É contagioso

Lições da Bíblia1

3. Leia Números 12:1-3. Por que Miriã e Arão estavam perturbados?

Números 12:1-3 (ARA)2: “1 Falaram Miriã e Arão contra Moisés, por causa da mulher cuxita que tomara; pois tinha tomado a mulher cuxita. 2 E disseram: Porventura, tem falado o Senhor somente por Moisés? Não tem falado também por nós? O Senhor o ouviu. 3 Era o varão Moisés mui manso, mais do que todos os homens que havia sobre a terra.”

Aparentemente, Miriã e Arão estavam aborrecidos por causa da esposa cuxita de Moisés. Zípora era uma estrangeira, vinda de Midiã (Êx 3:1). Vemos assim que, mesmo entre a “elite” de Israel, a degradação da natureza humana se revela de maneira desagradável.

No entanto, o texto mostra que o aborrecimento dos irmãos era um pretexto. O foco da reclamação era o dom profético. Conforme relatado no capítulo anterior, Deus havia instruído Moisés a designar setenta anciãos de Israel que o ajudassem a levar o fardo da liderança (Nm 11:16, 17, 24, 25). Arão e Miriã também desempenhavam importantes funções de liderança (Êx 4:13-15; Mq 6:4), mas se sentiram ameaçados pelo desdobramento da nova liderança e disseram: “Será que o Senhor falou somente por meio de Moisés? Será que não falou também por meio de nós?” (Nm 12:2).

4. Como Deus respondeu a essa reclamação? Por que o Senhor foi tão severo? Nm 12:4-13

Números 12:4-13 (ARA)2: 4 Logo o Senhor disse a Moisés, e a Arão, e a Miriã: Vós três, saí à tenda da congregação. E saíram eles três. 5 Então, o Senhor desceu na coluna de nuvem e se pôs à porta da tenda; depois, chamou a Arão e a Miriã, e eles se apresentaram.Então, disse: Ouvi, agora, as minhas palavras; se entre vós há profeta, eu, o Senhor, em visão a ele, me faço conhecer ou falo com ele em sonhos. 7 Não é assim com o meu servo Moisés, que é fiel em toda a minha casa. 8 Boca a boca falo com ele, claramente e não por enigmas; pois ele vê a forma do Senhor; como, pois, não temestes falar contra o meu servo, contra Moisés? 9 E a ira do Senhor contra eles se acendeu; e retirou-se. 10 A nuvem afastou-se de sobre a tenda; e eis que Miriã achou-se leprosa, branca como neve; e olhou Arão para Miriã, e eis que estava leprosa. 11 Então, disse Arão a Moisés: Ai! Senhor meu, não ponhas, te rogo, sobre nós este pecado, pois loucamente procedemos e pecamos. 12 Ora, não seja ela como um aborto, que, saindo do ventre de sua mãe, tenha metade de sua carne já consumida. 13 Moisés clamou ao Senhor, dizendo: Ó Deus, rogo-te que a cures.”

A resposta de Deus foi imediata e não deixou espaço para interpretação. O dom profético não era uma arma usada para exercer mais poder. Moisés era adequado para liderar porque havia aprendido que era extremamente dependente de Deus.

Miriã foi mencionada antes de Arão no verso 1. Isso sugere que ela pode ter instigado a investida contra Moisés. Arão já ministrava como sumo sacerdote. Se ele tivesse sido acometido de lepra, não poderia ter entrado no tabernáculo nem ministrar em favor do povo. O castigo a Miriã com uma lepra temporária comunicava o descontentamento divino com os dois irmãos. Esse castigo promoveu a necessária mudança de atitude. O apelo de Arão por Miriã confirma que ele também estava envolvido (Nm 12:11), e agora, em vez de críticas e inquietação, vemos Arão implorando por Miriã, e Moisés intercedendo por ela (Nm 12:11-13). Deus deseja ver essa mesma atitude em Seu povo. Ele ouviu e curou Miriã.

Embora seja fácil criticar a liderança da igreja, nossa igreja e nossa vida espiritual não seriam melhores se intercedêssemos em favor de nossos líderes, mesmo quando discordamos deles?

