Descanso na sepultura

Lições da Bíblia

“2. Leia Jó 3:11-26. O que Jó falou sobre a morte? Marque a alternativa correta:”1

“11 Por que não morri eu na madre? Por que não expirei ao sair dela? 12 Por que houve regaço que me acolhesse? E por que peitos, para que eu mamasse? 13 Porque já agora repousaria tranqüilo; dormiria, e, então, haveria para mim descanso, 14 com os reis e conselheiros da terra que para si edificaram mausoléus; 15 ou com os príncipes que tinham ouro e encheram de prata as suas casas; 16 ou, como aborto oculto, eu não existiria, como crianças que nunca viram a luz. 17 Ali, os maus cessam de perturbar, e, ali, repousam os cansados. 18 Ali, os presos juntamente repousam e não ouvem a voz do feitor. 19 Ali, está tanto o pequeno como o grande e o servo livre de seu senhor. 20 Por que se concede luz ao miserável e vida aos amargurados de ânimo, 21 que esperam a morte, e ela não vem? Eles cavam em procura dela mais do que tesouros ocultos. 22 Eles se regozijariam por um túmulo e exultariam se achassem a sepultura. 23 Por que se concede luz ao homem, cujo caminho é oculto, e a quem Deus cercou de todos os lados? 24 Por que em vez do meu pão me vêm gemidos, e os meus lamentos se derramam como água? 25 Aquilo que temo me sobrevém, e o que receio me acontece. 26 Não tenho descanso, nem sossego, nem repouso, e já me vem grande perturbação.” (Jó 3:11-26 ARA)2.

A. (   ) A morte é algo que ninguém gostaria de sofrer.

B. (   ) A morte é um descanso, uma tranquilidade. A morte é digna de regozijo.

C. (   ) A morte é incerta e temida por todos os homens.

D. (   ) A morte faz distinção entre ricos e pobres, pois cada um tem o túmulo que merece.

Resposta: Alternativa B. 

“Podemos imaginar o terrível sofrimento pelo qual Jó estava passando. Por mais difícil que tenha sido a destruição de suas posses e a devastação da sua saúde, Jó perdeu todos os seus filhos! Já é muito difícil imaginar a dor de perder um filho, mas Jó perdeu todos. E ele tinha dez! Não é de admirar que ele tivesse desejado a morte. Além disso, Jó não fazia ideia do contexto por trás de tudo aquilo, e mesmo que soubesse, talvez ele não teria se sentido melhor, não é mesmo?”1

“Observe, no entanto, o que Jó diz a respeito da morte. Se ele tivesse morrido, o que aconteceria? A alegria da presença de Deus? Tocaria harpa com os anjos? Não há nenhuma teologia assim em sua fala. Em vez disso, o que Jó disse? ‘Porque já agora repousaria tranquilo; dormiria, e, então, haveria para mim descanso’ (Jó 3:13).”1

“3. Leia Eclesiastes 9:5 e João 11:11-14. Ao comparar esses textos com as palavras de Jó podemos afirmar o seguinte:”1

Porque os vivos sabem que hão de morrer, mas os mortos não sabem coisa nenhuma, nem tampouco terão eles recompensa, porque a sua memória jaz no esquecimento.” (Eclesiástes 9:5 ARA)2.

“11 Isto dizia e depois lhes acrescentou: Nosso amigo Lázaro adormeceu, mas vou para despertá-lo. 12 Disseram-lhe, pois, os discípulos: Senhor, se dorme, estará salvo. 13 Jesus, porém, falara com respeito à morte de Lázaro; mas eles supunham que tivesse falado do repouso do sono. 14 Então, Jesus lhes disse claramente: Lázaro morreu;” (João 11:12-14 ARA)2.

A. (   ) Jó rejeita o ensino bíblico sobre a morte.

B. (   ) Ele distorce o que a Bíblia fala sobre a morte.

C. (   ) Jó confirma a visão bíblica sobre a morte.

D. (   ) Ele se mostra confuso quanto à morte.

Resposta: Alternativa C. 

