Amizade restaurada

Lições da Bíblia

“Paulo e Barnabé trabalhavam juntos testemunhando de Jesus. Porém, eles tiveram um desentendimento sobre a confiabilidade de alguém tão medroso como João Marcos (At 15:36-39). Os potenciais perigos da pregação do evangelho fizeram com que João Marcos, em certo ponto, abandonasse Paulo e Barnabé e voltasse para casa (At 13:13).”1

“‘Essa deserção fez com que Paulo julgasse Marcos por algum tempo desfavorável; e até mesmo com severidade. Por outro lado, Barnabé se inclinava a desculpá-lo devido à sua inexperiência. Estava ansioso para que Marcos não abandonasse o ministério, pois via nele qualidades que o habilitariam para ser útil obreiro de Cristo’ (Ellen G. White, Atos dos Apóstolos, p. 170).”1

“Embora Deus tenha usado todos esses homens, os problemas entre eles precisavam ser resolvidos. O apóstolo que pregava a graça devia estendê-la a um jovem pregador que o havia desapontado. O apóstolo do perdão necessitava perdoar. João Marcos se desenvolveu por meio da encorajadora orientação de Barnabé (At 15:39) e, por fim, o coração de Paulo parece ter sido tocado pelas mudanças.”1

“1. O que as cartas de Paulo a Timóteo e aos colossenses revelam sobre seu relacionamento renovado com João Marcos e a nova confiança nesse jovem pregador? Cl 4:10, 11; 2Tm 4:11”1

Colossenses (4:10, 11 ARA)2: “10 Saúda-vos Aristarco, prisioneiro comigo, e Marcos, primo de Barnabé (sobre quem recebestes instruções; se ele for ter convosco, acolhei-o), 11 e Jesus, conhecido por Justo, os quais são os únicos da circuncisão que cooperam pessoalmente comigo pelo reino de Deus. Eles têm sido o meu lenitivo.

2 Timóteo (4:11 ARA)2: “Somente Lucas está comigo. Toma contigo Marcos e traze-o, pois me é útil para o ministério.

“Embora os detalhes da reconciliação de Paulo com João Marcos estejam incompletos, o registro bíblico é claro. João Marcos se tornou um dos companheiros de confiança do apóstolo. Paulo o recomendou como seu ‘cooperador’ à igreja de Colossos. No fim de sua vida, Paulo encorajou fortemente Timóteo a trazer João Marcos com ele para Roma, pois ele lhe era ‘útil para o ministério’ (2Tm 4:11). O ministério de Paulo foi enriquecido pelo jovem pregador, a quem ele evidentemente havia perdoado. A barreira entre eles havia sido derrubada, e eles puderam trabalhar juntos na causa do evangelho. Quaisquer que fossem os problemas entre eles, e por mais justificado que Paulo julgasse estar em relação à sua atitude anterior para com João Marcos, tudo havia ficado para trás.”1

“Como podemos perdoar os que nos machucaram ou nos decepcionaram? Ao mesmo tempo, por que o perdão nem sempre inclui uma restauração completa de um relacionamento anterior?”1

Domingo, 02 de dezembro de 2018. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.
_______________
1 LIÇÃO da Escola Sabatina. Unidade em Cristo. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 494, out. nov. dez. 2018. Adulto, Professor.
2 BIBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Proteja sua amizade

Lições da Bíblia

“Alguém disse certa vez: ‘Senhor, protege-me dos meus amigos, pois dos meus inimigos eu consigo cuidar.’ O livro de Provérbios contém a preocupação com a vulnerabilidade inerente à amizade; ele nos dá conselhos quanto às maneiras de conservar nossos amigos e também, se necessário, como nos protegermos deles. A palavra hebraica para ‘amigo’ também significa ‘vizinho’, ou seja, aquele que está perto de nós e que já é ou pode se tornar nosso amigo. A sabedoria bíblica valoriza os relacionamentos humanos e pede que haja consideração e respeito nesses relacionamentos.”1