Segunda-feira, 05 de julho de 2021. Saiba mais, faça gratuitamente um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Descanso em Cristo. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 505, jul. ago. set. 2021. Adulto, Professor. 
2 BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Pessoas invejosas

Lições da Bíblia

“Mesmo no Céu, um ambiente perfeito, Lúcifer teve inveja de Cristo. ‘Lúcifer ficou invejoso e enciumado de Jesus Cristo. Todavia, quando todos os anjos se curvaram diante de Jesus reconhecendo Sua supremacia e alta autoridade e direito de governar, ele curvou-se com eles, mas seu coração estava cheio de inveja e rancor’ (Ellen G. White, História da Redenção , p. 14). Abrigar o sentimento de inveja é tão perigoso que, nos Dez Mandamentos, juntamente com a proibição do assassinato e do furto, há o mandamento contra a cobiça (veja Êx 20:17 [‘Não cobiçarás a casa do teu próximo. Não cobiçarás a mulher do teu próximo, nem o seu servo, nem a sua serva, nem o seu boi, nem o seu jumento, nem coisa alguma que pertença ao teu próximo.’]2).”1

1. Leia Daniel 6:1-5; Gênesis 37:11 e 1Samuel 18:6-9. Qual foi a função da inveja em todas essas histórias? Assinale a alternativa correta:

Daniel 6:1-5 (ARA)2: “1 Pareceu bem a Dario constituir sobre o reino a cento e vinte sátrapas, que estivessem por todo o reino; 2 e sobre eles, três presidentes, dos quais Daniel era um, aos quais estes sátrapas dessem conta, para que o rei não sofresse dano. 3 Então, o mesmo Daniel se distinguiu destes presidentes e sátrapas, porque nele havia um espírito excelente; e o rei pensava em estabelecê-lo sobre todo o reino.Então, os presidentes e os sátrapas procuravam ocasião para acusar a Daniel a respeito do reino; mas não puderam achá-la, nem culpa alguma; porque ele era fiel, e não se achava nele nenhum erro nem culpa.Disseram, pois, estes homens: Nunca acharemos ocasião alguma para acusar a este Daniel, se não a procurarmos contra ele na lei do seu Deus.

Gênesis 37:11 (ARA)2: “Seus irmãos lhe tinham ciúmes; o pai, no entanto, considerava o caso consigo mesmo.”

1Samuel 18:6-9 (ARA)2: 6 Sucedeu, porém, que, vindo Saul e seu exército, e voltando também Davi de ferir os filisteus, as mulheres de todas as cidades de Israel saíram ao encontro do rei Saul, cantando e dançando, com tambores, com júbilo e com instrumentos de música. 7 As mulheres se alegravam e, cantando alternadamente, diziam: Saul feriu os seus milhares, porém Davi, os seus dez milhares.Então, Saul se indignou muito, pois estas palavras lhe desagradaram em extremo; e disse: Dez milhares deram elas a Davi, e a mim somente milhares; na verdade, que lhe falta, senão o reino? Daquele dia em diante, Saul não via a Davi com bons olhos.

A. (   ) A inveja colocou homens de Deus no poder.
B. (   ) A inveja trouxe destruição e inimizade entre pessoas e líderes.

Resposta sugestiva: Alternativa B.

“As habilidades administrativas de Daniel impressionaram o rei, mas provocaram inveja em outros oficiais. Portanto, eles conspiraram para se livrarem de Daniel, acusando-o de corrupção. Todavia, por mais que tivessem procurado, não encontraram falhas na administração de Daniel. ‘Os presidentes e os sátrapas procuravam ocasião para acusar a Daniel a respeito do reino; mas não puderam achá-la, nem culpa alguma; porque ele era fiel, e não se achava nele nenhum erro nem culpa’ (Dn 6:4). A palavra aramaica traduzida como ‘fiel’ também pode ser traduzida como ‘digno de confiança’.”

“Daniel era irrepreensível; não havia nada que os oficiais pudessem fazer para levantar uma acusação contra ele. Porém, eles também perceberam como Daniel era fiel ao seu Deus e obediente à Sua Lei. Portanto, entenderam que, para incriminar Daniel, teriam que produzir uma situação na qual o profeta fosse confrontado com o dilema de obedecer à Lei de Deus ou à lei do império. Em virtude do que os oficiais haviam descoberto sobre o servo de Deus, eles estavam absolutamente convencidos de que, sob condições convenientes, se houvesse um conflito entre a Lei de Deus e a lei do império, Daniel se posicionaria ao lado da Lei de Deus. Que testemunho da fidelidade desse homem!”