“No livro de Jó, um dos mais antigos da Bíblia, temos o que talvez seja uma das primeiras declarações do que chamamos de ‘estado dos mortos’. Tudo o que Jó queria naquele momento era ‘descanso’. A vida havia ficado repentinamente tão desagradável, difícil e penosa, que ele ansiava pelo que sabia ser a morte: um descanso tranquilo na sepultura. Jó estava tão triste, tão ferido que, esquecendo-se de toda a alegria que tivera antes das calamidades acontecerem, ele desejou que tivesse morrido no momento do seu nascimento.”1

“Temos promessas maravilhosas. Ao mesmo tempo, em meio aos sofrimentos presentes, como podemos aprender a nos lembrar dos bons momentos que vivemos e obter conforto neles?”1

Segunda-feira, 24 de outubro de 2016. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio  da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.
__________________
1 LIÇÕES da escola sabatina. O livro de Jó. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 486, Out. Nov. Dez. 2016. Adulto, Professor.

2 BIBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Nota: As ofertas apresentadas em forma de anúncios junto de nossas publicações são de responsabilidade da plataforma de hospedagem deste blog. Isso ocorre por termos optado pela modalidade de hospedagem gratuita.

Pereça o dia do meu nascimento

Lições da Bíblia

“Imagine que você seja Jó. Inexplicavelmente a sua vida e tudo pelo que você trabalhou, tudo o que conquistou, todas as bênçãos que Deus lhe concedeu, tornam-se em ruínas. Isso simplesmente não faz sentido. Parece não haver nenhuma razão, boa nem má, para tal situação.”1

“Há alguns anos um ônibus escolar saiu da rodovia e acabou matando muitas crianças. Naquele contexto, um ateu disse que aquilo era o tipo de coisa que podíamos esperar neste mundo em que não há significado, propósito nem direção alguma. Uma tragédia como aquela não tinha sentido algum, pois o próprio mundo não tem sentido.”1

“No entanto, como vimos anteriormente, essa resposta não funciona para quem crê em Deus. E para Jó, um fiel seguidor do Senhor, essa resposta também não funcionou. Mas qual era a resposta? Qual era a explicação? Jó não tinha uma resposta. Tudo o que ele tinha era uma extrema aflição e todas as perguntas que inevitavelmente a acompanhavam.”1

“1. Leia Jó 3:1-10. Como Jó expressou sua dor e sofrimento? De que maneira nos identificamos com o que ele falou?”1

“1 Depois disto, passou Jó a falar e amaldiçoou o seu dia natalício. 2 Disse Jó: 3 Pereça o dia em que nasci e a noite em que se disse: Foi concebido um homem! 4 Converta-se aquele dia em trevas; e Deus, lá de cima, não tenha cuidado dele, nem resplandeça sobre ele a luz. 5 Reclamem-no as trevas e a sombra de morte; habitem sobre ele nuvens; espante-o tudo o que pode enegrecer o dia. 6 Aquela noite, que dela se apoderem densas trevas; não se regozije ela entre os dias do ano, não entre na conta dos meses. 7 Seja estéril aquela noite, e dela sejam banidos os sons de júbilo. 8 Amaldiçoem-na aqueles que sabem amaldiçoar o dia e sabem excitar o monstro marinho. 9 Escureçam-se as estrelas do crepúsculo matutino dessa noite; que ela espere a luz, e a luz não venha; que não veja as pálpebras dos olhos da alva, 10 pois não fechou as portas do ventre de minha mãe, nem escondeu dos meus olhos o sofrimento.” (Jó 3:1-10 ARA)2.”

Jó amaldiçoou o dia do seu nascimento. Por causa do seu sofrimento, disse que teria sido melhor se ele não tivesse nascido.1

“A vida é um presente de Deus. Existimos somente porque Deus nos criou (At 17:28; Ap 4:11). Nossa própria existência é um milagre que tem deixado perplexa a ciência moderna. De fato, os cientistas não estão em total harmonia sobre qual é a definição de ‘vida’, muito menos a respeito de como ela surgiu, ou ainda mais importante, por que ela surgiu.”1

“No entanto, em momentos de desespero, quem já não questionou se vale a pena viver? Não estamos nos referindo aos casos infelizes de suicídio. Em vez disso, estamos falando das vezes em que, a exemplo de Jó, podemos ter desejado não ter nascido, algo que ocorre com muitas pessoas.”1

