A criação: Gênesis como fundamento (parte 2) – Estudo adicional

Lições da Bíblia

Leia, de Gerald A. Klingbeil, The Genesis Creation Account and Its Reverberations in the Old Testament (Berrien Springs, MI: Andrews University Press, 2015).1

“A Bíblia é a mais vasta e mais instrutiva história que os homens possuem. Ela veio pura da fonte da verdade eterna, e a mão divina preservou sua pureza através dos séculos […]. Somente aí podemos encontrar a história da humanidade, não contaminada pelo preconceito ou o orgulho humano” (Ellen G. White, Testemunhos Para a Igreja, v. 5, p. 25).1

“Foi-me mostrado que, sem a história bíblica, a geologia não pode provar nada. As relíquias encontradas na Terra de fato evidenciam um estado de coisas que diferem em muitos aspectos do presente. Mas o tempo de sua existência, e por quanto tempo essas coisas estiveram na terra, só devem ser entendidas pela história bíblica. Pode ser inocente conjecturar além da história bíblica se nossas suposições não contradizem os fatos encontrados nas Sagradas Escrituras. Mas, quando os homens deixam a Palavra de Deus em relação à história da criação e buscam explicar as obras criativas de Deus com base em princípios naturais, estão em um oceano ilimitado de incertezas. Deus nunca revelou aos mortais como exatamente realizou a obra da criação em seis dias literais. Suas obras criativas são tão incompreensíveis quanto Sua existência” (Ellen G. White, Spiritual Gifts [“Dons Espirituais”], livro 3, p. 93).1

Perguntas para consideração

1. Se explicações científicas sobre a realidade são controversas, por que as pessoas aceitam teorias acerca de eventos que supostamente ocorreram há bilhões de anos?1

2. A ciência supõe que não se pode usar meios sobrenaturais para explicar eventos naturais. Por exemplo, não poderíamos explicar uma fome alegando que uma bruxa lançou uma maldição na terra. No entanto, se excluímos o sobrenatural como causa da criação, por que qualquer outro modelo que elaborarmos estará inevitavelmente errado?1

Sexta-feira, 29 de maio de 2020. Saiba mais, faça um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Com interpretar as Escrituras Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 500, abr. mai. jun. 2020. Adulto, Professor. 

Gênesis versus paganismo

Lições da Bíblia

“Longe de depender de antigos mitos pagãos da criação, o livro de Gênesis foi escrito de um modo que refuta esses mitos, fazendo com que Deus, como Criador, distancie-Se deles.”1

“4. Leia Gênesis 1:14-19. Como foram descritas as entidades que aparecem no quarto dia e quais são as suas funções?”1

Gênesis 1:14-19 (ARA)2: “14 Disse também Deus: Haja luzeiros no firmamento dos céus, para fazerem separação entre o dia e a noite; e sejam eles para sinais, para estações, para dias e anos. 15 E sejam para luzeiros no firmamento dos céus, para alumiar a terra. E assim se fez. 16 Fez Deus os dois grandes luzeiros: o maior para governar o dia, e o menor para governar a noite; e fez também as estrelas. 17 E os colocou no firmamento dos céus para alumiarem a terra, 18 para governarem o dia e a noite e fazerem separação entre a luz e as trevas. E viu Deus que isso era bom. 19 Houve tarde e manhã, o quarto dia.”

“Os termos ‘Sol’ e ‘Lua’ foram certamente evitados no relato porque seus nomes em hebraico eram os nomes (ou estavam intimamente relacionados aos nomes) dos deuses do Sol e da Lua do antigo Oriente Próximo e do Egito. O uso dos termos ‘luzeiro maior’ e ‘luzeiro menor’ mostra que eles foram criados para funções específicas, ‘para sinais, para estações, para dias e anos’ e para ‘alumiar a Terra’ (Gn 1:14, 15). Ou seja, o texto mostra muito claramente que o Sol e a Lua não eram deuses, mas objetos criados com funções naturais específicas, da maneira como os entendemos hoje.”1

“5. Leia Gênesis 2:7, 18-24. Como Deus Se envolveu profundamente na criação de Adão e Eva? Assinale a alternativa correta:”1