“Você já teve que lidar com a inveja? Como reagiu a ela? Por que esse é um pecado espiritual tão mortal e incapacitante?”

Dez Dias de Oração e Resgate – 4º dia: hoje vamos orar pelo reavivamento em nossa família e por cinco amigos.

Domingo, 09 de fevereiro de 2020. Saiba mais, faça um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Daniel. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 499, jan. fev. mar. 2020. Adulto, Professor. 
2 BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Ter inveja dos perversos

Lições da Bíblia

4. Qual é a advertência contida em Provérbios 23:17; 24:1, 2; e 24:19, 20? “Não tenha o teu coração inveja dos pecadores; antes, no temor do SENHOR perseverarás todo dia.” (Provérbios 23:17 ARA)2; “1 Não tenhas inveja dos homens malignos, nem queiras estar com eles, 2 porque o seu coração maquina violência, e os seus lábios falam para o mal. […] 19 Não te aflijas por causa dos malfeitores, nem tenhas inveja dos perversos, 20 porque o maligno não terá bom futuro, e a lâmpada dos perversos se apagará.” (Provérbios 24:1, 2, 19, 20 ARA)2. “Somos advertidos a não ter inveja dos maus.1

“Por que alguém invejaria os maus? Muito provavelmente não seria por causa dos pecados que eles possam estar cometendo, mas, de maneira geral, seria por causa dos ganhos imediatos (riqueza, sucesso, poder) que eles obtêm através de sua malignidade – é isso que as pessoas muitas vezes cobiçam para si mesmas.”1

“Embora, é claro, nem toda pessoa que alcança sucesso ou riqueza seja má, algumas o são, e provavelmente seja a respeito desse tipo de pessoa que somos advertidos nesses versos. Vemos a ‘boa’ vida deles e, de nossa perspectiva, especialmente se nós mesmos estivermos passando dificuldades, é fácil invejar o que eles têm.”1

“Essa, porém, é uma visão estreita e míope das coisas. Afinal de contas, a tentação apresentada pelo pecado é o fato de que sua recompensa é imediata: desfrutamos a gratificação no presente. Uma perspectiva que enxerga além do presente pode nos proteger da tentação; isto é, precisamos olhar para além dos ‘ganhos’ imediatos do pecado e pensar nas consequências de longo alcance.”1

“Além disso, quem já não viu quão destrutivo é o pecado? Nunca escapamos das consequências dele. Podemos ser capazes de escondê-lo de outros de tal forma que ninguém, nem mesmo aqueles que estão mais próximos de nós, tenham sequer uma pista do que estamos fazendo (embora mais cedo ou mais tarde eles venham a saber); ou podemos ser capazes de iludir a nós mesmos pensando que nossos pecados não são tão maus assim. (Afinal de contas, veja quantas pessoas fazem coisas piores!) Porém, mais cedo ou mais tarde o pecado nos alcança.”1

“Devemos odiar o pecado. Devemos odiá-lo por causa do que ele fez a nós, ao nosso mundo e ao nosso Senhor. Se desejamos ver o verdadeiro preço do pecado, olhemos para Jesus na cruz. Foi isso que o pecado custou. Só essa compreensão já deve ser suficiente para fazer-nos desejar evitar o pecado e nos manter afastados o máximo possível daqueles que nos levariam a praticá-lo.”1

“Você já lutou contra sentimentos de inveja pelo sucesso de alguém? Qual é o melhor remédio para esse problema espiritualmente mortal? (Ver Ef 5:20.)”1

Oração diária: Nosso pedido hoje é por perseverança espiritual. Queremos orar todos os dias!

Terça-feira, 23 de fevereiro de 2015 . Saiba mais, ouça o Comentário em áudio  da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.

__________________

1 LIÇÕES da escola sabatina. Provérbios. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 479, Jan. Fev. Mar. 2015. Adulto, Professor.

2 BIBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Oposição em Tessalônica

Lições da Bíblia.

