O ministério na igreja do Novo Testamento – Estudo adicional

Lições da Bíblia

Textos de Ellen G. White: Beneficência Social, p. 66, 67 (“Dorcas – Seu Ministério e Influência”) e p. 35-41 (“Eis a Religião Pura”); Atos dos Apóstolos, p. 335-345 (“Uma Igreja Liberal”).

“O Salvador deu Sua preciosa vida a fim de estabelecer uma igreja capaz de cuidar de pessoas aflitas e tentadas. Um grupo de crentes pode ser pobre, sem instrução, desconhecido; entretanto, estando em Cristo, pode fazer no lar, na vizinhança, na igreja, e mesmo nas regiões distantes, uma obra cujos resultados serão de alcance eterno” (Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, p. 640).1

“Abnegada liberalidade levou a primeira igreja a um sentimento de alegria; pois os crentes sabiam que seus esforços estavam ajudando a levar o evangelho aos que estavam em trevas. Sua beneficência testificava que não haviam recebido a graça de Deus em vão. O que teria produzido tal liberalidade senão a santificação do Espírito? Aos olhos de crentes e incrédulos foi um milagre da graça” (Ellen G. White, Atos dos Apóstolos, p. 344).1

Perguntas para discussão

“1. Que medidas a liderança de sua igreja pode tomar para se tornar mais parecida com a comunidade descrita no livro de Atos?”1

“2. A Igreja Adventista do Sétimo Dia utiliza alguns princípios discutidos no estudo desta semana para definir como os dízimos e ofertas são compartilhados entre diferentes partes do mundo. Quais são os benefícios desse sistema que distribui mundialmente os recursos?”1

“3. As instruções resumidas em Romanos 12 são práticas e realistas ou se parecem mais com imagens idealizadas?”1

“4. A linguagem forte usada por Tiago, que ecoa as advertências severas dos profetas do Antigo Testamento, é apropriada e necessária?”1

Resumo:

“Impelidos pela comissão de Jesus e pelo poder do Espírito Santo, os discípulos e os primeiros cristãos partiram a fim de compartilhar a mensagem o mais amplamente possível. Fundamentada nos ensinamentos de Jesus e nas Escrituras hebraicas, a igreja primitiva compartilhava o que tinha com os necessitados dentro e fora de sua comunidade. Por meio de seu exemplo e ensino registrado em suas cartas, os primeiros líderes exortaram os cristãos a uma vida de fidelidade e serviço, especialmente para com os necessitados.”1

Sexta-feira, 30 de agosto de 2019. Saiba mais, faça um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. “Meus pequeninos irmãos”: servindo aos necessitados. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 496, jul. ago. set. 2019. Adulto, Professor. 

O ministério na igreja do Novo Testamento

Lições da Bíblia

“A religião pura e sem mácula, para com o nosso Deus e Pai, é esta: visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações e a si mesmo guardar-se incontaminado do mundo” (Tg 1:27).

“Os versos que conhecemos como a Grande Comissão (Mt 28:18-20) estão entre os mais conhecidos da Bíblia, ao menos pelos cristãos. Muitas vezes esses versos foram descritos como nossa ‘declaração de missão’ e inspiraram todos os tipos de projetos missionários e evangelísticos. De fato, inspirados por essa passagem bíblica, os cristãos têm percorrido o mundo todo para espalhar o evangelho, às vezes a um grande custo pessoal.”1

“Quais foram as instruções de Jesus na Grande Comissão? Fazer discípulos, batizando e ensinando as pessoas ‘a guardar todas as coisas que’ Ele nos ordenou (Mt 28:20). E, como vimos, grande parte das determinações de Cristo tem a ver com o cuidado dos necessitados, dos sofredores, dos que são incapazes de cuidar de si mesmos. Sendo assim, precisamos nos lembrar de que as ordens de Jesus aos Seus primeiros discípulos não eram incumbências novas, algo que eles jamais tivessem ouvido ou visto antes, mas uma continuação da missão que Jesus já vinha desenvolvendo entre eles. Por isso, esse aspecto do ensino de Cristo pode ser visto claramente na vida da nova igreja como parte do cumprimento da Grande Comissão.”1

Sábado, 24 de agosto de 2019. Saiba mais, faça um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. “Meus pequeninos irmãos”: servindo aos necessitados. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 496, jul. ago. set. 2019. Adulto, Professor. 