“4. Leia Provérbios 6:1-5. A que problema Salomão se referiu, e qual é a solução para ele? Que princípio espiritual importante encontramos aqui?”1 “1 Filho meu, se ficaste por fiador do teu companheiro e se te empenhaste ao estranho, 2 estás enredado com o que dizem os teus lábios, estás preso com as palavras da tua boca. 3 Agora, pois, faze isto, filho meu, e livra-te, pois caíste nas mãos do teu companheiro: vai, prostra-te e importuna o teu companheiro; 4 não dês sono aos teus olhos, nem repouso às tuas pálpebras; 5 livra-te, como a gazela, da mão do caçador e, como a ave, da mão do passarinheiro.” (Provérbios 6:1-5 ARA)2. “Salomão se refere ao problema de fazermos promessas impensadas que talvez não tenhamos condições de cumprir, especialmente na área financeira. Devemos nos abster dessas promessas, e se já as fizemos devemos reconhecer nosso erro e pedir para ser liberados do compromisso que assumimos.”1

“Ao passo que a Torah exorta as pessoas a ajudar os pobres e a emprestar-lhes dinheiro sem cobrar juros (Êx 22:25), a sabedoria nos adverte contra o imprudente apoio financeiro a amigos endividados. O dever da caridade não exclui o dever da justiça (Êx 23:2, 3). Embora precisemos ser generosos quando podemos, seremos sábios se não permitirmos que nossa caridade se transforme num desastre (veja Pv 22:27).”1

“Essa é a razão do sábio conselho que nos é dado no provérbio. A primeira advertência se aplica às nossas palavras. É fundamental que avaliemos a situação e nos certifiquemos de que temos recursos para ajudar nosso amigo. Somente depois disso é que poderemos nos pronunciar e prometer. Na verdade, o afeto do relacionamento ou um momento de emoção podem fazer com que assumamos um compromisso do qual poderemos nos arrepender depois.”1

“Não importa quão bem intencionado você tenha sido, é essencial pensar antes de agir ao comprometer-se com algo que não pode cumprir. Porém, se nos colocamos numa situação difícil, precisamos fazer o que pudermos para resolvê-la, inclusive nos humilharmos, admitirmos nosso erro e pedir que sejamos liberados daquela obrigação.”1

“Como podemos equilibrar nosso desejo de levar as cargas uns dos outros (Gl 6:2) com as palavras que chegam até nós nesse provérbio?”1

Terça-feira,  06 de janeiro de 2015 . Saiba mais, ouça o Comentário em áudio  da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.

__________________

1 LIÇÕES da escola sabatina. Provébios. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 479, Jan. Fev. Mar. 2015. Adulto, Professor.

2 BIBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Amizade com o mundo

Lições da Bíblia

“6. Leia Tiago 4:2-4. Por que Tiago chama seus leitores de ‘adúlteros e adúlteras’ (ARC)?” “6 Disse mais o SENHOR nos dias do rei Josias: Viste o que fez a pérfida Israel? Foi a todo monte alto e debaixo de toda árvore frondosa e se deu ali a toda prostituição. 7 E, depois de ela ter feito tudo isso, eu pensei que ela voltaria para mim, mas não voltou. A sua pérfida irmã Judá viu isto. 8 Quando, por causa de tudo isto, por ter cometido adultério, eu despedi a pérfida Israel e lhe dei carta de divórcio, vi que a falsa Judá, sua irmã, não temeu; mas ela mesma se foi e se deu à prostituição. 9 Sucedeu que, pelo ruidoso da sua prostituição, poluiu ela a terra; porque adulterou, adorando pedras e árvores. 10 Apesar de tudo isso, não voltou de todo o coração para mim a sua falsa irmã Judá, mas fingidamente, diz o SENHOR. […] 20 Deveras, como a mulher se aparta perfidamente do seu marido, assim com perfídia te houveste comigo, ó casa de Israel, diz o SENHOR.” (Jeremias 3:6-10, 20 RA)2; “Porque o teu Criador é o teu marido; o SENHOR dos Exércitos é o seu nome; e o Santo de Israel é o teu Redentor; ele é chamado o Deus de toda a terra.” (Isaías 54:5 RA)2; “Vai e clama aos ouvidos de Jerusalém: Assim diz o SENHOR: Lembro-me de ti, da tua afeição quando eras jovem, e do teu amor quando noiva, e de como me seguias no deserto, numa terra em que se não semeia.” (Jeremias 2:2 RA)2; “Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de aborrecer-se de um e amar ao outro ou se devotará a um e desprezará ao outro. Não podeis servir a Deus e às riquezas.” (Lucas 16:13 RA)2. As pessoas se tornam adúlteras espiritualmente quando tentam servir a Deus e ao mundo. Ninguém pode servir a dois senhores.

