. 32 Nós vos anunciamos o evangelho da promessa feita a nossos pais, 33 como Deus a cumpriu plenamente a nós, seus filhos, ressuscitando a Jesus, como também está escrito no Salmo segundo: Tu és meu Filho, eu, hoje, te gerei. 34 E, que Deus o ressuscitou dentre os mortos para que jamais voltasse à corrupção, desta maneira o disse: E cumprirei a vosso favor as santas e fiéis promessas feitas a Davis. 35 Por isso, também diz em outro Salmo: Não permitirás que o teu Santo veja corrupção. 36 Porque, na verdade, tendo Davi servido à sua própria geração, conforme o desígnio de Deus, adormeceu, foi para junto de seus pais e viu corrupção. 37 Porém aquele a quem Deus ressuscitou não viu corrupção. 38 Tomai, pois, irmãos, conhecimento de que se vos anuncia remissão de pecados por intermédio deste; 39 e, por meio dele, todo o que crê é justificado de todas as coisas das quais vós não pudestes ser justificados pela lei de Moisés. 40 Notai, pois, que não vos sobrevenha o que está dito nos profetas: 41 Vede, ó desprezadores, maravilhai-vos e desvanecei, porque eu realizo, em vossos dias, obra tal que não crereis se alguém vo-la contar. 42 Ao saírem eles, rogaram-lhes que, no sábado seguinte, lhes falassem estas mesmas palavras. 43 Despedida a sinagoga, muitos dos judeus e dos prosélitos piedosos seguiram Paulo e Barnabé, e estes, falando-lhes, os persuadiam a perseverar na graça de Deus. 44 No sábado seguinte, afluiu quase toda a cidade para ouvir a palavra de Deus. 45 Mas os judeus, vendo as multidões, tomaram-se de inveja e, blasfemando, contradiziam o que Paulo falava.”

Atos16:13, 14 (ARA)2: “13 No sábado, saímos da cidade para junto do rio, onde nos pareceu haver um lugar de oração; e, assentando-nos, falamos às mulheres que para ali tinham concorrido. 14 Certa mulher, chamada Lídia, da cidade de Tiatira, vendedora de púrpura, temente a Deus, nos escutava; o Senhor lhe abriu o coração para atender às coisas que Paulo dizia.

Atos 17:1-5 (ARA)2: “1 Tendo passado por Anfípolis e Apolônia, chegaram a Tessalônica, onde havia uma sinagoga de judeus. 2 Paulo, segundo o seu costume, foi procurá-los e, por três sábados, arrazoou com eles acerca das Escrituras, 3 expondo e demonstrando ter sido necessário que o Cristo padecesse e ressurgisse dentre os mortos; e este, dizia ele, é o Cristo, Jesus, que eu vos anuncio. 4 Alguns deles foram persuadidos e unidos a Paulo e Silas, bem como numerosa multidão de gregos piedosos e muitas distintas mulheres. 5 Os judeus, porém, movidos de inveja, trazendo consigo alguns homens maus dentre a malandragem, ajuntando a turba, alvoroçaram a cidade e, assaltando a casa de Jasom, procuravam trazê-los para o meio do povo.”

Atos 18:4 (ARA)2: “E todos os sábados discorria na sinagoga, persuadindo tanto judeus como gregos.

“O testemunho dos apóstolos era pessoal e bíblico. Paulo discorreu sobre a história de Israel, começando pelos ‘nossos pais’ (At 13:17) no Egito, e acompanhou a história deles desde seu estabelecimento na terra prometida até os juízes, chegando ao período dos reis, até o rei Davi, a partir do qual ele fez uma adequada transição para Jesus.”1

“Paulo e os outros também mostraram como sua experiência e entendimento pessoal faziam sentido no contexto das Escrituras. Eles apresentaram informações, argumentaram e discutiram. A associação do testemunho pessoal com as Escrituras por meio da pregação, do ensino e da discussão foi muito poderosa. Como mostram as passagens da Bíblia, alguns líderes religiosos tiveram inveja da autoridade dos apóstolos e do poder resultante que eles tinham sobre o povo, tanto sobre os judeus quanto sobre os gentios.”1

“A Igreja Adventista do Sétimo Dia também tem uma poderosa história de incentivo aos testemunhos e exposição das Escrituras por meio da pregação e do ensino. A associação da Escola Sabatina com o culto divino (pregação) e outras reuniões de sábado (cultos jovens, por exemplo) proporcionam uma forte base educacional formal para a adoração adventista do sétimo dia. Embora isso precise ser complementado com outras experiências de aprendizado, é essencial para a experiência educacional do sábado.”1

Quinta-feira, 17 de dezembro de 2020. Saiba mais, faça um Curso Bíblico

Leia o livro A Única Esperança,
baixe o seu exemplar gratuitamente

A Única Esperança
ENCONTRE O REAL SENTIDO DA VIDA
Este livro apresenta histórias de pessoas que um dia, em meio a circunstâncias contraditórias, acharam esperança.

A esperança é a mola propulsora da vida. Ajuda a ver o sol apesar das nuvens densas. Ensina a crer em outro dia mesmo que tudo pareça acabado. A esperança do cristão não é apenas o desejo humano de que as coisas melhorem no futuro. É a convicção de que a vitória chegou, apesar da aparente derrota. A Bíblia é a fonte da esperança. Ela contém aproximadamente dez mil promessas capazes de revolucionar a vida de quem nelas acredita.

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Educação e redenção. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 502, out. nov. dez. 2020. Adulto, Professor. 
2 BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s