“Um antigo grego uma vez disse que a melhor coisa que poderia acontecer com uma pessoa, além de morrer, seria nunca ter nascido. Ou seja, a vida pode ser tão miserável que julgamos que estaríamos em melhor situação se não existíssemos, e assim seríamos poupados da angústia inevitável que acompanha a vida humana neste mundo caído.”1

“Você já se sentiu como Jó, desejando não ter nascido? No fim das contas, o que aconteceu? Você superou esse sentimento? Nos piores momentos da vida, qual é a importância da esperança e da perspectiva de que de as coisas irão melhorar?”1

Domingo, 23 de outubro de 2016. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio  da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.
__________________
1 LIÇÕES da escola sabatina. O livro de Jó. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 486, Out. Nov. Dez. 2016. Adulto, Professor.

2 BIBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Nota: As ofertas apresentadas em forma de anúncios junto de nossas publicações são de responsabilidade da plataforma de hospedagem deste blog. Isso ocorre por termos optado pela modalidade de hospedagem gratuita.

Obediência até a morte

Lições da Bíblia

“Em Jó 1:22 está escrito: ‘Em tudo isto Jó não pecou, nem atribuiu a Deus falta alguma.’ Jó 2:10 diz: ‘Em tudo isto não pecou Jó com os seus lábios.’ Em ambas as situações, apesar dos ataques de Satanás, Jó permaneceu fiel ao Senhor. Ambos os textos destacam o fato de que Jó não pecou com ações nem com palavras.”1

“É evidente que os textos não afirmam que Jó era isento de pecado. Eles nunca diriam algo assim, pois a Bíblia ensina que todos são pecadores. ‘Se afirmamos que não temos cometido pecado, fazemos de Deus um mentiroso, e a Sua palavra não está em nós’ (1Jo 1:10, NVI). Ser ‘íntegro e reto, temente a Deus’ e se desviar do mal (Jó 1:1) não torna uma pessoa impecável. Assim como todas as pessoas, Jó havia nascido em pecado e precisava de um Salvador.”1

“Entretanto, a despeito de tudo o que lhe sobreviera, ele permaneceu fiel ao Senhor. Nesse sentido, Jó pode ser visto como uma espécie de símbolo, um pálido exemplo de Jesus (veja a lição 14) que, em meio às terríveis provas e tentações não desistiu, não caiu em pecado e, portanto, refutou as acusações que Satanás tinha feito contra Deus. Obviamente, o que Cristo fez foi muito maior, mais grandioso e mais importante do que o que Jó fez. Mesmo assim, permanece esse simples paralelo.”1

“7. Leia Mateus 4:1-11. Como a experiência de Jó se reflete no que ocorre nesse texto?”1

“1 A seguir, foi Jesus levado pelo Espírito ao deserto, para ser tentado pelo diabo. 2 E, depois de jejuar quarenta dias e quarenta noites, teve fome. 3 Então, o tentador, aproximando-se, lhe disse: Se és Filho de Deus, manda que estas pedras se transformem em pães. 4 Jesus, porém, respondeu: Está escrito: Não só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus. 5 Então, o diabo o levou à Cidade Santa, colocou-o sobre o pináculo do templo 6 e lhe disse: Se és Filho de Deus, atira-te abaixo, porque está escrito: Aos seus anjos ordenará a teu respeito que te guardem; e: Eles te susterão nas suas mãos, para não tropeçares nalguma pedra. 7 Respondeu-lhe Jesus: Também está escrito: Não tentarás o Senhor, teu Deus. 8 Levou-o ainda o diabo a um monte muito alto, mostrou-lhe todos os reinos do mundo e a glória deles 9 e lhe disse: Tudo isto te darei se, prostrado, me adorares. 10 Então, Jesus lhe ordenou: Retira-te, Satanás, porque está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás, e só a ele darás culto. 11 Com isto, o deixou o diabo, e eis que vieram anjos e o serviram.” (Mateus 4:1-11 ARA)2.