“Fazendo alusão ao conceito bíblico de Israel como a noiva de Deus, Tiago compara com o adultério espiritual a tendência dos cristãos de serem condescendentes com os costumes do mundo e serem influenciados pelas atitudes mundanas. Na realidade, eles estão escolhendo um mestre e senhor diferente.”1

“O verso seguinte, Tiago 4:5, não é fácil de entender. Alguns o consideram o verso mais difícil do Novo Testamento. A ambiguidade do texto grego é refletida nas principais traduções. Alguns consideram que o ‘espírito’ é o Espírito Santo (‘O Espírito […] em nós anseia com ciúme’, New King James Version; ‘Ele zelosamente deseja o Espírito […]’, New American Standard Bible). Outros pensam que é o espírito humano (‘Deus anseia zelosamente pelo espírito que Ele fez habitar em nós’, New Revised Standard Version e Nova Versão Internacional ). A Nova Versão Internacional (NVI) se encaixa mais com a gramática e o contexto, mas, independentemente da tradução, o significado do verso não é muito claro. Com base em um estudo cuidadoso da sintaxe do verso e do contexto imediato, os versos 5 e 6 poderiam ser traduzidos da seguinte forma: ‘Ou você acha que as Escrituras falam em vão contra a inveja? O espírito que Ele fez habitar em nós anseia, mas Ele dá maior graça. Por isso Ele diz: ‘Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes’ (Tg 4:5, 6, tradução do autor).”1

“Como os versos 1-4 deixam claro, o espírito humano (ou o ‘coração’) é cheio de desejos que, embora não sejam maus originalmente ou em si mesmos, foram transformados pelo pecado em caminhos maus. A graça é a única solução real para nossa situação. Os soberbos, no entanto, se colocaram em uma posição na qual não podem facilmente receber essa graça. Alguém escreveu que recebemos graça como mendigos segurando uma caneca diante de uma cachoeira. Somente uma pessoa humilde, mansa e consciente de sua absoluta necessidade e dependência está aberta à graça, ao favor imerecido concedido àqueles que são, em todos os sentidos, indignos. Como Ellen G. White escreveu: ‘Nossa grande necessidade é nosso único título à misericórdia divina’ (O Desejado de Todas as Nações, p. 317).”1

“Analise sua vida. Com base em sua reflexão, qual é o seu grau de necessidade da graça de Deus? De que maneira somente a cruz responde a essa necessidade?”1

Quarta-feira, 19 de novembro de 2014. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio  da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico.

__________________

1 LIÇÕES da escola sabatina. Carta de Tiago. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, n. 478, Out. Nov. Dez. 2014. Adulto, Professor.

2 BIBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada no Brasil. 2. ed. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

Da ruptura à amizade

Lições da Bíblia.

“Paulo e Barnabé trabalharam juntos testemunhando sobre Jesus. Mas houve um conflito entre eles (At 15:36-39). Paulo não podia confiar em alguém tão medroso como João Marcos. Os potenciais perigos de pregar o evangelho, em algum momento fizeram com que João Marcos abandonasse Paulo e Barnabé e voltasse para casa.”

“Essa deserção fez com que Paulo, por algum tempo, julgasse Marcos desfavoravelmente e até mesmo severamente. Por outro lado, Barnabé se inclinava a desculpá-lo devido à sua inexperiência. Estava ansioso para que Marcos não abandonasse o ministério, pois nele via qualidades que o habilitariam para ser útil obreiro de Cristo” (Ellen G. White, Atos dos Apóstolos, p. 170).

“Embora Deus tenha usado todos esses homens, os problemas entre eles precisavam ser resolvidos. O apóstolo, que pregava a graça, necessitava estendê-la a um jovem pregador que o tinha decepcionado. O apóstolo do perdão necessitava perdoar. João Marcos cresceu com a orientação positiva de Barnabé e, finalmente, o coração de Paulo foi aparentemente tocado pelas mudanças.”