“1. Qual foi a principal motivação para a oposição à mensagem de Paulo? Que declarações seus oponentes fizeram para que as autoridades locais se interessassem no caso? Como essas autoridades responderam?” “Os judeus, porém, movidos de inveja, trazendo consigo alguns homens maus dentre a malandragem, ajuntando a turba, alvoroçaram a cidade e, assaltando a casa de Jasom, procuravam trazê-los para o meio do povo. Porém, não os encontrando, arrastaram Jasom e alguns irmãos perante as autoridades, clamando: Estes que têm transtornado o mundo chegaram também aqui, os quais Jasom hospedou. Todos estes procedem contra os decretos de César, afirmando ser Jesus outro rei. Tanto a multidão como as autoridades ficaram agitadas ao ouvirem estas palavras; contudo, soltaram Jasom e os mais, após terem recebido deles a fiança estipulada.” (Atos 17:5-9). “Inveja; disseram que os apóstolos transtornavam o mundo, procediam contra os decretos de César e afirmavam que Jesus era rei; as autoridades receberam a fiança e os soltaram.”

“Quando alguém prega novos ensinamentos e as pessoas ficam entusiasmadas, os líderes e mestres dos outros grupos religiosos podem ficar com ciúmes.”

“A atenção que antes era dirigida a eles se volta para outros. Como resultado, eles podem se comportar de forma irracional a fim de reduzir a influência do novo mestre.”

“De acordo com o historiador romano Tácito, pouco antes dos eventos descritos em Atos 17, surgiu um conflito entre os judeus de Roma sobre um homem que Tácito chama de ‘Cresto’. Esse termo provavelmente reflita uma incompreensão romana do conceito judaico acerca do Messias, ou, em grego, ‘o Cristo.’ Aparentemente, a pregação do evangelho, realizada por alguma pessoa, tinha dividido a comunidade judaica de Roma.”

“Para os oficiais romanos, o debate sobre o Messias soava como preparação para o estabelecimento de um novo rei no trono de Roma (At 17:7). Provavelmente, por essa razão, o imperador tenha expulsado todos os judeus de sua capital (At 18:2). Alguns desses exilados se estabeleceram em Tessalônica, ou passaram por ali, levando o conhecimento desses eventos para a cidade. Visto que o evangelho havia colocado de cabeça para baixo o mundo dos judeus de Roma, os líderes religiosos de Tessalônica estavam determinados a impedir que algo semelhante acontecesse ali.”

“Tessalônica era governada por um conselho municipal possivelmente de cinco ou seis ‘prefeitos’ que tomavam decisões em grupo. Essa organização permitia considerável independência em relação a Roma, o que eles não gostariam de perder. Nessas circunstâncias, o comportamento dos oficiais da cidade foi bastante impressivo. A semelhança com os acontecimentos recentes em Roma poderia ter exigido severa punição física para os novos cristãos. Em vez disso, os líderes da cidade responderam de forma imparcial [compare com At 16:22-24 ‘Levantou-se a multidão, unida contra eles, e os pretores, rasgando-lhes as vestes, mandaram açoitá-los com varas. E, depois de lhes darem muitos açoites, os lançaram no cárcere, ordenando ao carcereiro que os guardasse com toda a segurança. Este, recebendo tal ordem, levou-os para o cárcere interior e lhes prendeu os pés no tronco.’]. Eles se certificaram de que Paulo e Silas deixassem a cidade (At 17:10). Também exigiram uma quantidade significativa de dinheiro dos novos cristãos como garantia de que Paulo não seria causa de novas perturbações. Então, os líderes permitiram a saída de todos.”

“O ciúme e a inveja podem nos destruir. O que podemos aprender com a vida e os ensinamentos de Jesus para nos ajudar a vencer esses sentimentos fatais?”

Saiba mais, estude a Lição da Escola Sabatina (LES) – domingo 08 de julho de 2012. Escolha o formato para o estudo: Texto, Comentário em áudio ou se preferir faça um Curso Bíblico. Este conteúdo é uma adaptação da LES e é publicado simultaneamente em: Blogspot, WordPress. Para impressão acesse arquivo em PDF

A túnica arrancada

Lições da Bíblia.