“Embora estivesse num ambiente terrível e Seu corpo enfraquecido pela privação do alimento, Jesus em Sua humanidade, ‘em semelhança de carne pecaminosa’ (Rm 8:3), não fez o que o diabo queria que Ele fizesse, assim como Jó também não havia feito. E assim como Satanás desapareceu de cena depois que Jó se manteve fiel, também depois que Jesus resistiu à última tentativa do diabo contra Ele, as Escrituras nos dizem que ‘com isto, o deixou o diabo’ (Mt 4:11; veja também Tg 4:7 [‘Sujeitai-vos, portanto, a Deus; mas resisti ao diabo, e ele fugirá de vós.’]2).”1

“No entanto, o que Jesus enfrentou no deserto foi apenas o começo. Seu verdadeiro teste seria na cruz e, ali também, apesar de tudo o que Ele havia passado (coisas piores do que Jó enfrentou), Jesus permaneceu fiel até a morte.”1

“Leia Filipenses 2:5-8 [‘a si mesmo se humilhou, tornando-se obediente até à morte e morte de cruz.’]2. Que esperança a ‘obediência’ de Jesus ‘até a morte’ nos oferece? O que ela nos diz a respeito de como devemos viver, em resposta à Sua obediência?”1

Quinta-feira, 13 de outubro de 2016. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio  da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.
__________________
1 LIÇÕES da escola sabatina. O livro de Jó. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 486, Out. Nov. Dez. 2016. Adulto, Professor.

2 BIBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Nota: As ofertas apresentadas em forma de anúncios junto de nossas publicações são de responsabilidade da plataforma de hospedagem deste blog. Isso ocorre por termos optado pela modalidade de hospedagem gratuita.

Final infeliz

Lições da Bíblia

“A história de Jó (aquele que morreu ‘velho e farto de dias’) termina com ‘o vento soprando a seu favor’. Como sabemos, e sabemos muito bem, não é assim que a história termina para muitas outras pessoas. Mesmo aquelas que foram fiéis, virtuosas e dignas de honra, nem sempre acabaram em uma situação como a de Jó.”1

“2. Qual foi o fim dos seguintes personagens bíblicos?”1

Abel (Gn 4:8): “Disse Caim a Abel, seu irmão: Vamos ao campo. Estando eles no campo, sucedeu que se levantou Caim contra Abel, seu irmão, e o matou.2

Urias (2Sm 11:17): “Saindo os homens da cidade e pelejando com Joabe, caíram alguns do povo, dos servos de Davi; e morreu também Urias, o heteu.2

Eli (1Sm 4:18): “Ao fazer ele menção da arca de Deus, caiu Eli da cadeira para trás, junto ao portão, e quebrou-se-lhe o pescoço, e morreu, porque era já homem velho e pesado; e havia ele julgado a Israel quarenta anos.2

Rei Josias (2Cr 35:22-24): “22 Porém Josias não tornou atrás; antes, se disfarçou para pelejar contra ele e, não dando ouvidos às palavras que Neco lhe falara da parte de Deus, saiu a pelejar no vale de Megido. 23 Os flecheiros atiraram contra o rei Josias; então, o rei disse a seus servos: Tirai-me daqui, porque estou gravemente ferido. 24 Seus servos o tiraram do carro, levaram-no para o segundo carro que tinha e o transportaram a Jerusalém; ele morreu, e o sepultaram nos sepulcros de seus pais. Todo o Judá e Jerusalém prantearam Josias.2

João Batista (Mt 14:10): “e deu ordens e decapitou a João no cárcere.2

Estevão (At 7:59, 60): “59 E apedrejavam Estêvão, que invocava e dizia: Senhor Jesus, recebe o meu espírito! 60 Então, ajoelhando-se, clamou em alta voz: Senhor, não lhes imputes este pecado! Com estas palavras, adormeceu.2

“Que histórias com final infeliz você conhece? O que você aprendeu com elas?”1

“A Bíblia está repleta de histórias que não tiveram um final feliz. A própria vida é repleta de histórias sem final feliz. Muitas pessoas não saem das provações de maneira tão vitoriosa quanto Jó, sejam elas martirizadas por uma boa causa, mortas por uma doença terrível ou submetidas à miséria e ao sofrimento. Na verdade, falando honestamente: quantas vezes as coisas dão certo assim como deram para Jó? Perceba que nem precisamos da Bíblia para saber desse fato terrível. Quem não conhece histórias com final infeliz?”1

Segunda-feira, 26 de setembro de 2016. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio  da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.
__________________
1 LIÇÕES da escola sabatina. O livro de Jó. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 486, Out. Nov. Dez. 2016. Adulto, Professor.

