"Uma melhor ressurreição"

Lições da Bíblia.

“6. Leia Hebreus 11:32–12:4. O que esses versos dizem para você sobre o custo e a recompensa do discipulado?”1 “E que mais direi? Certamente, me faltará o tempo necessário para referir o que há a respeito de Gideão, de Baraque, de Sansão, de Jefté, de Davi, de Samuel e dos profetas,” (Hebreus 11:32 RA)2; “Ora, na vossa luta contra o pecado, ainda não tendes resistido até ao sangue (Hebreus 12:4 RA)2. Certamente muitos discípulos de Jesus, mencionados ou não nas Escrituras, sofreram de variadas formas por amor a Cristo, o custo e as recompensas desse discipulado não podem ser avaliados plenamente na presenta época, só na eternidade teremos um ideia mais precisa sobre o assunto. No entanto o testemunho cristão produz seu fruto a seu tempo e isso significa que hoje podemos sentir seus efeitos.

“Um poderoso conceito é aqui revelado, especialmente no verso que diz: ‘Mulheres receberam, pela ressurreição, os seus mortos; uns foram torturados, não aceitando o seu livramento, para alcançarem uma melhor ressurreição’ (Hb 11:35, RC).”1

“Em certo sentido, ser discípulo e formador de discípulos pode ser resumido a uma coisa só: ‘uma melhor ressurreição’. Seguimos a Cristo porque temos a promessa, a esperança de redenção, de uma nova vida num mundo novo, sem pecado, sofrimento e morte. Ao mesmo tempo, uma vez que recebemos essa esperança e essa promessa – garantidas pela vida, morte, ressurreição e sumo sacerdócio de Cristo – procuramos levá-las a outros. No fim, antes da conclusão do grande conflito, a menos que estejamos vivos na segunda vinda de Cristo, passaremos pela primeira ressurreição com os justos ou sofreremos a segunda ressurreição com os ímpios. Sabemos qual é a melhor. Além da esperança de participar daquela ressurreição, devemos fazer o que pudermos para levar outros a participar dela também. Existe coisa mais importante do que isso em nossa vida?”1

“A seara amadureceu. Milhões aguardam o chamado para o discipulado. Temos sido abençoados não apenas com o evangelho, mas com o evangelho no contexto da "verdade presente" – as mensagens dos três anjos de Apocalipse 14, a última mensagem de advertência de Deus para o mundo.”1

“O que faremos com essas verdades que amamos tanto? Perguntamos: Onde estão os ceifeiros? Onde estão as pessoas dispostas a caminhar ao lado de Cristo e partilhar os riscos? Você aceitará o convite de Deus, não apenas para ser discípulo, mas para fazer discípulos, independentemente do custo que isso represente?”1

“Pense nestas implicações: A primeira ressurreição e a segunda ressurreição. À luz dessas opções, qual é a importância de estar na "melhor" delas e de ajudar outros a também participar dela?”1

Quinta-feira, 27 de março de 2014. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.

__________________

1 LIÇÕES da escola sabatina. Discipulado. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 475, Jan. Fev. Mar. 2013. Adulto, Professor, p. 164

2 BÍBLIA. Português. Bíblia Sagrada. Nova versão internacional. São Paulo: Sociedade Bíblica Internacional, 2003.

Comparando os custos

Lições da Bíblia.

“As empresas exploram a viabilidade dos projetos propostos mediante a análise do custo-benefício: As propostas específicas contêm os ingredientes necessários para proporcionar retornos bem-sucedidos aos investimentos? Os benefícios superam as despesas? Outra medida utilizada com frequência é a durabilidade: A proposta oferece retornos sustentáveis?”1

“As recompensas do discipulado podem também ser medidas por meio da comparação com os custos. Esses custos podem incluir sofrimento emocional, rejeição social, tortura física, privação financeira, prisão e até mesmo a morte. Todo aquele que aceita o discipulado deve primeiro considerar cuidadosamente os investimentos envolvidos.”1