“Um grande contraste é visto em Gênesis 37:12-32, entre o bem e o mal, entre a inocência e a traição. José era obediente ao pai e queria o bem de seus irmãos. Mas eles eram desobedientes, invejosos e violentos.” “E, como foram os irmãos apascentar o rebanho do pai, em Siquém, perguntou Israel a José: Não apascentam teus irmãos o rebanho em Siquém? Vem, enviar-te-ei a eles. Respondeu-lhe José: Eis-me aqui. Disse-lhe Israel: Vai, agora, e vê se vão bem teus irmãos e o rebanho; e traze-me notícias. Assim, o enviou do vale de Hebrom, e ele foi a Siquém. […] De longe o viram e, antes que chegasse, conspiraram contra ele para o matar. E dizia um ao outro: Vem lá o tal sonhador! Vinde, pois, agora, matemo-lo e lancemo-lo numa destas cisternas; e diremos: Um animal selvagem o comeu; e vejamos em que lhe darão os sonhos. […] Mas, logo que chegou José a seus irmãos, despiram-no da túnica, a túnica talar de mangas compridas que trazia. E, tomando-o, o lançaram na cisterna, vazia, sem água. […] Então, disse Judá a seus irmãos: De que nos aproveita matar o nosso irmão e esconder-lhe o sangue? Vinde, vendamo-lo aos ismaelitas; não ponhamos sobre ele a mão, pois é nosso irmão e nossa carne. […] e o venderam por vinte siclos de prata aos ismaelitas; estes levaram José ao Egito. […] Então, tomaram a túnica de José, mataram um bode e a molharam no sangue. E enviaram a túnica talar de mangas compridas, fizeram-na levar a seu pai e lhe disseram: Achamos isto; vê se é ou não a túnica de teu filho.” (Gên. 37:12-32)

“Os irmãos de José não só tramaram sua morte, mas também planejaram com antecedência o que diriam ao pai. ‘Oh, pai, estamos muito tristes! Encontramos esta túnica. É de José? Se é, então ele deve ter sido devorado por um animal feroz’. É difícil imaginar como aquelas pessoas poderiam ter tanto ódio de seu próprio irmão a ponto de fazer uma coisa dessas.” É também significativo o fato de terem tirado a túnica de José, o sinal da preferência no coração de seu pai, e motivo de tanto ciúme. “logo que chegou José a seus irmãos, despiram-no da túnica, a túnica talar de mangas compridas que trazia.” (Gên. 37:23).

“Quando os irmãos viram José de longe, a primeira coisa de que falaram foram os sonhos, o que fez crescer seu ódio contra ele. De uma vez por todas, eles iriam ver qual seria o resultado daqueles sonhos. É interessante notar que o primeiro ato registrado, dos irmãos contra José, foi o despojamento de sua túnica. O hebraico deixa claro que eles estavam falando sobre a túnica muito odiada, que o pai tinha feito para ele. O texto destaca que ele a estava ‘vestindo’ (Gn 37:23, NTLH). Além de tudo, vê-lo vestindo a túnica só deve ter aumentado a raiva deles.”

“Assim, aqui podemos ver os irmãos tentando destruir tudo que lhes causava tanto ódio e ira. Para eles, a vestimenta simbolizava tudo o que detestavam em seu irmão, todas as coisas boas a respeito dele e as coisas ruins acerca deles mesmos. Deve ter sido com muita alegria, prazer e satisfação que despiram a túnica. Num instante, José estava sem aquela roupa luxuosa, que simbolizava sua superioridade sobre eles, e que lhes causara temor; José estava impotente perante aqueles que, de acordo com seus próprios sonhos, um dia deveriam se prostrar diante dele.”

“Quantas vezes permitimos que nossas emoções nos levem a fazer coisas irracionais? Como podemos aprender a manter nossas emoções sob o poder de Deus e, assim, poupar-nos (e muitas vezes os outros) das consequências geralmente terríveis, das coisas feitas em acessos de profunda emoção?”

Saiba mais, estude a Lição da Escola Sabatina (LES) – quarta-feira 20 de abril de 2011. Escolha o formato para o estudo: Texto, Comentário em áudio ou se preferir faça um Curso Bíblico. Este conteúdo é uma adaptação da LES e é publicado simultaneamente em: Blogspot, WordPress. Para impressão acesse arquivo em PDF

A túnica de várias cores

Lições da Bíblia.

“Em contraste com o caráter de José, o mau caráter de seus irmãos se destacou ainda mais.”