“1. O que as cartas de Paulo, enviadas da prisão a Timóteo e à igreja de Colossos, revelam sobre seu relacionamento renovado com João Marcos e sua nova confiança nesse jovem pregador?” Saúda-vos Aristarco, prisioneiro comigo, e Marcos, primo de Barnabé (sobre quem recebestes instruções; se ele for ter convosco, acolhei-o), e Jesus, conhecido por Justo, os quais são os únicos da circuncisão que cooperam pessoalmente comigo pelo reino de Deus. Eles têm sido o meu lenitivo.” (Colossenses 4:10-11 RA); “Somente Lucas está comigo. Toma contigo Marcos e traze-o, pois me é útil para o ministério.” (2 Timóteo 4:11 RA). “Paulo orientou a igreja a receber Marcos, que era companheiro de trabalho e um conforto para o apóstolo. Pediu que Timóteo levasse Marcos, porque lhe era útil para o ministério.”

“Embora sejam incompletos os detalhes da reconciliação de Paulo com João Marcos, o registro bíblico é claro: João Marcos se tornou um dos companheiros de confiança do apóstolo. Ele foi altamente recomendado por Paulo como um ‘cooperador’ para a igreja de Colossos. No fim da vida, Paulo encorajou Timóteo a trazer João Marcos para Roma, porque ele era ‘útil para o ministério’ (2Tm 4:11).”

“O ministério de Paulo foi enriquecido com o jovem pregador a quem ele havia perdoado. A barreira entre eles estava desfeita e eles foram capazes de trabalhar juntos na causa do evangelho.”

Domingo, 15 de setembro de 2013. Saiba mais, ouça o Comentário em áudio da Lição da Escola Sabatina (LES) ou se preferir faça um Curso Bíblico. Este conteúdo é uma adaptação da LES publicado simultaneamente no Blogspot e WordPress. Para impressão acesse arquivo em PDF

Apelo pastoral de Paulo

Lições da Bíblia.

“Eu lhes suplico, irmãos, que se tornem como eu, pois eu me tornei como vocês. Em nada vocês me ofenderam” (Gl 4:12, NVI).

“O evangelho que pregamos deve ser o evangelho que vivemos. Não há nada mais irresistível do que um cristão que tenha pleno amor por Jesus Cristo e compromisso com a salvação dos seres humanos perdidos. Após forte argumento espiritual, Paulo fez um apelo emocional para que os gálatas permanecessem no evangelho da graça.”

“Como temos visto até agora, Paulo não mediu as palavras para com os gálatas. Sua linguagem forte, no entanto, simplesmente refletia a paixão inspirada que ele sentia com relação ao bem-estar espiritual da igreja que havia fundado. Além da questão teológica crucial com a qual Paulo estava lidando, a carta aos gálatas também mostra, em sentido amplo, como é importante a doutrina correta. Se o que acreditamos não fosse importante, se a correção doutrinária não tivesse tanta importância, por que Paulo teria sido tão fervoroso e tão determinado em sua carta? Naturalmente, a verdade é que aquilo em que acreditamos importa muito, especialmente em toda a questão do evangelho.”

“Eu lhes suplico, irmãos, que se tornem como eu, pois eu me tornei como vocês. Em nada vocês me ofenderam; como sabem, foi por causa de uma doença que lhes preguei o evangelho pela primeira vez. Embora a minha doença lhes tenha sido uma provação, vocês não me trataram com desprezo ou desdém; ao contrário, receberam-me como se eu fosse um anjo de Deus, como o próprio Cristo Jesus. Que aconteceu com a alegria de vocês? Tenho certeza que, se fosse possível, vocês teriam arrancado os próprios olhos para dá-los a mim. Tornei-me inimigo de vocês por lhes dizer a verdade? Os que fazem tanto esforço para agradá-los não agem bem, mas querem isolá-los a fim de que vocês também mostrem zelo por eles. É bom sempre ser zeloso pelo bem, e não apenas quando estou presente. Meus filhos, novamente estou sofrendo dores de parto por sua causa, até que Cristo seja formado em vocês. Eu gostaria de estar com vocês agora e mudar o meu tom de voz, pois estou perplexo quanto a vocês.” (Gl 4:12-20 NVI).

“Em Gálatas 4:12-20, Paulo continuou seu discurso, embora tivesse mudado um pouco sua abordagem. Paulo havia apresentado uma série de argumentos detalhados e sofisticados teologicamente para persuadir os gálatas quanto a seus erros, e então, ele fez um apelo mais pessoal e pastoral. Ao contrário dos falsos mestres que não tinham nenhum interesse verdadeiro nos gálatas, Paulo revelou genuína preocupação, aflição, esperança e amor de um bom pastor por seu rebanho rebelde. Ele não estava apenas corrigindo a teologia, mas estava procurando ministrar àqueles a quem amava.”