“4. O que os textos a seguir nos dizem sobre os custos do discipulado?” Portanto, se a tua mão ou o teu pé te faz tropeçar, corta-o e lança-o fora de ti; melhor é entrares na vida manco ou aleijado do que, tendo duas mãos ou dois pés, seres lançado no fogo eterno. Se um dos teus olhos te faz tropeçar, arranca-o e lança-o fora de ti; melhor é entrares na vida com um só dos teus olhos do que, tendo dois, seres lançado no inferno de fogo.” (Mateus 18:8-9 RA)2; Amai, porém, os vossos inimigos, fazei o bem e emprestai, sem esperar nenhuma paga; será grande o vosso galardão, e sereis filhos do Altíssimo. Pois ele é benigno até para com os ingratos e maus.” (Lucas 6:35 RA)2; Nada façais por partidarismo ou vanglória, mas por humildade, considerando cada um os outros superiores a si mesmo.” (Filipenses 2:3 RA)2. Dizem que há um alto custo em ser pago pelo discípulo de Jesus, envolvendo sacrifício pessoal com renúncia de tudo àquilo que sirva de obstáculo para o desenvolvimento da vida espiritual. Devendo o discípulo considerar os outros como superior a ele próprio, amar seus inimigos e fazer o bem a todos indistintamente.

“5. O que os textos a seguir falam sobre os benefícios do discipulado?” “E disse Pedro: Eis que nós deixamos nossa casa e te seguimos. Respondeu-lhes Jesus: Em verdade vos digo que ninguém há que tenha deixado casa, ou mulher, ou irmãos, ou pais, ou filhos, por causa do reino de Deus, que não receba, no presente, muitas vezes mais e, no mundo por vir, a vida eterna.” (Lucas 18:28-30 RA)2; “Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em mim. Na casa de meu Pai há muitas moradas. Se assim não fora, eu vo-lo teria dito. Pois vou preparar-vos lugar. E, quando eu for e vos preparar lugar, voltarei e vos receberei para mim mesmo, para que, onde eu estou, estejais vós também.” (João 14:1-3 RA)2; “Então, me mostrou o rio da água da vida, brilhante como cristal, que sai do trono de Deus e do Cordeiro. No meio da sua praça, de uma e outra margem do rio, está a árvore da vida, que produz doze frutos, dando o seu fruto de mês em mês, e as folhas da árvore são para a cura dos povos. Nunca mais haverá qualquer maldição. Nela, estará o trono de Deus e do Cordeiro. Os seus servos o servirão, contemplarão a sua face, e na sua fronte está o nome dele. Então, já não haverá noite, nem precisam eles de luz de candeia, nem da luz do sol, porque o Senhor Deus brilhará sobre eles, e reinarão pelos séculos dos séculos.” (Apocalipse 22:1-5 RA)2. A recompensa maior é a vida eterna, e consequentemente as bênçãos de viver para sempre com o Senhor no lar perfeito que Ele tem preparado.

“Não há dúvida de que o custo de seguir a Jesus pode ser alto, talvez a coisa mais cara que qualquer pessoa possa fazer. Caso nossa lealdade a Cristo não tenha custado muito, ou talvez tudo o que temos, deveríamos questionar a genuinidade de nossa fé e comprometimento com Deus.”1

“Mas uma coisa é certa: o que quer que ganharmos neste mundo, tudo o que rea­lizarmos, tudo o que fizermos para nós mesmos, será apenas temporário. Essas coisas não durarão, mas desaparecerão para sempre.”1

“Em contraste com isso, aquilo que ganharmos por meio de Jesus, a vida eterna em um novo Céu e em uma nova Terra, vale muito mais do que tudo o que este mundo jamais poderia oferecer.”1

“O que as alegrias e as boas coisas deste mundo significam em comparação com a eternidade ao lado de Cristo? Como podemos manter sempre esse contraste diante de nós? Por que é importante fazer isso?”1

Quarta-feira, 26 de março de 2014. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.

__________________

1 LIÇÕES da escola sabatina. Discipulado. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 475, Jan. Fev. Mar. 2013. Adulto, Professor, p. 163

2 BÍBLIA. Português. Bíblia Sagrada. Nova versão internacional. São Paulo: Sociedade Bíblica Internacional, 2003.

Resposta disciplinada – “Mas esmurro o meu corpo e o reduzo à escravidão, para que, tendo pregado a outros, não venha eu mesmo a ser desqualificado.” (1 Coríntios 9:27 RA).

Lições da Bíblia.