“Houve um, entretanto, de caráter grandemente diverso — filho mais velho de Raquel, José, cuja rara beleza pessoal não parecia senão refletir uma beleza interior do espírito e do coração. Puro, ativo e alegre, o rapaz dava prova também de ardor e firmeza moral. Escutava as instruções do pai e gostava de obedecer a Deus. As qualidades que depois o distinguiram no Egito — gentileza, fidelidade e veracidade, já eram manifestas em sua vida diária. Morrendo-lhe a mãe, suas afeições prenderam-se mais intimamente ao pai, e o coração de Jacó estava ligado a este filho de sua velhice. Ele ‘amava mais a José que a todos os seus filhos’” (Gn 37:3; Ellen G. White, Patriarcas e Profetas, p. 209).

O ato de Jacó confeccionar para José uma túnica de várias cores complicou ainda mais o relacionamento entre José e seus irmãos, estes ficaram enciumados e passaram a odiá-lo. “Ora, Israel amava mais a José que a todos os seus filhos, porque era filho da sua velhice; e fez-lhe uma túnica talar de mangas compridas. Vendo, pois, seus irmãos que o pai o amava mais que a todos os outros filhos, odiaram-no e já não lhe podiam falar pacificamente.” (Gên. 37:3-4).

“A vestimenta valiosa, lindamente tecida em uma variedade de cores, dada a José por um pai carinhoso, certamente era mais fina do que a capa de seus irmãos e era uma espécie de vestuário usado geralmente por pessoas de distinção. Os irmãos, sem dúvida, imaginaram que seu pai iria conceder outras honras a esse filho, e isso poderia significar que ele obteria o direito de primogenitura. Facilmente, eles poderiam ter concluído que José receberia uma herança maior. Não importando a intenção de Jacó, mesmo que tenha sido simplesmente mostrar um símbolo de seu amor, dar a túnica a José foi um grande erro, pois isso inflamou ainda mais as chamas do ódio no coração dos irmãos para com José.”

“Em certo sentido, a túnica simboliza honras e distinções terrenas. Portanto, coisas superficiais e transitórias. Ao escrever a história, no entanto, Moisés colocou a túnica no contexto do amor de Jacó por José, acima do amor pelos outro filhos. Assim ela também foi decisiva no contexto do ódio deles por José e das consequências desse ódio.”

“Você já recebeu uma homenagem? Na ocasião, você se sentiu bem? Quanto tempo demorou para que se desgastassem a euforia, a sensação de satisfação ou qualquer bom sentimento que você teve, e a honra significasse pouco ou nada? Que lição você deve tirar disso?” “Não sabeis vós que os que correm no estádio, todos, na verdade, correm, mas um só leva o prêmio? Correi de tal maneira que o alcanceis. Todo atleta em tudo se domina; aqueles, para alcançar uma coroa corruptível; nós, porém, a incorruptível. Assim corro também eu, não sem meta; assim luto, não como desferindo golpes no ar.” (1 Cor. 9:24-26)

Saiba mais, estude a Lição da Escola Sabatina (LES) – terça-feira 19 de abril de 2011. Escolha o formato para o estudo: Texto, Comentário em áudio ou se preferir faça um Curso Bíblico. Este conteúdo é uma adaptação da LES e é publicado simultaneamente em: Blogspot, WordPress. Para impressão acesse arquivo em PDF

O vírus da inveja

Lições da Bíblia.

“Cruel é o furor, e impetuosa, a ira, mas quem pode resistir à inveja?” (Provérbios 27:4).

“Satanás foi outrora um honrado anjo no Céu, o primeiro depois de Cristo. Seu semblante, como o dos outros anjos, era suave e exprimia felicidade. Sua testa era alta e larga, demonstrando grande inteligência. Sua forma era perfeita, seu porte, nobre e majestoso. Mas quando Deus disse a Seu Filho: ‘Façamos o homem à Nossa imagem’ (Gn 1:26), Satanás teve ciúmes de Jesus. Ele desejava ter sido consultado sobre a criação do homem, e porque não o foi, se encheu de inveja, ciúmes e ódio. Ele desejou receber no Céu a mais alta honra depois de Deus” (Ellen G. White, Primeiros Escritos, p. 145).