2 BIBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Véu rasgado e rochas fendidas

Lições da Bíblia

“Cada um dos autores dos evangelhos contou a história de Jesus a partir de perspectivas diferentes, mas todos se concentraram em Sua morte. Porém, somente Mateus escreveu sobre o véu rasgado e as sepulturas abertas.”1

“3. Leia Mateus 27:49-54. Qual é o significado desses acontecimentos? Para qual esperança eles apontam?”1

“49 Os outros, porém, diziam: Deixa, vejamos se Elias vem salvá-lo. 50 E Jesus, clamando outra vez com grande voz, entregou o espírito. 51 Eis que o véu do santuário se rasgou em duas partes de alto a baixo; tremeu a terra, fenderam-se as rochas; 52 abriram-se os sepulcros, e muitos corpos de santos, que dormiam, ressuscitaram; 53 e, saindo dos sepulcros depois da ressurreição de Jesus, entraram na cidade santa e apareceram a muitos. 54 O centurião e os que com ele guardavam a Jesus, vendo o terremoto e tudo o que se passava, ficaram possuídos de grande temor e disseram: Verdadeiramente este era Filho de Deus.” (Mateus 27:49-54 ARA).

O véu do santuário se rasgou para mostrar que o serviço do santuário terrestre foi encerrado com a morte de Cristo. Nossa fé deve estar no sangue de Cristo e em Sua obra em nosso favor; os santos ressuscitados na morte de Cristo são uma garantia de que um dia todos os fiéis ressurgirão para a vida eterna.1

“Cristo morreu logo depois que a turba, não entendendo as palavras de Jesus, havia zombado dEle por ter chamado Elias para vir salvá-Lo. A zombaria deles foi outro exemplo, poderoso mas triste, de como Jesus foi mal interpretado por muitos de Seu próprio povo.”1

“Mateus registrou que a cortina do templo se rasgou de alto a baixo. O simbolismo é inequívoco: havia começado uma nova era na história da salvação. Os serviços sacrificais, que por tanto tempo haviam apontado para Jesus, não mais eram necessários. Os velhos símbolos terrestres haviam sido substituídos por algo muito melhor.”1

“4. Leia Hebreus 8:1-6. O que essa passagem diz que nos ajuda a entender o que aconteceu com o sistema do santuário terrestre? O que o substituiu?”1

“1 Ora, o essencial das coisas que temos dito é que possuímos tal sumo sacerdote, que se assentou à destra do trono da Majestade nos céus, 2 como ministro do santuário e do verdadeiro tabernáculo que o Senhor erigiu, não o homem. 3 Pois todo sumo sacerdote é constituído para oferecer tanto dons como sacrifícios; por isso, era necessário que também esse sumo sacerdote tivesse o que oferecer. 4 Ora, se ele estivesse na terra, nem mesmo sacerdote seria, visto existirem aqueles que oferecem os dons segundo a lei, 5 os quais ministram em figura e sombra das coisas celestes, assim como foi Moisés divinamente instruído, quando estava para construir o tabernáculo; pois diz ele: Vê que faças todas as coisas de acordo com o modelo que te foi mostrado no monte. 6 Agora, com efeito, obteve Jesus ministério tanto mais excelente, quanto é ele também Mediador de superior aliança instituída com base em superiores promessas.” (Hbreus 8:1-6 ARA).

Depois do sacrifício de Cristo na cruz, o serviço do santuário terrestre não mais era necessário. Após a ressurreição, Jesus assumiu a função de sacerdote no santuário celestial, com base numa aliança superior e em superiores promessas, incluindo o perdão dos pecados, a ressurreição dos fiéis e a vida eterna.1