“3. Analise as seguintes passagens: Lucas 14:31-33; 1 Coríntios 9:24-27; Hebreus 12:1-4; 2 Pedro 1:5-11. Como é a vida de um discípulo? Você tem experimentado essa realidade?”1 “Ou qual é o rei que, indo para combater outro rei, não se assenta primeiro para calcular se com dez mil homens poderá enfrentar o que vem contra ele com vinte mil? Caso contrário, estando o outro ainda longe, envia-lhe uma embaixada, pedindo condições de paz. Assim, pois, todo aquele que dentre vós não renuncia a tudo quanto tem não pode ser meu discípulo.” (Lucas 14:31-33 RA)2; “Não sabeis vós que os que correm no estádio, todos, na verdade, correm, mas um só leva o prêmio? Correi de tal maneira que o alcanceis. Todo atleta em tudo se domina; aqueles, para alcançar uma coroa corruptível; nós, porém, a incorruptível. Assim corro também eu, não sem meta; assim luto, não como desferindo golpes no ar. Mas esmurro o meu corpo e o reduzo à escravidão, para que, tendo pregado a outros, não venha eu mesmo a ser desqualificado.” (1 Coríntios 9:24-27 RA)2; “Portanto, também nós, visto que temos a rodear-nos tão grande nuvem de testemunhas, desembaraçando-nos de todo peso e do pecado que tenazmente nos assedia, corramos, com perseverança, a carreira que nos está proposta, olhando firmemente para o Autor e Consumador da fé, Jesus, o qual, em troca da alegria que lhe estava proposta, suportou a cruz, não fazendo caso da ignomínia, e está assentado à destra do trono de Deus. Considerai, pois, atentamente, aquele que suportou tamanha oposição dos pecadores contra si mesmo, para que não vos fatigueis, desmaiando em vossa alma. Ora, na vossa luta contra o pecado, ainda não tendes resistido até ao sangue” (Hebreus 12:1-4 RA)2; por isso mesmo, vós, reunindo toda a vossa diligência, associai com a vossa fé a virtude; com a virtude, o conhecimento; com o conhecimento, o domínio próprio; com o domínio próprio, a perseverança; com a perseverança, a piedade; com a piedade, a fraternidade; com a fraternidade, o amor. Porque estas coisas, existindo em vós e em vós aumentando, fazem com que não sejais nem inativos, nem infrutuosos no pleno conhecimento de nosso Senhor Jesus Cristo. Pois aquele a quem estas coisas não estão presentes é cego, vendo só o que está perto, esquecido da purificação dos seus pecados de outrora. Por isso, irmãos, procurai, com diligência cada vez maior, confirmar a vossa vocação e eleição; porquanto, procedendo assim, não tropeçareis em tempo algum. Pois desta maneira é que vos será amplamente suprida a entrada no reino eterno de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.” (2 Pedro 1:5-11 RA)2. A vida de um discípulo é marcada pelo sacrifício, domínio próprio, e confiança nas promessas de Deus. Sua existência é vivida em função de sua missão, o que implica, muitas vezes, colocar seus próprios interesses e conveniências em segundo plano. Seu modelo é Cristo, que o inspira e concede-lhe o poder para fazer o que é reto aos olhos de Deus e das testemunhas que os rodeiam.1

“O custo do discipulado envolve disciplina. Cada impulso, imaginação, ambição e desejo devem ser submetidos a Cristo. Cada posse, material ou espiritual, cada talento, habilidade, tudo o que seja de valor deve estar sob o comando de Cristo. O que não entregarmos a Ele inevitavelmente se tornará um ídolo, com potencial para nos desviar do caminho.”1

“Cristo de fato nos oferece poder para vencer nossos defeitos de caráter. Cada apetite, emoção e inclinação intelectual podem estar sob a orientação de Seu Espírito.”1

“Observe os exemplos atléticos que Paulo usou em 1 Coríntios 9:24-27 e Hebreus 12:1-4. Nenhum atleta treina para correr de modo mais lento, saltar mais baixo ou fazer um lançamento mais curto. Igualmente, nenhum cristão deve olhar para trás, especialmente quando o que está em jogo, na ‘corrida’, é algo eterno, ao contrário de qualquer prêmio que um corredor terreno possa ganhar como resultado de todo o seu esforço diligente e treinamento.”1

"Os corredores punham de lado toda a condescendência que tendesse a enfraquecer as faculdades físicas, e mediante severa e contínua disciplina, treinavam os músculos para se tornarem fortes e resistentes, para que, ao chegar o dia da competição, pudessem exigir de suas forças o máximo empenho. Quão mais importante é que o cristão, cujos eternos interesses estão em jogo, coloque os apetites e as paixões em sujeição à razão e à vontade de Deus! Jamais deve ele permitir que sua atenção seja desviada por entretenimentos, luxos ou comodidades. Todos os seus hábitos e paixões devem ser postos sob a mais estrita disciplina. A razão, iluminada pelos ensinos da Palavra de Deus e guiada por Seu Espírito, tem de tomar as rédeas do controle."3

Terça-feira, 25 de março de 2014. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.

