Véu rasgado e rochas fendidas

Lições da Bíblia

“Cada um dos autores dos evangelhos contou a história de Jesus a partir de perspectivas diferentes, mas todos se concentraram em Sua morte. Porém, somente Mateus escreveu sobre o véu rasgado e as sepulturas abertas.”1

“3. Leia Mateus 27:49-54. Qual é o significado desses acontecimentos? Para qual esperança eles apontam?”1

“49 Os outros, porém, diziam: Deixa, vejamos se Elias vem salvá-lo. 50 E Jesus, clamando outra vez com grande voz, entregou o espírito. 51 Eis que o véu do santuário se rasgou em duas partes de alto a baixo; tremeu a terra, fenderam-se as rochas; 52 abriram-se os sepulcros, e muitos corpos de santos, que dormiam, ressuscitaram; 53 e, saindo dos sepulcros depois da ressurreição de Jesus, entraram na cidade santa e apareceram a muitos. 54 O centurião e os que com ele guardavam a Jesus, vendo o terremoto e tudo o que se passava, ficaram possuídos de grande temor e disseram: Verdadeiramente este era Filho de Deus.” (Mateus 27:49-54 ARA).

O véu do santuário se rasgou para mostrar que o serviço do santuário terrestre foi encerrado com a morte de Cristo. Nossa fé deve estar no sangue de Cristo e em Sua obra em nosso favor; os santos ressuscitados na morte de Cristo são uma garantia de que um dia todos os fiéis ressurgirão para a vida eterna.1

“Cristo morreu logo depois que a turba, não entendendo as palavras de Jesus, havia zombado dEle por ter chamado Elias para vir salvá-Lo. A zombaria deles foi outro exemplo, poderoso mas triste, de como Jesus foi mal interpretado por muitos de Seu próprio povo.”1

“Mateus registrou que a cortina do templo se rasgou de alto a baixo. O simbolismo é inequívoco: havia começado uma nova era na história da salvação. Os serviços sacrificais, que por tanto tempo haviam apontado para Jesus, não mais eram necessários. Os velhos símbolos terrestres haviam sido substituídos por algo muito melhor.”1

“4. Leia Hebreus 8:1-6. O que essa passagem diz que nos ajuda a entender o que aconteceu com o sistema do santuário terrestre? O que o substituiu?”1

“1 Ora, o essencial das coisas que temos dito é que possuímos tal sumo sacerdote, que se assentou à destra do trono da Majestade nos céus, 2 como ministro do santuário e do verdadeiro tabernáculo que o Senhor erigiu, não o homem. 3 Pois todo sumo sacerdote é constituído para oferecer tanto dons como sacrifícios; por isso, era necessário que também esse sumo sacerdote tivesse o que oferecer. 4 Ora, se ele estivesse na terra, nem mesmo sacerdote seria, visto existirem aqueles que oferecem os dons segundo a lei, 5 os quais ministram em figura e sombra das coisas celestes, assim como foi Moisés divinamente instruído, quando estava para construir o tabernáculo; pois diz ele: Vê que faças todas as coisas de acordo com o modelo que te foi mostrado no monte. 6 Agora, com efeito, obteve Jesus ministério tanto mais excelente, quanto é ele também Mediador de superior aliança instituída com base em superiores promessas.” (Hbreus 8:1-6 ARA).

Depois do sacrifício de Cristo na cruz, o serviço do santuário terrestre não mais era necessário. Após a ressurreição, Jesus assumiu a função de sacerdote no santuário celestial, com base numa aliança superior e em superiores promessas, incluindo o perdão dos pecados, a ressurreição dos fiéis e a vida eterna.1

“Mateus registrou não só o fato de que o véu se rasgou, mas também que as rochas se fenderam, que as sepulturas se abriram e alguns dentre os mortos foram ressuscitados – eventos que puderam acontecer apenas por causa do que Jesus havia realizado ao morrer pelo pecado como nosso Substituto. Portanto, em Mateus, vemos acontecimentos que o antigo sistema, em si, nunca poderia ter causado. ‘É impossível que o sangue de touros e de bodes remova pecados’ (Hb 10:4). É claro que somente Jesus poderia tirar pecados, e para nós o grande resultado, a grande promessa decorrente do fato de Jesus tirar nossos pecados é a ressurreição dos mortos. Sem essa promessa, nada temos (ver 1Co 15:13, 14, 19). Nessas primeiras ressurreições (não sabemos quantas foram) podemos ver a esperança e a promessa de nossa ressurreição futura.”1

Terça-feira, 21 de junho de 2016. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio  da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.
__________________
1 LIÇÕES da escola sabatina. O Evangelho de Mateus. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 485, Abr. Mai. Jun. 2016. Adulto, Professor.
2 BIBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999. 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s