O início do ministério de Paulo

Lições da Bíblia

“Em Atos 9:19-25, temos a impressão de que Paulo, após a conversão, permaneceu em Damasco por algum tempo antes de retornar a Jerusalém (At 9:26). Em Gálatas 1:17, porém, Paulo acrescenta que, antes de ir a Jerusalém, foi para a Arábia, onde aparentemente viveu em isolamento por um certo período. ‘Ali, na solidão do deserto, Paulo teve ampla oportunidade para sossegado estudo e meditação’ (Ellen G. White, Atos dos Apóstolos, p. 125).”1

“4. Leia Atos 9:20-25. Como Lucas descreve o ministério de Paulo em Damasco? Ele teve sucesso?”1

Atos (9:20-25 ARA): “20 E logo pregava, nas sinagogas, a Jesus, afirmando que este é o Filho de Deus. 21 Ora, todos os que o ouviam estavam atônitos e diziam: Não é este o que exterminava em Jerusalém os que invocavam o nome de Jesus e para aqui veio precisamente com o fim de os levar amarrados aos principais sacerdotes? 22 Saulo, porém, mais e mais se fortalecia e confundia os judeus que moravam em Damasco, demonstrando que Jesus é o Cristo. 23 Decorridos muitos dias, os judeus deliberaram entre si tirar-lhe a vida; 24 porém o plano deles chegou ao conhecimento de Saulo. Dia e noite guardavam também as portas, para o matarem. 25 Mas os seus discípulos tomaram-no de noite e, colocando-o num cesto, desceram-no pela muralha.

“Quando Paulo partiu de Jerusalém com as cartas do sumo sacerdote, seu alvo inicial era os cristãos judeus que provavelmente tinham se refugiado nas sinagogas de Damasco (At 9:2). Então, depois de retornar da Arábia, ele finalmente chegou às sinagogas, porém, não para prender os cristãos, mas para aumentar seu número; não para difamar Jesus como um impostor, mas para apresentá-Lo como o Messias de Israel. O que será que deve ter se passado na mente daqueles que, tendo ouvido falar de Saulo apenas como um dos seus perseguidores, agora o ouviam testemunhar de Cristo? O que eles poderiam fazer, a não ser ficar maravilhados com o que Saulo de Tarso se tornara e com o que ele estava fazendo pela igreja? (Provavelmente eles não faziam ideia da influência que esse novo converso, afinal, viria a ter.)”1

“Sendo incapazes de contradizer Paulo, alguns de seus oponentes conspiraram para lhe tirar a vida. O relato de Paulo sobre esse episódio (2Co 11:32, 33) sugere que seus adversários o denunciaram às autoridades locais para alcançarem seu objetivo. No entanto, com a ajuda dos fiéis, Paulo conseguiu escapar em um cesto, possivelmente através da janela de uma casa construída no muro da cidade.”1

“Paulo sabia, desde o início, que enfrentaria desafios (At 9:16). Oposição, perseguição e sofrimento de diversas fontes seriam frequentes em seu ministério, mas nada abalaria a sua fé nem o seu senso de dever, apesar das dificuldades e provações que enfrentaria praticamente a cada passo de sua nova vida em Cristo (2Co 4:8, 9).”1

“Apesar das lutas e da oposição, Paulo não desistiu. Como podemos fazer o mesmo quando se trata da fé, isto é, como perseverar em meio ao desânimo e oposição?”1

Quarta-feira, 01 de agosto de 2018. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.
_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. O livro de Atos dos Apóstolos. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 493, jul. ago. set. 2018. Adulto, Professor.
2 BIBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Mistérios

Lições da Bíblia

“Os Meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos, os Meus caminhos, diz o Senhor, porque, assim como os céus são mais altos do que a Terra, assim são os Meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos, e os Meus pensamentos, mais altos do que os vossos pensamentos” (Is 55:8, 9).1

“3. Leia Romanos 9:17-24. Considerando o que temos lido até agora, como devemos entender o argumento de Paulo nesse texto?”1