__________________

1 LIÇÕES da escola sabatina. Discipulado. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 475, Jan. Fev. Mar. 2013. Adulto, Professor, p. 162

2 BÍBLIA. Português. Bíblia Sagrada. Nova versão internacional. São Paulo: Sociedade Bíblica Internacional, 2003.

3 WHITE, Ellen Gould. Atos dos apostolos: na proclamação do evangelho de jesus cristo. Tradução de Carlos Alberto Trezza. 9. ed. São Paulo: Casa Publicadora Brasileira, 2010. p. 311

Levando nossa cruz – “[…] não é o servo maior do que seu senhor. Se me perseguiram a mim, também perseguirão a vós outros; […]” (João 15:20 RA)

Lições da Bíblia.

“E qualquer que não tomar a sua cruz e vier após Mim não pode ser Meu discípulo" (Lc 14:27)1.

“Discipulado significa aceitar Cristo como Salvador e Senhor. Seguir Jesus significa que você está pronto a passar pelo mesmo sofrimento que Cristo suportou. Assim, devemos ser honestos na maneira de apresentar nossa mensagem. Certamente as gloriosas verdades relacionadas com a justificação pela fé, o perdão de Cristo, Seu retorno iminente, as incomparáveis maravilhas do Céu e a graça imerecida de Deus devem ser ensinadas. Mas se os cristãos desejam proclamar a mensagem completa de Deus, não podem ignorar a cruz que devem carregar.”2

“Infelizmente, alguns cristãos pensam erroneamente que pregar qualquer mensagem pela qual os seres humanos são chamados à ação é algo legalista. ‘A graça divina fez tudo’, eles orgulhosamente exclamam, ‘e o ser humano não deve fazer nada exceto recebê-la.’ Jesus, porém, discorda deles.”2

“2. Leia Mateus 16:21-25; Lucas 21:12-19; João 15:17-20; 16:1, 2. O que devemos aprender com esses textos sobre o custo de seguir Jesus?”2 “Desde esse tempo, começou Jesus Cristo a mostrar a seus discípulos que lhe era necessário seguir para Jerusalém e sofrer muitas coisas dos anciãos, dos principais sacerdotes e dos escribas, ser morto e ressuscitado no terceiro dia. E Pedro, chamando-o à parte, começou a reprová-lo, dizendo: Tem compaixão de ti, Senhor; isso de modo algum te acontecerá. Mas Jesus, voltando-se, disse a Pedro: Arreda, Satanás! Tu és para mim pedra de tropeço, porque não cogitas das coisas de Deus, e sim das dos homens. Então, disse Jesus a seus discípulos: Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, tome a sua cruz e siga-me. Porquanto, quem quiser salvar a sua vida perdê-la-á; e quem perder a vida por minha causa achá-la-á.” (Mateus 16:21-25 RA)1; Antes, porém, de todas estas coisas, lançarão mão de vós e vos perseguirão, entregando-vos às sinagogas e aos cárceres, levando-vos à presença de reis e governadores, por causa do meu nome; e isto vos acontecerá para que deis testemunho. Assentai, pois, em vosso coração de não vos preocupardes com o que haveis de responder; porque eu vos darei boca e sabedoria a que não poderão resistir, nem contradizer todos quantos se vos opuserem. E sereis entregues até por vossos pais, irmãos, parentes e amigos; e matarão alguns dentre vós. De todos sereis odiados por causa do meu nome. Contudo, não se perderá um só fio de cabelo da vossa cabeça. É na vossa perseverança que ganhareis a vossa alma.” (Lucas 21:12-19 RA)1; “Isto vos mando: que vos ameis uns aos outros. Se o mundo vos odeia, sabei que, primeiro do que a vós outros, me odiou a mim. Se vós fôsseis do mundo, o mundo amaria o que era seu; como, todavia, não sois do mundo, pelo contrário, dele vos escolhi, por isso, o mundo vos odeia. Lembrai-vos da palavra que eu vos disse: não é o servo maior do que seu senhor. Se me perseguiram a mim, também perseguirão a vós outros; se guardaram a minha palavra, também guardarão a vossa.” (João 15:17-20 RA)1; “Tenho-vos dito estas coisas para que não vos escandalizeis. Eles vos expulsarão das sinagogas; mas vem a hora em que todo o que vos matar julgará com isso tributar culto a Deus.” (João 16:1-2 RA)1. Existe um preço, um sacrifício para aqueles que seguem a Jesus, a semelhança do mestre os discípulos terão que tomar cada a sua cruz e seguir os passos de Jesus, isso significa fazer a vontade de Deus em lugar de sua própria vontade, e sofre as consequência de se opor ao mundo. Poderão surgir perseguições, injustiças, divisões em família e até a perda da própria vida. No entanto todo esse sacrifício não será em vão, produzirá frutos, pois disse Jesus: “[…] se guardaram a minha palavra, também guardarão a vossa.” (João 16:2 RA)1.