Gênesis 2:7, 18-24 (ARA)2: “7 Então, formou o Senhor Deus ao homem do pó da terra e lhe soprou nas narinas o fôlego de vida, e o homem passou a ser alma vivente. […] 18 Disse mais o Senhor Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma auxiliadora que lhe seja idônea. 19 Havendo, pois, o Senhor Deus formado da terra todos os animais do campo e todas as aves dos céus, trouxe-os ao homem, para ver como este lhes chamaria; e o nome que o homem desse a todos os seres viventes, esse seria o nome deles. 20 Deu nome o homem a todos os animais domésticos, às aves dos céus e a todos os animais selváticos; para o homem, todavia, não se achava uma auxiliadora que lhe fosse idônea. 21 Então, o Senhor Deus fez cair pesado sono sobre o homem, e este adormeceu; tomou uma das suas costelas e fechou o lugar com carne. 22 E a costela que o Senhor Deus tomara ao homem, transformou-a numa mulher e lha trouxe. 23 E disse o homem: Esta, afinal, é osso dos meus ossos e carne da minha carne; chamar-se-á varoa, porquanto do varão foi tomada. 24 Por isso, deixa o homem pai e mãe e se une à sua mulher, tornando-se os dois uma só carne.”

A.( ) Suas palavras formaram o homem e a mulher.
B.( ) Suas mãos criaram, do barro, o homem, e do homem, a mulher.

Resposta sugestiva: Alternativa B.

“Os antigos mitos do antigo Oriente Próximo descrevem unanimemente a criação do homem como algo que não estava nos planos originais, resultante de uma tentativa de aliviar os deuses do trabalho pesado. Essa noção mítica é contrariada pela ideia bíblica de que o homem deve governar o mundo como vice-regente de Deus. Nada na criação do ser humano foi um pensamento posterior. Ao contrário, o texto aponta para a humanidade como o clímax do relato da criação, mostrando ainda mais claramente quanto os relatos pagão e bíblico são diferentes.”1

“Assim, Gênesis apresenta um corretivo contra os mitos antigos. Moisés usou certos termos e ideias incompatíveis com os conceitos pagãos, simplesmente expressando a compreensão bíblica da realidade e da função e propósito de Deus na criação.”1

“Milhares de anos atrás, a história bíblica da criação estava em desacordo com a cultura predominante. Hoje, essa mesma narrativa sagrada está em conflito com os padrões prevalecentes na cultura. Por que não deveríamos nos surpreender?”1

Terça-feira, 26 de maio de 2020. Saiba mais, faça um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Com interpretar as Escrituras Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 500, abr. mai. jun. 2020. Adulto, Professor. 
2 BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

A criação: Gênesis como fundamento (parte 2)

Lições da Bíblia

“Os céus proclamam a glória de Deus, e o firmamento anuncia as obras das Suas mãos” (Sl 19:1)

“Muitos pensadores importantes foram inspirados pelas Escrituras a investigar o mundo criado por Deus. Como resultado, nasceu a ciência moderna. Johannes Kepler, Isaac Newton, John Ray, Robert Boyle e outros grandes cientistas acreditavam que seu trabalho revelava ainda mais sobre a criação das mãos de Deus.”1

“Contudo, após a Revolução Francesa, a ciência do século 19 passou de uma cosmovisão teísta para uma cosmovisão fundamentada no naturalismo e no materialismo, frequentemente sem nenhum espaço para o sobrenatural. Essas ideias filosóficas foram popularizadas por Charles Darwin, em seu livro A Origem das Espécies (1859). Desde essa época, a ciência tem se distanciado cada vez mais de seu fundamento bíblico, resultando em uma reinterpretação radical da história do Gênesis.”1

“Será que a Bíblia ensina uma visão antiquada e não científica da cosmologia? O relato bíblico simplesmente teria sido obtido das nações pagãs vizinhas? A Bíblia foi condicionada culturalmente por seu tempo e lugar, ou sua natureza inspirada nos eleva a uma visão das origens que é completa em sua estrutura divina?”1

“Esses são alguns assuntos que estudaremos na lição desta semana.”1

Tente memorizar uma passagem bíblica hoje e medite nela ao longo do dia.

Sábado 23 de maio de 2020. Saiba mais, faça um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Com interpretar as Escrituras Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 500, abr. mai. jun. 2020. Adulto, Professor. 

A criação: Gênesis como fundamento (parte 1) – Estudo adicional

Lições da Bíblia

Textos de Ellen G. White: Patriarcas e Profetas, p. 44-51 (“A Criação”) e p. 111-116 (“A Semana Literal”).