17 Porque a Escritura diz a Faraó: Para isto mesmo te levantei, para mostrar em ti o meu poder e para que o meu nome seja anunciado por toda a terra. 18 Logo, tem ele misericórdia de quem quer e também endurece a quem lhe apraz. 19 Tu, porém, me dirás: De que se queixa ele ainda? Pois quem jamais resistiu à sua vontade? 20 Quem és tu, ó homem, para discutires com Deus?! Porventura, pode o objeto perguntar a quem o fez: Por que me fizeste assim? 21 Ou não tem o oleiro direito sobre a massa, para do mesmo barro fazer um vaso para honra e outro, para desonra? 22 Que diremos, pois, se Deus, querendo mostrar a sua ira e dar a conhecer o seu poder, suportou com muita longanimidade os vasos de ira, preparados para a perdição, 23 a fim de que também desse a conhecer as riquezas da sua glória em vasos de misericórdia, que para glória preparou de antemão, 24 os quais somos nós, a quem também chamou, não só dentre os judeus, mas também dentre os gentios? 25 Assim como também diz em Oséias: Chamarei povo meu ao que não era meu povo; e amada, à que não era amada; 26 e no lugar em que se lhes disse: Vós não sois meu povo, ali mesmo serão chamados filhos do Deus vivo. 27 Mas, relativamente a Israel, dele clama Isaías: Ainda que o número dos filhos de Israel seja como a areia do mar, o remanescente é que será salvo.

“Por Sua maneira de lidar com o Egito na época do Êxodo, Deus estava trabalhando em prol da salvação da humanidade. Ao revelar a Si mesmo nas pragas do Egito e na libertação de Seu povo, o Senhor tinha o propósito de mostrar aos egípcios, bem como às outras nações, que o Deus de Israel era, de fato, a verdadeira divindade. O objetivo dessa revelação era fazer com que os povos e as nações abandonassem seus deuses e adorassem o Senhor.”1

“Obviamente, Faraó já havia feito sua escolha em oposição a Deus, de modo que, ao endurecer seu coração, Deus não o estava excluindo da oportunidade de salvação. O ‘endurecimento’ foi contra o apelo de libertar Israel, não contra o apelo de Deus para que Faraó aceitasse a salvação pessoal. Cristo morreu por Faraó assim como por Moisés, Arão e os demais filhos de Israel.”1

“A questão fundamental é que, como seres humanos caídos, temos uma visão muito estreita do mundo, da realidade, de Deus e de como Ele age. Como podemos esperar entender todos os Seus caminhos, quando o mundo natural e tudo ao nosso redor contêm mistérios que não podemos compreender? Afinal de contas, apenas nos últimos 171 anos os médicos descobriram que seria uma boa ideia lavar as mãos antes de realizar uma cirurgia! Veja quanto temos estado imersos na ignorância. E se o tempo permitir, quem sabe quais coisas descobriremos no futuro, revelando assim que muitas informações e verdades ainda estão longe do nosso alcance?”1

“Nem sempre entendemos os caminhos do Senhor, mas Jesus veio para nos revelar o caráter de Deus (Jo 14:9). Por que é essencial pensar no caráter de Cristo e no que Ele revelou sobre Deus e Seu amor por nós? Conhecer o caráter de Deus nos ajuda a permanecer fiéis em meio às provações e injustiças?”1

Terça-feira, 05 de dezembro de 2017. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio  da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.
_______________
1 LIÇÃO da escola sabatina. Salvação somente pela fé: o livro de Romanos. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 490, Out. Nov. Dez. 2017. Adulto, Professor.
2 BIBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Início do ministério de Cristo – Estudo adicional

Lições da Bíblia

Assista em vídeo a discussão do tema da semana.