“Assim como Cristo carregou a cruz, temos uma cruz a levar. Perder a vida em nome de Cristo significa ganhar a vida eterna. Diante da perseguição e injustiça dos governantes humanos, os seguidores de Jesus terão o poder do Espírito Santo. Se Jesus foi perseguido, Seus seguidores também serão. Se muitos aceitaram as palavras de Jesus, muitos aceitarão as palavras de Seus discípulos.”2

“Antes do batismo, os candidatos devem entender que Cristo lhes atribuiu uma cruz, sem a qual eles não podem de modo nenhum se tornar Seus discípulos. Será que isso diminui a alegria da conversão? Essa alegria poderia ser aumentada por meio de falsas promessas sobre uma vida livre de preocupações? A conversão liberta os cristãos dos fardos do pecado, não das responsabilidades do discipulado. Ao tomar o nome de Cristo e revelar publicamente essa escolha por meio do batismo, cada crente deve estar ciente de que o discipulado tem um custo. Por outro lado, este mundo oferece alguma coisa que faz com que a oferta de Cristo não valha a pena? Certamente não.”1

“Quando foi a última vez que você tomou a sua cruz? Como foi a experiência? O que você aprendeu com ela? Como isso pode ajudar alguém que luta contra um desafio semelhante?”

Segunda-feira, 24 de março de 2014. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.

__________________

1 BÍBLIA. Português. Bíblia Sagrada. Nova versão internacional. São Paulo: Sociedade Bíblica Internacional, 2003.

2 LIÇÕES da escola sabatina. Discipulado. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 475, Jan. Fev. Mar. 2013. Adulto, Professor, p. 161

Calculando o custo: a mais alta prioridade – “Quem ama seu pai ou sua mãe mais do que a mim não é digno de mim; quem ama seu filho ou sua filha mais do que a mim não é digno de mim;” (Mateus 10:37 RA)

Lições da Bíblia.

“1. Leia Lucas 12:49-53; 14:25, 26; Mateus 10:37. Qual é o preço do discipulado? O que deve estar acima dos relacionamentos humanos?”1 “Eu vim para lançar fogo sobre a terra e bem quisera que já estivesse a arder. Tenho, porém, um batismo com o qual hei de ser batizado; e quanto me angustio até que o mesmo se realize! Supondes que vim para dar paz à terra? Não, eu vo-lo afirmo; antes, divisão. Porque, daqui em diante, estarão cinco divididos numa casa: três contra dois, e dois contra três. Estarão divididos: pai contra filho, filho contra pai; mãe contra filha, filha contra mãe; sogra contra nora, e nora contra sogra.” (Lucas 12:49-53 RA)2; “Grandes multidões o acompanhavam, e ele, voltando-se, lhes disse: Se alguém vem a mim e não aborrece a seu pai, e mãe, e mulher, e filhos, e irmãos, e irmãs e ainda a sua própria vida, não pode ser meu discípulo.” (Lucas 14:25-26 RA)2; Quem ama seu pai ou sua mãe mais do que a mim não é digno de mim; quem ama seu filho ou sua filha mais do que a mim não é digno de mim;” (Mateus 10:37 RA)2. O preço do discipulado pode ser a separação dos membros da família e agimos. Tomar a cruz, fazer a vontade de Deus em lugar da nossa, pode ser uma decisão de consequências difíceis. No entanto, a recompensa é certa, todos que aceitam a Cristo pela fé e permitem que a vontade de Deus se realize em sua vida, tem a vida eterna.