“Mateus registrou não só o fato de que o véu se rasgou, mas também que as rochas se fenderam, que as sepulturas se abriram e alguns dentre os mortos foram ressuscitados – eventos que puderam acontecer apenas por causa do que Jesus havia realizado ao morrer pelo pecado como nosso Substituto. Portanto, em Mateus, vemos acontecimentos que o antigo sistema, em si, nunca poderia ter causado. ‘É impossível que o sangue de touros e de bodes remova pecados’ (Hb 10:4). É claro que somente Jesus poderia tirar pecados, e para nós o grande resultado, a grande promessa decorrente do fato de Jesus tirar nossos pecados é a ressurreição dos mortos. Sem essa promessa, nada temos (ver 1Co 15:13, 14, 19). Nessas primeiras ressurreições (não sabemos quantas foram) podemos ver a esperança e a promessa de nossa ressurreição futura.”1

Terça-feira, 21 de junho de 2016. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio  da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.
__________________
1 LIÇÕES da escola sabatina. O Evangelho de Mateus. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 485, Abr. Mai. Jun. 2016. Adulto, Professor.
2 BIBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999. 

O último inimigo

Lições da Bíblia

“Evidentemente, alguns da igreja de Corinto estavam confusos a respeito da ressurreição. Paulo explicou cuidadosamente sua importância como elemento-chave do evangelho (1Co 15:1-4). Parece que havia alguma preocupação a respeito dos crentes que haviam morrido (1Co 15:6), e alguns estavam sugerindo que os que haviam morrido não participariam da volta de Cristo (1Co 15:12). Essa situação era semelhante à de Tessalônica (1Ts 4:13-17).”1

“5. Leia 1 Coríntios 15:12-18. Qual é a implicação de negar a ressurreição dos mortos?”1 “15 e somos tidos por falsas testemunhas de Deus, porque temos asseverado contra Deus que ele ressuscitou a Cristo, ao qual ele não ressuscitou, se é certo que os mortos não ressuscitam. 16 Porque, se os mortos não ressuscitam, também Cristo não ressuscitou. 17 E, se Cristo não ressuscitou, é vã a vossa fé, e ainda permaneceis nos vossos pecados. 18 E ainda mais: os que dormiram em Cristo pereceram.” (1 Corintios 15:13-18 ARA)2. “Se Cristo não ressuscitou, é inútil a pregação do evangelho e até mesmo nossa fé. ‘Se a nossa esperança em Cristo se limita apenas a esta vida, somos os mais infelizes dos homens.’”1

“Paulo concluiu seu argumento dizendo que ‘se a nossa esperança em Cristo se limita apenas a esta vida, somos os mais infelizes de todos os homens’ (1Co 15:19). Mas, ao contrário, Cristo de fato ressuscitou e Se tornou ‘as primícias dos que dormem’ (1Co 15:20).”1

“Então Paulo comparou Cristo com Adão: ‘Assim como, em Adão, todos morrem, assim também todos serão vivificados em Cristo’ (1Co 15:22), e especificou quando será essa ressurreição geral: ‘na Sua vinda’ (1Co 15:23). Posteriormente, no mesmo capítulo, ele continuou com a comparação dos dois ‘Adões’ (1Co 15:45-49). O primeiro homem foi feito do pó, mas o Homem celestial é do Céu; por isso, um dia também seremos iguais a Ele (1Co 15:47-49). O significado disso é explicado numa descrição do que acontece na segunda vinda: ‘A trombeta soará, os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados. Porque é necessário que este corpo corruptível se revista da incorruptibilidade, e que o corpo mortal se revista da imortalidade’ (1Co 15:52, 53). Embora Adão a princípio tenha sido feito para viver para sempre, a humanidade logo se deteriorou a ponto de viver apenas por um período de tempo relativamente curto. Se vamos herdar a vida eterna, precisamos ser transformados para durar para sempre, e isso nos será concedido.”1

“Leia 1 Coríntios 15:23-26 [‘23 Cada um, porém, por sua própria ordem: Cristo, as primícias; depois, os que são de Cristo, na sua vinda. 24 E, então, virá o fim, quando ele entregar o reino ao Deus e Pai, quando houver destruído todo principado, bem como toda potestade e poder. 25 Porque convém que ele reine até que haja posto todos os inimigos debaixo dos pés. 26 O último inimigo a ser destruído é a morte. 27 Porque todas as coisas sujeitou debaixo dos pés. E, quando diz que todas as coisas lhe estão sujeitas, certamente, exclui aquele que tudo lhe subordinou.]2. Embora estejamos imersos no grande conflito, e ainda que a morte, o mal e as forças satânicas pareçam dominar o mundo, o que esses versos dizem sobre o final do grande conflito? Como aprender a olhar além do que vemos e captar o que essas promessas significam para cada um de nós?”1

Quinta-feira, 03 de março de 2016. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio  da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se pref//8ça um Curso Bíblico.