 

 

Estudo adicional

“Um evangelista chegou à cidade e anunciou da seguinte forma a reunião que dirigiria: ‘Venham ver um pregador arrancar uma página da Bíblia!’ Isso atraiu uma multidão. Ele se colocou diante deles, abriu a Bíblia e, para assombro deles, arrancou uma página. ‘Esta página’, ele disse, ‘nunca devia ter sido colocada aqui. É a página que separa o Antigo do Novo Testamento’. Independentemente do que se pense acerca da encenação que ele fez, o pregador apresentou um bom argumento. Esses dois conjuntos de livros, na realidade, formam um só, a Bíblia Sagrada. O Antigo Testamento é citado ao longo de todo o Novo Testamento. Vez após vez, eventos do Novo Testamento são explicados e justificados pelo próprio Jesus, ou pelos escritores do Novo Testamento, por meio de referências ao Antigo Testamento. Muitas vezes Jesus declarou, de uma forma ou de outra, que algo estava acontecendo ‘para se cumprir a Escritura’. Seja por meio do próprio Jesus, que Se referiu repetidamente aos escritos do Antigo Testamento (ver Jo 5:39; Lc 24:27; Mt 22:29; Jo 13:18), de Paulo, que sempre citava o Antigo Testamento (Rm 4:3;11:8; Gl 4:27), ou do livro do Apocalipse, onde se estima que haja 550 alusões ao Antigo Testamento, o Novo Testamento se conecta constantemente ao Antigo. Embora, sem dúvida, algumas partes do Antigo Testamento, como o sistema sacrifical, não sejam mais obrigatórias para os cristãos, nunca devemos cometer o erro de atribuir a ele, de alguma forma, um status inferior ao do Novo. A Bíblia é composta de ambos os Testamentos e, por meio de ambos, aprendemos verdades cruciais sobre Deus e o plano da salvação.”1

Perguntas para reflexão

“1. Embora Jesus fosse o próprio Senhor, agora em ‘semelhança de carne pecaminosa’ (Rm 8:3), Ele usou as Escrituras como meio de defesa contra as tentações do diabo. Se Jesus teve que fazer isso, qual é a importância da Bíblia em nossa vida, especialmente quando lutamos contra a tentação? Embora saibamos que devemos usá-la em nossa batalha contra a tentação, como fazer isso na prática? De que maneira podemos usar a Bíblia para resistir aos ataques que enfrentamos?”1

“2. Por que a humildade é uma característica tão essencial para os cristãos? Como aprender a ser humilde? Qual é o papel da cruz nessa importante transformação?”1

Sexta-feira, 08 de abril de 2016. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio  da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.

__________________

1 LIÇÕES da escola sabatina. O Evangelho de Mateus. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 485, Abr. Mai. Jun. 2016. Adulto, Professor.

Início do ministério de Cristo

Lições da Bíblia

Vinde após Mim, e Eu vos farei pescadores de homens” (Mt 4:19)1.

“Uma das grandes lutas da humanidade tem sido conhecer o significado e o propósito de nossa vida, e vivê-los. Afinal de contas, não viemos ao mundo com um manual de instruções debaixo do braço que nos ensine a viver, não é mesmo?”1

“‘Eu não entendia qual era o significado da vida’, disse um rapaz de 17 anos, de família abastada, que se tornou viciado em remédios. ‘Ainda não sei, mas pensei que todas as outras pessoas soubessem, e que havia um grande segredo conhecido por todas as outras pessoas e desconhecido por mim. Pensei que todo mundo entendesse por que estamos aqui, e que todos fossem, secretamente, felizes em algum lugar, sem mim.’”1

“Paul Feyerabend, um escritor austríaco e filósofo da ciência, confessou em sua autobiografia: ‘Então vem um dia após o outro e não está claro por que se deve viver.’”1

“É então que entra a Bíblia, o evangelho, a história de Jesus e o que Ele fez por nós. Em Jesus, em Sua preexistência, em Seu nascimento, vida e morte, em Seu ministério no Céu e em Sua segunda vinda, podemos achar respostas para as perguntas mais urgentes da vida. Nesta semana examinaremos o início da vida e da obra de Cristo na Terra, que são a única coisa que pode dar pleno significado à nossa vida e obra.”1

Introdução ao tema da Lição desta semana, comentários do autor.

 

Amanhã, centenas de classes bíblicas terão início em todo o Brasil. Como está esse movimento em sua igreja?

Sábado, 02 de abril de 2016. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio  da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se pref//8ça um Curso Bíblico.

__________________

1 LIÇÕES da escola sabatina. O Evangelho de Mateus. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 485, Abr. Mai. Jun. 2016. Adulto, Professor.