“Os modernos apresentadores da televisão teriam feito um escândalo a partir dessas palavras: ‘Hoje, o famoso líder religioso Jesus de Nazaré defendeu o ódio familiar durante Sua palestra da tarde. Os analistas estão comparando esses pronunciamentos com as declarações feitas anteriormente, que promoviam relacionamentos afetuosos com vizinhos e inimigos. Os comentaristas querem saber se isso indica mudanças políticas recentes. Outras citações não confirmadas sugerem vender tudo e transferir os recursos para o movimento de Jesus. Fique atento para mais informações a qualquer momento.’"1

“Um estudo mais profundo da Bíblia e do modo pelo qual a palavra ‘ódio’ é usada, ajuda a esclarecer o que Jesus quiz dizer. Deuteronômio 21:15 contém a legislação sobre homens com várias esposas. A Bíblia na versão King James, seguindo o sentido natural, traduz assim: ‘uma amada e outra odiada’, com respeito às esposas. A mensagem de Moisés foi que, se o marido preferisse uma mulher acima de outra, ele não podia tirar o direito de primogenitura do filho da menos favorecida.”1

“A New Revised Standard Version [Nova Versão Revisada Padrão] e a Modern Language Bible [Bíblia na Linguagem Moderna] mudaram a terminologia, traduzindo querida, como amada, e odiada, como desprezada. O Tanakh (Bíblia Judaica) e a New American Standard Bible (Nova Bíblia Americana Padrão; protestante) optaram pelas expressões amada e não amada. Evidentemente a intenção do texto era falar de ‘afeição relativa’. O ódio, nesse contexto, pode indicar ‘amar menos’. Mateus 10:37, a passagem paralela, certamente dá credibilidade a essa sugestão.”1

“A lição de Jesus é simples, mas cheia de implicações profundas. Sempre que a família recebe precedência e Cristo Se torna secundário, Jesus abre mão do Seu senhorio. Servir a vários senhores é impossível. Cristo certamente apoiava as fortes ligações familiares. Tais conexões, no entanto, recebem força de um fundamento inabalável. O fundamento é amar a Deus sem reservas e acima de tudo. Deus desaprova todas as barreiras, interrupções e distrações. O discipulado cobra o preço mais alto: lealdade total a Cristo.”1

“Na prática diária, como podemos colocar Cristo acima de tudo, incluindo a família? O que significa fazer isso, e quais poderiam ser algumas consequências?”1

Domingo, 23 de março de 2014. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.

__________________

1 LIÇÕES da escola sabatina. Discipulado. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 475, Jan. Fev. Mar. 2013. Adulto, Professor, p. 160

2 BÍBLIA. Português. Bíblia Sagrada. Nova versão internacional. São Paulo: Sociedade Bíblica Internacional, 2003.

O custo do discipulado – “[…] como sois participantes dos sofrimentos, assim o sereis da consolação" (2Co 1:7 RA)

Lições da Bíblia.

"A nossa esperança a respeito de vós está firme, sabendo que, como sois participantes dos sofrimentos, assim o sereis da consolação" (2Co 1:7 RA)1.

“Ao longo da História, milhões de cristãos anônimos sacrificaram a vida por Cristo. Eles foram presos, torturados e mesmo executados. Milhões preferiram abrir mão de seus empregos, sofrer ridículo, suportar o abandono da família e perseverar sob perseguição religiosa, a abandonar Cristo. Só Deus sabe a plena extensão do sofrimento que Seus fiéis têm sofrido.”2

“De fato, Paulo advertiu: ‘Todos quantos querem viver piedosamente em Cristo Jesus serão perseguidos’ (2Tm 3:12). E Pedro disse: ‘Para isto mesmo fostes chamados, pois que também Cristo sofreu em vosso lugar, deixando-vos exemplo para seguirdes os Seus passos’ (1Pe 2:21).”2

“Apesar das promessas dos assim chamados pregadores da ‘prosperidade’, automóveis luxuosos e ganhos financeiros não são oferecidos automaticamente aos cristãos apenas para satisfazer seus desejos e ambições pessoais. Embora Deus derrame muitas bênçãos no caminho dos fiéis, às vezes, o discipulado envolve perdas.”2

“No fim, podemos ter certeza de que, seja qual for o custo do discipulado, considerando a recompensa eterna, esse custo é muito baixo.”2

Sábado, 22 de março de 2014. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.

__________________

1 BÍBLIA. Português. Bíblia Sagrada. Nova versão internacional. São Paulo: Sociedade Bíblica Internacional, 2003.

2 LIÇÕES da escola sabatina. Discipulado. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 475, Jan. Fev. Mar. 2013. Adulto, Professor, p. 159

A ceifa e os ceifeiros – Vídeo

Lições da Bíblia.

Assista em vídeo a discussão do tema da semana.