__________________

1 LIÇÕES da escola sabatina. Rebelião e redenção. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 484, Jan. Fev. Mar. 2016. Adulto, Professor.

2 BIBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Decreto de morte

Lições da Bíblia

“Édifícil hoje, como foi também para pessoas de várias culturas ao longo dos séculos, entender os costumes e tradições do antigo Império Persa, onde se desenrolou a história de Ester. Porém, uma coisa é certa: o Senhor tinha usado esse império para o cumprimento das promessas da aliança feitas à nação de Israel, as quais foram apresentadas desde o tempo de Abraão (ver Gn 12:1-3; Is 45:1; 2Cr 36:23).”

“Ester, jovem judia, foi elevada à posição de rainha. Embora sua ascensão tenha ocorrido por um caminho bem diferente do que ocorreu com José no Egito ou Daniel em Babilônia, ela estava exatamente onde o Senhor desejava que estivesse (assim como José e Daniel), e foi usada por Deus de uma forma poderosa, que ilustra como o tema do grande conflito pode se desenrolar na História.”1

“4. Leia Ester 3:8-11. Considerando os planos de Deus para o povo judeu, especialmente em relação à vinda do Messias, que consequências o sucesso desse decreto traria?”1 “8 Então, disse Hamã ao rei Assuero: Existe espalhado, disperso entre os povos em todas as províncias do teu reino, um povo cujas leis são diferentes das leis de todos os povos e que não cumpre as do rei; pelo que não convém ao rei tolerá-lo. 9 Se bem parecer ao rei, decrete-se que sejam mortos, e, nas próprias mãos dos que executarem a obra, eu pesarei dez mil talentos de prata para que entrem nos tesouros do rei. 10 Então, o rei tirou da mão o seu anel, deu-o a Hamã, filho de Hamedata, agagita, adversário dos judeus, 11 e lhe disse: Essa prata seja tua, como também esse povo, para fazeres dele o que melhor for de teu agrado.” (Ester 3:8-11 ARA)2. “Esse decreto permitia executar todos os judeus espalhados pelo império. O povo de Deus seria eliminado e consequentemente não haveria o Messias.1

“‘Mal imaginava o rei os vastos resultados que teriam acompanhado a completa execução desse decreto. O próprio Satanás, o instigador oculto desse plano, estava procurando livrar a Terra dos que preservavam o conhecimento do verdadeiro Deus’ (Ellen G. White, Profetas e Reis, p. 600, 601). Desse mesmo povo, também, viria o Salvador do mundo.”1

“É interessante o fato de que a questão teve início em torno da adoração (Et 3:5, 8), e o fato de que um grupo distinto de pessoas se recusou a seguir as leis e os costumes dos que estavam no poder. Embora o contexto seja diferente no fim dos tempos, a realidade por trás dele ainda é a mesma: o grande conflito entre Cristo e Satanás. Os que procurarem ser fiéis a Deus enfrentarão algo semelhante ao que os judeus enfrentaram nessa história. Já fomos advertidos de que, nas cenas finais da história da Terra, sairá o decreto declarando que devem ‘morrer quantos não [adorarem] a imagem da besta’ (Ap 13:15). O que aprendemos com a História deve fortalecer nossa fé para enfrentar os perigos do futuro.”1

“Por que temos a tendência de desconfiar dos que são diferentes? Por que as poderosas verdades da criação e da redenção, que revelam o valor de cada ser humano, deveriam mostrar o quanto é errada essa atitude? Como limpar o coração dessa tendência errônea?”1

Quarta-feira, 27 e janeiro de 2016. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio  da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se pref//8ça um Curso Bíblico.

__________________

1 LIÇÕES da escola sabatina. Rebelião e redenção. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 484, Jan. Fev. Mar. 2016. Adulto, Professor.

2 BIBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.