Saiba mais, estude a Lição da Escola Sabatina (LES) – sábado 19 de novembro de 2011. Escolha o formato para o estudo: Texto, Comentário em áudio ou se preferir faça um Curso Bíblico. Este conteúdo é uma adaptação da LES e é publicado simultaneamente em: Blogspot, WordPress. Para impressão acesse arquivo em PDF

O elevado ofício da amizade. “surgiu tão grande amizade entre Jônatas e Davi que Jônatas tornou-se o seu melhor amigo” (1 Sam 19:1 NVI).

Lições da Bíblia.

“A amizade é diferente da maioria das outras relações, que com frequência são legalmente reguladas e controladas. Em muitas culturas, os pais escolhem o cônjuge para os filhos. Evidentemente, nenhum de nós chegou a escolher pais, irmãos e a família mais ampla. Porém, podemos escolher os amigos. A amizade atravessa todas as fronteiras. A amizade também pode influenciar outras relações. Cantares de Salomão 5:16 nos mostra o papel da amizade em uma relação matrimonial (‘O seu falar é muitíssimo doce; sim, ele é totalmente desejável. Tal é o meu amado, tal, o meu esposo, ó filhas de Jerusalém.’ Cant. 5:16). A verdadeira amizade é uma relação completamente voluntária, e talvez seja por isso que é tão envolvente. Não requer que se cumpra a letra da lei mas, ao contrário, destaca o dar de si mesmo.”

“1 Samuel 18:1 descreve a amizade entre Jônatas e Davi. Diz que ‘surgiu tão grande amizade entre Jônatas e Davi que Jônatas tornou-se o seu melhor amigo’ (NVI).” Vejamos as características de amizade destacadas em alguns versos bíblicos:

  • Comunicação – “Falava o SENHOR a Moisés face a face, como qualquer fala a seu amigo; então, voltava Moisés para o arraial, porém o moço Josué, seu servidor, filho de Num, não se apartava da tenda.” (Êxo. 33:11)
  • Amor – “Em todo tempo ama o amigo, e na angústia se faz o irmão.” (Prov. 17:17)
  • Cordialidade – “Como o óleo e o perfume alegram o coração, assim, o amigo encontra doçura no conselho cordial.” (Prov. 27:9)
  • Companheirismo – “Porque se caírem, um levanta o companheiro; ai, porém, do que estiver só; pois, caindo, não haverá quem o levante.” (Ecles. 4:10)
  • Fidelidade – “Em todo tempo ama o amigo, e na angústia se faz o irmão.” (Prov. 17:17)

“A maioria de nós esperaria que uma mãe esteja preparada para morrer a fim de salvar a vida de seu filho ou que um homem proteja a família, seja qual for o custo para si mesmo. Essas fortes relações são admiráveis, normais e um reflexo do amor de Deus por nós. Mas esse é um instinto que compartilhamos com muitas espécies de animais.”

“A amizade é muito mais que instinto. A verdadeira amizade deve ser nutrida pela comunicação. Os amigos existem para ajudar em todos os desafios da vida, não só para compartilhar os “momentos agradáveis”. Podemos formar o presente e o futuro dos nossos amigos oferecendo conselhos sábios, encorajamento e pela oração em seu favor. Jônatas evidenciou essas características em sua amizade com Davi. Jônatas mostra que amizade envolve mais do que conversa; um amigo está pronto a dar ajuda prática, mesmo sob grande risco pessoal. Frequentemente, Jônatas intercedia por Davi perante seu pai, o rei Saul (1Sm 19:4). Jônatas tomava tempo e enfrentava dificuldades para encontrar Davi quando este era fugitivo e para encorajá-lo no Senhor (1Sm 23:16).”

Saiba mais, estude a Lição da Escola Sabatina – domingo, 17 de outubro de 2011. Escolha o formato para o estudo: Texto, Comentário em áudio ou se preferir faça um Curso Bíblico.

Este conteúdo é publicado simultaneamente em: Blogspot, WordPress. Para impressão acesse arquivo em PDF