 

“Leia de Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, p. 488-496: ‘A Última Jornada da Galileia’; p. 436-440: ‘Quem é o Maior’; Atos dos Apóstolos, p. 17-24: ‘O Preparo dos Doze’; p. 25-34: ‘A Grande Comissão’; p. 35-46: ‘O Pentecostes’; p. 47-56: ‘O Dom do Espírito’.”

"Os discípulos sentiram sua necessidade espiritual, e suplicaram do Senhor a santa unção que os devia capacitar para o trabalho de salvar pessoas. Não suplicaram essas bênçãos apenas para si. Sentiam a responsabilidade que lhes cabia nessa obra de salvação. Compreendiam que o evangelho devia ser proclamado ao mundo, e reclamavam o poder que Cristo prometera."2

Perguntas para reflexão

“1. Que princípios da metodologia de treinamento de Cristo devem ser utilizados pelos modernos professores de discipulado? Imagine como seria esse tipo de treinamento em sua igreja.”1

“2. Na lição de quinta-feira, estudamos a questão do uso da linguagem apropriada. Que palavras nós, como Adventistas do Sétimo Dia, usamos com frequência em nosso ambiente denominacional? Embora enxerguemos as palavras de certa maneira, os que não estão familiarizados com nossos termos não os compreendem. Que cuidado devemos ter na escolha das palavras, especialmente ao falar com aqueles a quem desejamos alcançar?”1

“3. De que maneira a imagem de "mendigos dizendo a outros mendigos onde encontrar pão" descreve com precisão a essência do testemunho e do evangelismo? Por que é importante nos lembrarmos sempre dessa imagem e do que ela significa?”1

“4. Sua igreja está mais concentrada em si mesma e nas próprias necessidades, ou no evangelismo? Se sua igreja estivesse mais centralizada em testemunhar e evangelizar, estaria menos preocupada com as próprias necessidades? O evangelismo, por si só, resolve essas necessidades?”1

Sexta-feira, 21 de março de 2014. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.

__________________

1 LIÇÕES da escola sabatina. Discipulado. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 475, Jan. Fev. Mar. 2013. Adulto, Professor, p. 152

2 WHITE, Ellen Gould. Atos dos apostolos: na proclamação do evangelho de jesus cristo. Tradução de Carlos Alberto Trezza. 9. ed. São Paulo: Casa Publicadora Brasileira, 2010. p. 37

Perdidos e achados – “[…] regozijemo-nos, porque este meu filho estava morto e reviveu, estava perdido e foi achado.” (Lucas 15:23-24 RA)

Lições da Bíblia.

“Mediante o ensino e exemplo pessoal, Jesus ensinou Seus discípulos a se associarem com pecadores, mesmo aqueles notórios como prostitutas e cobradores de impostos. De que outra forma eles fariam discípulos de todas as nações? Seus ensinamentos muitas vezes focalizavam esses pecadores. O fato de que Cristo os tenha caracterizado como ‘perdidos’ demonstra Sua misericórdia. Ele poderia tê-los caracterizado como ‘rebeldes’ (o que eles certamente eram) ou ‘depravados’. Em lugar disso, Ele escolheu a expressão ‘perdidos’.”1

“O termo ‘perdidos’ não carrega as mesmas conotações negativas contidas nas palavras ‘rebeldes’ e ‘depravados’. Em vez de punir pessoas caídas, devemos seguir o exemplo de Cristo. A expressão ‘perdidos’ é uma descrição generosa, porque a responsabilidade é colocada sobre os que procuram pecadores. Comentários depreciativos afastam as pessoas. Linguagem imparcial transmite aceitação e possibilidade de relacionamento. Portanto, devemos ter cuidado não apenas com a linguagem que falamos, mas também com o que pensamos, porque nossos pensamentos afetarão muito nossas atitudes para com os outros.”1