“A evidência cumulativa, fundamentada em considerações comparativas, literárias, linguísticas e outras, converge em todos os níveis, levando à conclusão singular de que a designação yôm, ‘dia’, em Gênesis 1, significa constantemente um dia literal de 24 horas.

“O autor de Gênesis 1 não poderia ter produzido maneiras mais abrangentes e inclusivas de expressar a ideia de um ‘dia’ literal do que as escolhidas” (Gerhard F. Hasel, “The ‘Days’ of Creation in Genesis 1: Literal ‘Days’ of Figurative ‘Periods/Epochs’ of Time?”. Origins 21/1, 1994, p. 30, 31).1

“As mais vigorosas mentes, se não forem guiadas pela Palavra de Deus, tornam-se desnorteadas em suas tentativas de investigar as relações entre a ciência e a revelação. O Criador e Suas obras encontram-se além da compreensão dessas pessoas; visto que não conseguem explicar esses fenômenos pelas leis naturais, afirmam que a história bíblica é indigna de confiança” (Ellen G. White, Testemunhos Para a Igreja, v. 8, p. 258).1

Perguntas para consideração

“1. O fato de que alguns cristãos aceitem as alegações da ciência acima do relato bíblico prova que a histórica bíblica ‘seja indigna de confiança’?”1

“2. Por que é impossível levar a Bíblia a sério enquanto se aceita a evolução teísta? Como explicar a cruz à luz do que Paulo escreveu em Romanos 5 sobre a relação direta entre a queda, a morte de Adão e a cruz de Cristo? Qual é a explicação do evolucionista teísta?”1

“3. Por que os cristãos são chamados de pessoas de “mente fechada” quando estão abertos às verdades das Escrituras, reveladas por um Deus infinito? A visão ateísta e materialista do mundo não é muito mais estreita do que a cosmovisão cristã?”1

“4. Sendo fiéis à Palavra de Deus, como podemos ministrar aos que lutam com questões de identidade sexual? Por que não devemos lançar pedras, mesmo em pessoas que, como a mulher em adultério, não conseguem viver os princípios da Palavra de Deus e se sentem culpadas?”1

Sexta-feira, 22 de maio de 2020. Saiba mais, faça um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Com interpretar as Escrituras Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 500, abr. mai. jun. 2020. Adulto, Professor. 

A criação: Gênesis como fundamento (parte 1)

Lições da Bíblia

“No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por intermédio Dele, e, sem Ele, nada do que foi feito se fez. A vida estava Nele e a vida era a luz dos homens” (Jo 1:1-4).

“Os primeiros capítulos do livro de Gênesis são fundamentais para o restante das Escrituras. Os principais ensinamentos ou doutrinas da Bíblia têm sua fonte nesses capítulos. Neles, encontramos a natureza da Divindade trabalhando em harmonia como Pai, Filho (Jo 1:1-3; Hb 1:1, 2) e Espírito Santo (Gn 1:2) para criar o mundo e tudo o que nele há, culminando na humanidade (Gn 1:26-28). O livro de Gênesis também nos apresenta o sábado (Gn 2:1-3), a origem do mal (Gn 3), o Messias e o plano da redenção (Gn 3:15), o Dilúvio universal (Gn 6-9), a aliança (Gn 1:28; 2:2, 3, 15-17; 9:9-17; 15), a dispersão das línguas e pessoas (Gn 10; 11) e as genealogias que apresentam a estrutura da cronologia bíblica desde a criação até Abraão (Gn 5; 11). Por fim, o poder da Palavra falada de Deus (Gn 1:3; 2Tm 3:16; Jo 17:17), a natureza da humanidade (Gn 1:26-28), o caráter de Deus (Mt 10:29, 30), o casamento entre um homem e uma mulher  (Gn 1:27, 28; 2:18, 21-25), a administração da Terra e seus recursos (Gn 1:26; 2:15, 19) e a prometida esperança de uma nova criação (Is 65:17; 66:22; Ap 21:1) estão todos fundamentados nesses primeiros capítulos de Gênesis, que serão o nosso estudo nesta e na próxima semana.”1

Sábado, 16 de maio de 2020. Saiba mais, faça um Curso Bíblico

_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Com interpretar as Escrituras Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 500, abr. mai. jun. 2020. Adulto, Professor.