Ministério de apoio (1Ts 5:14, 15)

Lições da Bíblia.

“Nos versos 12 e 13, Paulo abordou maneiras pelas quais os membros da igreja devem tratar seus líderes. No texto de hoje (1Ts 5:14, 15), ele volta a atenção aos líderes da igreja e como eles devem tratar as pessoas sob seu cuidado.”

“2. Que advertência Paulo deu aos líderes sobre a maneira de tratar os membros da igreja? Considere os princípios do texto. Como podemos aplicá-los ao nosso ministério na igreja? Como devemos praticá-los no trabalho, em casa e no lazer?” “Exortamo-vos, também, irmãos, a que admoesteis os insubmissos, consoleis os desanimados, ampareis os fracos e sejais longânimos para com todos. Evitai que alguém retribua a outrem mal por mal; pelo contrário, segui sempre o bem entre vós e para com todos.” (1 Ts 5:14-15). “Ouvistes que foi dito: Amarás o teu próximo e odiarás o teu inimigo. Eu, porém, vos digo: amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem; para que vos torneis filhos do vosso Pai celeste, porque ele faz nascer o seu sol sobre maus e bons e vir chuvas sobre justos e injustos. Porque, se amardes os que vos amam, que recompensa tendes? Não fazem os publicanos também o mesmo? E, se saudardes somente os vossos irmãos, que fazeis de mais? Não fazem os gentios também o mesmo? Portanto, sede vós perfeitos como perfeito é o vosso Pai celeste.” (Mat. 5:43-48). “Os líderes devem admoestar os insubmissos, consolar os desanimados, amparar os fracos, ser pacientes e promover o perdão e o bem entre os irmãos; devem tratar a todos com amor, mesmo os injustos.”

“Paulo encoraja os líderes de Tessalônica a que admoestem ‘os insubmissos’ (1Ts 5:14). Os insubordinados eram membros que se recusavam a sustentar a si mesmos. Por causa de sua atitude, era difícil lidar com eles. Essas pessoas deviam ser confrontadas.”

“Em contraste com isso, Paulo instrui os líderes da seguinte maneira: ‘Consoleis os desanimados, ampareis os fracos e sejais longânimos para com todos’” (1Ts 5:14).

“Os ‘desanimados’ são pessoas que têm pouca autoconfiança ou senso de valor. Estão ansiosas e preocupadas com muitas coisas. Essas pessoas são importantes para Deus. Por isso, os líderes devem incentivá-las.”

“Os ‘fracos’ são os que têm limitações morais e espirituais. São ingênuos, facilmente desencorajados por dificuldades e têm medo do desconhecido. Seu coração pode estar no lugar certo, mas lhes falta conhecimento e estão perturbados pelo passado. Precisam de ajuda para sobreviver.”

“Paulo orienta os líderes da igreja a ser pacientes com todos. Enquanto os três primeiros conselhos do verso 14 são ajustados para atender diversas condições, a paciência é sempre apropriada para o cuidado pastoral.”

“No verso 15, Paulo provavelmente ainda tivesse em mente os líderes. Sempre que aqueles que cuidam são atacados pelos que não apreciam suas admoestações, eles podem ser tentados a retaliar. Mas quando os líderes revidam, demonstram que sua liderança não é motivada pelo espírito de Cristo. Fundamental para a liderança saudável na igreja é ter em mente o bem dos outros.”

“Os versos 12-15 presumem que haja mestres e discípulos na igreja e é importante haver muito respeito e paciência nesses relacionamentos. Mas não devemos esquecer 1 Tessalonicenses 5:11 (‘Consolai-vos, pois, uns aos outros e edificai-vos reciprocamente’). Muitas vezes, o cuidado pastoral deve ser recíproco. Há momentos em que os mestres precisam ser orientados.”

Saiba mais, estude a Lição da Escola Sabatina (LES) – segunda-feira 03 de setembro de 2012. Escolha o formato para o estudo: Texto, Comentário em áudio ou se preferir faça um Curso Bíblico. Este conteúdo é uma adaptação da LES e é publicado simultaneamente em: Blogspot, WordPress. Para impressão acesse arquivo em PDF