“5. Leia Lucas 15. Qual é a mensagem essencial dessas parábolas?”1 “Aproximavam-se de Jesus todos os publicanos e pecadores para o ouvir. E murmuravam os fariseus e os escribas, dizendo: Este recebe pecadores e come com eles. Então, lhes propôs Jesus esta parábola: Qual, dentre vós, é o homem que, possuindo cem ovelhas e perdendo uma delas, não deixa no deserto as noventa e nove e vai em busca da que se perdeu, até encontrá-la? Achando-a, põe-na sobre os ombros, cheio de júbilo. E, indo para casa, reúne os amigos e vizinhos, dizendo-lhes: Alegrai-vos comigo, porque já achei a minha ovelha perdida. Digo-vos que, assim, haverá maior júbilo no céu por um pecador que se arrepende do que por noventa e nove justos que não necessitam de arrependimento. Ou qual é a mulher que, tendo dez dracmas, se perder uma, não acende a candeia, varre a casa e a procura diligentemente até encontrá-la? E, tendo-a achado, reúne as amigas e vizinhas, dizendo: Alegrai-vos comigo, porque achei a dracma que eu tinha perdido. Eu vos afirmo que, de igual modo, há júbilo diante dos anjos de Deus por um pecador que se arrepende. Continuou: Certo homem tinha dois filhos; o mais moço deles disse ao pai: Pai, dá-me a parte dos bens que me cabe. E ele lhes repartiu os haveres. Passados não muitos dias, o filho mais moço, ajuntando tudo o que era seu, partiu para uma terra distante e lá dissipou todos os seus bens, vivendo dissolutamente. Depois de ter consumido tudo, sobreveio àquele país uma grande fome, e ele começou a passar necessidade. Então, ele foi e se agregou a um do…igno de ser chamado teu filho; trata-me como um dos teus trabalhadores. E, levantando-se, foi para seu pai. Vinha ele ainda longe, quando seu pai o avistou, e, compadecido dele, correndo, o abraçou, e beijou. E o filho lhe disse: Pai, pequei contra o céu e diante de ti; já não sou digno de ser chamado teu filho. O pai, porém, disse aos seus servos: Trazei depressa a melhor roupa, vesti-o, ponde-lhe um anel no dedo e sandálias nos pés; trazei também e matai o novilho cevado. Comamos e regozijemo-nos, porque este meu filho estava morto e reviveu, estava perdido e foi achado. E começaram a regozijar-se. Ora, o filho mais velho estivera no campo; e, quando voltava, ao aproximar-se da casa, ouviu a música e as danças. Chamou um dos criados e perguntou-lhe que era aquilo. E ele informou: Veio teu irmão, e teu pai mandou matar o novilho cevado, porque o recuperou com saúde. Ele se indignou e não queria entrar; saindo, porém, o pai, procurava conciliá-lo. Mas ele respondeu a seu pai: Há tantos anos que te sirvo sem jamais transgredir uma ordem tua, e nunca me deste um cabrito sequer para alegrar-me com os meus amigos; vindo, porém, esse teu filho, que desperdiçou os teus bens com meretrizes, tu mandaste matar para ele o novilho cevado. Então, lhe respondeu o pai: Meu filho, tu sempre estás comigo; tudo o que é meu é teu. Entretanto, era preciso que nos regozijássemos e nos alegrássemos, porque esse teu irmão estava morto e reviveu, estava perdido e foi achado.” (Lucas 15:1-32 RA)2. O ser humano alienado pelo pecado e distante de Deus está perdido e carece ser resgatado da condição que o levará a morte eterna. É necessário que os pecadores arrependidos, regenerados pela graça de Deus, saiam em busca dos perdidos, dando-lhes um oportunidade de salvação.

“Mediante os evangelhos, Jesus encoraja os cristãos a se tornarem descobridores. Ele quer que amemos e alcancemos os perdidos, independentemente do tipo de pessoa que sejam ou de sua maneira de viver.”1

“Esse é o culto que o Senhor escolheu: ‘Que soltes as ligaduras da impiedade, que desfaças as ataduras do jugo, e que deixes livres os quebrantados, e que despedaces todo o jugo […] e não te escondas daquele que é da tua carne’ (Is 58:6, 7, RC). Quando vos considerardes pecadores salvos unicamente pelo amor do Pai celestial, então tereis amor e compaixão por outros que sofrem no pecado. Não mais defrontareis a miséria e o arrependimento com ciúme e censura. Quando o gelo do amor-próprio se derreter de vosso coração, estareis em simpatia com Deus, e partilhareis de Sua alegria na salvação do perdido”3

“Como Deus vê os perdidos? Qual é a nossa responsabilidade para com eles?”1

Quinta-feira, 20 de março de 2014. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.

__________________

1 LIÇÕES da escola sabatina. Discipulado. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 475, Jan. Fev. Mar. 2013. Adulto, Professor, p. 152

2 BIBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

3 WHITE, Ellen Gould; SCHWANTES, S. Julio. Parabolas de Jesus. 10. ed. São Paulo: Casa Publicadora Brasileira, 1998. p. 210-211