Um grande defeito no caráter de Saul era seu amor à aprovação. Essa característica tivera uma influência preponderante em suas ações e pensamentos; tudo se assinalava pelo seu desejo de louvor e exaltação própria. … Era a aspiração de Saul ser o primeiro na estima dos homens; e, quando foi entoado o cântico de louvor a Davi, uma firme convicção entrou na mente do rei, de que Davi ganharia o coração do povo, e reinaria em seu lugar. Saul abriu o coração ao espírito de inveja de que sua mente estava envenenada” (Ellen G. White, Patriarcas e Profetas, p. 650).

“Atualmente, como vemos a inveja em ação em nossa sociedade e entre os indivíduos? Embora sejamos ensinados desde a infância de que a inveja é uma emoção feia e indigna, quais são as maneiras pelas quais nossa sociedade sutilmente a promove? Os exemplos poderiam incluir o foco nos bens materiais dos outros e a alegria que a mídia muitas vezes nos encoraja a sentir pela infelicidade dos outros.”

Saiba mais, estude a Lição da Escola Sabatina – sexta-feira 04 de março de 2011. Escolha o formato para o estudo: Texto, Comentário em áudio ou se preferir faça um Curso Bíblico. Este conteúdo é publicado simultaneamente em: Blogspot, WordPress. Para impressão acesse arquivo em PDF

Inveja contra Jesus

Lições da Bíblia.

Porque sabia que, por inveja, O tinham entregado (Mt 27:18). “Dê uma rápida olhada nos primeiros onze capítulos de Mateus, destacando especificamente as coisas que Jesus fez. Então, leia Mateus 12:14.” Retirando-se, porém, os fariseus, conspiravam contra ele, sobre como lhe tirariam a vida.

Jesus Se tornara popular e os líderes judeus temiam perder a liderança sobre o povo. Os sacerdotes e principais dos anciãos eram educados e exatos na observância da lei. Mas sua análise da vida religiosa era tão microscópica que perdiam de vista o objetivo da religião. Jesus trouxe uma visão nova de devoção, e o povo de Israel (inclusive líderes religiosos) ouviam as boas-novas de salvação. No entanto, em lugar de agradecer a Jesus por alertá-los quanto a seu caminho de destruição própria, eles procuraram destruí-Lo.”

Com que frequência as pessoas permitem que sua inveja os cegue para o que deveria ser óbvio! Depois de tudo o que Jesus estava fazendo, milagres, curas, expulsões de demônios, é difícil imaginar alguém O interrogando como se fosse algo diferente de Deus. A evidência que Ele dera deveria ter sido mais que convincente.” “E Jesus, respondendo, disse-lhes: Ide e anunciai a João o que estais ouvindo e vendo: os cegos vêem, os coxos andam, os leprosos são purificados, os surdos ouvem, os mortos são ressuscitados, e aos pobres está sendo pregado o evangelho.” (Mat. 11:4-5).

“Talvez por estarem mais cientes de sua própria necessidade, as pessoas comuns estavam mais abertas a Jesus que muitos dos líderes religiosos, que temiam que Jesus mudasse o status quo e, assim, pusesse em risco sua posição. De muitas formas, o ensino de Jesus era tão diferente dos deles, e Sua mensagem era tão mais atraente que eles tinham bons motivos para temer Sua influência. Infelizmente, eles estavam mais preocupados em preservar o próprio poder e influência do que em conhecer e seguir a verdade.”

“O fato de que a inveja os estava motivando não era segredo. De acordo com Mateus 27:18, (‘Porque sabia que, por inveja, o tinham entregado.’) até o líder romano Pilatos sabia quais eram seus motivos, de tão evidente que se tornou. Infelizmente, esses líderes estavam tão completamente cegos por sua inveja que achavam estar defendendo a fé contra algum impostor que desviava o povo. Se eles se houvessem rendido em humildade e fé diante do Senhor em vez de deixar que seu pensamento invejoso predominasse sobre sua razão, eles teriam evitado o curso trágico que seguramente os levou à ruína eterna. Em nosso contexto, qualquer que seja, bem faríamos em aprender de seus erros.”

Saiba mais, estude a Lição da Escola Sabatina – quinta-feira 03 de março de 2011. Escolha o formato para o estudo: Texto, Comentário em áudio ou se preferir faça um Curso Bíblico. Este conteúdo é publicado simultaneamente em: Blogspot, WordPress. Para impressão acesse arquivo em PDF